Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2007

Países que visitaram o blog

Mensagens recebidas via e-mail fora de Portugal..........715

Mensagens recidas via e-mail nacionais.........................263

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Dados Fornecidos pela gestão do Blog até 23 -02-07

Visitas por Mês
 
 
 
 
 
Mês
Quantidade
Percentagem
1
222
4,93
2
4284
95,07
Total
4506
 

Pageviews por Mês
 
 
 
 
 
Mês
Quantidade
Percentagem
 
Janeiro
447
4,4
 
Fevereiro
9711
95,6
 
Total:
10158
 
 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:42
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

MARCENEIRO... é só Fado

Álbum de Alfredo Marceneiro revela tema inédito
 
Lisboa, 10 Fev (Lusa) - O álbum "Marceneiro... é só fado" de Alfredo Marceneiro, a editar na próxima semana pela Ovação, além de trazer a lume um inédito seu, apresenta o fadista em discurso directo.
Vítor Duarte, produtor executivo do álbum, explicou à agência Lusa que resgatou este inédito de "um convívio fadista realizado por volta de 1965, em Lisboa".Outra originalidade desta edição é que, antes de interpretar cada fado, Marceneiro fala de si e da sua forma de cantar.O musicólogo Rui Vieira Nery, em declarações à Lusa afirmou que "ouvir tão só e apenas Marceneiro constitui uma lição para todos: ouvintes, tocadores, compositores e intérpretes".No CD, em discurso directo, Alfredo Marceneiro explica "a importância de saber dividir uma oração" ou a atenção que dava às sílabas e a preocupação de as "pronunciar bem" ou como um pregão originava uma melodia fadista.Relativamente a este projecto, Rui Vieira Nery afirmou à Lusa que "Marceneiro nunca quis dar lições de fado, quando explicava era num determinado contexto e ambiente, deste modo as frases gravadas surgem descontextualizadas".As gravações agora reunidas num CD datam de 1972, segundo Vítor Duarte, e foram feitas para a etiqueta Estúdio, cujo espólio foi adquirido pela Ovação.Segundo informação do produtor executivo, em nove dos dez fados registados Alfredo Marceneiro é acompanhado à guitarra portuguesa por António Chaínho e à viola por José Maria Nóbrega.Relativamente ao tema inédito, segundo a mesma fonte, "não há registos dos acompanhadores mas é de tal forma importante este fado na carreira de Marceneiro e na história fadista que era indispensável trazê-lo à luz do dia no tempo actual".Dos dez fados registados neste álbum, sete melodias são de autoria de Alfredo Marceneiro.Excepções são "Sonho dourado", letra de Fernando Teles cantada no tradicional "fado Mouraria", "Moinho desmantelado" de Henrique Rêgo, cantado na música do "fado corrido" e "Quadras soltas" também de Rêgo com música própria de Francisco Viana (Vianinha).O álbum "Marceneiro é só fado" integra entre outros, "Rainha Santa", "Sinas", "Cabaré" ou "Remorso", todos de autoria de Henrique Rêgo, e dois outros de autoria de Fernando Teles, "Sonho dourado" e "O pagem".Alfredo Marceneiro, uma das figuras referenciais do fado, faleceu em Lisboa, cidade onde nasceu, a 26 de Junho de 1982.

NL. (*)

Lusa/Fim

(*) NL são as iniciais do nome do jornalista da Agência Lusa, NUNO LOPES, que é dos jornalistas que quanto a mim mais tem noticiado sobre assuntos de Fado.

No ano passado fez parte do "Júri dos Prémios Fundação Amália", tem levado a cabo várias palestras e debates sobre o Fado e as gentes do Fado, como aqui neste blog já  várias vezes foi referenciado.

Somos amigos e  colegas de Direcção da APAF, mas creiam que a sua imparcialidade não é por esse facto alterada

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 25 de Fevereiro de 2007

JORNADAS DE FADO FONOTECA MUNICIPAL DE LISBOA

 
Vou relembar aqui outras Jornadas que para o caso de não terem assistido ou nem sequer terem ouvido falar, fica documentado.

Estas Jornadas forma levadas a efeito pela “APAF” coordenadas pelo Jornalista Nuno Lopes, os quais decidiram dar-me a honra de me incluir entre  estas ilustres figuras, de reputada categoria pessoal e profissional.
Nesta altura, embora eu fosse sócio fundador da APAF, encontrava-me auto-supenso, que em nada influenciou pela negativa o convite, eu tinha acabado de editar um modesto trabalho, a biografia de Hermínia Silva, talvez por esse facto fui convidado.     
Estas Jornadas além do vasto público presente foram transmitidas pela RDP- Antena 1, e foram do agrado geral e muito elogiadas.
Há no entanto um pormenor que decerto me desculparão a imodéstia ao relatá-lo;
A entrevista transmitida   “Histórias para a História do Fado” - Vítor Duarte Marceneiro/Nuno Lopes, após a sua emissão, teve na RDP pedidos de repetição porque ouve pessoas que não conseguiram apanhar a emissão do principio e que como tinham achado muito interessante ficaram decepcionados de não conseguirem ouvir tudo,  assim a RDP repete na 5ª Feira seguinte o programa. Receberam novamente pedidos de repetição e demonstrações de agrado que a Direcção de Programas da RDP  decidiu repetir em mais duas semanas.
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 15:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Marceneiro e seu filho Alfredo Duarte Jr.

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 14:51
link do post | comentar | favorito

Três Vidas Três Gerações

"TRÊS GERAÇÕES"

Reperório de Alfredo Duarte Júnior

 

Letra de: João Alberto 

Música de Alfredo Marceneiro

 

Três vidas, três gerações

Que enternecem corações

Fazem lembrar o passado

Primeiro, segundo e terceiro

A família Marceneiro

Toda ela canta o fado

 

Com fim nobre e altruísta

Esta geração fadista

Usa o lenço por brasão

Seja virtude ou defeito

Uso o lenço por respeito

Desta nossa geração

 

Eu sou povo, vida e fado

E o fado tenho cantado

Num estilo muito meu

Marceneiro é a expressão

Duma longa geração

Que para o fado nasceu

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 14:50
link do post | comentar | favorito

Marceneiro e seu neto Vítor Duarte

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 14:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Homenagem a Alfredo Marceneiro

Obrigado Amigo José Francisco Estevam, por este poema que muito me tocou, hoje que era data do seu aniversário, tenho muito gosto em  publicá-lo.
Alfredo Marceneiro
 
Letra de: José Francisco Henrique Estevam
 
Foi na nossa Lisboa antiga
Aonde o fado é cantiga
Havia um fadista verdadeiro
Adorava ouvi-lo cantar
Os poemas eram de pasmar
O tio Alfredo Marceneiro
                   II
Era um delírio ouvi-lo cantar
Até ouvi-lo falar
Era um homem adorado
Até pelo fadista mais novo
Ele era um homem do povo
Ele cantava e adorava o fado
                III
Eu vi na televisão
Escutei com muita atenção
O seu neto falar dele com tanto amor
Fiquei muito comovido
Porque afinal faz sentido
Era um fadista com valor
               IV
Quando eu ouço um neto elogiar um avô
O meu sentido mudou
Porque eu não tive esse prazer
De não conhecer meus avós
Tenho um desgosto atroz
Que me faz comover
 
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 14:43
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2007

Fotógrafo " A La Minute"

O Fotógrafo de Rua - "Fotógrafo A La Minute"

Houve tempos em que poucos tinham possibilidades de ter uma "KodaK" , mas felizmente havia aquela caixinha mágica que tirava lá de dentro  «um papel com  as nossa caras», era uma delícia,  até parecia magia. 


 

 

Vem mesmo a propósito esta foto tirada nas docas de Alcântara por um fotógrafo de rua

Amália e a irmã Celeste

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Domingo, 11 de Fevereiro de 2007

Hermínia Silva - O livro biográfico

A RAZÃO DUMA PAIXÃO
 
Só de há alguns anos para cá me apercebi que o Fado é um estado de alma, é paixão. Desde muito novo que o adoro e cultivo, mas à medida que vou amadurecendo, dou por mim a venerá­‑lo cada vez mais. Lembro coisas do «fado» e de Fado, que durante muito tempo parecia que nada me diziam, estavam adormecidas, mas que agora me vêm à memória, em catapulta desenfreada, e penso... tanto tempo que eu perdi.
 
Reuni em livro, a que dei o título de Recordar Hermínia Silva, tudo o que sobre ela consegui recolher, com o in­tuito de fazer história sobre essa mulher, que era povo, foi amada e ovacionada, mas manteve­‑se sempre simples e despreten­siosa. Era dotada de um dom especial, que só muito poucos têm, de cantar e representar muito bem, era um representar que não se estuda no «Conservatório», com a sua voz bem castiça dava um cunho muito pessoal às suas interpretações que deliciavam a quem a escutava, quer no fado tradicional, quer no fado revisteiro, mas na revista para além de cantar interpretou figuras e «meteu buchas» que fizeram o delírio de milhares de espectadores.
 
Obrigado Hermínia Silva por tudo que deu ao Fado, ao Teatro de Revista, ao Povo Português.
 
In: Recordar Herminia Silva de Vítor Duarte Marceneiro - 2003
 

Livro biográfico "Recordar Hermínia Silva"

Edição de Autor Vítor Duarte Marceneiro

Formato 16 X 21 com 232 páginas , custo: € 15 inclui portes

Pedidos a: fado.em.movimento@sapo.pt

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 16:37
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito

Herminia Silva

Herminia Silva desde a sua estreia em 1932, participou em 13 operetas, 37 revistas, 2 peças declamadas e ainda em 5 filme e vários programas de televisão.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 16:18
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Fado Velha Tendinha

Painel de azulejo da Tendinha
Criação de Hermínia Silva em 1934 na Revista o Zé dos Pacatos no Teatro Apolo
VELHA TENDINHA
Letra: José Galhardo
Música: Raul Ferrão
 
Junto ao Arco do Bandeira
Há uma loja, a Tendinha
De aspecto rasca e banal
Na história da bebedeira
Aquela casa velhinha
                                                 É um padrão imortal.
 
                                                          Refrão
 
Velha taberna
Nesta Lisboa moderna
É a tasca humilde e eterna
Que mantém a tradição
Velha Tendinha        
És o templo da ginjinha
Dos dois brancos de gimbrinha
Da boémia e do pifão
 
Noutros tempos os artistas
Vinham já grossos das hortas
Pró seu balcão caturrar
E os fidalgos e os fadistas
Iam p´rá ´li horas mortas
Ouvir o fado e cantar
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 15:41
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Fevereiro de 2007

Nas Rimas do meu Fado

A poetisa Maria De Lourdes  de Carvalho, acedeu com todo o entusiasmo a este projecto, e teve a atenção de me ofertar o seu livro de poemas , que para além de três poemas que versam Lisboa e que já a seguir publico, tem outros fados que eu ainda não conhecia, mas com aquela pinga de sangue que me corre nas veias com alguns «glóbulos fadistas»  só senti,

  .... todo ele é fado....

Parabéns, fico à espera do próximo.

                                    CAPA                           CONTRACAPA

 

A autora escreve na contacapa, mesmo por baixo da sua foto este "grito"

Ser poeta

É quase ser Pecado

Ser poeta

É ter no peito uma estrada

onde caminha a humanidade.

É desejar tudo, tendo o nada.

É assim como correr estando parado

Ser poeta

É andar de lado em lado

sem ir a lado nenhum!

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:18
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

A Aninhas da Madragoa

ANINHAS DA MADRAGOA
 
Letra de Maria de Lourdes de Carvalho
Música de: António Chaínho
 
 
Passa sorrindo brejeira
Com ar de quem conquista
Amores à sua maneira
E não há quem lhe resista
 
Correndo de rua em rua
Conhece bem esta Lisboa
Ninguém lhe chama sua
Aninhas da Madragoa
 
Há fadistas com desejos
P'ra quem ela é toda fado
Atiram-lhe rosas e beijos
Sonham viver a seu lado
 
Aninhas da Madragoa
Sonho que ninguém agarra
Coisa linda, coisa boa
Esperança que se desgarra
 
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:16
link do post | comentar | favorito

Corri Lisboa Inteirinha

CORRI LISBOA INTEIRINHA
Letra de: Maria de Lourdes de Carvalho
Música: Fado Tradicional
 
Corri Lisboa inteirinha
Andei à tua procura
Mas não te vi, vê lá bem
O estado desta loucura
 
Pensei até que sorrias
Em cada estrela cadente
Agora sei qu´existias
Na minha ânsia somente
 
Vi teus olhos na calçada
Na água como a brilhar
Ajoelhei-me na esperança
Dum beijo te poder dar
 
Corri ruas sem destino
Andei de lado p'ra lado
Quando por fim te encontrei
Foi na rima do meu fado
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:12
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Eu Sou Filha de Lisboa

EU SOU FILHA DE LISBOA
Criação de Ada de Castro 
Letra de: Maria de Lourdes Carvalho
Música de: Max
 
Tive por berço o Castelo,
Que é belo
Meu padrinho foi S. Jorge,
Com fé
Tenho a honra por brasão
No nome que alguém me deu
É o fado meu condão
Que a glória conheceu
Eu sou filha de Lisboa
Eu sou filha de Lisboa
E Lisboa ali nasceu
 
Vivo mais quando é de noite
Embalada p'lo luar
Que o Tejo torna de prata
Sinto mais nas madrugadas
Onde a voz do fado põe
A minha alma enamorada
 
Pelos Bairros correm sonhos
Vivo eu a mocidade
Poetas cantando vidas
Fadistas cantam saudades
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

REAL BORDALO

 

Real Bordalo - Nome completo: Artur Real Chaves Bordalo da Silva. Nasceu em Lisboa em 1925. Cedo mostrou vocação para o desenho e para a pintura mas, obrigado a interromper o curso que lhe daria acesso à Academia de Belas Artes, exerceu diversas profissões e, admitido aos 16 anos de idade na Fábrica da Cerâmica Constância Faiança Bastitini, como pintor, teve aqui oportunidade de contactar com João Rosa Rodrigues e Francisco Branco, dois excelentes artistas, não só como ceramistas, mas também, como pintores de óleo e aguarela.

Mais tarde trabalhou com Leitão de Barros na modalidade de cenografia, na Tobis e na Lisboa Filme para diver­sos filmes Portugueses. Desenhador técnico, retocado r de rotogravura e desenhador maquetista no Diário de Notícias, profissões que também exerceu. Mais tarde trabalhou com Leitão de Barros na modalidade de cenografia, na Tobis e na Lisboa Filme para diver­sos filmes Portugueses. Desenhador técnico, retocado r de rotogravura e desenhador maquetista no Diário de Notícias, profissões que também exerceu.

Destes contactos resultou um maior interesse pelas artes plásticas e em consequência das tentativas que levou a efeito, inscreveu-se como sócio da Sociedade Nacional de Belas Artes, onde frequentou as aulas nocturnas de desenho, tendo como mestre, Álvaro Duarte de Almeida, no pastel o mestre Domingos Rebelo e em aguarela os mestres Alberto de Sousa e Alfredo Morais.

Tendo concorrido com trabalhos seus, não só nos Salões Anuais de Outono e Primavera daquela Sociedade, onde passou a sócio efectivo, por lhe ter sido atribuída uma 3.a medalha em aguarela, mas também em outros Salões noutros locais. O êxito obtido, de que são testemunhos os prémios concedidos (diversas medalhas e menções honrosas e alguns prémios de mérito) levou-o a dedicar-­se inteiramente a esta actividade artística. Surgiu então a oportunidade de realizar a sua primeira exposição indi­vidual dos seus trabalhos a aguarela e pastel, no Casino da Figueira da Foz (Salão Nobre) em 1952, à qual se seguiu outra em 1953, na Sociedade de Belas Artes. Incentivado tanto pelo público como pela crítica, o êxito assim alcançado justificou a sua integração no Grupo Português de Aguarelistas e mais tarde no Grupo dos Artistas Portugueses, permitiu-lhe assim continuar a reali­zar exposições em diversas cidades do País, concorrendo sempre aos diversos Salões Nacionais - Imagem da Flor, Câmara Municipal de Lisboa, Salão de Artes do Casino do

Estoril, entre outros. No estrangeiro Salões Internacionais de Madrid, Sevilha, Lugano, Paris, Estocolmo, Rio de Janeiro e Nápoles.

Afastado das Artes Plásticas de 1959 a 1973, voltou a partir desse ano a expor com regularidade os seus trabalhos, com assinalado êxito.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:21
link do post | comentar | favorito

Alfama -Óleo - 1985

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:20
link do post | comentar | favorito

Mouraria -Óleo- 1986

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:13
link do post | comentar | favorito

Barcos no Cais da Ribeira -Óleo- 1979

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:06
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags