Domingo, 28 de Setembro de 2008

LISBOA

 

 

Para mim já o afirmei várias vezes,  o poema LISBOA  de Artur Ribeiro, é um dos mais bonitos e identificativos  dos  sentimentos de   quem ama Lisboa.

Já aqui editado, mas desta vez, tenho o prazer de vos apresentar a Lenita Gentil a cantá-lo, e ainda imagens dos quadros, desse grande Mestre que se chama Real Bordalo, que também canta Lisboa pintando.

 LISBOA

Autor Artur Ribeiro

Canta Lenita Gentil

 

 

 

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: LISBOA canta Lenita Gentil
publicado por Vítor Marceneiro às 16:31
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

JOÃO SILVA TAVARES - Poeta

Dramaturgo, Poeta e Escritor

Nasceu em Estremoz a 24 de Junho de 1893, onde passou a sua infância e parte da adolescência. Aos 13 anos descobre-se poeta, tendo publicado o seu primeiro livro de versos Nuvens aos 18 anos.

A sua vida literária virou-se predominantemente para a poesia, mais de quatro dezenas de obras poéticas publicadas. Mas também dedicou muito do seu tempo e imaginação ao teatro. Escreveu mais de nove dezenas de peças, entre dramas, comédias e farsas. Mas foi no teatro ligeiro (opereta e revista) onde melhor se encontra, pelo tom popular que empresta a quase tudo o que escreve. Na sua vasta obra assinalamos ainda duas novelas, algumas crónicas, estudos históricos e biografias.

Foi durante cerca de trinta anos chefe da Secção de Coordenação de Programas da Repartição dos Serviços de Produção da Emissora Nacional. Aqui desenvolveu intensa actividade, dinamizando programas ligados à poesia e ao teatro. No seu testamento deixou como legado à Biblioteca de Estremoz mais de uma dezena de manuscritos das suas obras, um bronze, uma tela e as insígnias das condecorações com que foi distinguido.

Embora haja quem não dê grande destaque à sua obra para o Fado, ele foi um grande poeta, com alma bem fadista, lembremo-nos de algumas das suas criações, que foram grande êxito para os repertórios de Amália Rodrigues e Alfredo Marceneiro.

Para Amália Rodrigues, Céu da Minha Rua, Elogio do Xaile, Que Deus me perdoe, etc.

Para Marceneiro, A Casa da Mariquinhas, Mariquinhas 50 Anos depois e Fado da Balada.

João Silva Tavares morreu em 3 de Junho de 1964

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:14
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Setembro de 2008

Alfredo Marceneiro é só Fado....

QUE O FADO PERTENCE Á HISTÓRIA,

JÀ NÃO PODE SER NEGADO

O MARCENEIRO É A GlÓRIA

MAIS DIGNIFICANTE DO FADO

 

 

  

HOJE FORAM ACTUALIZADAS VÁRIAS PÁGINAS  DO BLOG

 

 

"ALFREDO MARCENEIRO é só fado..."

um Blog sobre a vida e obra de meu avô, Alfredo Marceneiro, tal como já o fiz em livros e video.

Espero a vossa vista e  que seja do vosso agrado, todos os comentários e sugestões são sempre bem recebidos.

 

http://alfredomarceneiro.no.sapo.pt/

 

http://alfredomarceneiro.blogs.sapo.pt/

 

Sobre este tema,  tenho montado um espectáculo/conferência, em que com a colaboração de outros fadistas, e com a ajuda de um diaporama projectado em video, se oferece um espectáculo com dignidade, e em que o Fado acontece, em moldes inéditos, espectáculo este, que tem merecido o agrado das entidades e organizações que nos têm contratado.

Para mais informações: fado.em.movimento@sapo.pt

Telefone 965240817

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Orgulhoso nas minhas Origens
publicado por Vítor Marceneiro às 00:57
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 13 de Setembro de 2008

JERÓNIMO CARACOL

  

Jerónimo Jorge Parola Caracol nasceu em 1959, no Lugar de Casaínhos – Fanhões Loures, pelo que tem muito orgulho em ser um “saloio” de gema.

Foi criado em conjunto com os avós, e uma das mais belas recordações que tem desde miúdo, e que marcou o seu gosto pela música, conta quase com uma lágrima no olho ao lembrar a avó materna que tocava gaita de beiços, o que não era muito vulgar na época para as mulheres. Toda a gente na aldeia achava muita graça ouvir o jovem Jerónimo acompanhado pela avó nas modinhas bem populares e saloias.

Durante a sua adolescência foi experimentando todos os géneros musicais, mas o fado e o folclore foram sempre os seus preferidos.

Andou no Liceu Camões até ao 5º ano, aos 16 anos, parou pois a vida é dura, e era necessário começar a trabalhar para ajudar os pais, foi trabalhar para uma firma de electromecânica. Entrou como aprendiz, mas cedo começou a ter mais responsabilidades, porque tinha gosto e dedicação pelo que fazia, e, assim, passou a oficial de primeira, tinha cerca de 18 anos. Casou e foi pai muito cedo, e portanto sabia que tinha que se dedicar com o máximo das suas capacidades para progredir e sustentar a família. Infelizmente sofreu um acidente de trabalho provocado pela explosão de um quadro eléctrico que fez com que estivesse bastante debilitado durante vários meses.

Estava com 24 anos e decide começar uma nova etapa da sua vida. Faz sociedade com um familiar, e criam uma empresa de distribuição de bebidas e produtos alimentares, que se mantém até hoje estável.

O gosto pela música. quer nas horas boas, quer nas más, manteve-se. Canta o seu Fado, aquele Fado que se canta por amor e que consideramos que faz parte da nossa vida, não esquecendo as modinhas da sua juventude.

Sempre que tinha oportunidade frequentava recintos onde acontecia Fado, e Jerónimo Caracol, que para além de cantar, não tem dificuldade em conviver e criar amizades, é já um elemento bem conhecido no meio do Fado recreativo (apelidado por muitos, de Fado vadio… que de vadio, nada tem.).

Em 1992 participou no Concurso de Fados organizado pelo radialista Fernando de Almeida, na Rádio Voz de Lisboa, denominado “Lugar aos Novos”, cujo prémio para os 12 finalistas era fazerem parte da gravação de um LP. Como foi um dos nomeados, gravou o tema que ainda hoje considera a sua coroa de glória “ANJO DE LOURES”, tema este que sempre que actua, o público e os colegas lhe solicitam.

É frequentemente convidado para festas de beneficência, às quais nunca deixa de dar o seu contributo. Hoje em dia há já muitas colectividades a pedirem a sua colaboração para organizar eventos de Fado.

Como não faz parte de nenhum “lobbie” decide gravar um CD ás suas custas, mas que tem sido bem aceitem nas rádios…. Desculpem, queria dizer nas Rádios Locais, as tais que não têm subsídios, mas tocam música portuguesa.

 

Jerónimo Caracol

canta "ANJO DE LOURES"

Letra de Julio Vieitas Música Pedro Rodrigues

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadista
música: Anjo de Loures
publicado por Vítor Marceneiro às 17:25
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

FERNANDO SILVA - Guitarrista

Fernando Jorge Aniceto Silva nasceu na bonita vila de Óbidos, em 1966.

Desde muito jovem que sentiu o gosto para a música, o pai cantava fado como amador, o tio Guilherme, irmão de seu pai,  vendo o seu gosto pela música ofereceu-lhe uma guitarra, que Fernando ainda se recorda que lhe parecia maior do que ele, pois tinha só12 anos.

Como o tio Guilherme dava alguns “toques” na guitarra, e por vezes até dedilhava para pôr o irmão a cantar, o jovem Fernando não tirava os olhos dos dedos do tio,  lembra-se que lhe parecia um acariciar do instrumento.

Como havia em casa discos de Fado, começou sozinho a tentar reproduzir os tons que ouvia. Passado pouco tempo ainda de calções, já acompanhava nas festas populares alguns amadores lá da terra, e era muito aplaudido.

Entretanto estuda e tira o curso de "Desenhador Projectista de Moldes" , e chega a trabalhar numa empresa na Marinha Grande.

Mas o seu “hobbie” é tocar guitarra, e,  assim todos os fins-de-semana era vê-lo em locais onde houvesse Fado, agarrado à sua guitarra.

Quando andava a estudar, era seu  professor de educação física,  o baterista Tó Freitas, que conhecia os seus dotes a tocar guitarra, como mais tarde abraça a profissão só de músico, é convidado por Júlio Isidro para a banda do seu programa na RTP – Luzes da Ribalta, e como precisavam para as partes de Fado de um guitarrista,  lembra-se do Fernando e convida-o para ser o guitarrista residente, onde se manteve cerca de um ano.

Em 1990 foi convidado por Paulo de Carvalho, para seu guitarrista privativo numa “tournée” que durou alguns meses viajando pelo mundo inteiro.

È convidado por Nuno da Câmara Pereira, no auge da sua carreira para seu guitarrista privativo, fazendo parelha com os violistas Carlos Garcia (Cajé) e Fernando Maia, com quem sempre se manteve enquanto este só fazia espectáculos. Mesmo agora, o Nuno  quando actua não dispensa o Fernando como seu guitarrista, assim como quando grava.

Actuou em  diversos recintos com Fado, destacando-se O Faia, Grand`Tasca, Luso e outros.

Nas “Quartas de Fado no Wonder Bar” no Casino Estoril, Carlos Zel convida-o para guitarrista, ao Cajé como viola acompanhamento e Marino Freitas, para viola-baixo, para músicos residentes do  evento, aí teve a oportunidade de acompanhar grandes nomes e valores do Fado, o que obviamente contribui-o para o seu amadurecimento como acompanhante de Fado.

A partir do ano  2000,  começa a acompanhar o fadista Rodrigo, fazendo parelha com o violista Jaime Santos e Tó Moliças viola-baixo,   que se mantém até aos dias de hoje,  em espectáculos e nas recentes gravações.

Em simultâneo é solicitado para acompanhar outros artistas, tais como, Mafalda Arnauth, Dulce Pontes com quem gravou um álbum duplo e um DVD em Istambul, gravou um CD de instrumentais, com produção e músicas Pedro Brito, e arranjos Ramon Gallarza.

Gravou ainda com Teresa Tapadas, Lenita Gentil, Entre Vozes, João Ferreira Rosa (ao vivo no Casino do Estoril), George Dallaras (Grego) em dueto com Dulce Pontes, Duas Luas de Marco Quelhas, Rão Kyao e Teresa Salgueiro, Débora Rodrigues, Natalino de Jesus, e um espectáculo ao vivo no Coliseu de Lisboa com Paulo Gonzo e Carlos do Carmo.

Quando Mariza apresenta na Antena 1, o seu primeiro disco, é Fernando Silva que ela escolhe para a acompanhar em directo.

 Fernando Silva executa

uma criação sua

Sons do Infinito

Acompanhado à viola por Cajé

e João Moreira viola baixo

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Sons do Infinito - Autor Fernando Silva
publicado por Vítor Marceneiro às 18:30
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

Mário Pacheco - Violista e Guitarrista de Fado

Mário Pacheco nasceu em Lisboa. (Em que bairro?)

Filho António Pacheco, que tinha um negócio de mercearias, e que durante alguns anos era o guitarrista contratado no Solar da Hermínia.

Decerto por influência do pai começou tocar viola. Estudou solfejo e guitarra clássica na Academia de Música de Lisboa. Chegou a tocar em algumas casa de fado como viola de acompanhamento.

Começou a interessar-se pela guitarra portuguesa.

Estudando a técnica da guitarra portuguesa, também compôs as suas próprias músicas.Músicas de sua autoria foram cantadas por muitos fadistas e cantores dos quais se destacam Amália Rodrigues, Mariza, Carlos Zel, Ana Sofia Varela ou Mísia.

Em 1992 é editado um álbum seu  “ Um outro Olhar”, depois “Outro Olhar” e seguiram-se “Guitarras do Fado” e ainda as compilações  “Cantar Amália” e “Guitarra Portuguesa”.

Dos inúmeros espectáculos em que tem participado, destacam-se as suas actuações no World Festival of Historical Citys (Kioto- Japan); no Festival das Guitarras de Cordoba, Mitte Europa Festival

( Munich), em Nápoles com Amália Rodrigues e Roberto Murolo, no Festival de Literatura da Noruega, em Lillehamer e na Expo 98.

É  proprietário da Casa de Fados “Clube de Fado”, que abriu nos anos noventa, que é hoje um local de referência.

 

Foto na Adega Machado, em que Mário Pacheco ainda violista acompanhou Alfredo Marceneiro.

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 12:45
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Setembro de 2008

Manuel António Pereira

Historiador licenciado, Etnógrafo.  Escritor e poeta-cronista.

 

     Flaviense de gema,  pois foi na cidade de Chaves que nasceu. 

Embora vivendo no Sul, não falta com a sua colaboração no semanário Notícias de Chaves,  é responsável por uma  página que aborda temas diversos de cunho cultural, e onde dá grande destaque à poesia.

     Encetámos contacto através do nosso comum amigo o poeta Fernando Pinto Ribeiro. No passado mês de Junho enviou-me alguns poemas seus, dedicados ao projecto Lisboa no Guiness,  dois dos quais agora aqui publico,  com os meus agradecimentos.

 

 

REPE DO FADO VADIO

  

Poema de Manuel António Pereira

 

Fado vadio, saudade,

rufião da liberdade,

prostituta, proxeneta,

hedonista e/ou asceta,

pensador, filosofia,

preferes a noite ao dia,

ciúme, crime, paixão,

“as tábuas do meu caixão”.

Cantigas de amor e de amigo,

o escárnio canta contigo

ao abrigo dos poetas,

da lei da morte os libertas.

Marialva da paixão

na misógina traição

recusas lugar cativo,

cantas o povo furtivo.

Cigarros, copos- de- três,

mijas na esquina ao revés

das cordas trinando vida,

pela guitarra parida

por trágicas intimidades,

desconhecendo as idades.

Mares de afectos, comoções,

violas ,flores , ilusões,

numa boa, coisa boa,

“joaninha voa, voa,

leva as cartas a Lisboa”,

platónicas metáforas,

sensuais alegorias

p´las vielas mais sombrias

comigo sempre a teu lado,

fado vadio, vadias!

 

 

Martim Moniz - Quadro a óleo do Mestre Real Bordalo

 

 

SILÊNCIO, CANTA-SE O FADO

 

 

Silêncio, canta-se o fado

por Lisboa enamorado,

atrevido fado, gingão,

rei do fado, evocação,

Marceneiro, embuçado,

Bairro Alto renovado.

Alfama, estiva, marujos,

Mourarias de intrusos,

procissões e arraiais,

Feira da Ladra, jornais,

alcachofras,aguarelas,

Maluda, típicas janelas,

gatos de Fialho, a ronronar,

“Lisboa galante “ a desfilar,

quadras populares, Sto.António,

labaredas no escroto do demónio,

marchas dos bairros a passar,

arcos e balões,enlevado par.

manjericos no vaso, à janela

malmequeres de sentinela,

sina: muito, pouco, nada,

alterna no fado, gravada.

Sorrisos, lágrimas, ais,

carroças, jumentos, atafais,

malandrecos de urinol,

discussões de futebol,

Luas plas noites beijadas,

boémias e desgarradas,

rufias, chulos, rameiras,

nas varandas, as floreiras.

Caldo verde, verde vinho,

maduro ou branco, muitinho,

chouriço assado, sardinhada,

grelhados numa guitarrada.

Silêncio, canta-se o fado.

Lisboa canta, canta Lisboa,

canta até que a voz te doa.

Xailes choram de saudade,

amores e ciúmes ,amizade.

Marco do correio a conversar

com “aquela janela virada pró mar”.

Andorinhas nos telhados,

Portugueses deserdados,

”pão e vinho sobre a mesa”,

novo estado ,singeleza,

Estado Novo, vil pobreza.

Silêncio, canta-se o fado…

Na guitarra o Armandinho

trata as cordas com carinho;

ti Alfredo Marceneiro,

rei do fado verdadeiro,

Zé Viana,”Zé cacilheiro”,

o Chico do cachené,

citações em rodapé.

Varandas quase juntinhas

pedem salsa às vizinhas.

Leoa do fado, fadista,

já cantaste na revista,

que exilaram da cidade,

perversão da liberdade?

Varinas, canastras, chinelas,

descem na Madragoa as vielas,

Bairro da Esperança, Ribeira

da Júlia Florista, vendedeira.

Touros, cavaleiros, forcados,

marialvismos aperaltados,

“ a casa da Mariquinhas”,

“janelas com tabuinhas”.

Fadistices, tascas, fado vadio,

calceteiros,alarido,rapazio,

putos a jogar a trapeira,

o “chui” no giro, asneira…

No cais, uma grossa amarra

à liberta Lisboa se agarra,

chia a rir do marujo enjoado

fixando o bombordo atracado,

tudo existiu, tudo isto é fado.

 

Poema de Manuel António Pereira

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 10:23
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags