Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

DÂNA

 

Sónia Isabel Santos Mota e Albergaria, nasceu em Vila-Franca no dia 21 de Junho de 1980, tendo adoptado o nome atístico de  Dâna Albergaria, pertence à nova geração do Fado. Compositora e poetisa, ama as tradições.

Nascida no meio da cultura popular, herda do seu avô, Sebastião Mateus Arenque poeta popular, escritor e mentor da cultura tradicional na região do Ribatejo, mais precisamente em Azambuja, um gosto nato pelas tradições e cultura Portuguesa, e através dos seus pais nasceu embalada pelo fado. Mas foi apenas aos 21 anos em 2001 que, ao participar no Festival da Canção e obtendo o 3º lugar, que se entregou à música.

Lança o seu primeiro trabalho a solo em 2003 com o título “Cantar Português”, onde opta por uma fusão de música tradicional portuguesa, fado e electrónica. Foi editado no Japão, Países de Leste e Norte da Europa, e em colectarias juntamente com nomes como Deep Forest, Enigma e Air.

Aos 27 anos, Dâna decide gravar um álbum dedicado inteiramente ao Fado, nascendo assim ”Sei Finalmente”, que mostra a expressão de uma fadista em ascensão que pela voz vai colorindo poemas monocromáticos. O Fado nasce de um encontro entre a emoção e a razão, ou seja, a vida, esse mistério que acontece sem se ver apenas ouvindo e sentindo.

O seu terceiro trabalho a solo acontece em 2009 e reflecte um caminho percorrido, e é por entre muitos palcos e públicos percorridos, que finalmente se reencontra como artista e, acima de tudo, como fadista. “Fado que te amo” conta com fados tradicionais entre os quais, o fado alexandrino, o fado das horas, o fado menor, o fado cravo, entre outros e onde Dâna nos presenteia poemas da sua autoria e de Vasco Lima. É um álbum que nos mostra alma de uma fadista a nu, onde o fado se apresenta desprotegido, chorado, enjeitado, castiço e boémio.

Nota: Biografia fornecida pela própria

 

Conheci a Dâna no Museu do Fado quando da sua apresentação do último CD,  é uma jovem muito simpática e despretensiosa, ofereci-me para lhe fazer uma página neste blogue, o que aceitou (o que tem sido raro nos novos valores emergentes) e aqui estou com muito gosto apresentá-la.

 

Dâna canta: Maldição

Letra de: David Mourão Ferreira

Música:  Fado Cravo de Alfredo Marceneiro 

 

 

 Eis um texto e um poema de Dâna Albergaria:

 

Ao ver o Rio Tejo:

Meus pensamentos são inundados de Histórias passadas, de sonhos vividos, alguns esquecidos e outros por viver. A imensidão do Tejo envolve meus pensamentos num turbilhão de saudades que devagar vão sendo varridas pelo vento que passa soprando baixinho ao meu ouvido. Devagar, a minha alma vai sendo levada até ás profundezas do ser e é desperta pelo Sol que lá longe vai raiando.

Meus pensamentos flutuam sem destino ou direcção, são apanhados por sons de saudade, por sons de verdade. Ao longe, Portugal, esse Portugal tão Português que me fascina e me aquece o coração e ao mesmo tempo me faz chorar de saudades desse nosso Portugal que em tempos foi tão Português.

Vou desvendando mistérios que através dos tempos vão sendo esquecidos. Vou cantando aos sete mares e aos sete cantos do Mundo esta minha alma Lusitana que ainda chora e sonha por este País tão especial que é Portugal.

 

Ao ver o Rio Tejo ... meus pensamentos são inundados por este sonho que é Portugal.

Dâna

28 Julho 2008

 

ENCONTRO

 

 

Sinto o cheiro a saudade

Ou será de solidão

Fiquei esquecida,

Nesta vila perdida, sem me encontrar

 

                                 Caminhando sinto frio,

                                 Frio que soprado plo vento

                                 Enche meu olhar de devaneios,

                                 Faz meu coração chorar.

 

Nesta vila pequenina,

Onde um dia me deixas-te

Hei-de encontrar-me, um dia

Para de novo cantar.

 

                                Entre rua e ruelas,

                                Minha alma se preenche.

                                Tudo tem algo para contar,

                                Muros cheios de lamento.

 

Sinto cheiro a saudade,

Não és mais de solidão.

Encontrei meu coração.

Nesta vila de novo nasci.

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Maldição - Alfredo Marceneiro e David Mourão Ferreira
publicado por Vítor Marceneiro às 16:25
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De MARIA JOSÉ PRAÇA a 1 de Outubro de 2009 às 07:57
A evolução da Língua é um processo que acontece (sem Decretos que proclamem a mutação... )
Assim, a VIDA e o FADO ...

David Mourão Ferreira- TÃO BOM!
Alfredo Marceneiro - TÃO de NÓS - ALMA !

Os seus Textos - SENSIBILIDADE !
A sua Voz - TÃO LINDA !

Obsv.- Não sei quem toca, mas gostei!
Maria José Praça

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags