Quarta-feira, 15 de Outubro de 2008

A ÁRVORE - Uma árvore pode acompanhar uma vida.

A reedição desta página é dedicado aos resposáveis do HOSPITAL DA COVILHà

 

"UMA ÁRVORE PODE ACOMPANHAR UMAS VIDA"

 Leiam com atenção a notícia que saiu no jornal Díario de Notícias do dia 13 deste mês, É uma notícia da Lusa e foi colocada na página 14 ao fundo do lado direito,sem qualquer destaque.

 

 

 

ÁRVORES

O meu filho Alfredo, que tem oito anos, em virtude de na escola terem feito uma série de trabalhos sobre a á rvore, veio-me propor para eu fazer um aviso às pessoas para não fazerem mal às á rvores, na "nossa internet"

Aqui est á a seu pedido uma homenagem á árvore, que ali á s o Fado e os Fadistas não olvidam.

ORAÇÃO DA ÁRVORE

 

Tu que passas e ergues para mim o teu braço,
Antes que me faças mal, olha-me bem.
Eu sou o calor do teu lar nas noites frias de Inverno;
Eu sou a sombra amiga que tu encontras
Quando caminhas sob o sol de Agosto;
E os meus frutos são a frescura apetitosa
Que te sacia a sede nos caminhos.
Eu sou a trave amiga da tua casa,
A t á bua  da tua mesa, a cama em que tu descansas
E o lenho do teu barco.
Eu sou o cabo da tua enxada, a porta da tua morada,
A madeira do teu berço, o aconchego do teu caixão.
Eu sou o pão da bondade e a flor da Beleza.
TU QUE PASSAS, OLHA-ME E NÃO ME FAÇAS MAL.

     

 

 

Poema de Veiga Simões, Arganil, Maio de 1914

VideoClipe: Realização Vítor Duarte Marceneiro

Figurantes: Alfredo Duarte e Beatriz Duarte (4ª Geração de Marceneiro)

Ideia recolha de fotos na net: Alfredo Duarte

Palavras ditas por: Vitor Duarte Marceneiro

Música: Fado Ana Maria de Alfredo Marceneiro

Interprete: Arménio de Melo à Guitarra. Viola Jaime Santos, Viola Baixo José Elmiro


"LARANJEIRA FLORIDA"

 

Letra de Julio César Valente

Música: Fado Alexandrino de Alfredo Marceneiro

Repertório de: Alfredo Marceneiro

 

           Em tenra a laranjeira

           Ainda pequenina

           Onde poisava o melro

          Ao declinar do dia

          Depois de te beijar

          A boca purpurina

          Um nome ali gravei

          O teu nome Maria

 

 

Em volta um coração

também com arte e geito

Ao circundar teu nome

A minha mão gravou

Esculpi-lhe uma data

E o trabalho feito

Como sêlo de amor

No tronco l á ficou

 

                                 Mas no rugoso tronco

                                 Eu vejo com saudade

                                 O símbolo do amor

                                 Que em tempos nos uníu

                                  Cadeia de ilusões

                                  Da nossa mocidade

                                  Que o tempo enferrujou

                                  E que depois partiu

 

E à linda laranjeira

Altar pregão d´amor

Que tem a cor da esperança

A cor das esmeraldas

Vão as noivas colher

As simbólicas flores

Para tecer num sonho

As virginais grinaldas


OS PINHEIROS

Letra: Carlos Conde

Música: Fado do Porto

Repertório de: Alfredo Duarte Jr.

 

Num grande país do norte

Muito distante do nosso

Todo cercado por mar

Andei em busca da sorte

Tinha saúde era moço

Pedi para trabalhar

 

Deram-me um machado novo

E apontaram-me distante

Um pinhal junto da serra

Transpus um povo, outro povo

Que davam a todo o instante

Ideia da minha terra

 

Cheguei lá ergui os braços

E dois pinheiros convulsos

Cairam mortos no chão

Fi-los depois em pedaços

Eu tinha alugado os pulsos

Para ganhar o meu pão

 

  Quando a luz já era menos

  Fui fazer a minha cama

  E detive-me com espanto

  Vendos os pequenos pinheiros

  Deixando cair da rama

  Gotas amargas de pranto

 

 

Acordei entrestecido

Revi todos os meus trilhos

E quase insultei os céus

A vida toda ela é um crime

Para sustentar os meus!


É justo relembrar El Rei D. Dinis, O Lavrador, que no meu tempo da primária. tinhamos que saber, que entre vários feitos, mandou plantar o pinhal de Leiria, parece que hoje não é importante, mas esta ideia do meu filho Alfredo, serviu também para eu  lhe falar deste nosso rei, porque na escola ainda não falaram "destas coisas"!

 El Rei D. Dinis, foi um dos mais marcantes vultos do Portugal medieval. Protector da agricultura, mandou plantar  o pinhal de Leiria e povoou o litoral. Criou a Universidade e abriu horizontes culturais à Nação. O rei “Trovador”, famoso pelas suas românticas cantigas de amigo, foi uma espécie de inventor da elegância. Destacou-se a escrever e tornou o português na língua oficial do País. Rei poeta, cortejou as artes.

  

Pinhal de Leiria

 


Recebi após a publicaçâo desta página, um comentário do meu querido amigo e já habitual comentador Domingos Mesias, cujas notas com que nos tem brindado dão a conhecer ser possuidor de uma cultura geral digna de registo.

Achei uma ternura o  poema dedicado à sua "filhota" Ana Sofia, sendo curioso que ambos partilhamos das mesmas ideias e valores  que transmitimos aos nossos filhos.

 

Pedi-lhe para me enviar uma foto da "filhota" e se podia dar destaque ao seu apontamente, ao que ele acedeu.

 

Querido amigo Marceneiro,
A seguinte frase pertence ao feedback que obtive ao enviar este endereço de blogue ao meu parente Manuel Teixeira que nasceu e vive nos Estados Unidos da América e que nutre connosco, em comum, esta intemporal paixão pelos assuntos do FADO:
«i love the poem written by the eight year old about protecting trees!!!».
Todos nutrimos, verifico também, a encantadora tarefa de ser-mos pais e educadores de nossa geração.
Fica, da minha autoria, escrito até antes umas semanas de vir a ser pai, em 2001:


ANA SOFIA


Sê bem vinda, rebento meu.
Herdeira de mim e do Céu
Consigas ver nossa Luz,
Nos tragas mais fé no amor
E tamanho à felicidade,
Nos proves que Quem nos conduz
Nos Quis a todos sem idade.
Vem e trás dos mais lindos sonhos,
De todos ainda por sonhar,
Que, em esta vida por viver
Que iremos poder partilhar,
Saibamos do que tem que ser
E nos saibamos ensinar
A ser livres e responsáveis,
A ser felizes e a amar.
Vem saber o que a vida pede,
Vem buscar o que a vida dá,
Vem-me conhecer, que por breve
Possamos conhecer-nos cá.
Domingos Manuel Teixeira Mesias.
Tue, 09 Oct 2007 09:36:42 GMT:


P.S. Deixo referido que por via da divulgação que o amigo produz já aprendemos, eu a a Ana Sofia, toda a parte cantada da Marcha do Centenário. Sementes de amor por Lisboa...

 

 

E DIGAM  LÁ SE ISTO NÃO É FADO....

 

 NOTA DO AUITOR: Esta página foi já publicada em 9 de Outubro de 2007, acho pernitente relembrar, será que num ano algo mudou?

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags