Sábado, 30 de Maio de 2009

ALFREDO MARCENEIRO.... FADO "O REMORSO"

 

 

Fado "O Remorso"

 

Com letra de Linhares Barbosa e música da sua marcha, Marceneiro canta-nos este poema, que lhe valeu a Medalha de Ouro, num concurso de Fado, destacando-se a forma de dividir o verso, como ele nos explica no inicio do Fado.

  

"O REMORSO"
Letra de: João Linhares Barbosa
 
Batem-me à porta, quem é?
Ninguém responde... que medo...
que eu tenho de abrir a porta.
Deu meia-noite na Sé.
Quem virá tanto em segredo
Acordar-me a hora morta?
 
                                  Batem de novo, meu Deus!
                                  Quem é, tem pressa de entrar,
                                  E eu sem luz, nada se vê
                                  A Lua fugiu dos Céus
                                  Nem uma estrela a brilhar
                                  Batem-me à porta, quem é?...
 
Quem é?... quem é?... que pretende?...
Não abro a porta a ninguém...
Não abro a porta ainda é cedo...
Talvez seja algum doente
ou um fantasma, porém
ninguém responde... que medo.
 
                                 Será o fantasma dela
                                 da que matei. Não o creio!...
                                 A vida, a morte que importa.
                                 Se espreitasse pela janela,
                                 Jesus! Jesus! que receio
                                 que eu tenho de abrir a porta.
 
Feia Noite de Natal.
A esta hora o Deus Menino
Já nasceu na Nazaré.
Não há perdão para meu mal
Calou-se o Galo. E o sino
Deu meia-noite na Sé.
 
                                 Continuam a bater
                                 Decerto que é a Justiça
                                 P´ra conduzir-me ao degredo
                                 Matei, tenho de morrer
                                 Oh! minha alma assustadiça
                                 Quem virá tanto em segredo?
 
 
Seja quem for, é um esforço
Vou-me entregar que tormento
Que me vence e desconforta.
— Ninguém bateu! Oh! remorso
Não é ninguém! É o vento
Acordar-me a hora morta.

 


Recebi estes versos de homenagem a Alfredo Marceneiro,  que se baseiam neste tema, ao seu autor, o meu muito obrigado.

 

HOMENAGEM A ALFREDO MARCENEIRIO
 
Versos de Abílio Duarte (1960)
 
 
BATEM-ME Á PORTA QUEM É
NINGUÉM RESPONDE QUE MEDO
QUE EU TENHO DE ABRIR A PORTA
DEU MEIA-NOITE NA SÉ
QUEM VIRÁ TANTO EM SEGREDO
ACORDAR-ME A HORA MORTA
           
                                    ESTA SEXTILHA FAMOSA
                                    CANTADA POR UM FADISTA
                                    QUE DOS MELHORES FOI O PRIMEIRO
                                    TEVE UMA CARREIRA HONROSA
                                     POIS FOI NO FADO UM ARTISTA
                                     ESSE ALFREDO MARCENEIRO
           
CANTAR COMO ELE CANTOU
JAMAIS ALGUÉM CANTARÁ
DESSO TENHO EU A CERTEZA
É SAUDADE QUE FICOU
DECERTO PERDURARÁ
NA GERAÇÂO PORTUGUESA
           
                                    SOU NOVO ISSO QUE IMPORTA
                                     P'RA LEMBRAR O PIONEIRO
                                     QUE FELIZMENTE OUVI
                                     BATEM-ME Á PORTA QUEM É ?
                                     DEU MEIA-NOITE NA SÈ
                                     VERSOS QUE EU NUNCA ESQUECI
           
ESTES VERSOS BEM MODESTOS
PODEM CRER QUE SÂO HONESTOS
REPRESENTAM FADISTAGEM
SEM TER MOTIVO INTERESSEIRO
DEDICO-OS AO MARCENEIRO
PRESTAM-LHE A MINHA HOMENAGEM.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: O Remorso
publicado por Vítor Marceneiro às 20:46
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

ALFREDO MARCENEIRO - Fado Revolucionário

  O texto abaixo transcrito é da autoria de Luís Cília, músico, cantor e compositor, e foi publicado no jornal " O Público" em 3 de Março de 1996.

Já aqui o tinha publicado, mas nunca é demais repetir...para alertar! 

 

FADO REVOLUCIONÁRIO

  A primeira vez que ouvi um disco do Alfredo Marceneiro foi em Paris, nos anos sessenta. E, como ainda hoje sucede, fiquei extasiado com a profundi­dade e veracidade de tal canto. Imediatamente, a voz de Marceneiro passou a fazer parte dos meus eleitos, ao lado de Atahualpa Yupanqui, Violeta Parra, Brassens, Ferre e dos grandes cantores de blues.

Confesso que não sou um entendido em questões de Fado e portanto apenas posso expressar o que sinto, sem qualquer pretensão teórica. Porém, ao ouvir Marceneiro, e pela forma muito peculiar que ele tinha de frasear, é possível, se nos abstrairmos da língua, com­pará-lo aos grandes cantores que fizeram a história dos blues.

Ainda em França, antes e depois de 1974, tentei transmitir o meu entusiasmo a outros músicos amigos. E pelo menos dois ficaram, como eu, seus admiradores: o Paço Ibafiez e o Leo Ferre.

De uma forma casual, o Alfredo Marce­neiro ficou ainda ligado a dois episódios da minha vida.

O primeiro ocorreu logo a seguir ao 25 de Abril de 74, quando desembarquei (a 28) numa Lisboa que fervilhava de entusiasmo e onde começava, ao mesmo tempo, a germinar um sectarismo revanchista que ti­nha muito a ver cora o obscurantismo do passado e que, embora surgisse mascarado de revolucionário, nada tinha a ver com o que se passava a nível popu­lar. Uma das facetas desse revanchismo foi o ataque ao Fado, conotando-o com o fascismo. A 29 de Abril de 1974, dei uma entrevista ao Mário Contumélias, para a revista "Cinéfilo", onde afirmei que conside­rava o Alfredo Marceneiro um cantor revolucioná­rio. Embora na altura a afirmação tivesse algo de provocatório, a verdade é que ela não podia ser mais acertada. Ainda hoje penso que, no seu sentido mais profundo, o da transforma­ção do homem no que ele pode ter de melhor, que é a sua sensibilidade, o Marceneiro representa, com a sua arte, o que de mais ge­nuíno existe na cultura portuguesa.

Ê escusado dizer que, na altura, essa afir­mação me trouxe alguns dissabores políticos— de que muito me orgulho. (1)

O outro episódio, de que não pude con­firmar o rigor histórico, é o seguinte: num disco meu ("Margina 1", de 1981), gravei uma canção intitulada "Romance de Lulu do Inten­dente". Mais tarde, um amigo meu garantiu-me que, na sua juventude, o Alfredo Marceneiro era conheci­do por... "Lulu do Intendente". (2) Não posso, como dis­se, garantir a veracidade do facto. Mas, a ser verda­de... que alegria!

 

(1) Luís Cilia afirma que teve alguns dissabores políticos por ter feito esta afirmação, mas não foi com Partidos, foi sim com os tais cantores revolucionários (e alguns assim foram na realidade), que formavam um grupo sectário e arrogante, do qual CC (o Mentiroso) fazia parte. como se devem lembrar, que só eles é que tinham audiência, aliás dominavam  totalmente os media, e alguns ainda dominam.... e veio o Luís Cília, dizer o que disse ao pisar o solo da sua pátria, regessado do exílio,  por ser sim,  cantor, músico e compositor REVOLUCIONÁRIO.

Foi uma espinha atravessada na garganta dos tais....

 

(2) Na realidade até cerca dos seus vinte e picos anos, era conhecido no seu bairro, Campo d´Ourique, pelo Alfredo “Lulu” , porque fazia questão de embora com roupas modestas, andar sempre aperaltado, mas não do Intendente,  como aliás está explicitadoi no meu livro monográfico “Recordar Alfredo Marceneiro”

 

Alfredo Marceneiro canta

É Tão Bom Ser Pequenino

Versos de Carlos Conde

Música Fado Corrido

 


CARTA A ALFREDO MARCENEIRO por João Santos

 

 

Alfredo, meu querido amigo

minha missão é ingrata

mas lê bem o que te digo

e Deus esteja contigo

quando abrires esta carta

 

                                             notiçias, tu! ai tens minhas

                                             cá vai de mal a pior

                                             eu te explico nessas linhas

                                             o versiculo que tu tinhas

                                             agora é fado menor

 

afirmo,com toda a certeza

lê: e fica descansado

Deus trabalha por natureza

agindo em tua defesa

com fadistas a teu lado

 

                                             escreve, Deus por linhas tortas

                                             é ditado português

                                             Alfredo se não te importas

                                             hei-de procurar respostas

                                             e escrever-te outra vez

 

cantar-te, o desfecho final

actuaçâo de ventricúlo

acabar-se o carnaval

o menor sentir-se mal

e passar a ser versículo

Contacto com o autor: clicando aqui
música: è Tão Bom Ser Pequenino
publicado por Vítor Marceneiro às 10:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Alfredo Duarte Jr. (Marceneiro Filho)

QUE SAUDADES....

ALFREDO DUARTE JUNIOR

No dia 26 de Maio de 2009,  forão transladados os seus restos mortais  da campa no talhão dos artistas no Cemitério dos Prazeres, para um gavetão.

Faz dia 6 de Junho 10 anos que nos deixou,

Ainda na memória dos verdadeiros amantes do Fado, o «castiço - o fadista bailarino» Alfredo Duarte Junior, sempre fez por honrar o nome do seu pai, Alfredo Marceneiro. Já se tem feito  história de alguns fadistas grandes intérpretes do Fado.

A carreira de Alfredo Duarte Junior, meu pai merece, e terá decerto, um interessante e importante capítulo para o recordar, na história do Fado.

 


 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Com Saudades
publicado por Vítor Marceneiro às 18:53
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
Sábado, 23 de Maio de 2009

Fernanda Baptista - Nasceu para o Fado e para a Revista

 

 

Fernanda Baptista, evocada em exposição com mais de 500 peças pessoais da fadista, no 90º aniversário do seu nascimento - Produção e Realização de Miguel Villa 

Cerca de 500 peças pertencentes à fadista e actriz Fernanda Baptista, falecida em Julho passado, vão estar expostas em Lisboa, na Junta de Freguesia de Santos-o-Velho.
"Trata-se de vários objectos de cena, desde vestidos a adereços, como brincos ou colares, cartazes, fotografias, programas, pautas, jornais, procurando dar uma retrospectiva o mais completa de uma das mais fulgurantes carreiras da revista à portuguesa", explicou à Lusa Miguel Villa, organizador da exposição que estará patente de 25 de Maio a 28 de Junho.
A maioria dos objectos expostos foi oferecida pela fadista a Miguel Villa, coleccionador de objectos da actividade teatral e admirador de Fernanda Baptista.
"Éramos muito amigos, ela era uma pessoa excepcional e deu-me muita coisa, além daquilo que doou ao Museu do Teatro", explicou Villa.
Um dos objectos que será exposto é o seu último vestido de cena, emprestado pelo empresário Filipe la Feria, que a criadora de "Fado da carta" usou em "Canção de Lisboa", última peça em que se apresentou, em 2005.
O poeta José Luís Gordo, membro da Junta de Freguesia, sublinhou à Lusa "a importância de recordar figuras essenciais da cultura popular como a Fernanda Baptista, que teve inúmeros êxitos".
"É fundamental recordar estas figuras, se perdermos a memória corremos o risco de perder a nossa identidade e a Fernanda Baptista é uma cara de Lisboa", acrescentou.
Miguel Villa e José Luís Gordo sublinharam a ligação da fadista à marcha da Madragoa, bairro que integra a freguesia de Santos-o-Velho.
A fadista e actriz Fernanda Baptista faleceu a 25 de Julho passado com 89 anos. Além do "Fado da carta" (João Nobre/Amadeu do Vale), a fadista criou vários outros êxitos e foi primeira figura de várias operetas e revistas, entre elas, "Chuva de mulheres" e "Fonte luminosa".
A sua estreia na revista deu-se em 1945, em "Banhos de sol", a convite do compositor e maestro João Nobre, mas já anteriormente integrara o cartaz do Café Luso, a convite de Filipe Pinto, no início da década de 1940.
O êxito alcançado levou-a a deixar a profissão de costureira que exercia.
Um dos fatos expostos, da personagem "a filha de D. Afonso Henriques", foi executado por si própria para uma digressão, integrada numa companhia de revista, às comunidades portuguesas na América do Norte.
"Saudades de Júlia Mendes", "Fui ao baile", "Trapeiras de Lisboa", "Pedrinha da rua", "Fado toureiro" ou "Fado das sombras" foram outros dos seus êxitos.
A fadista foi distinguida pela Associação Portuguesa dos Amigos do Fado, pela Câmara de Lisboa e, em 2003, condecorada com a Ordem de Mérito pelo Presidente da República, Jorge Sampaio.
NL.
Lusa/Fim.

Parabéns Miguel Villa, pelo teu acerro iconográfico, bem hajas pelo amor com que divulgas grandes figuras da nossa cultura.

 

Ver neste blogue mais dados sobre Fernanda Baptista:

http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/63447.html

http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/128915.html

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 10:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 21 de Maio de 2009

Grande Marcha de Lisboa 2009 - José Reza

José Reza nasceu em Lisboa, no entanto passou a sua juventude no Tojal-Loures

Desde muito jovem que se sentiu atraído pela música, começou cantando baladas, canções e como não podia deixar de ser Fado.

Embora nunca tenha feito da música a sua profissão, tem actuado com frequência quer em espectáculos, quer em festas,.

Para além de cantar José Reza é poeta e compositor possuindo já bastantes poemas e músicas de sua autoria.

Este ano concorreu para a “Grande Marcha de Lisboa” e ficou em primeiro lugar. O poema “Lisboa é uma Festa”, foi escrito em parceria com Joaquim Isqueiro e a música é de sua autoria.

Parabéns…Viva Lisboa.

 

LISBOA É UMA FESTA

 

Letra de: José Reza e Joaquim Isqueiro

Música de: José Reza

 

No céu bailam gaivotas                                  

Por cima de uma canoa         

O Castelo abre as portas                   

É sempre festa em Lisboa     

E Amália tão bem cantou                     

No fado nossa cidade

E o até Tejo marchou

Ao descer a Liberdade

 

                                        Vem daí menina

                                        Tua marcha é esta

                                        Num balão acesso

                                        Lisboa é uma festa

 

                                       Vem daí rapaz

                                       Não marches à toa

                                       E traz um amigo

                                       Que queira contigo

                                       Abraçar Lisboa

           

Há um palco em cada rua

Onde o povo é sempre artista

Lisboa é uma festa

Cantada numa Revista

Se Amália cá estivesse

Marchava na Avenida

Pois o povo não a esquece

Sua voz nunca é esquecida

 

                                                    REFRÃO

 

                                           Lisboa lembra o passado

                                           Há festa cheira à sardinha

                                           Faz reviver o Chiado

                                           E a minha alma alfacinha

                                           Lisboa de antigamente

                                           Onde Amália era rainha

                                           Cantando p´ra toda a gente

                                           Num arraial à noitinha

 

Fui convidado para filmar os ensaios dos marchantes do Bairro da Madragoa, pelo Presidente  do Esperança Atlético Clube, que é o organizador do evento, assim como o coreógrafo e ensaiador Joaquim Guerreiro.

A meu convite o meu amigo José Reza autor da Marcha Vencedora deste ano esteve presente.

 

 

Da esquerda para a direita, José Reza, Vítor Marceneiro,

Joaquim Guerreiro e Mário Monteiro

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Lisboa é uma Festa
publicado por Vítor Marceneiro às 18:03
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 19 de Maio de 2009

Pateo Marialva de Jorge Costa

Jorge Costa, é natural de Palmela.

Desde muito jovem que se sentiu atraído pelo Fado e especialmente pela sonoridade da guitarra.

Aos 15 anos, porque seu pai não tinha possibilidades financeiras de lhe comprar uma guitarra para começar a aprender, encheu-se de brio e com muita habilidade construiu ele próprio o instrumento com que se iniciou.

Começou a cantar e a tocar em público, aos 22 anos, sempre como amador, uma vez que a sua  profissão é a de estofador.

Esta sua paixão pelo Fado leva-o a formar uma tertúlia fadista numa sua propriedade, em Fernão Ferro, a que deu o nome de “Pateo Marialva”, desde há cerca de trinta anos, que reúne às quartas-feiras, amigos e convidados,  numa “almoçarada” que se prolonga pela tarde fora, regada com muito Fado, e não só…

Por esta tertúlia através dos anos já passaram muito fadistas, quer amadores, quer profissionais.

Transmitiu aos seus filhos o gosto pelo Fado, tendo um filho, o Sandro Costa, que é já guitarrista profissional, estando actualmente contratado pela Taverna Del´Rei, acompanhando com frequência em espectáculos, a Cidália Moreira. Tem ainda um outro filho, o Miguel Angelo Costa, que tal como ele é estofador, mas que também toca, e muito bem, viola acompanhando Fado.

Tive o prazer de ser seu convidado, e fiquei “estupefacto” com o seu retiro… que se considerar-mos o Café Luso a “Catedral do Fado”, este seu cantinho é bem uma “Capelinha do Fado”…

Fui presenteado com uma medalha, como recordação, e tive também o grato prazer de saber que é grande admirador de meu pai.

Ah! Fadista.

Jorge Costa e Vítor Marceneiro

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 19:40
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 10 de Maio de 2009

MALUDA - 10 Anos de Saudade

RECORDAR MALUDA, é homenagear uma grande artista, gostava de Fado, tinha uma alma bem fadista, também  cantava, sim  cantava Lisboa pintando as suas janelas, os seus quiosques e seus telhados.

PARA UMA PINTORA
( Prosa de Helena Monteiro - no dia em Maluda faleceu)

Na geometria dos teus telhados
Na simetria da tua paisagem
Na luminosidade dos teus quiosques
Na serenidade das tuas janelas
Encontraste a força intelectual
A sabedoria exponencial
A beleza espiritual
De pintar Lisboa
De pintar Portugal.

Maluda , deixou-nos em 10 de Fevereiro de 1999

 

 

 Janela de Lisboa

 

 Nasceu na cidade de Pangim, em Goa, no então Estado Português da Índia. Viveu desde 1948 em Lourenço Marques (actual Maputo), onde começou a pintar e onde formou, com mais quatro pintores, o grupo que se intitulou "Os Independentes", que expôs colectivamente em 1961, 1962 e 1963. Em 1963 obteve uma bolsa de estudos da Fundação Calouste Gulbenkian e viajou para Portugal, onde trabalhou com o mestre Roberto de Araújo em Lisboa. Entre 1964 e 1967 viveu em Paris, bolseira da Gulbenkian. Aí trabalhou na Académie de la Grande Chaumière com os mestres Jean Aujame e Michel Rodde. Foi nessa altura que se interessou pelo retrato e por composições que fazem a síntese da paisagem urbana, com uma paleta de cores muito característica e uma utilização brilhante da luz, que conferem às suas obras uma identidade muito própria e inconfundível.

Em 1969 realizou a sua primeira exposição individual na Galeria do Diário de Notícias, em Lisboa. Em 1973 realizou uma grande exposição individual na Fundação Gulbenkian, que obteve grande sucesso, registando cerca de 15.000 visitantes e lhe deu grande notoriedade a partir de então.

Entre os anos de 1976 e 1978 foi novamente bolseira da Fundação Gulbenkian, estudando em Londres e na Suíça.

A partir de 1978 dedicou-se também à temática das janelas, procurando utilizá-las como metáfora da composição público-privado.

Em 1979 recebeu o Prémio de Pintura da Academia Nacional de Belas Artes de Lisboa. Nesse ano realizou ainda uma exposição na Fundação Gulbenkian em Paris. A partir de 1985, Maluda foi convidada para fazer várias séries de selos para os CTT. Dois selos da sua autoria ganharam, na World Government Stamp Printers Conference, em Washington, em 1987 e em Périgueux (França), em 1989, o prémio mundial para o melhor selo. Em 1994 recebeu o prestigiado prémio Bordalo Pinheiro, atribuído pela Casa da Imprensa. No âmbito da "Lisboa Capital da Cultura", realizou uma exposição individual no Centro Cultural de Belém em Lisboa.

Em 1998 foi agraciada pelo Presidente da República Jorge Sampaio com a Ordem do Infante D. Henrique, ao mesmo tempo que realizou a sua última exposição individual, "Os selos de Maluda", patrocinada pelos CTT.

Maluda morreu em Lisboa em 1999, aos 64 anos. Em testamento, a artista instituiu o "Prémio Maluda" que, durante alguns anos, foi atribuído pela Sociedade Nacional de Belas-Artes.

in: Wikipédia

 

 

 
Quiosque de Lisboa

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 23:44
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 8 de Maio de 2009

MAX

Maximiano de Sousa ficou conhecido do grande público, pelo diminutivo “Max”, nasceu no Funchal a 20 de Janeiro e 1918, mas só foi registado a 2 de Fevereiro do mesmo ano.
Aprende o ofício de alfaiate, e mesmo depois de ser artista ainda durante muito tempo manteve essa profissão.
Em 1936 começou a actuar à noite num bar de um hotel do Funchal, em 1942 foi um dos fundadores do conjunto Toni Amaral, onde actuava como cantor e baterista.
Em 1946 integrando esse mesmo conjunto rumam a Lisboa e são contratados para actuar no famoso cabaré “Nina”.
Começou a cantar fado em 1948, e o primeiro sucesso chamou-se “ Não digas mal dela” com música de Armandinho e letra de Linhares Barbosa, o êxito deste fado foi tão grande que iniciou a carreira a solo, que rapidamente se transformou num sucesso.
Em 1949 gravou o seu primeiro disco para a “Valentim de Carvalho”, com duas canções que se tornaram no seu definitivo trampolim para o estrelato “Noites da Madeira” e “Bailinho da Madeira”. Foi o primeiro de muitos êxitos como :“ A mula da cooperativa” “Porto Santo” “ 31” “ Sinal da Cruz” e muitos mais. Em 1952 iniciou uma brilhante carreira de actor, a convite de Eugénio Salvador participa na revista “Saias Curtas” , o desempenho agradou e entrou numa longa série de revistas. Em 1957 partiu para os E.U.A onde se manteve dois anos, inicia outra digressão por Angola, Moçambique, África do Sul, Brasil e Argentina. Depois do enorme êxito desta digressão e regressado a Portugal, lançou um novo fado que igual sucesso “Pomba Branca”.
Além de cantor Max destacou-se como compositor, muitos dos êxitos que interpretou foram composições suas, mas é de salientar a sua parceria com Artur Ribeiro, “Vielas de Alfama”, “Noite” , “Rosinha dos Limões” etc..
Este grande cantor, compositor, autor e músico deixou-nos no ano de 1980.
Embora nascido na Madeira, foi em Lisboa que Max se formou como artista, e foi nesta também sua cidade que alcançou os grandes sucessos da sua carreira.
Max é um fadista de alma e um pedaço grande de Lisboa.



VIELAS DE ALFAMA

Letra: Artur Ribeiro
Música: Max

Horas mortas, noite escura,
Uma guitarra a trinar,
Uma mulher a cantar
O seu fado de amargura.
E através da vidraça
Enegrecida e quebrada,
Aquela voz magoada
Qu´entristece a quem lá passa.

Vielas de Alfama,
Ruas da Lisboa antiga...
Não há fado que não diga
Coisas do vosso passado.
Vielas de Alfama,
Beijadas pelo luar,
Quem me dera lá morar
Pra viver junto do fado.

A Lua, às vezes, desperta
E apanha desprevenidas
Duas bocas muito unidas
Numa porta entreaberta.
E então a Lua, corada,
Ciente da sua culpa,
Como quem pede desculpa
Esconde-se envergonhada


Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 14:48
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 7 de Maio de 2009

MADALENA IGLÉSIAS

Madalena Lucília Iglésias do Vale de Oliveira, nasceu em Lisboa, no bairro de Santa Catarina, em 24 de Outubro de 1939, filha de mãe espanhola e pai português.

Desde muito jovem se sentiu com vocação para a música e com apenas 15 anos, entrou para o Centro de Preparação de Artistas da Rádio da Emissora Nacional.

No ano de 1957 estreia-se em simultâneo na televisão e na Emissora Nacional.

Em 1959 inicia-se a sua carreira internacional numa actuação na televisão espanhola.

Em 1960 é galardoada com os títulos de Rainha da Rádio e da Televisão.

Em 1962 através da E.N., actua Festival de Benidorm, onde tem muito êxito.

Em 1964 participa no I Grande Prémio TV da Canção Portuguesa com a canção "Balada Das Palavras Perdidas" onde obtém o 5º lugar da votação,  e ainda com a canção "Na Tua Carta", que fica em 10º lugar, ainda neste  ano vence o Festival Hispano-Português de Aranda del Duero, e estreia-se  no cinema, contracenando com António Calvário, em "Uma Hora de Amor", de Augusto Fraga,  participou também no filme "Canção da Saudade", de Henrique Campos.

Em 1965 com a canção "Silêncio Entre Nós", obtém o 3º lugar no Grande Prémio da TV da Canção. Neste mesmo ano grava o tema "Sol de Inverno" e  ainda "Poema de Nós Dois", e o tema "Passagem de Nível".

Em 1966 vence o Festival RTP da Canção de 1966 com a canção "Ele e Ela", da autoria de Carlos Canelhas, com o tema "Rebeldia" fica em 3º lugar,   e ainda, com "Caminhos Perdidos" obtém o 6º lugar. No Festival Eurovisão da Canção (1966) embora não ganhe, obtém grande sucesso, e "El Y Ella", a versão em espanhol, é editada em Espanha, França e Holanda. Ainda em 1966 obtém o segundo lugar no Festival do Mediterrâneo, com a canção "Setembro". Vence também o Prémio da Hispanidade com "Vuelo 502". O filme "Sarilho de Fraldas", de Constantino Esteves, onde volta a contracenar com Calvário, é um enorme sucesso e são editados dois EPs com temas desse filme.

Em 1967 recebe o prémio da Casa da Imprensa.

Madalena Iglésias continua gravando imensos temas, sendo grande parte deles em espanhol.

Em 1968, fica em 4º lugar nas Olimpíadas da Canção com o tema "Tu Vais Voltar", e no Festival do Rio de Janeiro, "Poema da Vida".

Em 1969 participa no Festival RTP da Canção com "Canção Para um Poeta".

Casou-se em 1972, abandonou a carreira artística e foi viver para a Venezuela. Actua para o Canal 4 da televisão Venezuelana.  Decidiu entretanto deixar de actuar,  para se dedicar exclusivamente à educação dos filhos.

Em 1987 mudou-se para Barcelona, onde vive actualmente.

Em 1990 nas comemorações do centenário do Coliseu de Lisboa, no espectáculo da Grande Noite do Fado de Lisboa, Madalena Iglésias recebeu o prémio prestigio. É homenageada na peça "What Happened to Madalena Iglésias?", um grande êxito da época, criado por Filipe La Féria.

Em 1994 a editora Movieplay editou uma compilação da cantora na série "O Melhor dos Melhores". A Strauss editou "Saudades de Lisboa", em 1996, e "É Já Sol Pôr", em 1997, com temas gravados para a editora espanhola Belter.

Em 2008 é lançada uma fotobiografia " O Meu Nome é Madalena Iglésias", da autoria de Maria de Lourdes Carvalho

Texto: Américo dos Santos Pereira

 

 

 

Madalena Iglésias

canta: Gostei de Ti

Letra de Guilherme Pereira da Rosa

Música de Jorge Costa Pinto

Video-Clip realizado por Américo dos Santos Pereira "Vitaskaly"

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Gostei de Ti
publicado por Vítor Marceneiro às 12:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 2 de Maio de 2009

Manuel António Pereira

Historiador, Etnógrafo e Escritor

O Dr. Manuel António Pereira, que tive o prazer de conhecer, através das palavras enaltecidas do saudoso poeta e comum amigo Fernando Pinto Ribeiro, lendo as suas crónicas e poemas no jornal de Chaves, e por fim pessoalmente.

Deu-me a honra de me dar a conhecer o seu projecto de editar um livro sobre Lisboa, Fado e muito mais, e logo de seguida convida-me a prefaciar o mesmo, fiquei sensibilizado com tal honra, para qual não me sinto à altura nem  mérito,  mas, me fez sentir orgulhoso por tal distinção.

Acabei de receber um exemplar, e para além da honra que já me tinha distinguido, o Dr. Manuel António Pereira, não só me inclui nas suas referências de agradecimentos, como me dedica um bonito poema sobre Lisboa.

 

Mosaicos da Minha Saudade

Lisboa, o Fado & Esparsos

 

Tomo a liberdade de trancrever partes que o autor escreveu no proémio, que demonstram bem a sua honestidade e integridade intelectual.

 

...A História, "mestra da vida", é segundo alguns, mais interrogação do que afirmação. Concordo, mas tão-somente naquelas situações em que à problematização não conrresponde nenhuma documentação credível, quando não se vislumbra o mais ténuo sustentáculo na multiplicidade de fontes a que o estudioso teve acesso, que confira autenticidade à resposta solicitada pela indagação. Todavia, o papel da História não deve, a meu ver, circunscrever-se a um arrazoado nunca-mais-acabar de interrogações, adiando, "sine-die", pronunciar-se.

...Jamais! Exige-lhe-se que, valorizando o estatuto de "mestre da vida", aponte pistas, mas recriminando erros do passado e do presente, para que não se repitam no amanhã.

 

É pois com muito prazer que aqui divulgo o seu livro, relembrando o que escevi no prefacio, que é bem modesto,  para a grandiosidade deste excepcional trabalho.

Lisboa… é cantada, Lisboa…é pintada.

É estudada, comentada vivida e sentida por todos eruditos ou não letrados, que, afinal, todos se unem numa só causa, adorá-la escutá-la e vê-la cintilar por todo o Mundo.

Neste livro “Mosaicos da Minha Saudade”, de Manuel António Pereira, transparece o propósito de apresentar, numa crónica intensa e profundamente sentida, textos, por vezes, em versos intencionalmente desprovidos dos cânones tradicionais e consagrados da rima e da métrica, como se o autor se nos apresentasse, na sua erudição de historiador, num humilde e anónimo “faia”. Na verdade, o autor “desdobra-se” e enreda-se, por vezes em versos despretensiosos, ditos de pé-quebrado, mas nunca desrespeitando o rigor documental da História, num turbilhão de rimas e acidentados ritmos.

As cantigas que se fazem a Lisboa são declarações apaixonadas de amor. Os poetas personificam, na Capital, a sua Dama, e rasgam-lhe um sem-número de galanteios e piropos: vêem sempre na sua cidade amada a mais cantada e colorida do Mundo. E é nesta cor local que jogam as suas rimas e seus estribilhos...

Lisboa Princesa, Lisboa coroada Rainha, Lisboa “menina e moça”, Lisboa mãe, avó Lisboa, madrinha Lisboa, Lisboa amada, Lisboa dos meus amores, Lisboa do meu coração, Lisboa vai!, etc., etc.

As cantigas de Lisboa têm todo o encanto nas declarações de amor que recebe dos poetas seus enamorados, Lisboa fica vaidosa porque sabe que é bonita, não pela opulência, mas sim, pela sua alegria e graça natural.

É sim esta Lisboa a mais cantada e a mais amada Cidade do Mundo.

 Vítor Duarte Marceneiro

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:54
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags