Domingo, 30 de Novembro de 2008

HERMÍNIA SILVA... que saudades

                   

 

Hermínia Silva

canta "Mãos Sujas"

com letra de Frederico de Brito e Música de Frederico Valério

num programa de Televisão nos anos sessenta.

Este número foi estreado por Herminia na Revista Chuva de Mulheres em 1937

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Que Saudades
música: Mãos Sujas
publicado por Vítor Marceneiro às 23:20
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

BRAGA - HOMENAGEIA HERMÍNIA SILVA

A A.C.O.F.A,  leva a efeito no dia 29 de Novembro no "Theatro Circo" a 8ª Grande Noite de Fado 2008, deu-me a honra de me convidar para receber o testemunho da homenagem que fazem a Hermínia Silva, por ter sido o seu biógrafo, e, simultaneamente para presidente de júri de avaliação do concurso de Fado .

Para além dos concorrentes, estará presente para relembrar Hermínia Silva a actriz Noémia Costa.

 

               Relembro  que Hermínia Silva faria 101 anos em 23 de Outubro

 

BIOGRAFIA

Hermínia Silva nasceu às 18 horas do dia 23 de Outubro de 1907, no Hospital de São José, freguesia do Socorro, era filha de Josefina Augusta, que morava à data do parto na Rua do Benformoso, 153, no 1.º andar, freguesia dos Anjos, em Lisboa. (1)

(1) Conforme Acento de Nascimento n.º 704, do ano de 1907, na 8.ª Conservatória do Registo Civil de Lisboa.

Sua mãe, chamava-se Josefina Augusta, era natural de Samora Correia. Teve uma irmã mais velha que tinha o nome de Emília e um irmão que se chamou Artur Moreira.

É com palavras da própria Hermínia, com a sua simplicidade, a sua graça no jeito tão pitoresco que ela tinha a exprimir­‑se, que aqui se transcreve parte da sua biografia:

Julgo que nasci numa casa ali para os lados do Campo de Santana (2), numa travessa, cujo nome não recordo, e não recordo porque saí de lá apenas com oito meses. A verdade é que não tenho quaisquer recordações do tempo que mediou entre o meu nascimento e a idade escolar, mas creio que fui uma criança absolutamente normal, com todas as gracinhas, «perrices» e evoluções que são comuns a todas as crianças normais.

No entanto, recordo que me con­taram que quando tinha oito meses caí da varanda à rua. Mas eu explico como isso foi e como é possível eu ainda aqui estar a falar sobre a minha infância.

Ora, na casa onde nasci, havia uma va­randa, na qual eu brincava habitualmente, que, por segurança, estava protegida por uma rede. Porém, um dia, por qualquer razão, que ignoro, alguém tirou a rede e eu, na minha «gatinhice», enfiei pelas grades e fiz um «voo pi­cado» até à rua… bom, até à rua não, porque tive a sorte de cair na giga de uma mulher que vendia hortaliça e que, providencial­mente, passava nessa al­tura debaixo da varanda.

Logo um senhor, que passava por ali na ocasião, agarrou em mim e levou­‑me para o Hospital. Cheguei lá e... pasmem, verificaram que não tinha nem uma beliscadura. E eu, muito sossegadinha, não chorava nem nada.

Deram­‑me, depois, lá no Hospital, uma colher de cerveja preta e trouxeram­‑me finalmente de volta a casa, onde todos se encontravam mui­to aflitos,... Mas cair de um segundo andar à rua, apenas com oito meses, e nada sofrer, hem?! Ao menino e ao borracho…

Este é, segundo julgo, o único episódio fora do vulgar da minha infância, já que não tenho ideia ouvir falar em mais nada.

Como consequência dessa queda da janela à rua, veio uma mudança de resi­dência. Minha mãe, impressionada com o acidente, não quis continuar naquela casa e, assim, mudámo­‑nos para o Castelo.

(2) Hermínia faz esta afirmação sobre o seu nascimento em entrevista ao jornal Trovas de Portugal, de 30 Julho de 1933, onde, na página seis, Hermínia escreve pela pena do jornalista: — Sou de Lisboa, freguesia do Socorro, e criei­‑me no Castelo de S. Jorge!

No Álbum da Canção, datado de 1965, fala do local do seu nascimento, mas sem muita clareza: — nasci numa travessa da qual não me lembro o nome, ali ao “Campo de Santana”.

Em 1980, quando da festa da entrega da Medalha de Ouro da Cidade de Lisboa, Hermínia Silva é entrevistada para a RTP e diz que nasceu na «Rua das Flores» que ficava junto à Travessa Conde de Avintes, e que era perto do local onde morava o Armandinho. Ora este local situa­‑se na freguesia de S. Vicente de Fora e há lá uma Travessa das Flores e não Rua das Flores.

Desde que me entendo que gostei de cantar. E o fado, cantava­‑o a todo o mo­mento, e por toda a parte: na rua, em casa, na escola, desde que aos seis anos comecei a frequentar a escola, que ficava ali na Rua da Madalena, mesmo em frente da igreja.

Ora lá na escola, por vezes, havia umas festas nas quais tomavam parte algumas meninas que sabiam cantar. Eu deixava­‑me ficar muito caladinha quanto aos meus «méritos», pois tinha vergonha de os reve­lar. Até que um dia, quando se preparava uma dessas festas, uma das minhas colegas dirigiu-se à mestra e, apontando-me, revelou:

— Minha Senhora, esta menina canta muito bem!

Claro está que a professora quis, imediatamente, avaliar as minhas possibilidades e mandou-me cantar uma música que eu soubesse bem. E eu «desatei» logo a cantar um fado, daqueles bem fadistas.

A professora ao ouvir-me cantar o fado levou as mãos à cabeça e, fazendo um gesto negativo, declarou:

—  Ai. Esta menina! Não… Fado não!

Depois, talvez por ver a decepção estampada na minha cara, incitou-me a cantar outra «moda» que eu soubesse. Cantei, ou melhor, comecei a cantar uma canção que sabia também, mas o pior é que mesmo a canção, na forma como eu cantava e na minha voz, soava como fado. E, de novo, a senhora me interrompeu, repetindo, um tanto ou quanto escandalizada:

—  Não, fado não… Esta menina não pode cantar na festa! As meninas não cantam fado!

Escusado será dizer que fiquei com uma grande «pinha», pois cantar já era para mim uma paixão.

E começava também já a despontar em mim o desejo de representar. E chorei que me fartei.

Mas a vida continuou e eu sempre cada vez mais possuída por aquela verdadeira paixão que era para mim o cantar. E sempre que podia lá estava eu de «boca aberta» quer fosse em casa, quer fosse nas casas de pessoas amigas que me convidavam, de vez em quando, a cantar um «fadinho», quer fosse em festas particulares, onde me chamavam de propósito para eu «botar» cantiga, porque achavam que eu tinha «jeitinho».E eu ia sempre cantando e sempre a pensar no Teatro, pois nesse tempo não havia casas típicas e eu para as tabernas não ia… claro que não ia.

Até que um dia…

Estava eu em casa da minha irmã Emília (3), que morava ali em Entre Muros do Mirante, quando casualmente passou o Armandi­nho, que morava para aqueles lados e me ouviu cantar. Ou melhor, ouviu uma voz, vinda da­quele prédio. Então, subiu as escadas, bateu a porta e perguntou à minha imã, que foi quem abriu:

—  Não é aqui que está uma pequena a cantar?

—  É, é. É a minha irmã — re­plicou.

—  Que idade tem ela?

—  Olhe, tem doze anos.

—  Chame­‑a lá, faz favor — vol­veu Armandinho, cada vez mais interessado.

A minha irmã, que sabia o quanto eu era acanhada, volveu:

—  Ai, ela não vem.

—  Chame­‑a lá — insistiu o grande Armandinho. — Olhe que ela tem uma bonita voz. Uma voz muito engraçada. Ora cha­me­‑a lá. Que eu arranjo já um contrato para ela ir gravar um disco ao «Valentim de Carvalho».

A minha irmã sorriu, pouco convencida, e explicou a Armandinho:

—  Ai, ela não vai. A minha mãe não deixa.

Porém, o famoso guitarrista não se deixou con­vencer com aquela primeira negativa da minha irmã.

(3) Hermínia refere que a irmã vivia ali «Entre Muros do Mirante», à Graça, e provavelmente passava por este local quando ia para casa da irmã. Quanto à sua alusão a Rua das Flores, e como já acima referi, será lógico ser Travessa das Flores, que fica na freguesia de S. Vicente de Fora.

Gostara, sinceramente, da minha voz, da ma­neira como eu interpretava o fado e não estava disposto a desistir assim às primeiras. E então pediu licença para entrar, para falar directamente comigo.

Escusado será dizer que eu, que estivera a ou­vir toda a conversa, apareci nesse instante e, então, Armandinho dirigiu­‑se­‑me:

—  Então, não quer vir cantar?

Eu claro que queria cantar, já que cantar era, pode dizer­‑se, a mi­nha vida.

Mas a verdade é que fi­quei muda e o malogrado artista prosseguiu:

—  Ora vá, venha gravar um disco. Olhe, nós agora até vamos a Berlim, com o Menano e a Ercília Costa, e a menina também podia ir.

Talvez por julgar que me encon­trava a sonhar, a verdade é que per­maneci muda como um penedo, enquanto o meu interlocutor, certamente para me entusiasmar, ia pros­seguindo, tentador:

—  Vá, venha que faz um «vistaço». Venha lá gravar um disco. Então não quer ir connosco cantar? Então não quer ir para o Teatro?

É claro que, se eu tinha imensa vontade de ir para o Tea­tro, naquela altura, ainda fiquei com mais. Mas não fui. Não fui com o Armandinho. Sim, não ia assim para Berlim. De maneira nenhuma...

Mas as coisas da vida nem sempre cor­rem à medida dos nossos desejos, e o mundo dá muitas voltas.

Chegou a altura em que tive necessidade de ir aprender um ofício e empreguei­‑me como aprendiza de modista. No en­tanto, o meu pensamento estava sem­pre no Teatro e no Fado. E continuei a cantar, quer pelos bailaricos, quer em festas particulares, para as quais estava sempre a ser chamada. E eu ia sempre, pois o que eu queria era cantar…

EU, QUE NÃO SOU NADA DRAMÁ­TICA,

FUI AMADORA DRAMÁTICA…

Quando tinha os meus dezoito anos (1925), sempre norteada pelo grande amor que dedicava ao Teatro, inscrevi­‑me como ama­dora dramática no «Grupo dos Leais Amigos», ali ao pé da igreja de S. Vicente. O que eu queria era representar e tanto assim que representei coi­sas dramáticas, eu que não sou nada dramática... Mas tal era a fúria de ser artista... que tudo me servia.

Em 1926, representei e cantei no antigo Teatro Gil Vicente, à Graça. Foi ali que, certo dia, apareceu um senhor que era escritor, Artur Vítor Machado de seu nome. Esse senhor levou­‑me à presença do pai, o maestro A. Júlio Machado, que era empresário, e foi logo assim, que ainda nesse ano me levou numa tournée à província.

Era tal a minha gana de vencer, que me comportei de tal modo que, no início desse giro artís­tico, o meu nome figurava nos cartazes em último lugar e quando regressámos eu era já a primeira figura.

Terminada essa tournée que foi, pode dizer­­‑se, o início da minha carreira como profissional, fui trabalhar para um cinema, ali à Esperança, o «Malacaio». O contrato por oito dias que me fizeram era para cantar fados no final da exibição dos filmes.

Mas a verdade é que o público me dispensou tantas gentilezas, me acolheu e adoptou com tanta e tão grande simpatia, que esses oito dias se transfor­maram, quase sem que déssemos por isso, em dois anos.
É verdade: durante dois anos consecutivos actuei no «Malacaio» em final de festa. E sempre com o pleno agrado do público frequentador da­quele cinema que não me regateou o seu apoio e os seus aplausos. Ainda hoje conservo no coração a simpatia daquele pú­blico. Foi Rui Metelo, um empresário muito co­nhecido na época, que me proporcionou esse contrato.

O PARQUE MAYER

Quando finalmente deixei de cantar no «Malacaio», fui para o Parque Mayer. Ali os estabelecimentos de far­turas tinham, ao tempo, grande clientela, estavam em voga. Ali se cantava o fado. Pode dizer­‑se que essas casas foram as percursoras das casas típicas que hoje conhecemos.

Ora, quando fui para o Parque Mayer, era contratada pelo «Valente das Farturas». Este contrato, tal como acontecera com o cinema da Esperança, era por oito dias. Mas tal como aconteceu no «Malacaio», esses oito dias prolongaram­‑se por mais dois anos.

Nessa altura, eram frequentadores assíduos no «Valente das Farturas» a grande maioria dos artistas de então, que trabalhavam nos Teatros do Parque Mayer. Muitos deles já iam lá especialmente para me ouvirem, pois gostavam da minha maneira de cantar. O meu salário então já era de cinquenta e cinco escudos diários, o que para o tempo era um grande cachet, mesmo tendo em consideração que chegava a ter seis sessões diárias.

Entre os muitos artistas que fre­quentavam assidua­mente o «Valente das Farturas», que se tornara o palco onde eu dava livre curso ao meu íntimo desejo de cantar, contavam­‑se dois artistas de grande cartel na época, que trabalhavam no Teatro Maria Vitória, que eram o Alberto Ghira e a Hortense Luz, e certo dia vieram falaram comigo, convidando­‑me a ir para o teatro. Mas eu ganhava ali muito bem, embora o teatro fosse a minha grande paixão, eu não ia trocar o certo pelo duvidoso. Foi, pois, embora contrariada, que lhes disse que não acei­tava.

O Alberto Ghira ainda voltou a insistir, mas continuei a recusar, com o mesmo fundamento de que me sentia ali bem e ganhava uma pequena fortuna, mas disse logo que no dia em que deixar de trabalhar aqui irei para o Teatro, se ainda me quiserem lá.

E, assim, se gorou a primeira grande oportuni­dade­ para eu entrar para o Teatro de Revista e dele fazer o centro da minha actividade artística.

Como já tive oportunidade de frisar, também no «Valente das Farturas», tal como acontecera, ante­riormente, no Cinema em que actuei em fim de festa, mantive­‑me dois anos consecutivos, merecendo sempre, devo reconhecê­‑lo, o carinho do público, que aliás eu fazia por manter, dando tudo quanto tinha dentro de mim, sempre que cantava, o que acontecia, como também já disse, muitas vezes em cada dia.

Mas certo dia tive mesmo que parar de cantar, porque tive uma grande constipação nas cordas vocais que me pôs bastante «à rasca», durante mais de um ano. Foi com imensa tristeza, pois como já sabem, o cantar era o maior gosto da minha vida, e além disso tinha passado a ser a minha fonte de subsistência (4).

(4) Estava­‑se em finais de 1926 e Hermínia estava grá­vida; seu filho Mário Silva vem a nascer em 9 de Abril de 1927.

POR FIM O TEATRO DE REVISTA

Quando, finalmente, recuperei da doença, roidinha de sau­dades de cantar e do contacto com o meu querido público, que sempre me acarinhara, fui trabalhar para uma Sociedade de Recreio que, se não estou em erro, era o «Comando-Geral». Foi aí que, certo dia, o co­nhecido empresário Ma­cedo e Brito me abor­dou, dizendo­‑me que, conhecendo o meu valor achava que eu devia voltar era a cantar. Prometeu­‑me que me ia arranjar uma entrevista com o empresário de teatro António de Macedo.

Passados poucos dias confirmou­‑me a marcação da entrevista; fiquei entusiasmada, não podia perder esta nova oportunidade de ingressar no Teatro, que era o sonho doirado da minha vida, e logo fui falar com o António Macedo, que me contratou imediatamente, para actuar em fim de festa, cantando fados — claro está — na opereta «Fonte Santa» (1932).

O público voltou a corresponder inteiramente, aplaudindo­‑me com simpatia, e foi graças a esse mesmo público que, logo de seguida, fui contratada para fazer uma revista, que se intitulava Feijão­‑Frade (1933), que era um original de Xavier de Magalhães, Almeida Amaral e Fernando Santos. E esta foi a primeira revista em que eu entrei.

Foram assim na realidade os meus primeiros passos a sério com o teatro de revista, e a verdade é que, sem vai­dade, fiz um autêntico brilharete.

De então para cá tomei parte em inúmeras revistas, assim como numas quantas operetas, e até em peças declamadas.

A minha carreira continuou, felizmente, com grandes êxitos, que, certamente, eu não merecia, mas o público me quis oferecer.

Também actuei nos estúdios da RTP, a última vez foi num dos episódios da série Os Três Saloios, protagonizada por Raul Solnado, Humberto Madeira e Emílio Correia, três valores do nosso teatro ligeiro.
E devo confessar que gostei.

Tive, ao longo da minha carreira, como é natural, muitas e variadas pro­postas para ir ao estrangeiro, mas como sou multo «pegada» a isto.

Tenho muita relutân­cia em sair de Portugal, eu ainda nem sequer visitei as províncias ultramarinas, apesar dos muitos convites que para o efeito me têm endere­çado e do grande desejo que te­nho de as conhecer.

—  Fui ao Brasil, onde me demorei o menos tempo possível, aos Açores e à Madeira, onde fiz uma curta série de espectáculos.

Conclusão do autor:

Hermínia, sem sombra de dúvidas, nasceu a 23 de Outubro de 1907, no Hospital de S. José, freguesia do Socorro, em Lisboa.

O episódio que contou sobre ter caído da janela à rua refere­‑se decerto à rua onde sua mãe morava quando do seu nascimento, Rua do Benformoso, 53, 1.º, freguesia dos Anjos, em Lisboa.

Tudo leva a crer que sua irmã morava na Travessa das Flores, freguesia de S. Vicente de Fora, em Lisboa, enqua­drando­‑se assim com toda a lógica o episódio em que conta como o guitarrista Armandinho a ouviu cantar.

© Vítor Duarte Marceneiro

 

 

 

 

 
Livro Recordar Hermínia Silva

Livro biográfico "Recordar Hermínia Silva"

Edição de Autor Vítor Duarte Marceneiro

A vida de Hermínia, fotos, reportagens e as letras do seu repertório

Formato 16 X 21 com 232 páginas

Práticamente esgotado, ainda há alguns exemplares  (poucos) na loja do Museu do Fado

 

 
 
 
 
 
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

TERRAS DE PORTUGAL

Recebi este mail, que de imediato acedo  com muito gosto em publicitar esta grande iniciativa, neste modesto blog, que não pretende mais do que falar de Fado, falar do projecto de colocar Lisboa no Guiness com a cidade mais cantada do mundo, e de tudo o que faça parte da nossa comunidade.


Exmos Senhores:

Pela presente, gostaria de apresentar um novo projecto relacionado com as localidades do nosso país. Trata-se de uma Enciclopédia on-line, escrita em colaboração pelos seus leitores. O site, que se intitula Memória Portuguesa, usa o conceito Wiki, que permite a qualquer pessoa criar ou editar artigos existentes, melhorando a informação neles contida. Além disso, é possível introduzir comentários em cada artigo, promovendo assim o debate animado entre os utilizadores.

Utilizando o Google, procurámos os contactos de blogs e sites dedicados às localidades portuguesas. Visto que a intenção é promover as Terras de Portugal, dando especial atenção às localidades do interior, a sua contribuição seria muito apreciada. Caso ache o projecto interessante, por favor registe-se usando a password abaixo na seguinte página:

WTP2008

http://terrasdeportugal.wikidot.com/system:registar

Assim, gostaria de contar com a sua participação e sugerir que divulgue esta iniciativa junto dos amigos da sua  localidade ou enviando o convite a pessoas interessadas. Será que poderia incluir um link para esta enciclopédia no seu site ou blog?

Asseguro-lhe que o site foi idealizado e concebido por um grupo de amigos cuja intenção é promover o amor pela terra natal de cada português. Assim, será dada especial relevância às memórias dos cidadãos, para que sejam preservadas tradições antigas, recordações de infância, ofícios, cantares, folclore e outras manifestações culturais.

O site está ainda numa fase muito inicial, mas uma longa caminhada começa sempre com um primeiro passo.

Ficarei a aguardar a sua opinião.

Cumprimentos,

Carlos Pereira

Wikinet

Wiki Memória Portuguesa


Escrever, fotografar, filmar,  é deixar testemunhos para as gerações vindouras, é um dever, é uma obrigação, e se for feita com amor não custa nada.

Bem hajam pelo vosso projecto, espero que este blog contribua para a sua divulgação.

Oferece-vos um Video-Clip, entre muitos, feito por um "Português de  Primeira" e um tripeiro de alma e coração, o Dr. José Manuel Pedrosa, que para além deste e dos que já aqui publiquei, tem uns milhares de fotos do nosso Portugal e de quase todo o mundo.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 22:18
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

ZÉ BENTO

A. José Bento Machado, "ZÉ BENTO" nasceu no Porto e está actualmente a residir em S. Paulo Brasil desde Fevereiro de 2004

 

 

Como está  aposentado e dedica uma grande parte das horas do dia à informática onde adora  "brincar" com imagem e som para manter a  mente ocupada .

Zé Bento não esquece Portugal e as suas raízes,  é um devoto do Fado que começou  a apreciar em Moçambique onde cumpriu o  serviço militar,  e foi na Ciadade da Beira, que conheceu o mau pai , quando vinha do mato para a cidade,    era certo dar uma passadinha no Moulin Rouge,  e logicamente na Toca do Fado, que era onde meu pai actuava.
Como bom Português e bom tripeiro tem sentido a nostalgia da Pátria e consequentemente do Fado, pelo que começou e engendrar um esquema para cantar, e assim com um CD de instrumental de fado,  começou a gravar com a sua voz  alguns Fados,  que conseguiu com um resultado bastante bom, e que publica na Internet. Espero que venha a gravar com músicos.

Começou com o tema "Tudo isto é fado", depois  "Saudade vai-te embora" e agora brinda-nos com o  "Embuçado", num excelente trabalho em "power point" de sua autoria. 
Descobriu o meu blog, escreveu-me  palavras de apreço  sobre o meu trabalho, e ainda sobre o meu avô ALFREDO MARCENEIRO,   de quem é fã incondicional, disse-me que passa horas a fio matando saudades, ouvindo os seu Fados.

Amigo Zé esta é a minha homenagem, sinto-me honrado por a partir de hoje sermos amigos.

Grande Tripeiro, parabéns

Um abraço Fadista

Vítor Duarte Marceneiro


http://www.slideboom.com/presentations/29095/EMBU%C3%87ADO
http://br.youtube.com/BentoMachado  (este não precisa explicação )

http://dps-caborabassa.hi5.com  (o espaço que criei para o tempo da guerra aqui sou o Bento Machado)

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Fadoi do Embuçado
publicado por Vítor Marceneiro às 22:03
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008

MARIA JÔ JÔ

 

Maria Jô Jô canta "Férias em Lisboa"

da autoria de António José e Helena M. Vieira.

 

Maria Jô Jô, é proprietária do Restaurante Típico Taverna Del´Rei em Alfama.

Brevemente farei aqui uma página e um Video-Clip,  desta linda fadista, para além de ser uma mulher jovem, já canta há muitos anos e tem repertório próprio e muitos admiradores.

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Férias em Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 21:08
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 12 de Novembro de 2008

APITA O COMBOIO

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Apita o Comboio -Popular
publicado por Vítor Marceneiro às 21:31
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008

Comboio do TUA... Não há-de parar....

FLORENCIA cantou no Festival RTP da Canção 1979 " O COMBÓIO DO TUA" uma apologia à linha mais bonita do mundo, ao comboio , aos ferroviários e sobretudo às gentes simples de Trás os Montes muitas vezes obrigadas a emigrar para poderem subsistir mas sempre com o sonho de voltar e melhorar a sua região...
Voltam mas verificam que tudo está pior e até o seu, de todos, comboio, querem destruir em nome de mais energia... para quem?!!

 

 

 

 

O COMBOIO DO TUA

OLHA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
TRÁS EMIGRANTES, TRÁS EMIGRANTES
E NO COMBOIO QUE SOBE O TUA
VELHOS SOLDADOS E ESTUDANTES
VÃO DE VIAGEM P’RA TRÁS-OS-MONTES
E O COMBOIO QUE SOBE O TUA
FAZ POUCA TERRA A MUITA TERRA
ATÉ AO FILHO QUE ANDA NA RUA
E HÁ NAMORADOS P'R'ALÉM DO TUA
LENÇOS BORDADOS ROUPAS DE CAMA
BRINCAM CRIANÇAS SOLTAS NA RUA
POR ENTRE AS PEDRAS NO MEIO DA LAMA
E O COMBOIO QUE SOBE O TUA
OS NAMORADOS LEVAM UM BEIJO
ANTIGO SONHO DE MULHER NUA
SOFRIDO EM FRANÇA SEMPRE UM DESEJO
OLHA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
TRÁS VIAJANTES, TRÁS VIAJANTES
E O RIO À ESPERA ESPELHO DA LUA
LAVA SAUDADES DOS EMIGRANTES
E EM TRÁS-OS-MONTES, POR TRÁS-OS-MONTES
UMA ENXADA DA CHARRUA
DE SOL A SOL TAL COMO DANTES
ESPERA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
EM TRÁS-OS-MONTES, POR TRÁS-OS-MONTES
UMA ENXADA DA CHARRUA
DE SOL A SOL TAL COMO DANTES
ESPERA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
OLHA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
OLHA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
OLHA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
OLHA O COMBOIO QUE SOBE O TUA
OLHA O COMBOIO QUE SOBE O TUA

 

 

Esta página é uma sincera homenagem às vítimas que já pereceram nesta via.

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Comboio do Tua canta Florência
publicado por Vítor Marceneiro às 21:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 9 de Novembro de 2008

Teatro - Feito com alma e amor

 

Este  video-clip, é a minha pequena homenagem a estes grandes actores, que fizeram o favor de me convidar para a estreia,  levei  os meus filhos, o Alfredo de 9 anos e Beatriz de 5 anos,  ( excepcionalmente porque eram só dois, pois a experiência, confirma que em grupo é mais apropriado para crianças a partir dos 10 anos), mas felizmente  estiveram muito atentos e portaram-se muito bem, como aliás poderão verificar pelos comentários que eles acederam a fazer para a filmagem

 


 

Este excepcional grupo de actores, que já há vários anos que vem fazendo este espectáculo, num horário escolar, afim de permitir às escolas organizarem-se para trazerem os alunos ao teatro.

Não têm qualquer subsídio, fazem-no por amor à arte e com o sacrifício das suas horas de descanso.

O espectáculo está vocacionado para alunos a partir do 6º ano, é necessário marcar, pois a sala do Teatro de S. Francisco,  situada no Largo da Luz, tem capacidade para cerca de 100 lugares. O espectáculo é levado á cena todas as 3ªs. Feiras pelas  11,00 Horas.

Para marcações basta contactar  os telefones

213 561 986 o 963 501 531

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 18:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 8 de Novembro de 2008

TONY DE MATOS - SÓ NÓS DOIS

Recordar o grande cançonetista TONY DE MATOS, cantando o bonito poema "SÒ NÓS DOIS", de Joaquim Pimentel,

Tony de Matos cantava o chamado "Fado Canção", para os puristas não será «Fado», mas eu acho, aliás tenho a certeza que Tony de Matos era um fadista de alma e coração.

Permitam também que dedique este trabalho à sua última companheira, uma das mais lindas senhoras que conheci no Fado, Lídia Ribeiro, gostaria de fazer uma página neste blogue sobre a sua carreira artística, mas têm sido infrutíferas todas as tentativas para a contactar, como é mãe de Teresa Guilherme, tentei o contacto,  mas até esta data não tenha conseguido, embora tenha já deixado alguns recados na SIC.

 

 

 

SÓ NÓS DOIS

 

 

Só nós dois é que sabemos

O quanto nos queremos bem

Só nós dois é que sabemos

Só nós dois e mais ninguém

Só nós dois avaliamos

Este amor, forte, profundo...

Quando o amor acontece

Não pede licença ao mundo

 

                                    Anda, abraça-me... beija-me

                                    Encosta o teu peito ao meu

                                    Esqueça o que vai na rua

                                    Vem ser meu, eu serei tua

                                    Que falem não nos interessa

                                    O mundo não nos importa

                                    O nosso mundo começa

                                    Cá dentro da nossa porta.

 

Só nós dois é que sabemos

O calor dos nossos beijos

Só nós dois é que sofremos

As torturas dos desejos

Vamos viver o presente

Tal-qual a vida nos dá

O que reserva o futuro

Só Deus sabe o que será.

 

             Joaquim Pimentel

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Só nós dois de Joaquim Pimentel
publicado por Vítor Marceneiro às 16:28
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008

Francisco Martinho & Fernando Maurício - Desgarradas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dois grandes fadistas que nos final dos anos sessenta, obtiveram grandes êxitos.  Estiveram contratados na "Adega Mesquita", onde  cantavam a solo, mas os admiradores que ali acorriam para os ouvir , exigiam que ambos  cantassem à desgarrada.

Nestas desgarradas, já  que o estilo de ambos era muito idêntico,  ambos inteligentemente, faziam o "despique"  utilizando os seus "pianinhos", em que ambos eram excepcionais, e assim se  demarcavam.

Quis o destino que Francisco Martinho nos tenha deixado muito cedo. Para além das gravações,  e das foto nas capas dos discos, não tenho conseguido mais pormenores. Decerto haverá alguém que nos possa dizer mais sobre este grande fadista, para aqui se fazer uma página de recordação e homenagem.

 

 

Fernando Maurício e Francisco Martinho, cantam uma desgarrada da autoria de Carlos Conde,  que é uma ronda pelos vários Fados Clássicos, a que o poeta deu o nome de "Revista dos Fados"

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Desgarrada Revista de Fados
publicado por Vítor Marceneiro às 21:47
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Novembro de 2008

GLÒRIA LASSO CANTA.... LISBOA

 

Fruto dos contactos que possuo e de pesquisas que como   autor deste blogue realizo, posso hoje apresentar uma grande artista espanhola.
Gloria Lasso, cujo verdadeiro nome, era Rosa Maria Coscolin, nasceu em Vila Franca de Penedès a 25 de Novembro de 1922, em Espanha (Catalunha). Faleceu em Dezembro de 2005.
Artista famosa radicou-se em França, entrou em vários filmes e gravou dezenas de discos, correu o mundo inteiro e foi cartaz no Olímpia de Paris.
Glória Lasso também cantou fados em francês. interpretando a canção "Lisboa Antiga", que, a par de "Coimbra", deve ser das nossas canções mais conhecidas no estrangeiro, o que vem demonstrar que Lisboa já se canta em todo o Mundo há muitos anos, o que me leva cada vez mais a pensar, que colocar Lisboa no Guiness, como a cidade mais cantada do Mundo, seria um projecto interessante, não só para Lisboa, como para Portugal, ideia que este blogue sempre defendeu.
Esta canção, pela voz desta artista, chegou a França, e a toda a América Latina.
Olhai senhores, esta Lisboa de encantar. Vamos colocá-la no Guiness ?
 

 
 
 
  Canta : Lisboa Antiga
 
Nota: Agradeço a colaboração do grande amante de Fado, o Catalão Jaume Coy
Contacto com o autor: clicando aqui
música: Lisboa Antiga
publicado por Vítor Marceneiro às 17:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 1 de Novembro de 2008

MERCADO DA RIBEIRA

Lisboa foi desde sempre uma cidade de mercadores.
Pelas ruas vendia-se um pouco de tudo. Com os cestos às costas ou a mercadoria no chão o mais pequeno espaço servia para o negócio. Com os descobrimentos este pendor mercantilista acentuou-se.
As naus traziam para o porto de Lisboa todo o tipo de produtos provenientes dos mais exóticos e longínquos recantos, assim no séc. XVI começou a haver a preocupação de arrumar a cidade e colocar os mercadores em locais específicos.
Foi então que surgiu o Mercado da Ribeira Velha. Ficava situado na zona do actual Campo das Cebolas, vendiam-se principalmente bens de primeira necessidade como hortaliças, peixe e fruta.
Em 1766, passados onze anos depois do terramoto que martirizou a cidade de Lisboa, o mercado foi transferido para ocidente do Terreiro do Paço (o local onde se encontra actualmente). Uma transferência inserida no plano de expansão da cidade traçado pelo Marquês de Pombal.
Começou a funcionar em 1771 e foi chamado de Mercado da Ribeira Nova, não era um mercado como hoje os concebemos,  era composto por 132 telheiros e cabanas com 256 bancas de venda, passava de um aglomerado minimamente organizado de comerciantes onde se continuava a vender de tudo.
Foi só no séc. XIX, mais concretamente em 1882 que abriram as portas do refeito Mercado da Ribeira Nova. O nome manteve-se mas desapareceram os telheiros e as cabanas. No mesmo espaço nasceu um edifício com uma estrutura em ferro que albergava no interior todas as bancas. A grande novidade era a existência de um corredor central onde o vendedores dispunham de água em abundância, o que permitia expor e conservar as mercadorias com cuidados de higiene inexistentes até então, sendo o projecto da autoria do engenheiro Ressano Garcia e foi aprovado em sessão camarária em 17 de Junho de 1876.
Passado onze anos da inauguração um gigantesco incêndio destruiu quase por completo o já por duas vezes inaugurado Mercado da Ribeira Nova. A  nova reconstrução demorou quase 30 anos, de 1902 a 1930, ano em que aparece então a cúpula que (ainda hoje existe). Uma cúpula que suscitou a curiosidade dos Lisboetas, pouco habituados a um mercado a funcionar num edifício deste género. O espanto foi tal que passaram a chamar-lhe a "Mesquita do nabo".
Foi então em 1930 e desta vez definitivamente que o Mercado da Ribeira ganhou a configuração preservada até hoje. A ele ficará para sempre ligado o nome de Frederico Ressano Garcia, com 27 anos o jovem engenheiro venceu um concurso para entrar nos quadros da Câmara Municipal de Lisboa, Dos quatro concorrentes para as duas vagas abertas, Ressano Garcia conseguiu o primeiro lugar e assume o cargo de engenheiro do Município  no ano de 1874.
O novo edifício já era muito mais que quatro paredes e oito portões para albergar vendedores. Os cuidados estéticos estiveram presentes no projecto, como é bem visível nos painéis de azulejos que ornamentam o átrio da entrada principal e o primeiro piso. No segundo andar começa a área restrita do mercado, é através de uma escada de pedra em caracol, que se chega á sala redonda com o piso em madeira e decorada com riquíssimos frescos assinados por Gabriel Constanti e datados de 1930.
O segundo andar serve como espécie de convite para se subir mais uns lances de escada, desta vez em ferro, que dão acesso ao local onde está religiosamente guardada uma das mais emblemáticas peças do edifício, o relógio da torre.
Fabricado em França na empresa "Horloges Bodet" era considerado um relógio revolucionário para a época. Mas a importância do relógio não impediu que a máquina estivesse parada quase 20 anos. Só em 1998 a Câmara Municipal de  Lisboa decidiu contratar um dos mais prestigiados relojoeiros portugueses,  António Franco para inspeccionar o relógio da torre. Em menos de um ano o sistema mecânico foi totalmente restaurado e o mostrador teve de ser feito de novo.

Um mostrador que guarda a assinatura do homem que permitiu que os cacilheiros voltassem a guiar-se pelo relógio da Torre do Mercado "FRANCO-LISBOA".
Outra escada em caracol conduz ao ponto mais alto do mercado. O piso onde está instalado o sino que dá as badaladas às horas e meias horas. Daqui pode observar-se toda a imponência do Tejo e ver atracar os cacilheiros que os ponteiros do relógio voltaram a guiar.
Mais tarde falarei do célebre “cacau da ribeira” onde ao raiar do dia começava a azáfama dos vendedores, e o inicio dos “moinantes” irem para casa.
Que saudades.

Amália Rodrigues

canta Namorico da Rita

de Artur Ribeiro e António Mestre

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Namorico da Rita
publicado por Vítor Marceneiro às 22:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Fado do Marinheiro - Os descobrimentos

Vasco da Gama

 

FADO DO MARINHEIRO

 

Criação de: Estêvão Amarante

 

                                                     O marujo criou fama.

                                                     Desde um tal Vasco da Gama

                                                     Que no mar foi o primeiro;

                                                     E o Pedro Álvares Cabral

                                                     Só foi grande em Portugal

                                                      Por ter sido marinheiro.

 

A lutar como um soldado,

Peito ao léu, rosto queimado,

Ao sol da terra africana,

Com a farda em desalinho,

(Foi às ordens de Mouzinho

Que deu caça ao Gungunhana !

 

                                                     Quando o mar era um segredo,

                                                     Os antigos tinham medo

                                                     De perder-se ou ir a pique;

                                                     Só zombavam das porcelas

                                                     As primeiras caravelas

                                                     Do Infante Dom Henrique!

 

Fartos já de andar nos mares,

Também vamos pelos ares

Sem temor, abrir caminho;

Pois bem sabe toda a gente

Que o marujo mais valente

É o avô Gago Coutinho!

 

                                                     Nessa Alcântara afamada,

                                                     O marujo anda à pancada

                                                     E arma sempre espalhafato;

                                                     É que guarda na memória

                                                     O banzé que houve na história

                                                     Do António Prior do Crato.

 

Quando vai p'rá Fonte Santa

E dá largas à garganta,

P'la guitarra acompanhado.

Até chora o mundo inteiro,

Porque a voz do marinheiro

É a voz do próprio Fado!...

 

  

 

Caravela Portuguesa dos Descobrimentos

 

FADO DAS CARAVELAS

 

­­Criação de Estêvão Amarante

 

Quando foi das descobertas e conquistas,

Os fadistas,

Guitarristas

De mais fama,

Lá no fundo do porão,

Deram alma e coração

Às descobertas do Gama.

 

                                                      No alto mar

                                                      Ia o barco a naufragar,

                                                      O vento rijo a soprar,

                                                      Que até os mastros levou.

                                                      Foi ao sentir,

                                                      Uma guitarra a carpir,

                                                      Que o Neptuno querendo ouvir,

                                                      A tempestade abrandou.

 

E nas horas d'incerteza, à marinhagem

Deu coragem

Na miragem

Da vitória.

Cabe ao fado o seu quinhão,

De todo e qualquer padrão,

Dos que fala a nossa História.

 

                                                      No alto mar

                                                      Quando em noites de luar,

                                                      O pensamento a pairar,

                                                      Na nossa aldeia natal.

                                                      Ai, era ver,

                                                      Quanta lágrima a correr,

­                                                      Na guitarra a descrever,

                                                      Saudades de Portugal.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags