Segunda-feira, 9 de Abril de 2012

EL REI DOM AFONSO HENRIQUES - 1º CIDADÃO PORTUGUÊS

Foi o primeiro rei de Portugal, um dos Estados mais antigos da Europa. Definiu, através de várias conquistas, praticamente o território que é hoje Portugal. Soube sacrificar-se em nome de um sonho quando lutou contra a mãe em São Mamede e fez as pazes com Afonso VII, rei de Leão e Castela. Após a mítica batalha de Ourique, foi coroado rei. Foi um homem sem medo. Nasceu em Guimarães e morreu em Coimbra, onde está sepultado. Quando deu por terminada a obra, o território nacional estava quase delineado.

Nasceu presumivelmente em Guimarães em 1111, Governou durante 57 anos, 45 dos quais com o título de rei.

Com a morte do pai, o conde D. Henrique de Borgonha, é deixado aos cuidados de um aio, de nome Egas Moniz. A mãe, D. Teresa, filha ilegítima do rei de Leão e Castela, governaria o Condado Portucalense até que atingisse a maioridade.

 Afonso Henriques cedo aprendeu a subverter. Aos 14 anos, o infante armou-se cavaleiro na catedral de Zamora, em Espanha. Ali “tomou por suas próprias mãos, do altar de São Salvador, as armas militares e ali mesmo, no altar, as vestiu e cingiu […] Vestiu-se com a cota assim como Gigas, que era de grande corpulência, e cingiu-se com as suas armas de guerra”. Nascia um mito.

De imediato, os fidalgos de Portucale fazem do infante o porta-estandarte da luta pela independência dos seus domínios face a Leão, que D. Teresa tinha iniciado. Durante a regência, D. Teresa enamorou-se de um nobre galego, Fernão Peres de Trava, e cedeu-lhe o lugar na condução dos destinos do território. O objectivo do conde de Trava era simples, desposar D. Teresa e retirar ao filho desta o poder. Deu-se início a uma luta que só teve fim em São Mamede, perto de Guimarães, no ano de 1128. Afonso saiu vitorioso,  enfrentou tudo sem fragmento de temor, tinha uma fé implícita nas reservas inesgotáveis do seu corpo, e logo D. Teresa e Fernão saíram de cena. 

Embuido com as quesilias com Castela, mal dá pelo ataque dos muçulmanos, que tinham tomado Leiria e Tomar e chegavam às portas de Coimbra. Para fazer-lhes frente, Afonso Henriques pede tréguas ao rei castelhano, fortifica o Sul do reino e parte para a guerra contra os muçulmanos.

É nos campos da alentejana terra de Ourique que cimenta a sua aura de “escolhido” por Deus, a batalha contra uma coligação de reis mouros deu-se no dia 25 de Julho, dia de Santiago, “o Matamouros”. No dia anterior, segundo a lenda, Jesus Cristo aparecera-lhe, homem de f´+e acreditou que venceria, apesar de o inimigo estar em superioridade numérica. No final do dia, cinco reis mouros morreram às mãos do infante, logo aclamado rei pelas tropas. “Cinco escudos azuis esclarecidos / em sinal destes cinco reis vencidos”, canta Camões em “Os Lusíadas”, explicando a origem dos cinco escudos no brasão de Portugal.

Em 1143 D. Afonso Henriques dirige-se ao Papa Inocêncio II e declara Portugal tributário da Santa Sé. No entanto, é só em 1179 que o papa Alexandre III irá confirmar a soberania portuguesa.

Já senhor dos seus domínios, D. Afonso Henriques casa com D. Mafalda de Sabóia, em 1146, e garante descendência. Dedica-se a alargar o território, reconquistando as terras tomadas pelos mouros. Em 1147 ocupa Santarém e Lisboa, cidade conquistada graças à ajuda de cruzados que seguiam para a Terra Santa. Afonso I de Portugal convencera-os de que a luta contra o infiel poderia ser feita em qualquer lado... E que o saque, sempre valioso, poderia servir de incentivo. Sucederam-se Palmela, Almada, Sintra, Beja, Évora, Moura, Serpa e Sesimbra. “Aos reis que se seguiram até D. Dinis,.

 Em 1169, com 60 anos, ao tentar tomar a cidade de Badajoz, fica ferido numa perna. Viveu mais 16 anos depois deste episódio.

Faleceu em 1185.

in: Wikipédia

D. Afonso Henriques - O Conquistador

 

 

A CONQUISTA DE LISBOA

 

Lisboa tinham-na os Mouros

Quem havia de a conquistar

El-Rei D. Afonso Henriques

E os Cruzados a ajudar

  

Põem cerco em toda a volta

Pela terra e pelo mar

Atacam por todas as portas

Por uma foram entrar

 

Vêm os Mouros ao combate

Oh. que forte batalhar

Tantos ferros, tantos golpes

Tanto sangue a espadanar  

 

Vencem as armas de Cristo

Há mil bocas a gritar

Arraial por D. Afonso

Que Deus o Queira guardar

 

Sobem todos ao castelo

De mãos erguidas a rezar

E lá na torre mais alta

Uma Cruz a assinalar

Que Lisboa é dos Cristãos

Que a souberam conquistar

 

Estes versos estavam no livro da 3ª classe nos meus tempos de escola, e era raro o miúdo que não os tivesse memorizado, havia um misto de orgulho e de ternura por este rei, que nos eram incutidos pelos nossos educadores, lembro-me que se contava uma lenda acerca da espada de D. Afonso Henriques... que eram preciso 7 homens para a levantar... 

Também me lembro de uns versos do mesmo livro que andava de boca em boca, quer nas crianças, quer nos adultos.

 

A BARCA BELA

 

                                  Quem quer ver a barca bela?

                                  Que se vai deitar ao mar

                                  Nossa Senhora, vai nela

                                  E os anjos vão a remar.

                                  S. Vicente, é o piloto

                                  Jesus Cristo, o general

                                  Que linda bandeira leva

                                  É A BANDEIRA DE PORTUGAL

  

 

 

Filme realizado por José Manuel Pedrosa Moreira - Porto, tema musical, AVÉ MARIA, interpretada pelo IL DIVO

 

GUIMARÃRES BERÇO DA NACIONALIDADE

 

As origens da ocupação humana na região de Guimarães são muito antigas. Nas imediações da cidade, na Penha, encontram-se sinais de presença humana que nos remetem para os tempos remotos da Pré-História. Espalhados pelo concelho, subsistem inúmeros vestígios de antigos povoados, em especial dos períodos castrejo e romano. A ocupação do território actualmente ocupado pelo centro urbano de Guimarães remete-nos para a Idade Média.

No século X, a Condessa Mumadona Dias, tia do Rei Ramiro II de Leão e viúva do Conde Hermenegildo Gonçalves, mandou construir na sua terra de Vimaranes um mosteiro duplex (misto, acolhendo frades e freiras), à volta do qual a população se foi fixando. Para defesa do povoado que foi crescendo junto do mosteiro, Mumadona fez erguer, no início da segunda metade do século X, o Castelo, que se viria a tornar num dos monumentos mais simbólicos da nacionalidade portuguesa. Em torno desse monumento, foram-se instalando moradores, dando origem a um segundo povoado.

No final da Idade Média, a vila de Guimarães cresceu entre aqueles dois pólos, em torno dos quais se constituíram duas vilas, a Vila Alta, que se erguia à volta do Castelo, no cimo da colina do Monte Latito, e a Vila Baixa, na base da colina voltada a Sul, em torno do Mosteiro de Santa Maria, que mais tarde se elevaria à condição de Real Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira. A muralha primitiva, que rodeava o Castelo, foi acrescentada no tempo do rei D. Dinis com uma nova cerca, acompanhando o crescimento da Vila Baixa. No tempo de D. João I foi derrubado o muro que separava as duas vilas, que então se unificaram num único burgo. Após o século XV, a configuração da zona intramuros de Guimarães sofrerá poucas alterações. A instalação em Guimarães das ordens religiosas de S. Francisco e de S. Domingos, fora da cerca da muralha, proporcionará a urbanização extramuros, com a consequente expansão do espaço urbano.

Guimarães foi palco de acontecimentos marcantes para a Fundação da Nacionalidade, adquirindo a partir deles a designação de Berço da Nação e a condição simbólica de capital histórica de Portugal. Em finais do século XI, D. Henrique, nobre originário da Borgonha, casou com D. Teresa, filha natural do rei Afonso VI de Leão e Castela. Como dote de casamento, recebeu o governo do Condado Portucalense. Desta união virá a nascer, provavelmente em 1109, D. Afonso Henriques. Foi o Conde D. Henrique quem outorgou a Guimarães o seu primeiro foral, em finais do século XI. Faleceu no ano de 1112, assumindo então D. Teresa o governo do território portucalense, onde já germinavam aspirações de autonomia, que viriam a ser encabeçadas pelo seu filho, D. Afonso Henriques.

No dia 24 de Junho de 1128, naquela que viria a ser designada como “a primeira tarde portuguesa”, travou-se a Batalha de São Mamede, nas imediações do Castelo de Guimarães (“in campo Sancte Mametis quod est prope castellum de Vimaranes”). Sendo tradicionalmente apresentada como um recontro entre D. Teresa e o seu filho rebelde, Afonso Henriques, São Mamede foi, de facto, o primeiro episódio da História de Portugal. Nela se bateram os que advogavam a independência do território contra os defensores da vassalagem face ao reino de Leão. São Mamede, vencida por D. Afonso Henriques, constituiu o primeiro acto de um movimento imparável que conduziria à independência do Condado Portucalense e ao nascimento do reino de Portugal.

Ao longo dos séculos, a vila de Guimarães ganhará monumentalidade com a construção de diversos conventos, igrejas e casa senhoriais. Ao mesmo tempo, serão renovados alguns espaços públicos. Porém, no essencial, serão preservadas as características da sua traça medieval que, em grande medida, irão sobreviver às ideias urbanísticas modernizadoras introduzidas a partir da segunda metade do século XIX. Desde então, na zona intramuros de Guimarães rasgaram-se novas ruas e avenidas e abriram-se novas praças, com as alterações no Largo Martins Sarmento, na Praça de São Tiago, na Alameda de São Dâmaso, no Largo Condessa do Juncal ou na zona envolvente do Castelo. Todavia, em geral, aquelas intervenções foram suficientemente contidas a ponto de possibilitarem a preservação dos elementos essenciais do espaço edificado e vivencial do velho burgo vimaranense.

Guimarães foi elevada a cidade em 23 de Junho de 1853, pela Rainha D. Maria II.

No último quartel do século XX, o Centro Histórico de Guimarães foi objecto de uma complexa e bem sucedida operação de requalificação, que teve como corolário a sua classificação pela UNESCO como Património Mundial, em Dezembro de 2001.

 in: sitio da Câmara Municipal de Guimarães

 VIVAPORTUGAL

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa:
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags