Terça-feira, 7 de Outubro de 2014

AMÁLIA E A LENDA

 

Amália e Marceneiro

(Lendas do Fado)

            No nosso tempo, Amália e a sua bonita lenda, constituem o motivo mais grato ao coração sentimental dos portugueses.

            Uma menina,  num bairro popular de Lisboa, frágil como haste duma flor, gorjeia timbres, qual ave de penas. Como esta também, quando as possui, saem-lhe da garganta adolescente os amargores que lhe possam ir no peito.

                        — Se tiveres tanto jeito para as letras como para as cantigas...

                        Era o que a avó lhe dizia. Morreu com 94 anos, e viu que a neta se inclinava mais para as trovas.

                        Ladina e gárrula entrou na escola cedo e saiu cedo. Só o preciso para decifrar os versos das cantigas.

                        Amália é um nome de raiz amorosa.

 

«Amália, sem amor

Não rima...»

 

                        O Tejo glauco e lírico caminha para o mar na sua eterna corrente elegíaca. A cidade é um presépio emaranhado. Manje­ricos e cravos de papel! O pardalito das ruas do seu bairro começa a cantar para os outros e os outros ouvem-na deslum­brados e alguns olhos choram.

                        — Há uma pequena do bairro de Alcantara...

                        De boca em boca, foi assim que a fama começou a correr. Depois...

                        Depois foram as primeiras cantigas públicas. Amália está numa casa entre a-terra-e-o-mar, mas nasceu na Mouraria, junto ao Benformoso, ao pé da Calçada de Santana.

                        Quando tomou parte num concurso da Primavera, organi­zado por um jornal de Fado como o nosso, todas as concorren­tes desistiam  ao ouvi-la. Foi-lhe pedido para que ela abandonasse a competição. Era o primeiro degrau para o seu trono de rainha.

            Nunca mais Lisboa deixou de ouvir os ais das suas cantigas nostálgicas e misteriosas. De retiro em retiro, chega ao teatro, à rádio e ao cinema. Todas as mesas se povoam; as lotações dos espectáculos esgotam-se e as emissões de rádio obtêm o maior sucesso. Duma vez foi ao Porto e veio de lá com o cognome de «Princesinha do Fado». Depois ao Brasil e, na chegada do avião, estavam os produtores à sua espera para assinar contractos dum filme que esgotaria as bilheteiras meses e meses seguidos. As suas canções e os seus fados postos em disco ou película, dão a volta ao Mundo inteiro. Portugal, para se fazer representar numa par­ada artística internacional, envia-a como embaixatriz das nossas cantigas. Madrid, Paris, Roma, Londres, Berlim, Estocolmo — todas as capitais da Europa a aplaudem e a conhecem.

                        Que fluido ou que sortilégio possui a voz de Amália Rodri­gues? Que amplidão sentimental e que força de sedução é capaz de arrastar consigo pobres e ricos, nobres e plebeus, desgraçados ofendidos, tristes e desesperados ou desconsolados?

                        Gentes de todos os matizes e povoados de todas as lingua­gens  a entendem. Ninguém explica mas todos atestam. Ela mesmo não sabe. Canta como os pássaros trinam, como o vento soa ou como a chuva chora. É a linguagem dos eleitos — a graça.

                        Um dos seus poetas dedicou-lhe esta estrofe:

 

                                               «Foi Deus

                                               Que me pôs no peito

                                               Esta voz...»

 

            E assim, as multidões a seguem. Os palcos são pequenos. Os redondéis das praças abrem-se para a multidão ansiosa. Veri­ficam-se os únicos recintos com capacidade para tal. Ela, franzina, silhueta negra, com o coração chagado, as mãos nas franjas do xaile, não tem mais nada do que a sua arte. Afunda-se, perde-se no espaço. Só a voz soa. Canta o lado da Mouraria, em cima dum estrado, entre uma viola e uma guitarra. É uma trágica a desfiar emoções. Nesta simplicidade aterradora está uma força telúrica inexplicável. Fenómeno? Talvez. Na singularidade ímpar da sua pessoa criou-se a sua lenda  a lenda da Amália, a lenda «Amalista».

                        Uma actriz popular, enraizada no Brasil há muito, quando lhe perguntaram a sua opinião sobre Amália, disse:

Esta é que é grande. Canta o Fado e deita-se ás seis da manhã! —

Fadista, grande, a maior fadista!

                        Ganha milhões e troca-os em moedas que espalha como pétalas de flores.

                        Na sua rua, todos estão ansiosos por vê-la quando ela sai. Lisboa adora-a. Portugal idolatra-a. Os presos chamam-lhe con­soladora e os exilados irmã.

Para ser eterna só lhe falta calar-se.

...Calou-se há 10 anos?  Não,   Amália vai cantando, cantando, cantando sempre.

 

 

- EVOCANDO AMÁLIA-

   ( 23-Julho-1920/6-Outubro-2009)

 

            As franjas do teu xaile, cristalinas

            Soletram asas de gaivota em pranto

            E a tua Voz acende mil colinas

            Em fogueiras de Fado do teu Manto...

 

Maria José Praça 

 

AMÁLIA, É FADO

 

Portugal inteiro viu

E uma Lágrima caiu

Foi tão triste a despedida

Já não vais ao Rio Lavar

E Deus Vai-te Perdoar

Que Estranha Forma de Vida

 

Na Rua do Capelão

Confesso, foi Maldição

Esse teu Nome de Rua

Malhoa, na sua vez

E esse, Fado Português

A quem disseste, Sou Tua

 

Eras Casa Portuguesa

Lisboa Não é Francesa

No mundo inteiro tens fama

Ai Mouraria, Madragoa

Foste, Maria Lisboa

E Madrugada de Alfama

 

Eu Queria Cantar-te Um Fado

Como, Tudo Isto É Fado

Foi a Deus que agradeci

A Gaivota, quebrou amarras

Silêncio, trinam guitarras

Disse-te Adeus e Morri

 

Maria de Lurdes Brás (2009)

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Ana Mestre a 6 de Outubro de 2009 às 03:03
Dizem que Amália morreu...é mentira...para quem a ama estará sempre viva...este blogue é uma das provas disso...

Obrigada
De Amaliano por paixão a 6 de Outubro de 2009 às 09:10
Caro Senhor

Gostei do que li, conheço praticamente tudo o que se escreveu sobre Amália, e este texto para mim é inédito e muito bem feito.
Sobre a fotografia, não achei a melhor ideia, desculpe não é por ser o seu avô, acho que devia ser só a Amália.
Sobre o seu trabalho, penso que é o único no género, por muito que outros se esforcem, você tem qualidade e nota-se que é credível.
Cumprimentos
A.R. - Amaliano por paixão
De Margarida Cerveira a 6 de Outubro de 2009 às 18:49
A RIMA É HOJE AMÁLIA e gostei da Toada do Vítor Duarte Marceneiro !
Esta "nota" ao seu Comentário tem a ver com a Fotografia ...
Por um lado concordo com a sua observação ! Por outro, a Fotografia que transborda TERNURA, parece-me adequada !
Quem sabe se, EM CANTO de IRONIA, Amália não segreda a Marceneiro:
- O que é que o teu Neto Vítor, anda a fazer lá por baixo ?! (... OS DOIS SÃO AGRADECIDOS E HÃO-DE ESTAR MUITO CONTENTES ... )
Um beijo. Margarida Cerveira.
De Vítor Marceneiro a 6 de Outubro de 2009 às 20:39
Caro Amaliano (anónimo) Também o que faço é por paixão, foi por paixão que coloquei a foto da Amália com o meu avô, só tenho pena de não ter uma foto com os três grandes... Marceneiro, Hermínia e Amália, pode crer, os tais de durante muitos, muitos anos, ainda serão recordados. Creia que usando de sarcasmo até podia ter feito uma foto-montagem , com os agora, grandes conhecedores, amigos, confidentes, etc. etc.., ou então a parte do filme que o Sr Carlos Saura com o beneplácito do CC,e outros que tais, para homenagear a nossa (não dele) Amália, vergonhosamente ela não canta no filme! pois devia cantar Fado e mostrar aos senhores da "Sauganhada " que até podia cantar flamenco, e bem, era a maior.
Não ouvi ninguém reclamar. E agora há pouco tempo um filme, com escolha de partes da vida de Amália muito discutíveis (referente ao interesse histórico dos amores de Amália), mas enfim eu também trabalhei em cinema, e o realizador e o argumentista têm a liberdade de criarem à sua maneira o guião.... mas pormenores de carácter histórico como é o caso do 1º marido da Amália, que passa de guitarrista para viola !!! è de bradar, o que me dizem quanto refiro este caso, é: O que é que isso interessa. Tenho dito. Um abraço Obrigado por vir ao blogue Comente sempre o que lhe aprouver. Vítor Marceneiro (neto do senhor que está ao lado da Amália) eu sei que já sabiam, mas desculpem lá...o sangue ferve de orgulho das origens.
De Ana Mestre a 6 de Outubro de 2009 às 12:19
AMÀLIA…
Há dez anos partiste e agora….COM QUE VOZ, cantaremos a tua música.
Como poderemos ouvir uma guitarra e não nos lembrarmo-nos da tua voz, olhar a GAIVOTA no céu e saber que já não estás entre nós…
Foste do povo, nasceste, viveste e morreste entre o POVO QUE LAVAS NO RIO.
Foste a rainha, tiveste palmas, lágrimas, flores e honras, mas toda a vida foste acompanhada pelo MEDO, ABANDONO, E TRISTE SINA.
Dizias FOI DEUS e que o que eras devias ao destino porque ao falares da tua vida afirmavas TUDO ISTO È FADO.
Viveste, amaste e foste a maior das maiores…solitária, triste, infeliz, alegre ou contente serás sempre a nossa rainha….
Quando me falam de ti só me apetece dizer:
ESTRANHA FORMA DE VIDA

Ana Mestre

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags