Domingo, 20 de Julho de 2014

JÚLIO DUARTE - Irmão de Alfredo marceneiro

JÚLIO DUARTE

Como seu irmão Alfredo Duarte «Marceneiro» Júlio Duarte pertenceu a um núcleo de fadistas que sabiam ser fadistas, que cantava o Fado amando-o, merecendo o apreço do público e dos seus colegas.

Nasceu em Lisboa, na Freguesia de Santa Isabel, e é manufactor de calçado. Até casar viveu sempre com a mãe e os seus irmãos, tendo pelo irmão mais velho, o Alfredo, uma admiração muito especial, considerava-o como um pai.

Tinha apenas 14 anos quando começou a cantar o Fado, estreando-se no Centro Republicano Miguel Bombarda, sendo muito solicitado para actuar em academias de recreio, festas de caridade e e actuou em quase todos os retiros da época. Actuou no antigo Teatro Étoile , na calçada da Estrela, fazendo números de variedades com a pequenina actriz Hortense de Castro.

Torna-se profissional em 1928. Cantou-o então, nas cervejarias Boémia, Cervejaria Jansen , Rosa Branca, Chagas, Vitória, Cafés Portugal, Sul-América , Anjos, Julio das Farturas, Solar da Alegria (quando da gerência. de Alberto Costa), Salão Artístico de Fados, teatros Capitólio e Joaquim d'Almeida , nos clubes Tauromáquico, Olímpia, Montanha, Patos, Alhambra, e nos. Cinemas Europa, Jardim-Cinema , Cine Paris e Royal . Percorreu as províncias, cantando nos te­atros de Évora, Barreiro, Seixal, Montijo. Setúbal, Torres Vedras, Malveira, Quinta do Anjo, Torres Novas, Caldas da Rainha, Mafra, Cadaval, Figueira da Foz, Abrigada, Cascais, Estoril, Moita, Parede, Paço d' Arcos, Alenquer, Feliteira, Merceana e Benavente.

Cantou nas casas fidalgas do Conde da Torre e Conde de Sabrosa, nas herdades do opulento lavrador Palha Blanco.

Tal como o seu irmão Alfredo, foi autor de várias músicas para Fados, “Combatentes”, “Crença”, “Fado da Paz”, “Fado da Aldeia” (gravado por Ercília Costa), “Fado Marcha”, “Lágrimas”, (gravado por Maria do Carmo), e ”Fado Luso”.

Da sua carreira de cantador, há uma tarde que Júlio Duarte gravou na memória, por assinalar um dos seus maiores êxitos, foi em Vila Franca de Xira, no Retiro Botão de Rosa, onde cantou ao lado de Júlio Proença, Estanislau Cardoso e João Maria dos Anjos, forma acompanhados pelo guitarrista e cantador Carlos Ramos e á viola por Armando Machado, e também uma cena que se passou nessa altura.Encontravam-se ali dois detractores do Fado, comba­tendo-o grosseiramente. Então, bastante enervado, tanto ele como os seus colegas, começaram a cantar, sendo de tal modo aplaudidos por toda a assistência que enchia a casa, que aqueles tiveram de retirar-se vexados e... ven­cidos. Foi uma tarde de triunfo.

Por último, Júlio Duarte actuava no Retiro da Severa, Solar da Alegria, Cafés Gimnasio, Luso e Mondego, Foi também muito solicitado para actuar na rádio, Emissora Nacional, Rádio Luso, Rádio Graça e Rádio Peninsular.

Cantou muitas vezes com o irmão, que só se profissionalizou mais tarde, embora tendo a fama que se sabe, mas já não assistiu a esse acontecimento, pois faleceu prematuramente.

Júlio Duarte, foi casado com uma fadista de renome na época, Leonor Duarte, de quem teve duas filhas, a Júlia e a Aida.

Júlio Duarte tem no seu repertório as seguintes sextilhas do poeta popular João de Sousa (Bacalhau), que ele cantanva com inexcedível sentimento no “Fado Marcha Pedro Rodrigues”

 

                                         INGENUIDADE

 

Um dia, uma criança
Teve a genial lembrança
Que aqui lhes vou contar:
Muito embora pequenino,
Ele tinha muito tino,
Mas era raro brincar.
                                 Havia no seu quintal
                                 Uma árvore e, por sinal,
                                 Um melro fez lá o ninho...
                                 E lembrou à criancinha,
                                 Com um carrinho de linha,
                                 Trepar lá acima, sozinho.
A mãe bem o procurou,
Porém não o encontrou,
E após tê-lo chamado,
Então, um grito ela ouviu,
O garotinho caiu
Cá em baixo inanimado.
                                  Prestes a deixar o mundo,
                                  O garoto moribundo,
                                  Com a palidez do mármore,
                                  Disse: Não foi pelo ninho,
                                  Foi p'ra salvar o paizinho.
                                  Que subi aquela árvore.
«Ainda me lembro bem
Do doutor ter dito á mãe,
Que com custo a prevenia,
Que, quando as folhas caíssem
E a nossa árvore despissem,
O meu paizinho morria.
 
                                  Por isso levei as linhas,
                                  P´rás prender, bem prendedinhas,
                                  E todas elas atei;
                                  Ele agora já não morre
                                  Anda, vai-lhe dizer, corre,
                                  Que eu morro, mas que o salvei!
 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Raízes do fado
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Assis Guerreiro a 18 de Março de 2008 às 18:33
Como pode ainda haver dúvidas que "MARCENEIRO", foi e será sempre o expoente máximo do Fado.
Fiquei a conhecer mais dois elementos desta grande "dinastia" que muito deu ao Fado.
AG
De José Monge a 9 de Novembro de 2013 às 02:12
Um fado com um poema que marcou a minha vida. E não consegui conter as lágrimas ao recordar estes versos. Gostava de poder voltar a ouvi-lo...
De Vítor Marceneiro a 9 de Novembro de 2013 às 10:41
Caro Amigo
Obrigado pelo seu contacto, infelizmente não consigo satisfazer o seu pedido. Como eu gostaria também de ouvir este meu tio-avô. Mas também é muito improvável hoje cantar-se e gravar-se uns versos deste tamanho e tema. Um abraço Vítor Marceneiro
De Bruno Freixinho a 3 de Agosto de 2014 às 02:12
Sem desrespeito para com ninguém, quando ouvi o meu falecido avô (João Veloso Guimarães) a cantar e tocar este fado, foi sem duvida nenhuma dos muitos fados que cantou entre familia o mais bonito que ouvi até hoje. Não sei se é um dos fados que ficou gravado em cassete pelo meu pai, mas vou ver. Fico doente só de pesquisar no youtube e nem um fadista aparece a cantar este fado!!! Nem uma mão chega para apontar quem realmente é fadista , aos meus ouvidos.
De claudia a 7 de Dezembro de 2014 às 14:45
Olá, fico também desiludida por nao haver nenhum registo deste fado cantado pelo autor, felizmente gravei o meu avo a cantá.lo antes de falecer , foi um fado que marcou muito a minha familia e que nos levou a prestar grande homenagem ao colocar-mos folhas atadas com um cordel no caixao. obrigada por estas informações!
De António Serra Neves a 17 de Setembro de 2017 às 11:57
Ouvi este fado cantado pelo meu pai, 2 ou 3 vezes em reuniões de amigos e adorava ouvi-lo de novo na boca de alguém. Hoje tive a felicidade de encontrar a letra que há tanto tempo procurava e recordar o meu saudoso pai e chorei, chorei de felicidade
Obrigado por ter postado esta relíquia

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags