Sexta-feira, 30 de Julho de 2010

Maria Teresa de Noronha

 

Raúl Nery fala de Maria Teresa de Noronha

 

A primeira vez que ouvi cantar Maria Teresa de Noronha foi nas festas que se faziam frequentemente em Alcochete, organizadas pelo José André, pai do Vítor Pavão dos Santos. Ela cantava então com o Fernando Pinto Coelho e o Abel Negrão, um guitarrista muito antigo, já desaparecido. O Pinto Coelho não era profissional, mas os dois tocaram com ela durante muito tempo. Depois o Negrão foi substituído pelo Santos Moreira, que mais tarde acompanhou a Amália. Em determinada altura, o Pinto Coelho precisou de ser substituído, e em 1944 Maria Teresa de Noronha convidou-me para acompanhá-la, por intermédio do seu namorado (e futuro marido) José António Sabrosa. Mais tarde, é convidada para uma actuação de 15 em 15 dias na Emissora Nacional. E ali tocámos até 1963. A longa permanência da Maria Teresa de Noronha na Emissora Nacional deve-se a ela não cantar em mais lado nenhum. A Emissora tinha todo o interesse em ter uma artista da craveira dela. Em geral as gravações eram da parte da tarde. Para todos os programas fazíamos um, dois ensaios. Ela gostava de preparar muito bem os números. Os fados que cantava, os fados que não conhecia… Eu é que lhe indicava os fados mais antigos, que depois trabalhava à sua maneira, e às vezes pegava e modificava fados que estavam postos de parte e que ninguém cantava. Fados que depois de gravados e editados voltaram a ser cantados.                   Normalmente abríamos com uma guitarrada e depois um fado. Depois mais um fado, outra guitarrada, e outro fado. Tudo acabou em 1963. Nesse dia calhou estar em estúdio, para além do Joaquim do Vale, o meu conjunto de guitarras, com quem eu também fazia uma emissão de 15 em 15 dias. E a partir daí ela não cantou mais. As pessoas disseram: “Mas então a Maria Teresa está a cantar tão bem, está no seu melhor, agora é que vai parar?”, ao que ela respondia: “Não, eu quero ir embora. Eu. Não quero que as pessoas me mandem embora.” No entanto, nesse ano fomos ainda ao Brasil, com o meu conjunto e o Joaquim do Vale, que ela não dispensava, a propósito da inauguração de duas ligações da TAP, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Por fora dos espectáculos apareciam sempre amigos e familiares que moravam lá: nos dias em que não havia espectáculos passávamos a vida a ir tocar às casas particulares. Fomos ainda a Inglaterra, a convite do embaixador. Fizemos um programa de televisão com uma orquestra enorme, e eles ficaram impressionadíssimos por conseguirmos acompanhá-los. A Teresa de Noronha parava quando queria mas fazia tudo tão certo que eles não percebiam como era possível… 

Podia ter tido uma grande carreira internacional, mas não quis, apesar de inúmeros convites. Mesmo estas viagens não faziam parte de nenhuma estratégia, eram apenas convites particulares que ela aceitava por um pequeno cachet, ou até cachet nenhum. Ela era muito simpática e muito cordial, mas sempre um pouco afastada das pessoas, embora frequentasse algumas casas de fado. Por exemplo, em geral ia jantar muito ao Faia, que era a casa da Lucília do Carmo e do seu filho Carlos do Carmo, e pediam-lhe para cantar. Preparavam-se as coisas de modo a que estivesse lá o Alfredo Marceneiro, que ela gostava muito de ouvir, e que por sua vez era um grande admirador dela. O seu marido tocava – não era profissional, mas tinha o seu estilo, uma certa garra – e arranjavam-se ali uns momentos de fado especiais quando já era final da noite. Que, como sabemos, são sempre os melhores momentos, porque até aí toca-se para os turistas.

                Há uma coisa de que eu discordo totalmente e que algumas pessoas afirmam existir: o “fado aristocrático”. Não sei o que é isso. A Teresa de Noronha cantava muito bem, principalmente os fados antigos - o corrido, o menor, o Mouraria, dois tons, os castiços… -, mas porque nasceu com ela, não por ser uma aristocrata. Ela improvisava, modificava, trabalhava muito as melodias, e daí nasciam coisas diferentes. Estilava muitíssimo bem, tinha um cuidado muito especial em preparar as actuações. Ela e a Amália são as maiores fadistas. E não posso dizer que uma seja melhor que a outra.         

Sinto falta da Teresa de Noronha. Não era uma pessoa imitável.

E não deixou descendentes.  

 

 

OS TEUS OLHOS

Letra de Maria da Graça F. Amaral

Música de Carlos da Maia

 

Por esse mundo de Cristo

Há olhos grandes aos molhos

Mas em nenhuns tenho visto

A grandeza dos teus olhos

 

Dizes que para estar comigo

Não galgas montes nem escolhos

Guarda as palavras contigo

Deixa falar os teus olhos

 

E se me levar a morte

Por sua estrada de abrolhos

Que pena não ter a sorte

De ver chorar os teus olhos

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Os teus Olhos
publicado por Vítor Marceneiro às 16:17
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 23 de Julho de 2010

António Melo Correia

 

Fadista que aparece nos anos 60, com uma forma e um estilo muito próprio de cantar o Fado.

Aparecia e cantava nos locais onde acontecia Fado, boémio e bem disposto, pela sua simpatia e cortesia tinha facilidade em fazer amigos.

Penso que a sua estreia como profissional, foi pela mão de  João Ferreira Rosa, que o contratou  para actuar no  Embuçado. Mais tarde foi um dos sócios fundadores do Sr. Vinho, conjuntamente com José Luís Gordo e Maria da Fé.

Gravou alguns EP, mas a sua carreira acabou por ser curta, pois  um  trágico acontecimento, levou a que viesse a  falecer prematuramente.

Esta é uma pequena e singela homenagem, pois conheci-o e convivi com ele, era uma pessoa muito educada e com grande "fair-play", era dos jovens que apareceram nos anos 60 que o meu avô muito simpatizava, pois este também o sabia acarinhar.

 

 António Mello Correia canta

FADO DO TRINTA E UM

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Fado de 31
publicado por Vítor Marceneiro às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 20 de Julho de 2010

ALCINO FRAZÃO - Guitarrista

 

Alcino Frazão, nasceu em 1961 na Parede e faleceu prematuramente num violento desastre de automóvel na Estra­da Marginal Lisboa-Cascais, em 1988.
A mãe cantava o Fado, o pai António Frazão, marceneiro de profissão e fadista de alma e coração, tinha em casa uma guitarra, e o Alcino desde muito miúdo começou a tocar as músicas que ouvia na telefonia. Os pais,  sendo ele ainda muito miúdo, levavam-no ao Galito, com cerca de uns sete anos de idade, quando o conheci, era na altura em que o José Inácio tocava guitarra, acompanhado pelo Pirolito da Ericeira, que era simultaneamente o porteiro. Ora mal o José Inácio nos intervalos pousava a guitarra, logo o Alcino se agarrava a ela, e começava a dedilhar à sua maneira, o que já sabia.
Tal era a sua vocação e gosto pelo instrumento, ao qual se dedicou intensamente, permitindo que se estreasse  profissionalmente a acompanhar o ir­mão, o fadista Carlos Zel.
Fez a sua primeira gravação a solo aos 15 anos.
Cedo começou a ser contratado para guitarrista em diversos recintos de Fado.
Fez deslocações profissionais às Ilhas, Suíça, Brasil e Canadá, acompanhando fadistas de nomeada
Foi convidado para o grupo que acompanhava Amália, mas o seu sentido de respon­sabilidade levou-o a não aceitar por «não se sentir preparado».
Foi talvez dos pri­meiros guitarristas de uma nova geração cujo virtuosismo e espírito de inovação levou a gui­tarra ao acompanhamento de cantores como Paulo de Carvalho e Fernando Pereira, contri­buindo decisivamente para um novo enquadra­mento da guitarra entre músicos e intérpretes mais jovens e de outras áreas, que não exclusiva­mente o Fado.
Foi uma perca muito grande, pois teria decerto muito a dar à Guitarra Portuguesa e ao Fado.
  

 

Depois de publicar esta página pela primeira vez em Agosto de 2007, recebi de um amigo o João Baptista Lopes, que conviveu com o Alcino e o irmão o Carlos, esta observação:

 

 - O Alcino, a primeira vez que verdadeiramente foi contratado - com "cachet" ao fim da noite (mais precisamente de 600$00 - corria o ano da graça de 1979) e não "adeus até amanhã, se quizeres podes vir outra vez amanhã - com "cachet" ao fim da noite, dizia, foi no Pistaré, no Estoril, lugar onde lhe começaram a surgir os contratos, nomeadamente para ir tocar ao Canada, o seu primeiro contrato no estrangeiro !
De referir ainda que este contrato com o Pistaré durou alguns meses, tendo sido algumas vezes substituido, entre outros, pelo saudosos José Inácio e finalmente pelo Corgas, que tem hoje ainda uma casa de fado em Paris.
Embora pudesse, não quero com isto criar qualquer tipo de polémica, nem criticar quem quer que seja, pelos diversos comportamentos de aproveitamento da qualidade que o Alcino mostrava já nessa altura !
No entanto, não enjeito o facto de ter feito parte - modestamente - do seu percurso.
Um abraço e até breve.
João Baptista-Lopes

 

Alcino Frazão toca variações sobre Marchas de Lisboa

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Julho de 2010

Vítor Duarte Merceneiro nas tardes da Júlia

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 10:50
link do post | comentar | favorito

Recordar as Origens - Recordar Alfredo Marceneiro

Fruto de uma investigação e da consulta dos meus blogues, uma jovem jornalista, Marta Tomé, que faz parte da equipa de produção do programa da TVI - As Tardes da Júlia, que se propunham entrevistar pessoas que falassem/relembrassem  os seus antepassados, por sua sugestão tive a honra de ser convidado para falar de meu avô, como poderão ver nos três video-clips que se seguem.
Á TVI, á produção do programa, á Júlia Pinheiro, á jornalista Rita Fao e em especial á jornalista Marta Tomé, o meu muito obrigado.

Agradeço também os telefonemas e mensagens que recebi, destacando uma linda mensagem de uma amiga que visita o meu blogue, Ana Mestre, bem haja.

 

 

 

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 10:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 15 de Julho de 2010

Fados por uma boa causa no Centro Cultural de Cascais

«O Clã 3 do Agr. 71 Parede está a organizar um mega projecto de solidariedade social denominado "MUDÁFRICA - Ajudar, Partilhar e Sorrir em Cabo Verde".

No próximo dia 16 de Julho, pelas 22h, decorrerá mais uma Noite de Fados a reverter a favor deste nosso projecto. O Conjunto de Guitarras de Diogo Lucena e Quadros vai dar-nos muito fado no auditório do Centro Cultural de Cascais e, durante o intervalo, será servido um Porto d'Honra e alguns outros miminhos. A entrada serão 10 fados por pessoa, sendo que o local tem lugares limitados. Reservem já os vossos lugares pelo número 96 446 99 18 ou 91 10 10 980, ou para o e-mail: cla3.infantedomhenrique@gmail.com

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 12:52
link do post | comentar | favorito
Domingo, 11 de Julho de 2010

Linhares Barbosa- Autor do Leilão da Mariquinhas

João Linhares Barbosa, poeta e jornalista, nas­ceu em Lisboa em 1893, na freguesia da Ajuda onde viveu toda a sua vida e foi lá que veio a falecer em 1965.
Incentivado por Martinho d'Assunção (pai) e por Domingos Serpa, enveredou pela poesia na linha do sentimenta­lismo ultra-romântico. Vivia exclusivamente do fruto das suas composições, vendendo as suas cantigas, tal como os outros poetas da altura, pois não havia como hoje as gravações, e portanto era uma forma de receber monetáriamente o retorno do seu trabalho.
Começou a publicar os seus versos no Jornal A voz do Operário, chegando muitas das vezes a ser ele próprio a declamá-los
Em 1922 iniciou a publicação da Guitarra de Portugal que dirigiu até ao final da primeira série, em 1939, e que foi o mais influente jornal da im­prensa fadista, exercendo durante quase duas déca­das forte influência na evolução do Fado.
Sob a sua direcção, a Guitarra de Portugal não só divulgou centenas e centenas de poemas para o repertório fadista como se envolveu em duras po­lémicas com os críticos do Fado, particularmente activos durante a década de 30. O jornal contou com numerosas colaborações (Stuart de Carva­lhais, Artur Inez, Antônio Amargo) e constituiu um precioso elemento de ligação entre os amado­res de Fado, tendo assinantes em praticamente todo o país.
Continuou a colaborar na II série (1945-1947) e noutros jornais, nomeadamente o Ecos de Portugal, que sur­giria em substituição da Guitarra.

 

Foi durante muito tempo Director Artístico do Salão Luso.
Em 1963 é Homenageado no Coliseu dos Recreios, recebendo o prémio da Imprensa para o “Melhor Poeta de Fado”
Em 1995 a Câmara Municipal de Lisboa presta-lhe a justa consagração dando o se nome a uma rua de Lisboa, no Bairro do Camarão da Ajuda.
Foi e ainda é, um dos mais admirados poetas do Fado, a sua produção ultra­passou decerto o milhar de poemas, entre os quais se contam algumas das mais duradouras letras tradicionais, entre outras:
 É Tão bom Ser Pequenino; Lenda das Rosas; Cinco Pedras; Dá-me o Braço An­da Daí; As Sardinheiras; Cabeça de Vento; O Ardinita; Ternura, O Leilão da Mariquinhas; Depois do Leilão Fado dos Alamares; Não te Lembres de mim; O Meu; O Pierrot; Lembro-me de Ti; Mocita dos Caracóis; O Remorso; Vida Airada; Perdição; O Fado da Mouraria; Desespero; As Pedras; Aquela Rua, Ternura, Cabeça de Vento, O Ardinita, Eterna Amizade, Fado Menor, Lenda das Rosas, O Fado da Mouraria, Vida Airada, Disse Mal de Ti, Fado Corrido, Fado das Tamanquinhas, Faia, Lá porque tens cinco pedras, Não digas mal dele. Os teu Olhos são dois Círios, Sei Finalmente, Troca de Olhares. 

 

      

 

( 1 )                                                             ( 2 )

 

 

 

(1) Com Domingos Camarinhas, Sérgio, Amália Rodrigues e Berta Cardoso na VIela

 

(2) Com Baerta Cardoso e Alfredo Marceneiro no Faia

 


Os poetas não morrem
Homenagem do Poeta Carlos Conde
A João Linhares Barbosa
 

                                        A fadistagem chora, anda saudosa

                              Pela falta do seu vate consagrado.
                              A morte de João Linhares Barbosa
                              Roubou-nos meio século de fado!
 
                              Adeus fado castiço. fado antigo.
                              Com sabor a tipóias e alamares.
                              Que vais sentir a falta de um amigo
                              No maior dos poetas populares!
 
                              Adeus época de oiro da canção
                              Mais clássica. mais típica, mais bela,
                              Que os versos de mais doce inspiração
                              São hoje tons escuros de aguarela!
 
                              O fado está mais pobre. anda mais triste.
                              Mas ele não morreu. dorme talvez.
                              Só sabe que o poeta ainda existe
                              Quem canta e sente as rimas que ele fez!

CABEÇA DE VENTO

 
Letra de: Linhares Barbosa
Música de: Armando Machado
 
                                                         Lisboa se amas o Tejo
                                                         Como não amas ninguém
                                                         Perdoa num longo beijo
                                                         Os caprichos que ele tem
                                                         Faço o mesmo ao meu amor
                                                         Quando parece zangado
                                                         Para acalmar-lhe o furor
                                                         Num beijo canto-lhe o fado
 
                                                        E vejo, todo o bem que ele me quer
                                                        Precisas de aprender a ser mulher
                                                        Tu também és rapariga
                                                        Tu também és cantadeira
                                                        Vale mais uma cantiga
                                                        Cantada à tua maneira
                                                        Que andarem os dois à uma
                                                        Nesse quebrar de cabeça
 
                                                        Que lindo enxoval de espuma
                                                        Ele traz quando regressa
                                                        A noite é de prata o teu lençol
                                                        De dia veste um pijama de sol
                                                        Violento mas fiel
                                                        Sempre a rojar-se a teus pés
                                                        Meu amor é como ele
                                                        Tem más e boas marés
                                                        Minha cabeça de vento
                                                        Deixa-o lá ser ciumento

 

 
Lés a lés
 
Repertório de Berta Cardoso
Letra de Linhares Barbosa

A cantar de lés a lés
Atravessa o mundo inteiro.
Verás, em todo o estrangeiro,
Todos te dirão quem és.

Há lá coisa mais bonita
Que um português de samarra
Embarcar com a guitarra
No seu saquito de chita!
Foi sempre assim, acredita,
Mal que a gente pôs os pés
Nos sobrados dum convés
Sentimos da Pátria a imagem
E vamos toda a viagem
A cantar de lés a lés.

Vai do mundo a qualquer parte
E verás em todo o mundo
Do teu Portugal jocundo
Vestígios do seu estandarte !
O teu país foi na arte
De navegar o primeiro,
Como não há marinheiro
Que não cante o triste fado,
O fado desde soldado
Atravessa o mundo inteiro.

Sobre a madeira de um barco
Foi à Ilha da Madeira,
A descoberta primeira
Do nobre Gonçalves Zarco.
Mas como o prémio era parco
Para um génio aventureiro,
O fado que era troveiro
Vai do Brasil a Ceilão,
Pedaços desta canção
Verás em todo o estrangeiro.

Em África impõe a lança,
Na Índia lança vontades,
E deixa loucas saudades
No Cabo da Boa Esperança.
Na tormenta, na bonança,
Esta canção que se fez
P'ra o coração português
Achou sempre o mundo estreito,
Canta-a com a guitarra ao peito,
Todos te dirão quem és.
 

Óleo sobre tela de Constantino Fernandes
Marinheiro 1913
Museu do Chiado
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:42
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Julho de 2010

FREGUESIA DE SANTA ISABEL HOMENAGEIA O FADO

O Fado foi homenageado na Freguesia de Santa Isabel, relembrando seus ilustres moradores, Amália Rodrigues e Alfredo Marceneiro.

Valdemar Duarte Marceneiro, meu primo esteve presente, quer na preparação da exposição do nosso avô, assim como no dia 28, a actuar com o seu conjunto de guitarras e fadistas. A família de Alfredo Marceneiro, agradece a iniciativa do executivo da Junta de Freguesia de Santa Isabel, bem hajam. 

 

   

 

RAINHA SANTA ISABEL

  

Isabel de Aragão era filha do rei de Aragão, D. Pedro III, e nasceu no ano de 1271.
Contava apenas 12 anos quando recebeu o pedido de casamento da parte de três príncipes, entre eles, o nosso D. Dinis.
Os reis de Aragão decidiram consagrar a mão de sua filha, ao rei português, dada a proximidade e as boas relações entre os reinos.
Casaram por procuração a 11 de Fevereiro de 1282, apenas 4 meses depois ela atravessaria a fronteira, por Trancoso, afim de celebrar o acontecimento. Trancoso seria então incluído no dote oferecido por D. Dinis à rainha, assinalando o seu local de entrada no reino.
Dona Isabel gostou tanto de Portugal e do povo que se tornou uma das rainhas mais importantes e mais conhecida. Por onde passava, fazia transparecer o seu amor e bondade. Gostava muito de ajudar os pobres, embora o seu marido não gostasse muito.
D. Dinis cedo se revela um homem violento, infiel e de má vontade no seu casamento. É conhecida a numerosa prole do rei, que, mantendo diversas relações extra-conjugais , acabava produzindo uma descendência ilícita que trazia para a Corte. Aqui se destaca o comportamento da rainha, que, apesar de humilhada, terá mantido o respeito e a bondade para com D. Dinis, acolhendo, amando e educando os filhos ilegítimos do marido, como se seus fossem.
Confeccionando roupas para pobres, visitando enfermos e idosos, patrocinando a construção de albergues ou um hospital para os mais necessitados, escolas, um lar para meretrizes convertidas, outro para órfãos, para além de conventos e de todo um trabalho junto das ordens religiosas.
Consta que uma das suas obras de caridade consistia na distribuição assídua de pão pelos mais pobres. Sendo o ano de 1333 um ano de carência e maior fome, ter-se-á o rei oposto a este tipo de prática, que constituiria grande despesa para a sua Casa. Isabel terá então vendido algumas das suas jóias para poder comprar trigo, que lhe permitisse manter o hábito. Ora, num desses momentos de distribuição o rei terá aparecido, indignado, reagindo a rainha com a ocultação dos pães que trazia consigo no regaço, procurando evitar a censura do marido. Percebendo o seu gesto apressado, D. Dinis terá perguntado – Que tendes em vosso regaço senhora? – Ao que Isabel teria respondido – São rosas senhor…! – Rosas em Janeiro?! Deixai que as veja então! – E soltando as vestes, eram de facto rosas que caíram ao chão, pelo que diz a lenda que teria sido este o seu primeiro milagre.
Fez tantos milagres e evitou tantas brigas e lutas que era conhecida pela "Rainha Santa" e "Rainha Medianeira".
Dona Isabel, Rainha de Portugal, faleceu em Estremoz, a 4 de Julho de 1336.
Foi beatificada pelo Papa Leão X em 1516, vindo a ser canonizada, por especial pedido da dinastia filipina, que colocou grande empenho na sua santificação, pelo Papa Urbano VIII em 1625.

 

Alfredo Marceneiro

canta: Rainha Santa 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 08:27
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 2 de Julho de 2010

MANUEL CARDOSO DE MENEZES

 

  

Manuel Maria Norton Cardoso de Menezes (Margaride) (*)

Nasceu em Lisboa a 2 de Março de 1939.

 Engenheiro de formação, ingressou na TAP em 1967 onde chegou a Director.

Teve uma vida profissional muito intensa e diversificada, pelo que foi nomeado para diversos cargos, dada a sua reconhecida capacidade profissional e intelectual,

 Presidente do Conselho de Administração da R.D.P. (Radiodifusão Portuguesa). Presidente do Conselho de Administração da Unicar por parte do I.P.E., Administrador do Teatro Nacional de S. Carlos, colaborou na ANOP e na LUSA, etc.

 Iniciou-se mas lides fadistas aos treze anos, tocando viola e cantando nos restaurantes típicos na companhia de amigos, entre os quais é justo destacar o seu tio Conde de Sobral, grande poeta e muito respeitado no meio do fado, o Dr. Nuno Siqueira, profundo conhecedor dos segredos do fado e ilustre "cantador" e o seu muito amigo José Pracana exímio guitarrista, que também muitas das vezes acompanha tocando viola.

As tertúlias onde se integrou ficaram famosas na boémia de Lisboa.

 Possuidor de um estilo muito próprio, gravou 64 fados, distribuídos por 4 CD's da Editora discográfica Strauss, onde é acompanhado pelos grandes guitarristas Carlos Gonçalves e José Pracana. Nestes CD's do melhor fado tradicional, encontram-se alguns fados antigos que nunca haviam sido gravados.

 Tem actuado a nível nacional nos mais diversos ambientes, casas típicas do fado,

Casino do Estoril (Maio de 2002), RTP Internacional (Novembro de 2002).

Internacionalmente deu espectáculos na Suécia, Bélgica, Noruega, Brasil e recentemente no Japão durante a Expo 2005 em Nogoya (Maio de 2005), tendo marcado

presença na Televisão Japonesa em Maio de 2005.

(*) Também conhecido e chamado pelos amigos por Manuel "Margaride", por ser bisneto do Conde Margaride

Manuel Cardoso de Menezes, a meu pedido, diz o poema, que eu antes lhe tinha perguntado,  que gostaria de cantar para colocar no blog. Começou logo  a dizê-lo, gostei tanto, que lhe fiz o desafio:  — Vou filmar,  a dizeres só o poema " A Micas do Bairro Alto" e depois filmo a cantares,  que ele a muito custo aceitou.

Este meu pedido, teve como objectivo, demostrar como soa um poema dito,  e como soa o  mesmo poema cantado.

É assim com muito gosto, que  aqui vos deixo as duas versões, espero que gostem,  agradeço mais uma vez,  ao meu querido amigo Manuel Cardoso de Menezes (Margaride), por  ter aceite este meu convite.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 22:55
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags