Terça-feira, 7 de Julho de 2009

A MÚSICA É NATURALMENTE PATRIMÓNIO DA HUMANIDIDADE.

Recebi hoje mais uma mensagem do Sr. Oportunista, que continua sem se  identificar, continuando a enviar mensagens,  usando da liberdade que concedo no meu blog, de não fazer  qualquer "censura prévia". Mas, como o Sr Oportunista insiste em ser para além de cretino, usurpador do direito democrático, de se pronunciar em liberdade mas não cumprindo a regra elementar de se identificar, decidi retirar não só a "cretina mensagem", como de me abster de lhe dizer umas quantas coisas, que me levariam a descer ao seu nivel, " asno, ignorante, imbecil",  assim deixo uma mensagem da autoria do grande poeta de Fado, Carlos Conde, uns versos para o repertório do meu avô, CONSELHO/CONCEITO

 

Quando eles não valem nada

Não se ganha em discutir

O desprezo chega bem

Para qualquer asno subir

 

E pouco valor tem

Só vinga em deprimir

o despezo chega bem

Para qualquer asno subir

 

Recebi de Acácio Monteiro, mais uma opinião, quanto a mim das mais concisas bem explicada e com um raciocínio de uma lógica irrefutável.

Vamos lá ver quem tem argumentos para contradizer.... claro que toda a gente tem liberdade de opinião, desde que seja coerente, mas também me permito afirmar que qualquer opinião/conceito dado ou escrito por um "incógnito", não tem nem valor, nem dignidade e é falta de coragem  e carácter, não assumir a autoria, seja ela qual for.

 

 

A música é naturalmente património da humanidade. Desde que ela surgiu no património criativo do reino animal, passou a ser um dos vários processos comunicação entre vários seres que coabitam no nosso planeta. Ao homem como racional com um  espírito criativo e evolutivo, começou a alterar-lhe a forma, a armazena-la para a posteridade como escrita para que não fosse esquecida, e a modela-la com as mais diversas formas numa coreografia de sons, timbres, cenários cujo limite não parece ter fim.

Todos os dias nascem novas visões coloridas de pinceladas geniais de sons, que nos espantam e nos deixam atónitos como isso é possível, mas de facto isso acontece inexoravelmente, num avanço a que o retrocesso só fica na recordação histórica daquilo que já foi produzido e publicado.

Na miríade de sons já produzidos, com os mais diversos estilos ou cenários, tentar destacar um para elege-lo como património da humanidade , além de ser ridículo, revela uma miopia cultural que afronta tudo e todos que contribuíram até à data de hoje para aquilo que é, foi e será a história da musica. Com base no que até agora aleguei, não acredito que tão prestigiada Instituição que é a UNESCO vá aceitar a utopia de que o nosso Fado constitui uma excepção tão digna de destaque.

Então que diriam os amantes da valsa, do samba, da opera, do jazz, do flamengo, do tango, etc.,etc., etc.

O que se passa com as pessoas que um dia sonharam com essa irrealista possibilidade. Ainda não se aperceberam que esse sonho, à partida não é plausível por falta de senso. Se ainda fosse para um concurso conotado com o Guiness onde só impera uma razão matemática de quantidade a concurso com toda a relevância em termos promocionais de um país, talvez tivesse algum enquadramento, mas para património da humanidade só nos provoca uma grande gargalhada pela ingenuidade demonstrada.

Tenham Juízo

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 12:33
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De José Estevam a 11 de Agosto de 2009 às 15:09
Como é que Lisboa não podia ser a cidade do mundo mais cantada,com mais poemas,porque Lisboa é linda é nossa é portuguesa é por essa razão que a a cidade do mundo com mais poesia,não se esqueçam que Lisboa tem sete colinas,só isso ja lhe chega para ser a cidade mais bonita do mundo.
A primeira vez que eu vi Lisboa,tinha 14 anos tive que deixar o meu querido Alentejo,e vim a procura do futuro,porque no Alentejo,não havia e eu tive que vir a procura dele em Lisboa,mas podem querer que não fiquei nada arrependido,quando vipela primeira vez, essa linda cidade,pensei que um dia lhe tinha que pagar,e paguei escrevendo dois poemas,que o meu grande amigo Victor Duarte,fez o fazer de os publicar no seu blog (LISBOA NO GUINESS) que têm como titulo (Lisboa capital do fado)Lisboa e o museu do fado.

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags