Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009

FELIZ ANO NOVO

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 22:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

FADO é que está a dar...

 

A oportunidade e o oportunismo no Fado   
 
Recentemente surgiram duas 'colectâneas' de fado – de Lisboa e Coimbra – o que é de louvar na medida em que mostra aos que hoje cantam como se cantava e também se era moderno, cada um no seu tempo, claro está.

Mas a diferença que ressalta entre estas duas 'colectâneas' é o modus facienti, isto é a distinta maneira de apresentar, o cuidado colocado na edição e atenção ao fado. As duas edições são: “Fado, Sempre, ontem, hoje e amanhã ” da Difference com distribuição da Iplay,  e a caixa azul de “Fado capital” da Ovação.

A primeira, é uma edição cuidado desde logo no aspecto, bonita capa, sóbria, e fácil e manusear, consultar e ler.

“Fado, Sempre, ontem, hoje e amanhã” revela esmero, atenção e respeito por esta canção e não um mero aproveitamento porque “o fado está a dar” (a expressão é feia, e infelizmente é usada).

Nesta edição da Difference, muito bem masterizada, os fadistas surgem num contexto que é explicado e argumentado, no ãmbito da História do Fado.
Na edição da Ovação os fadistas vão de A a Z, sem contexto nem organização que não seja a do abecedário, começa com Ada de Castro pelas razões óbvias e encerra com Zélia Lopes pelas mesmas razões, mesmo que a importância destas duas artistas, no contexto fadista, seja absolutamente diferente.
Ada de Castro é uma mulher do fado, tem uma carreira e sabe-se quem é.
A Zélia foi a um Festival RTP, cantou e canta bem, e apenas se aventurou no fado.
Para a história da canção de Lisboa o contributo de Zélia vale por isso mesmo e o da Ada é significativo, artista de casas típicas como O Faia ou O Folclore é indiscutivelmente um nome a reter.

 Mas a caixa da Ovação brinda-nos com surpresas como Maria José da Guia (uma falha na edição da Difference) ou Augusta Ermida.
Embora outros nomes colocados alfabeticamente perderam-se na memória no tempo – esse grande juiz – se é que alguma vez tiveram memória ou a editora saiba até quem são, pois o “resumido” texto da caixa da Ovação, em cor dourada, não assinado, é pobre e uma manta de retalhos onde rapidamente o leitor mais atento nota uma colagem apressada de outros sem articulação ou sequer ligação aos fadistas incluídos entre eles, Amália Rodrigues, que não podia faltar.

O texto é pobre, feito de lugares comuns, revela pouca pesquisa.
No tocante ao fado de Lisboa faz-se tábua rasa entre a Severa e Amália Rodrigues, calcule-se.

Nesta caixa que reúne 120 fados cantados tanto por nomes gloriosos da arte fadista como Fernanda Maria, Fernando Maurício, Maria da Fé ou Alfredo Marceneiro e AMÁLIA, passando outros nomes maiores como Maria Amorim, António Rocha, Cidália Moreira, Saudade dos Santos, Vasco Rafael, inclui também os “aventureiros no fado”, casos dops cançonetistas Mirene Cardinalli e Rui de Mascarenhas, ou nomes que nos interrogam como o de Bela Bueri ou Conceição que terá gravado em 1971 “A minha vida fadista”.

E se pensam que é a grande Beatriz da Conceição, não; não é, pois esta está representada com um magnífico poema de Vasco de Lima Couto, “Dei-te um nome em minha cama”.

Esta caixa inclui algumas bizarrias como as Entre Vozes, na sua formação de 2000, ou ainda na letra D, surge Daniel Gouveia, um nome a que ninguém fica indiferente nas lides fadistas, e isto porque está sempre presente, porquê?... ninguém sabe.

Além das falhas nesta caixa de 10 CD e um DVD o que sobressai é a desarrumação e falta de articulação, além de um descuido quer de apresentação (artwork) quer de masterização.

 Em sinal absolutamente contrário surge “Fado, Sempre, ontem, hoje e amanhã ” coordenado pelo editor Samuel Lopes (parabéns!), e com excelentes textos de Nuno Lopes – um jornalista há muito ligado às lides fadistas – e Manuel Halpern – que editou já um livro polémico sobre as novas gerações-.

Os textos estão bem escritos e claros.
Sobressai quanto a nós o de Nuno Lopes pois fez uma esclarecida síntese da história do fado desde as suas “tumultuosas” e muito discutidas origens, até à década de 1980, quando consideram os dois autores poder falar-se de um novo fado.

O texto de Nuno Lopes bem argumentado e com pesquisa tem ainda a qualidade de destacar algumas figuras sobre as quais faz uma síntese biográfica casos, entre outros, de Amália (sempre ela!), Fernanda Maria, Alfredo Marceneiro, Berta Cardoso, Carlos do Carmo, ou Mariza.

O texto, muito bem intitulado, “Fado, um gosto português”, marcando desde logo a portugalidade do fado, tem contextualização histórico-social, referências à bibliografia, designadamente o livro recente de Rui Vieira Nery, mas também outros ensaios editados como o de Vítor Duarte Marceneiro sobre Hermínia Silva.

Manuel Halpern retoma no seu texto uma sua frase-chave forte: “A saudade já não é o que era”, um tão brilhante título como o de Nuno Lopes, aqui de facto nota-se a inteligência do editor de colocar dois jornalistas à mesma altura.

Voltando ao texto de Halpern, está muito bem argumentado, citando até Camões para afirmar que “há fado, mas os tempos são outros e outras as vontades”, além de não faltar o contexto sócio-cultural e com uma ousadia intitulada: “receita para um disco de novo fado” que vale a leitura (bravo!).

Refira-se sobre esta excelente edição, a vários níveis, de “Fado, Sempre, ontem, hoje e amanhã”, a magnífica masterização. Um som absolutamente espectacular.

Se outras não fossem as excelentes qualidades deste Livro-CD há ainda o cuidado na escolha dos intérpretes e o incluir o primeiro registo de Carminho, a filha da fadista Teresa Siqueira, que está, e irá dar cartas.

Carminho canta “As penas” no Fado Perseguição de Carlos da Maia.
Se notámos nesta edição a falta de Maria José da Guia e interrogamos a inclusão de João Braga, seguramente sem os intérpretes incluídos na edição da Difference é que não se fazia a história do fado.
Diga-se, fazendo-se justiça a tais autores, designadamente a Nuno Lopes, que mesmo fadistas de referência que não são incluídos em CD, estão referenciados de algum modo nos textos.

A “santa do fado”, Ercília Costa, tem um texto só seu, apesar de não a ouvirmos, mas onde Nuno Lopes revela, citando a poetisa Fernanda de Castro que “a primeira internacional” do fado viajava sempre com bacalhau e azeite português porque desconfiava da gastronomia dos hotéis.

Outro exemplo, e daí os bem argumentados textos, ao incluir Frutuoso França, no popular tema da década de 1940, “Amizades”, refere-o como representante de um grupo de fadistas da "velha guarda" constituído por Júlio Vieitas, José Coelho, Gabino Ferreira, Júlio Peres e Manuel Calisto (o rouxinol da Madragoa). Referem-se nomes como José Porfírio, Raul Nery e o seu conjunto de guitarras, etc.. Nos novos não é esquecido o audaz gesto de Paulo Bragança, Mísia está muito bem contextualizada e o fenómeno Mariza argumentado q.b. para estar entre as glórias do CD “Sempre”.

Esta edição além do texto que inclui um guia das casas de fado, é constituída por quatro CD referentes aos nomes de Sempre, Ontem, Hoje e Amanhã.

Relativamente ao Amanhã, é recuperada aquela que terá sido a primeira gravação de Raquel Tavares para a Metrosom e que não faz justiça à notável fadista, porque será?

De qualquer forma nota máxima para a edição da Difference, e muito rasa para a da Ovação que tem apenas o mérito de trazer para o digital alguns nomes realmente de interesse, mas é uma edição pobre que nem o DVD salva.

As duas edições demonstram claramente a oportunidade do Fado e o oportunismo no Fado.
Inez Benamor/ Hardmúsica

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:26
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009

MULHER LISBOA

VASCO RAFAEL CANTA COM POEMA E MÚSICA DE PAULO DE CARVALHO,  O TEMA

"MULHER LISBOA "

VIDEO CLIP PRODUZIDO E REALIZADO POR

DR. JOSÉ MANUEL PEDROSA MOREIRA

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Saudades Vasco
música: Mulher Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2009

FELIZ NATAL E PROSPERO ANO NOVO

PAZ NA TERRA AOS HOMENS DE BOA VONTADE, SAUDAMOS OS POVOS DE TODO O MUNDO, EM ESPECIAL OS MENINOS DE TODO O MUNDO

 

Video: Parte retirado da net e o restante,  os meus filhotes,

4ª Geração de Marceneiro, o Alfredo e a Beatriz

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:04
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 23 de Dezembro de 2009

ALFREDO DUARTE JÚNIOR " FADISTA BAILARINO"

Faz hoje 85 anos que o meu saudoso pai nasceu em Lisboa,  na freguesia de Santa Isabel, a 23 de Dezembro de 1924.

Foi apelidado de "Fadista Gingão" porque começou a dar às suas interpretações uma coreografia ,  inédita no Fado, o que lhe valeu muitas críticas, mas ainda hoje há muitos que o imitam, quer no gingar, quer usando o  lenço, ou boné.

Por fim chamaram-lhe o "Fadista Bailarino"   uns gostavam, outros não,  mas  meu pai  marcou um estilo muito seu, e tem por mérito próprio um lugar na História do Fado, embora no Museu do Fado, onde até cantou na inauguração,  não tem lugar naquele vasto painel de fotos. Não seria lógico estar ao lado de seu pai? Será porque eu sou "persona  no grata"? ...adiante como dizia meu avô.

 Na época do Natal, cantava sempre o Fado  "Aí Vem o Natal"  cuja letra é da autoria de Carlos Conde, afirmando que era o seu cartão de Boas Festas, para todos os amigos e admiradores.

 

Faleceu a 6 de Junho de 1999

 

Aí Vem o Natal

Letra de Carlos Conde

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Orgulhoso e revoltado
música: Aí Vem o Natal de Carlos Conde
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2009

JÚLIO PERES.... Fadista de Velha Guarda

Julio Peres canta à sua freguesia -  Alcantara

O Meu Bairro

Letra de Linhares Barbosa e música de José Seixal 

 

JÚLIO PERES (1909- 1995)

Natural do bairro de Alcântara, começou a cantar aos 11 anos e com 15 já participava em serenatas.

Profissionalizou-se aos 18 anos, actuando em muitas casas de Fado.

Foi um dos iniciadores de dar fado no Parque Mayer e foi gerente artístico do Café Luso.

 Entre os seus companheiros habituais contavam-se Gabino Ferreira, Frutuoso França, José Coelho, Júlio Vieitas e Manuel Calixto, com quem participou em muitas cegadas.

Cantou na Cesária e no Timpanas em Alcântara, era bem tal com Filipe Pinto e Alfredo Marceneiro um “Marialva do Fado”.

Entre as suas criações para além da que aqui colocamos o tema, destacam-se Fado do Fa­roleiro; Milagre da Rainha Santa; Eu Gosto Daque­la Feia; Não Te Quero Perder, Duas Promessas; Al­fama e A Última Corrida em Salva terra; O Velho Tinteiro (com letras de Francisco dos Santos); O meu Bairro e Ó Minha Mãe, Minha Amada (am­bos com poemas de Linhares Barbosa).

Hábil dançarino, ganhou inúmeros prémios e medalhas em concursos onde constituía uma ver­dadeira atracção.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Lisboeta e de Alcantara
música: O meu Bairro
publicado por Vítor Marceneiro às 21:10
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

FREDERICO DE BRITO - "BRITINHO"

Joaquim Frederico de Brito (1894 – 1977), foi compositor e poeta, era conhecido no meio do Fado com o diminutivo de “Britinho e também poeta-chauffer, alcunha que lhe atribuíram  porque  durante muitos anos foi motorista de táxi.

 

Aos 8 anos, leu o livro de Avelino de Sousa, «Lira do Fado», que o levou a escrever versos que o seu irmão mais velho João de Brito cantava em festas de amadores. É facto adquirido que durante a sua vida, escreveu mais de um milhar de letras e compôs várias centenas de músicas.

Participou na opereta História do Fado, de Avelino de Sousa,  com Alfredo Marceneiro e outros,  can­tando versos de sua autoria.

Em 1931 edita um  livro de sua autoria, “Musa ao Volante”, em que  compilou todos os versos que até esta altura já tinha escrito.

Para além de grande poeta, foi também compositor, é de sua autoria a letra e música do tema "Biografia do Fado",  que foi uma criação de Carlos Ramos; "Fado do Cauteleiro", criação de Estêvão Amarante; "Janela Virada pa­ra o Mar",  criação de Tristão da Silva; "Não Digam ao Fado..." cantado por  Carlos do Carmo e Beatriz da Conceição,o  tema  "Canoas do Tejo"  cantado por Carlos do Carmo,  Max, Beatriz da Conceição, Francisco José, Tony de Matos e muitos outros, o  Fado "Carmencita" na voz de Amália, também foi um dos seus grandes sucessos, tal como "Troca de Olhares", "Ra­paz do Camarão", "Casinha dum Pobre" , "Fado Corri­dinho" , "Fado do Britinho",  "Fado dos Sonhos" , o celebérrimo "Fado da Azenha", que David Mourão­-Ferreira considerou uma das melhores criações da poesia popular portuguesa.

Vários compositores, entre eles Raul Ferrão, Raul Portela, Jaime Mendes e Alves Coelho (filho) escreveram músicas para letras de Frederico de Brito.

As revistas Anima-te Zé (Maria Vitória, 1934), Salsifré (Apolo, 1936), Bocage (Eden, 1937), Chu­va de Mulheres (Eden, 1938), Sol-e-Dó (Varieda­des, 1939) e Haja Saúde!, com a qual se inaugurou o Teatro ABC integraram várias composições de sua autoria, grandes compositores de nomeada,  co­mo Ferrão, Portela e Alves Coelho, compõem para as suas  letras,  de cunho bem popular e  fadista, que foram cantadas no teatro de revista, por fadistas e cançonetistas.

Frederico de Brito, era muito estimado nos meios fadistas,  o diminutivo "Britinho" reflectia aliás,  essa generalizada simpatia.

Foi um poeta popu­lar, que manteve os pa­drões do Fado tradicional, sem “lamechas retrógradas”, e sem quaisquer exageros de lirismos, pseudo-intelectuais.

As  composições do seu vasto espólio  continuam ainda hoje a ser interpretadas  por muitos  artistas,  com a aceitação e o agrado do grande  público.

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Viva o Fado, Viva Lisboa
música: r
publicado por Vítor Marceneiro às 22:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2009

MARIA TERESA DE NORONHA

Maria Teresa do Carmo de Noronha Guimarães Serôdio (Paraty), tratada carinhosamente por  (Baté) pelos íntimos, (1918 – 1993).

Nasceu em Lisboa, onde passa a sua infância, vindo a tornar-se Condessa de Sabrosa pelo seu casamento com o Conde José António Barbosa de Guimarães Serôdio, grande admirador do Fado, e  guitarrista com uma sensibilidade fora do comum.

Com voz bem timbrada, e decidida aptidão para interpretar o Fado, desde muito cedo cantava nas festas de família e de amigos. Com a sua visita aos retiros de Fado passa a tornar-se conhecida a sua  expressão artística, e a ganhar muitos admiradores autênticos, entre os conhecedores do Fado.

Grava o seu  o seu primeiro “single” com o título de "O Fado dos Cinco Estilos" em 1939.

A Emissora Nacional, em 1938, convida Maria Teresa de Noronha, que acompanhada pelo guitarrista Fernando Freitas e pelo violista Abel Negrão, foi apresentada aos radiouvintes pelo locutor D. João da Câmara, sendo tal o êxito que foi convidada para um programa semanal de Fados e Guitarradas, que esteve no ar vinte e três anos.

Fados como “Fado da Verdade”, “Fado Hilário” e “Fado Anadia” e outros mais foram êxitos que muito agradaram ao grande público, assim como outros fados do seu repertório: Nosso Fado, Os Teus Olhos, Fado Menor e Maior, Minhas Penas, Choro Cantando, Fado Rita, Gosto de TI Quando Mentes, Minha Cruz, Fado Antigo, Mentira, Mouraria Antiga, O Vento, Fado Pinóia, Pintadinho, Pombalinho, Fado Hilário, Quatro Versos, Fado Alexandrino, Desengano, Sou Feliz, Canção Duma Tricana, Rosa Enjeitada, Minha Dor, Mouraria, Sina, Cantigas de Amor-Saudade e Mataram a Mouraria, Loucura em Loucura, etc.

Abandona a Emissora Nacional mas não deixa de cantar, continuando a fazê-lo em privado.

De entre as suas actuações no estrangeiro, destaca-se em 1946 a sua deslocação a Espanha, por ocasião do Festival da Feira do Livro de Barcelona, e ainda Madrid, a convite do Governo espanhol, para actuar no Hotel Ritz, onde teve um êxito estrondoso.

Ainda em 1946 vai ao Brasil e é igualmente muito apreciada.

Actuou no Principado de Mónaco para Grace e Rainier.

Em 1964 desloca-se a Londres para actuar na BBC.

A sua dicção perfeita, a sua maneira de se expressar, tornou-a criadora de um estilo muito próprio, que fez escola.

Um dos seus poetas preferidos foi D. António de Bragança, autor do Fado da Verdade, Saudade das Saudades, Folhas Caídas e o Fado das Horas, cuja letra é a seguinte:

 

Maria Teresa de Noronha

canta: Saudades das Saudades

autores: D. António Bragança/J.A. Saborosa

 

                                       

                        

        Com Alfredo Marceneiro, o marido D. António Saborosa, Lucilia do Carmo e Alfredo de Almeida, na "Adega da Lucília" - "O FAIA".

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Senhora
música: Saudade das Saudades
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2009

JOAQUIM CARDOSO .... Fadista

Joaquim da Silva Cardoso, nasceu  a 15 de Dezembro de 1948 na bela povoação Senhora Aparecida, situada  em pleno coração do Vale do Sousa, concelho de Lousada no Douro Litoral.
Desde muito jovem começou a despertar para a poesia, música e canto. As palavras simples, claras e abrangentes dos poetas, a magia das melodias da guitarra portuguesa e os estilos e formas tão apaixonadas dos fadistas,  fizeram nascer nele a forte paixão de ser Fadista!!!
Define-se como um fadista muito ligado ao Fado tradicional, porque entende que o Fado é "O reflexo exacto de cada geração que passa, e na sua essência, sempre esteve , está,  e estará em constante evolução. Será sempre  Fado !... O Fado de todos nós!!!
Também desde muito jovem que escreve poemas, tinha 16 anos quando concorreu ao
“Concurso de Jovens Poetas” , organizado pelo Rádio Clube Português, no qual arrebata o 1º prémio.
Tem cantado em  “Casas Típicas”, festas populares e de apoio social, tendo actuado em diversos  espectáculos, quer em Portugal, quer no  estrangeiro, ao lado de grandes nomes do Fado.
Em 1992 consegue realizar um sonho,  que foi trazer á sua terra a grande Amália Rodrigues. No inicio do espectáculo também actuou, tendo merecido de Amália o elogio que nunca esquece: "Tem uma forma muito bonita de cantar o Fado! Contínue sempre assim!!!".
 Já gravou  três cd´s,  o primeiro em  1991 "Desde Menino", segue-se em 1997 "Com Guitarras", e em  2005 "O Lado de Cá do Fado".
A sua actividade profissional principal é  de empresário na área da industria e comércio de máquinas agrícolas, mas arranja sempre tempo, porque a disposição e o gosto não lhe falta para continuar a cantar e a viver o FADO!

 Joaquim Cardoso
canta: Ser Mãe
Letra de sua autoria
Música do Fado Georgino

Fados do meu Fado....

 

Joaquim Cardoso e a “Geração de Marceneiros”

Joaquim Cardoso afirma,  gostar de Fado, passa por gostar de Marceneiro, não teve a oportunidade conhecer pessoalmente,  mas tem um episódio na sua vida,  que muito preza,  e que há muito me queria contar. Tomou conhecimento do meu contacto através  do blogue, e não hesita em  telefonar-me, para me falar de um encontro que teve com o meu pai,   e do gosto que teria em conhecer-me pessoalmente,  o que muito me sensibilizou.

 

Contou-me então...
Corria o ano de 1986,  Joaquim Cardoso, veio a Lisboa com um grupo de amigos que o levaram até ao bairro alto, entraram na  Adega Machado  onde estava contratado o meu pai, não teve dificuldade em encetar conversa com ele, pois meu pai era um homem muito popular,  fala-lhe do seu gosto pelo Fado, pelos “Marceneiros” e meu pai em dada altura diz-lhe de rompante: — Sabes, estou a ouvir-te falar,  e  fazes-me lembrar o meu filho Vítor!!!  Pega-lhe num braço, e logo de seguida o põe a cantar. Tudo isto cimentou mais a admiração que já tinha por meu pai.


Passados dias, telefona-me novamente,  e convida-me a deslocar-me á sua bonita terra, Senhora Aparecida, onde organizou com os proprietários do “Salão Nobre Estrada Real “, uma noite de Fado para  homenagear meu pai e meu avô, é o mesmo salão onde actuou Amália, quando lé esteve.

Foi uma grande noite de Fados no dia 21 de Novembro de 2009, cantei eu, o Cardoso e uma jovem que canta muito bem de seu nome,  Melanie, a qual brevemente aqui terei muito gosto em apresentar.
Não é difícil de perceber que logo nos tornámos amigos, e os meus filhotes ao ouvirem a história da boca do Joaquim Cardoso, logo o começaram a tratar carinhosamente por “tio”.
Obrigado Joaquim Cardoso, até sempre, e muitos parabéns pelo teu aniversário... que se comemora hoje.

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Ah! Fadista
música: Ser mãe
publicado por Vítor Marceneiro às 19:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2009

MARIA DA FÉ - DVD 50 ANOS DE CARREIRA

 

Maria da Fé canta "Valeu a Pena"
Letra e Musica de Moniz Pereira  
 
 
Maria da Conceição Costa Marques Gordo (Maria da Fé),  nasceu no Porto em 1945 e sonhou de ser fadista desde os nove anos de idade. Apresentou-se e venceu um concurso de cantadeiras amadoras quando tinha 14 anos, o que venceu, e atingiu a sua estreia em palco no Teatro Vale Formoso do Porto. Quando tinha dezoito anos mudou-se para Lisboa e começou a cantar em casas de fados principalmente na Adega Machado e no Casino de Estoril. Em 1967 lançou o seu primeiro disco dedicado somente ao Fado que obteve bastante sucesso, com os temas,  Valeu a Pena e O Primeiro Amor. Durante os anos 70´s o seu nome é reconhecido a nível nacional e internacional.
Maria da Fé alcançou o seu maior sucesso discográfico com “Cantarei Até Que A Voz Me Doa” nos anos dos 80´s e também com outros êxitos como: Pode Ser Mentira, Divino Fado, Obrigado, Vento do Norte e Fado Errado, Senhora Dona Cidade, etc.
Hoje em dia o seu repertório é constituído por imensos poemas da autoria de seu marido José Luís Gordo.
Fez parte do elenco inicial de “Entre Vozes” com Alice Pires, Alexandra e Lenita Gentil.
Recebeu o Prémio Carreira da Fundação Amália em 2006.
Nn dia 10 de Dezembro de 2009, foi apresentado o DVD dos 50 anos de carreira de Maria da Fé, no Museu do Fado.
 
As edições derivaramm de uma parceria celebrada entre a OVAÇÃO, RTP  e  a própria artista. 
   No espectáculo do Coliseu, que foi coberto pela RTP 1 e que deu origem ao dvd, participaram os artistas Aldina Duarte, Antonio Zambujo, Duarte e Camané  que, de viva voz, quiseram  homenagear Maria da Fé.
   As presenças de Helena Sacadura Cabral, José Fonseca e Costa, Mário Moniz Pereira, Rui Vieira Nery e João Braga enalteceram e prestigiaram a cantora que recebeu das mãos do Exmo. Sr. Presidente da Câmara Lisboa a Medalha de Mérito grau Ouro da cidade de Lisboa entre outros galardões
.
 
Contacto com o autor: clicando aqui
música: Valeu a pena
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

FLORBELA ESPANCA

Passados que são 105 anos do seu nascimento, 79 anos da sua partida, aqui fica a minha  sincera homenagem a esta grande poetisa, que o Fado também enaltece,  cantado-a.

 

Florbela de Alma da Conceição, nasceu em Vila Viçosa a 8 de Dezembro de 1894, e faleceu em Matosinhos a 7 de Dezembro de 1930.

Aos sete anos, faz seu primeiro poema, A Vida e a Morte.

Foi uma das primeiras mulheres a ingressar no curso secundário no Liceu de Évora, facto não muito bem aceito por professores e a sociedade da época.

Em 1916, Florbela reúne uma colectânea de 88 poemas de sua autoria e três contos, com o título “Trocando Olhares.

Em 1917, completa o 11º ano do Curso Complementar de Letras e logo ingressa na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Em 1927 Florbela perde seu irmão Apeles num trágico acidente, facto que muito a abalou psicologicamente, publicando o livro de contos “Às Máscaras do Destino” em sua memória.

Em dois de Dezembro de 1930, Florbela encerra seu Diário do Último Ano com a seguinte frase: “… e não haver gestos novos nem palavras novas.” Às duas horas do dia 8 de Dezembro, dia do seu aniversário, Florbela Espanca suicida-se, em Matosinhos.

Algumas décadas maia tarde como era seu desejo, os seus restos mortais são transportados para a sua terra natal, Vila Viçosa.

  

 

Teresa Silva Carvalho

canta com música de sua autoria

Amar! de Florbela Espanca

 

 

 

FLORBELA ESPANCA

    Filha de João Maria Espanca e de Antónia da Conceição Lobo,    Florbela escreveu-se em Sangue d'Alma !

     Foi Hino em Grito de Além...

     Foi Candeia em busca de mais Luz...

     Foi Lareira em busca de  Achas para mais Lume...

     Foi Labareda de Onda com todas as tonalidades do Arco-Íris...

     Nasceu em 1894 em Vila Viçosa , no dia de Nossa Senhora da Conceição. (Ó Mãe ! Ó minha Mãe, pira que nasceste? / Entre agonias e em dores tamanhas / P´ra que foi, dize lá que me trouxeste // Dentro de ti?... P´ra que eu tivesse sido / Somente o fruto amargo das entranhas / Dum lírio que em má hora foi nascido!... (in Vol. II, pág.259) (ver nota de correcção nos comentários

     Aí viveu com o Pai, a Madrinha (Esposa legítima de João M. Espanca) e com o irmão mais novo, Apeles.  A casa situava-se no actual n. 59 da Rua Florbela Espanca.

     Correu campos, charnecas, bebeu luares e sombras de paisagens...

     Amava Livros e Sonhos ... Aos oito anos já escrevia a Alma ...

     Em Évora, no Liceu André Gouveia, respirou felicidade (" Hoje mando-lhe o edifício do Liceu. Aqui passei os melhores anos da minha vida..." in Vol. V, Carta n. 50 “)

     Em 8 de Dezembro de 1913, casou com Alberto Moutinho. ( "Eu casei e casei por amor..." in Vol. V, Carta n.45)

     Ingressa na Faculdade de Direito de Lisboa e segue em Asas em busca de mais Vida... (" O meu coração anda à solta, tão grande, tão ambicioso, tem sempre frio, está sempre só... Ninguém sabe andar com ele! " in Vol. V, Carta n.64 )

     Separa-se de Alberto Moutinho ( "Adeus, Alberto. Sê meu amigo sempre como é tua amiga a Florbela" in Vol. V, Carta n. 78 )

       Apaixonada por António Guimarães, oficial do Exército, segue com ele para Matosinhos.

      Casam a 29 de Junho de 1921. Mas António Guimarães não soube ver Florbela...  ("Tudo cai! Tudo tomba! Derrocada / Pavorosa ! Não sei onde era dantes. / Meu solar, meus palácios, meus mirantes ! ...  in Vol. II, pág.258)

      Novo divórcio e nova paixão por Mário Lage com quem casa  a 29 de Outubro de 1925, na Igreja do Senhor Bom Jesus, em Matosinhos .

       Doente desta busca permanente, Florbela cansa o Pulso mais e mais... Ama infinitamente e sofre além, para lá da fronteira da pele...

        Tenta repousos  e tratamentos  sucessivos e em 7 de Dezembro de 1930 VOOU ALÉM, definitivamente, P'RA LÁ DA SUA TÃO QUERIDA CHARNECA ALENTEJANA... - Repousa, desde 1964, no Cemitério de Vila Viçosa... -

             -- FLOR BELA LOBO, conforme sua Certidão de Baptismo, FOI SENSIBILIDADE DESMEDIDA, ÁGUA CORRENTE D'ALMA EM FADO SEM TAMANHO ... --

               ( ... E O FADO DEU-LHE COLO DILVUGANDO, AO SOM DO TRINAR DAS GUITARRAS E DE BOAS VOZES, ALGUNS SONETOS DA SUA VASTA OBRA... )  

Maria José Praça 

 

 

 

             CELEIRO D'ALMA A FLORBELA ESPANCA 
 
Flor, ______tempo
Bela , ______lonjura no vento
Seara rubra em rebento
Espiga do peito em além
Perdidamente,
Em planura d'olhar longe
Ceifada voava em asas
De sonetos d'alma enchente
Em lua quase a 'pagar-se...
 
Torrente
D'água brilhante corrente...
Tremente
Voz de papoila gemente
Escorrendo fogo do peito, luzente...
 
Candeia
De passos soltos e alados d'além
D'além, além, tão além
Perdidamente,
Celeiro d'hinos frementes...


Maria José Praça

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nota:Estou convicto que Florbela Espanca se tornou mais conhecida do povo menos letrado através do seu poema “ Amar”, que muitos artistas cantaram, que aqui destaco mais uma vez na voz de Teresa Silva Carvalho, com música de sua autoria.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Amar... amar perdidadmente
música: Amar!
publicado por Vítor Marceneiro às 14:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

Telhados de Lisboa

Hermínia Silva

canta: A Rua Mais Lisboeta

autores Lourenço Rodrigues/Vasco Macedo

 

 

 

TELHADOS DE LISBOA
 
 
Letra: Frederico de Brito
Música: Mário Silva
 
São modestos os telhados
Que nasceram p´ra chorar,
Ermitões ajoelhados
De mãos postas, a rezar,
Um telhado de Lisboa,
Mancha rubra que ao sol brilha,
Faz lembrar uma canoa
Que tombou, virando a quilha!
 
Refrão
 
Telhados vermelhos,
Que a lua embeleza,
Livros d´Envangelhos
Onde a chuva reza.
E onde o fumo em turbilhões
Vai subindo a tal altura,
Que às vezes lembram vulcões
Em miniatura!
 
                                    O telhado duma casa,
                                    É visto com tal carinho,
                                    Como se fosse uma asa
                                    Estendida sobre o ninho.
                                    Os telhados são terreiros
                                    Onde a neve vem poisar;
                                    Onde passam nevoeiros
                                    E onde o vento anda a bailar:
 
Refrão
 
 
 

TELHADOS DO MEU OLHAR

 

Miradouro o meu olhar

Desce a colina do mar

Dos meus olhos de sentir

E fotografa vielas

D'outras colinas cruzadas

Soluço d'água a cair

 

                                           Miradouro o meu olhar

                                           Canto de fado a trinar

                                           Quando o sol raia a nascer

                                           Telhados de mãos d'oleiro

                                            D'onde fogem nevoeiros

                                            De lareiras a arder

 

Telhas são brumas de fados

Onde há pombos, campanários

Ninhos, musgos, pára-raios,

Chaminés, trevos de luz

Águas furtadas com laços

Altares aos pés de Jesus ...

mariajosépraça (N.126080 da SPA)

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Hermínia
música: A Rua Mais Lisboeta
publicado por Vítor Marceneiro às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 5 de Dezembro de 2009

FERNANDO MAURÍCIO

Fernando da Silva Maurício, nasceu em Lisboa na Rua do Capelã a 21 de Novembro de 1933.
Começou a cantar aos oito anos de idade.
Filho de gente humilde,  começou a trabalhar aos 13 anos como aprendiz de manufactura de calçado.
Em 1947 no Concurso de Fados organizado no Café Latino, fica classificado em 3º lugar, mas é-lhe concedida a Carteira Profissional numa autorização especial da Inspecção Geral de Espectáculos., por ser menor. Ainda nesse ano participa na Marcha Infantil da Mouraria. 
Voz genuína, espírito livre e homem arreigado nas sua raízes de lisboeta, foi  um grande intérprete do Fado. A sua autenticidade, o seu apego a uma forma popular de estar e sentir a vida da cidade, o seu enorme talento fizeram dele um fadista admirado e principalmente o orgulho, do seu bairro «A Mouraria».
Já foi aprovado em Assembleia Municipal e brevemente Lisboa terá um a rua com o seu nome.
 Recebeu ao longo da sua vida vários prémios, dos quais se contam: Prémio da Imprensa (1969) e os Prémios Prestígio e de Carreira da Casa da Imprensa (1985/1986). Em Maio de 2001, no Coliseu, foi agraciado pelo Presidente da República, com a Comenda da Ordem de Mérito.
Era avesso a homenagens mas em 1989, Amália descerrou na rua onde nasceu duas lápides evocativas das vozes do fado emblemáticas deste bairro: Maria Severa Onofriana e Fernando da Silva Maurício. A Câmara Municipal de Lisboa assinalou em 1994 as suas bodas de ouro artísticas no S. Luiz. E em 2001 de novo o homenageou nos Paços do Concelho quando publicou, com a colaboração da então EBAHL (actual EGEAC) e da Casa do Fado e da Guitarra Portuguesa, a sua biografia pessoal e artística.
A Câmara Municipal de Lisboa presta-lhe mais uma homenagem ao atribuir o seu nome a uma rua de Lisboa, na freguesia de Marvila. Ao lado de outros grande nomes do Fado,   Alfredo Marceneiro, Fernando Farinha e Armadinho, etc.
 
Ferando Maurício
canta Velha Mouraria

 

                                     
Homenagem do Poeta Carlos Escobar
a Fernando Maurício
 
Ser fadista foi teu fado
Foi Lisboa a tua sina
Ao país deste o recado
No fado, que não se ensina
 
                          A tua voz deu frescura
                          Á nossa linda cantiga
                          Voz de um fado que perdura
                          Na tua Lisboa amiga
 
Homem de bairro e do povo
O teu estilo foi só teu
Ouvir o teu fado novo
Foi sorte que deus nos deu
 
                         Amigo que já partiste
                         A saudade mora aqui
                         Não morreste, não fugiste
                         Pois essa voz não tem fim
 
Se Lisboa perguntar
Que é feito de ti agora
Vou responder sem chorar
Foi ali, mas não demora  

 

Entarad para a Mouraria - Salão Lisboa - Largo Martim Moniz

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadista
música: Velha Mouraria
publicado por Vítor Marceneiro às 14:05
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

ANA ROSMANINHO

Nasceu em  Lisboa na freguesia de S. Sebastião da Pedreira.

Desde muito pequena, começou a apreciar o Fado, incentivada por sua mãe, que embora não cantasse, era uma grande admiradora.

Ana Rosmaninho era uma  linda "miúda" como o meu avô lhe chamava, tinha também uma voz muito bonita e melodiosa.

Como profissional começou a cantar aos 17 anos na Viela.

Cantou seguidamente no Faia, onde passa a conviver mais de perto com Alfredo Marceneiro

Foi convidada várias vezes para actuar no Casino Estoril e gravou um disco.

Sua mãe chegou a ter um pequeno restaurante no Bairro Alto, onde chegou a haver grandes fadistisses .

Convivi muito com ela, quer no Faia quer no Arreda em Cascais, fui seu amigo e grande admirador. Infelizmente, Ana Rosmaninho, deixou-nos prematuramente, vítima de uma doença fatal, tinha pouco mais de 30 anos de idade, viria a ter decerto  uma grande carreira no Fado.

 

Meu avô,  tinha por ela um carinho muito especial, e foi por sua decisão que Ana Rosmaninho canta com ele, no programa de televisão "Marceneiro é só Fado", gravado pela RTP em 1967. Foi uma demonstração da sua admiração pelas novas gerações do Fado, com  Fado na alma óbviamente...

 

 

Ana Rosmaninho canta

 Bairro Alto

de Frederico de Brito e Carlos Rocha

 

  

 

Nota: Esta página teve uma rectificção, referente ás origens de Ana Rosmaninho,  eu informava que Ana Rosmaninho  tinha nascido em Évora, mas o meu amigo e grande historiador/investigador de Fado, José Manuel Osório, teve a amabilidade de me contactar rectificando esta informação e confirmando-me que na realidade ela nasceu em Lisboa, os seus pais é que eram Alentejanos de Évora.

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Amar o Fado... é informar
música: Meu Bairro Alto
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

Alfredo Marceneiro é só Fado... RTP 1969

Faz hoje 40 anos que o 1º Programa de Televisão sobre a figura de Alfredo Marceneiro, foi transmitido.

 Alfredo Marceneiro canta no Programa da RTP em 1969

É tão bom ser pequenino

Letra: Carlos Conde

Música: Fado Corrido

 

 

Diário de Lisboa 2 de Dezembro de 1969 por Mário Castrim:

 

DUAS HORAS DE FADO. OS PORTUGUESES NÃO SÃO APENAS «CASTOS»: SÃO TAMBÉM RESISTENTES

 

Marceneiro, o Marceneiro fadista, chegou aos 77 anos para ter na Televisão portuguesa um programa dedicado à sua arte de «dizer» o fado. Tardou mas arrecadou — se tivermos em atenção o tempo do programa: duas horas onde muito o ouvimos cantar e alguma coisa (contrafeitamente) o ouvimos falar. «Marceneiro é só fado» e era uma canastra com um quarteirão de cantigas alfacinhas. A meia-noite, que soou precisamente no fim, marcou mais do que o fim do programa: marcou o fim de um fadista; marcou o fim de uma escola, marcou o fim de uma época…

Tardou — e não arrecadou. Marceneiro aos 77 anos não é mais do que uma sombra de si próprio. Ele já não pode sustentar uma «volta», manter a décima do corrido sem vir acima respirar, «swingar» de forma convincente como só ele sabia desdobrar, prolongar, alongar uma palavra para além dela própria, segurar o fim do versos quando já todos pensavam que o verso havia acabado. Aos 77 anos isso já não é possível. Quando muito é possível exemplificar o processo. Foi o que fez Alfredo Marceneiro. De pouco mais se pode entender o programa dedicado ao fadista para além da sua homenagem. Homenagem quase póstuma. O Marceneiro na plena posse das suas qualidades, passo à história. É, como se costuma «dizer uma relíquia».

 

II

 

O programa não foi longo: foi comprido. Um deserto com os oásis das interpretações do Marceneiro. Os mesmos tiques repetido exaustivamente: o fumo, a noite, a mesa com os amigos, as figuras indistintas a moverem-se na semi-obscuridade, a assistência falsamente entusiasmada.

Da pessoa de Marceneiro, da sua pessoa em vivo, quase nada chegou até nós. Os grandes planos tiveram piedade do real. Mas a verdade pode ser piedosa, pois se nega como verdade. Raramente o fadista foi apanhado desprevenido e a culpa não poderá ser levada á conta da extrema prudência do homenageado Alfredo Duarte teve de enfrentar num cerimonial inibidor. Para um homem tímido e sempre em guarda, aquele microfone apontado por Henrique Mendes assu­mia o aspecto de uma arma em posição de «a bolsa ou a vida». Henrique Mendes não conversou: perguntou. Marceneiro é dos que sabem conversar,  não dos que sabem responder.  O choque só podia resultar no desfasamento a que assistimos.

Tudela, que nos deu algumas reportagens tão curiosas,  não conseguiu imprimir um mínimo de interesse, de autenticidade, ás imagens que escolheu para enquadrar o fadista ou para acompanhar as suas interpretações. A realização de Luís Andrade foi excessivamente primária excessivamente «meia bola e força». Não se pode fazer uma obra de arte apenas como o saber burocraticamente adquirido. É preciso ir além: pôr em tudo o que se faz o que se aprendeu e o que não se aprendeu, especialmente isto. Isto, ou seja: o que faz a riqueza, o lume a razão de um Augusto Cabrita, a sua capacidade para apanhar, num golpe de asa, perdão num golpe de câmara, o apontamento significativo, o gesto inicial.

Na criação artística (como em qualquer aspecto de criação) não pode haver pressa. Não pode haver prazos marcados. Não se apressem não vale a pena: todos nãos precisamos de nove meses para nascer. O caçador tem de, pacientemente,  aguardar o instante, aquele instante, e não outro mais nenhum, de puxar o gatilho revelador.

Aparentemente ordenadinho e arrumadinho o documentário sobre resultou em verdadeira compota. Quantas vezes nos veio à memória o filme «Belarmino» com as suas expressões que ultrapassavam as palavras, com os seus silêncios a formar com as palavras um corpo único…

 

III

 

É verdade: não se compreende muito bem a inclusão de Amália Rodrigues, com tamanha insistência, no documentário-espectáculo. Para quê a concorrência no estrelato? Para quê dois galos na mesma capoeira? Se a festa era do Marceneiro que foi lá a Amália fazer? Não é situação agradável nem para um nem para o outro. Alguém se recorda de Marceneiro em qualquer das telefitas dedicadas à Amália Rodrigues? Será que nos domínios do Fado nada se poderá fazer sem o beneplácito ou a bênção da suserana?

 

Em 16 de Abril de 2007, numa página que escrevi sobre a saudosa Lucília do Carlos, escrevi o seguinte:

Sempre tive por Lucília do Carmo, desde muito miúdo, uma ternura muito especial, devido não só à sua simpatia para comigo, mas também pela grande amizade que ela e seu companheiro, Alfredo de Almeida, tiveram com o meu avô, o que era recíproco.
No início da abertura da Adega da Lucília, os tempos eram difíceis e Marceneiro nunca deixou de aparecer e colaborar, o que contribuiu para o êxito da casa, mesmo sem  nunca ter ser sido contratado.
Mais tarde, com a passagem para “O Faia”, Marceneiro era presença obrigatória ao final da noite, que passa a ser o seu “poiso” preferido, o que se torna do conhecimento dos seus admiradores que ali afluem na mira de o ouvir cantar, o que sempre acontecia, também sem que nunca tenha contratado. Carlos do Carmo começa a interessar-se pelo Fado e tem ali à mão de semear o Mestre. Inteligentemente sabe ouvir e assimila. Afirmo-o porque sei e o próprio muitas vezes, também o afirmou. Carlos do Carmo grava em disco com a benesse de Marceneiro, alguns dos seus fados mais emblemáticos - Fado Bailado, A Viela, etc. -.
Após a realização do documentário “Marceneiro é só Fado” para RTP, e cujos interiores foram filmados n’O Faia, e em que Carlos do Carmo se assume como produtor, Marceneiro deixa de entrar n’O Faia, porque alguém lhe diz que seria considerado “persona non grata”. [Um dia contarei estes acontecimentos, que eu esperava que fossem contados por outros, que não por mim, mas há uma quantidade de investigadores e conhecedores do Fado que infelizmente só falam quando têm público que não os poderá contestar].
A amizade com a Lucília mantém-se como sempre e talvez mais reforçada! (estranho?...) Lucília que não tem nada a ver com o assunto, mas que muito a magoa, e como deixa de ter como já vinha sendo hábito hà vários anos, o amigo Marceneiro a seu lado no (seu?) restaurante, visita-o na sua casa pelo menos de 15 em 15 dias sempre ao final da tarde, levando sempre um miminho, quer para ele, quer para a minha avó, a “Ti Judite”.
No último ano da sua vida, meu avô fica acamado e Lucília até à hora da sua morte não deixa de o visitar semanalmente.
Continuei a conviver com a Lucília do Carmo quer depois do falecimento do meu avô, quer após a sua retirada artística.
Guardo uma recordação de grande ternura por esta grande Mulher (com M maiúsculo).
Infelizmente não pude retribuir-lhe, quando ficou acamada as visitas que fez ao meu avô, por pedido do filho. [Uma história para também contar mais tarde].
Lucília morre e infelizmente estou fora de Portugal.
Acabo se me permitem com um ditado popular que o meu avô incutiu no meu espírito e na minha formação, e acho que tenho dado mostras que não me esqueci: “QUEM MEUS FILHOS BEIJA MINHA BOCA ADOÇA”,   Lucília do Carmo tem um lugar muito especial no meu coração.
Vítor Duarte (Marceneiro)

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: É tão bom ser pequenino
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags