Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

Alfredo Marceneiro é só Fado... RTP 1969

Faz hoje 40 anos que o 1º Programa de Televisão sobre a figura de Alfredo Marceneiro, foi transmitido.

 Alfredo Marceneiro canta no Programa da RTP em 1969

É tão bom ser pequenino

Letra: Carlos Conde

Música: Fado Corrido

 

 

Diário de Lisboa 2 de Dezembro de 1969 por Mário Castrim:

 

DUAS HORAS DE FADO. OS PORTUGUESES NÃO SÃO APENAS «CASTOS»: SÃO TAMBÉM RESISTENTES

 

Marceneiro, o Marceneiro fadista, chegou aos 77 anos para ter na Televisão portuguesa um programa dedicado à sua arte de «dizer» o fado. Tardou mas arrecadou — se tivermos em atenção o tempo do programa: duas horas onde muito o ouvimos cantar e alguma coisa (contrafeitamente) o ouvimos falar. «Marceneiro é só fado» e era uma canastra com um quarteirão de cantigas alfacinhas. A meia-noite, que soou precisamente no fim, marcou mais do que o fim do programa: marcou o fim de um fadista; marcou o fim de uma escola, marcou o fim de uma época…

Tardou — e não arrecadou. Marceneiro aos 77 anos não é mais do que uma sombra de si próprio. Ele já não pode sustentar uma «volta», manter a décima do corrido sem vir acima respirar, «swingar» de forma convincente como só ele sabia desdobrar, prolongar, alongar uma palavra para além dela própria, segurar o fim do versos quando já todos pensavam que o verso havia acabado. Aos 77 anos isso já não é possível. Quando muito é possível exemplificar o processo. Foi o que fez Alfredo Marceneiro. De pouco mais se pode entender o programa dedicado ao fadista para além da sua homenagem. Homenagem quase póstuma. O Marceneiro na plena posse das suas qualidades, passo à história. É, como se costuma «dizer uma relíquia».

 

II

 

O programa não foi longo: foi comprido. Um deserto com os oásis das interpretações do Marceneiro. Os mesmos tiques repetido exaustivamente: o fumo, a noite, a mesa com os amigos, as figuras indistintas a moverem-se na semi-obscuridade, a assistência falsamente entusiasmada.

Da pessoa de Marceneiro, da sua pessoa em vivo, quase nada chegou até nós. Os grandes planos tiveram piedade do real. Mas a verdade pode ser piedosa, pois se nega como verdade. Raramente o fadista foi apanhado desprevenido e a culpa não poderá ser levada á conta da extrema prudência do homenageado Alfredo Duarte teve de enfrentar num cerimonial inibidor. Para um homem tímido e sempre em guarda, aquele microfone apontado por Henrique Mendes assu­mia o aspecto de uma arma em posição de «a bolsa ou a vida». Henrique Mendes não conversou: perguntou. Marceneiro é dos que sabem conversar,  não dos que sabem responder.  O choque só podia resultar no desfasamento a que assistimos.

Tudela, que nos deu algumas reportagens tão curiosas,  não conseguiu imprimir um mínimo de interesse, de autenticidade, ás imagens que escolheu para enquadrar o fadista ou para acompanhar as suas interpretações. A realização de Luís Andrade foi excessivamente primária excessivamente «meia bola e força». Não se pode fazer uma obra de arte apenas como o saber burocraticamente adquirido. É preciso ir além: pôr em tudo o que se faz o que se aprendeu e o que não se aprendeu, especialmente isto. Isto, ou seja: o que faz a riqueza, o lume a razão de um Augusto Cabrita, a sua capacidade para apanhar, num golpe de asa, perdão num golpe de câmara, o apontamento significativo, o gesto inicial.

Na criação artística (como em qualquer aspecto de criação) não pode haver pressa. Não pode haver prazos marcados. Não se apressem não vale a pena: todos nãos precisamos de nove meses para nascer. O caçador tem de, pacientemente,  aguardar o instante, aquele instante, e não outro mais nenhum, de puxar o gatilho revelador.

Aparentemente ordenadinho e arrumadinho o documentário sobre resultou em verdadeira compota. Quantas vezes nos veio à memória o filme «Belarmino» com as suas expressões que ultrapassavam as palavras, com os seus silêncios a formar com as palavras um corpo único…

 

III

 

É verdade: não se compreende muito bem a inclusão de Amália Rodrigues, com tamanha insistência, no documentário-espectáculo. Para quê a concorrência no estrelato? Para quê dois galos na mesma capoeira? Se a festa era do Marceneiro que foi lá a Amália fazer? Não é situação agradável nem para um nem para o outro. Alguém se recorda de Marceneiro em qualquer das telefitas dedicadas à Amália Rodrigues? Será que nos domínios do Fado nada se poderá fazer sem o beneplácito ou a bênção da suserana?

 

Em 16 de Abril de 2007, numa página que escrevi sobre a saudosa Lucília do Carlos, escrevi o seguinte:

Sempre tive por Lucília do Carmo, desde muito miúdo, uma ternura muito especial, devido não só à sua simpatia para comigo, mas também pela grande amizade que ela e seu companheiro, Alfredo de Almeida, tiveram com o meu avô, o que era recíproco.
No início da abertura da Adega da Lucília, os tempos eram difíceis e Marceneiro nunca deixou de aparecer e colaborar, o que contribuiu para o êxito da casa, mesmo sem  nunca ter ser sido contratado.
Mais tarde, com a passagem para “O Faia”, Marceneiro era presença obrigatória ao final da noite, que passa a ser o seu “poiso” preferido, o que se torna do conhecimento dos seus admiradores que ali afluem na mira de o ouvir cantar, o que sempre acontecia, também sem que nunca tenha contratado. Carlos do Carmo começa a interessar-se pelo Fado e tem ali à mão de semear o Mestre. Inteligentemente sabe ouvir e assimila. Afirmo-o porque sei e o próprio muitas vezes, também o afirmou. Carlos do Carmo grava em disco com a benesse de Marceneiro, alguns dos seus fados mais emblemáticos - Fado Bailado, A Viela, etc. -.
Após a realização do documentário “Marceneiro é só Fado” para RTP, e cujos interiores foram filmados n’O Faia, e em que Carlos do Carmo se assume como produtor, Marceneiro deixa de entrar n’O Faia, porque alguém lhe diz que seria considerado “persona non grata”. [Um dia contarei estes acontecimentos, que eu esperava que fossem contados por outros, que não por mim, mas há uma quantidade de investigadores e conhecedores do Fado que infelizmente só falam quando têm público que não os poderá contestar].
A amizade com a Lucília mantém-se como sempre e talvez mais reforçada! (estranho?...) Lucília que não tem nada a ver com o assunto, mas que muito a magoa, e como deixa de ter como já vinha sendo hábito hà vários anos, o amigo Marceneiro a seu lado no (seu?) restaurante, visita-o na sua casa pelo menos de 15 em 15 dias sempre ao final da tarde, levando sempre um miminho, quer para ele, quer para a minha avó, a “Ti Judite”.
No último ano da sua vida, meu avô fica acamado e Lucília até à hora da sua morte não deixa de o visitar semanalmente.
Continuei a conviver com a Lucília do Carmo quer depois do falecimento do meu avô, quer após a sua retirada artística.
Guardo uma recordação de grande ternura por esta grande Mulher (com M maiúsculo).
Infelizmente não pude retribuir-lhe, quando ficou acamada as visitas que fez ao meu avô, por pedido do filho. [Uma história para também contar mais tarde].
Lucília morre e infelizmente estou fora de Portugal.
Acabo se me permitem com um ditado popular que o meu avô incutiu no meu espírito e na minha formação, e acho que tenho dado mostras que não me esqueci: “QUEM MEUS FILHOS BEIJA MINHA BOCA ADOÇA”,   Lucília do Carmo tem um lugar muito especial no meu coração.
Vítor Duarte (Marceneiro)

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: É tão bom ser pequenino
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De MARIA JOSÉ PRAÇA a 1 de Dezembro de 2009 às 08:16

-40 ANOS SOBRE O PRIMEIRO PROGRAMA DA RTP COM ALFREDO MARCENEIRO-

. CHEGOU AOS 77 ANOS PARA TER NA TELEVISÃO PORTUGUESA UM PROGRAMA DEDICADO À SUA ARTE DE «dizer» O FADO...

. « Marceneiro é só fado » E ERA UMA CANASTRA COM UM QUARTEIRÃO DE CANTIGAS ALFACINHAS...

. HOMENAGEM QUASE PÓSTUMA...

. NA CRIAÇÃO ARTÍSTICA NÃO PODE HAVER PRESSA...
CASTRIM,Mário. In:DIÁRIO de LISBOA,2 de DEZEMBRO de 1969


EU QUERIA TER A MINHA VOZ
P'RA CANTAR O MEU PASSADO...
CONDE,Carlos. In: É TÃO BOM SER PEQUENINO ( VOZ de ALFREDO MARCENEIRO)

... E eu escrevo,

Num ápice
O momento
Entre algemas e asas
E o imemorial sonorizado
Para o tempo
Sob o clique-rasgo
De um gesto em voo... Maria José Praça


De MLeiria a 1 de Dezembro de 2009 às 09:02
Eu, que nunca morri de amores pelo Castrim, achei agora mtº bem perguntado o que então já questionou "Será que, nos domínios do fado, nada se poderá fazer sem o beneplácito ou a bênção da suserana?" Será?!...
E também gostei daquele lapsus linguae a iniciar o texto do amigo, a "Lucília do Carlos" :-), se bem que cá para mim mais seja o "Carlos da Lucília"!... Mas é um bocado indiferente, mesmo!
Bjinho
O.
De Vítor Marceneiro a 1 de Dezembro de 2009 às 16:28
Olá Cara amiga Ofélia

Aquele abraço fraterno.
A Lucília do Carlos foi um engano visual e de escrita será do "Carmo", que vou já emendar. É óbviamente, como dizia o meu avô o Carlinhos da Lucília e do Almeida... mas ainda é cedo para falar do que se passou, porque o futuro veio a demonstrar como este episódio se iria reflectir em mim, e falar dele é doloroso, porqe tem haver com um "Fado muito triste da minha vida" que o também foi protagonista, e que é muito anterior ao roubo do versículo.
Um beijo de amizade
Vitó

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags