Quinta-feira, 17 de Julho de 2008

AMÁLIA É DO POVO

 

 

Foto montagem Amália no Panteão

© Vítor Duarte Marceneiro

A 23 de Julho Amália faria 88 anos

Transladação
Amália é do Povo

 

 

Amália repousa finalmente no Panteão Nacional. A grande senhora do fado, a mulher do povo, a voz de Portugal descansa desde ontem [dia 8 de Julho de 2001] na sua última morada. Os restos mortais da fadista foram depositados na Sala de Língua Portuguesa, junto a figuras célebres da nossa cultura como Guerra Junqueiro, Camilo Castelo Branco e João de Deus. Numa homenagem nacional, a trasladação do corpo da diva do fado do Cemitério dos Prazeres para o monumento, decorreu como se de um funeral se tratasse. Centenas de pessoas não arredaram pé dos locais por onde a urna iria passar. A Rua de S. Bento (onde Amália viveu nos últimos anos) era das mais aguardadas.

Contudo, os ânimos exaltaram-se quando o povo se apercebeu que o carro funerário, escoltado por nove motos da divisão de trânsito da PSP, sob o comando do capitão João Cartaxo, não iria parar o tempo necessário para poderem prestar uma última homenagem à fadista. Apenas conseguiram atirar pétalas de rosa, acenar com lenços brancos e gritar: "Amália, Amália, Amália". Diga-se em abono da verdade que o trajecto do cemitério até ao Panteão mais parecia uma maratona, quase impossibilitando que se seguisse o veículo. Mas houve quem o tenha conseguido. Um idoso, de fato e gravata, seguiu o carro funerário numa bicicleta, mostrando que a sua devoção a Amália é maior do que o peso da sua idade. No nº 193, onde Amália viveu até 6 de Outubro de 1999, as janelas estavam fechadas mas a fadista era representada por um xaile preto e uma rosa branca pendurados na varanda. Entretanto, já no Panteão, os populares juntavam-se e tentavam ultrapassar o gradeamento e a barreira policial, localizada no cima da escadaria do monumento, na tentativa de ver mais de perto o caixão coberto com a Bandeira Nacional. No momento, os privilegiados eram individualidades do mundo do espectáculo e da política, familiares, amigos e comunicação social.

 

"Manifestação de saudade"

António Guterres, sentado ao lado de Almeida Santos, falou ao Correio da Manhã, para acentuar que a homenagem se tratava "de uma manifestação de saudade". "É impossível vê-la e ouvi-la - a não ser pelos discos que temos em casa -, mas a sua presença faz falta a todos os portugueses", disse. Ao som do Coro dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra, acompanhados por um grupo de guitarras (Raul Nery, Fontes Rocha, José Luís Nobre Costa e Pinto Varela) e violas (Joel Pina, Francisco Perez Andion, Jorge Fernando, Lelo Nogueira e Tó Moliças), a chegada dos restos mortais de Amália foi acompanhada por um misto de euforia, emoção e lágrimas. Os populares não se fizeram rogados, aplaudiram, choraram e, mais uma vez, gritaram: "Amália é do povo".

 

Seguiu-se a interpretação de fados da cantora como "Estranha Forma de Vida", "Ai Mouraria", "Fado do Ciúme", "Lisboa Não Sejas Francesa", "Povo Que Lavas no Rio" e "Fado Malhoa". O Hino Nacional ecoou então pela zona envolvente do Panteão, num momento arrepiante em que as lágrimas voltaram a rolar. Posto isto, Jorge Sampaio usou da palavra e discursou de forma emocionada, mas simples (ver caixa). Mais uma vez, a música soou, mas o tempo urgia e era chegada a altura de Amália ser recebida pelo Panteão Nacional - a urna foi depositada na sala tumular, aberta pouco depois aos populares, para, posteriormente, ser conduzida à Sala da Língua Portuguesa, onde durante a noite se procedeu à selagem do túmulo.

 

Opiniões divergem

As opiniões sobre a trasladação dos restos mortais de Amália foram contraditórias. Durante a cerimónia religiosa, no cemitério (ver caixa), podiam ouvir-se comentários como "Amália é do povo, devia estar junto do povo", "Amália deve ir para o Panteão por ser um símbolo de Portugal" ou, ainda, "Quem é que pode estar a pagar 400 escudos por cada visita?" Quando questionado sobre esse mesmo pagamento, o primeiro-ministro salientou ao CM que a quantia era "para ver o Museu". "Mas os devotos de Amália podem visitar o seu túmulo gratuitamente todos os domingos de manhã, nos aniversários (nascimento e morte) e no Dia de Todos os Santos", explicou.

 

"Deusa, Musa, Genial"

A homenagem nacional iniciou-se por volta das 09h00, quando os restos mortais da diva do fado foram retirados do gavetão e levados para o interior da capela do Cemitério dos Prazeres. A manhã ainda estava a começar mas as pessoas já rumavam ao local. Quando por volta das 14h15, as portas se abriram e, pela primeira vez desde 8 de Outubro de 1999, se viu a urna de Amália, vozes se ergueram e o nome da fadista ecoou nos claustros da capela. A entrada fez-se, ordeiramente, com responsáveis da agência Magno a coordenarem a movimentação do povo que queria chegar junto à urna ladeada por quatro guardas-de-honra. Para quem esperava uma enchente de curiosos, seguidores, admiradores, familiares, amigos e figuras públicas, enganou-se. Pelo menos, à hora de abertura das portas. A razão para a fraca afluência no início da homenagem deveu-se sobretudo à intenção da população em dividir-se entre a cerimónia religiosa no cemitério e as oficiais no Panteão Nacional. Ainda cá fora, antes da abertura das portas, o Correio da Manhã conseguiu falar com D. Filipina, mulher do irmão mais velho de Amália, Vicente, que, segundo a viúva, "morreu três meses depois" da diva por causa "do desgosto".

 

Emocionada e expectante, D. Filipina aguardava que a capela fosse aberta ao público e foi frisando que a família estava feliz com tudo o que estava a acontecer. "Penso que ela vai para o lugar certo onde pode ser admirada", disse, acrescentando que a trasladação já devia ter acontecido. No interior da capela, fados de Amália passavam de boca em boca, como que quisessem espantar a emoção, a dor, as lágrimas. Até o "Malhão, Malhão" foi incluído no repertório dos presentes. Durante as horas que antecederam a cerimónia religiosa, os populares ocuparam o tempo a distribuir poemas, letras das músicas da diva e até houve quem trouxesse para o local sagrado um rádio para ouvir a grande voz. Junto à urna, ainda dentro da capela, as pessoas deixaram ramos de flores e até um livro com poemas de Ary dos Santos, Natália Correia e Pablo Neruda. No livro das condolências, podiam ver-se assinaturas de familiares, amigos e simples admiradores, residentes no País e no estrangeiro. Cá fora, Joaquim Geada, um fã de Amália, segurava apático uma Bandeira Nacional com a inscrição: "Deusa, Musa, Genial. Serás eternamente a voz de Portugal". Empregado de mesa, serviu a fadista, em Luanda, em 1970, e depois teve "a honra" de lhe oferecer flores por quatro vezes. Um gesto que a morte de Amália não travou.

Texto de Rita Montenegro, publicado no Correio da Manhã - 09 de Julho de 2001

 

Em 1940 escrevia-se assim sobre Amália

  Jornal “Canção do Sul” de 1 de Março de 1940, assinava João Reis

 

 

Amália Rodrigues

O Rouxinol da Beira Baixa

 

Onde quer que se encontre Amália Rodrigues, cantando, logo uma multidão de apreciadores de bom fado a vai escutar, cativada por aquela “vózinha” sã, essencialmente castiça e tocada milagrosamente do saudosismo antigo, que, a despeito das canções modernas, ainda é a graça que enche os corações e completa as almas, hoje em dia a viverem quase que totalmente esvaziadas do bom sentimento fadista.

O público, embora juiz do seu gosto, senão do seu apuro artístico, é também o advogado omnisciente que defende ou ataca os seus artistas, e ele, que classificou Amália Rodrigues, como um novo rouxinol (o rouxinol da Beira Baixa) não se enganou.

Sim não se enganou!

Não há possíveis enganos quando o coração fala. Os olhos tantas vezes iludem. Mas a sístole e a diástole são sinetas que dão o rebate autêntico. Pois, meus senhores, quantas vezes será preciso dizer que o coração é a bitola do fado?

Amália Rodrigues canta o fado antigo, só o fado antigo. Exprime-o com aquela ternura entusiástica que bule  nos nervos, dos mais insensíveis. A seu lado até a guitarra, de acordes nervosos, já de si, é tomada de outros nervos, mais vibráteis. Depois a cadência da sua voz, de ritmo fiel, inabalável, é de uma perfeição quase absoluta (passe o rigor da apreciação).

Perfeições na espécie humana não existem. Mas, com 19 anos, (tantas são as primaveras de Amália Rodrigues) — algo de definitivo já poderemos decifrar.

Ela, quando contrariou seus pais, para seguir a profissão fadista, não tomou melhor o prognóstico — embora a si se relacionasse — do que nós, simples espectador-jornalista. Assim, firmes na pratica de que dispomos, estamos autorizados a afirmar que Amália Rodrigues - é uma novel mas já grande cantadeira. Novel porque, tem o cartão desde Julho de 1939 — grande cantadeira porque as suas qualidades artísticas. São de modo. a merecer  este adjectivo.

Quem nos haveria de predizer que aquela rapariga que tomou parte no “Concurso da Primavera” (exclusivamente nos ensaios) — alcançaria com tanto fulgor e rapidez um lugar de destaque entre as modernas fadistas! Só nos explicaria o valor de que ela fora nimbada pelo Destino! Só, esse misterioso Destino  nos  esmiuçaria das razões das voltas que o mundo dá...

E talvez esse Deus cego nos desse conta da nossa paixão pelo fado. Talvez esse enigma dissesse que a palma da ventura era outorgada pela sua mão àqueles que não o contrariam.

E talvez essa esfinge mitológica concluísse com razões de sobra que a aura de Amália Rodrigues é fruto da sua confiança no Destino.. Talvez...

Amália Rodrigues tinha de ser artista, não o contrariou e...venceu ...

 

                                     A Ronda dos Bairros

                               Letra de: Francisco dos Santos

 

Sentindo-me fadista e reforçando a amarra

Que prende no meu peito a sensibilidade,

Sobraçando, contentei  uma velha guitarra

De noite percorri os bairros da cidade.

 

                          Em todos eu cantei uma trova de amor

                          Em Alfama,  Madragoa, em Alcantara e por Belém,

                          Subi a velha Graça, o bairro sonhador,

                          Aonde o fado vibra eternamente bem.

 

Eu quis saber assim onde melhor cantava

Unida a convulsão da minha nostalgia.

E ás quatro da manhã eu reparei que estava

Junto de uma capela, ali na Mouraria!

 

                          Senhora da Saúde,  a santinha benquista,

                          Parece que escutou a trova que cantei

                          Senti-me mais mulher, senti-me mais fadista,

                          Na velha Mouraria aonde o fado é lei ...

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:50
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags