Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

JOSÉ LUÍS GORDO - Edita o seu 2º Livro de poemas

José Luís Gordo e a FesTEJO levaram a efeito o lançamento do livro "Poemas do Meu Fado " que teve lugar no passado dia 28 de Outubro, no Páteo Alfacinha em Lisboa.
O livro vem acompanhado por um CD onde, para além de poemas declamados por José Luís Gordo, Maria da Fé, António Zambujo, Filipa Cardoso, Hélder Moutinho, Vanessa Alves, José Manuel Osório, Liliana Silva e Rita Gordo interpretam fados escritos pelo autor, acompanhados pelos músicos Paulo Parreira e Rogério Ferreira.
A apresentação foi feita pelo jornalista Nuno Lopes


 

José Luís Refachinho Gordo nasceu no Alentejo, na Vidigueira, mais concretamente em Vila de Frades, em 13 de Abril de 1947. Aos 14 anos vai para Lisboa. Tem o primeiro emprego na Casa Quintão e a noite estuda na Escola Veiga Beirão onde completa o Curso Comercial. 0 gosto pela poesia começou bem cedo e o seu contacto com o fado levou-o a escrever poemas para a canção portuguesa. Com mais de seis centenas de poemas escritos, muitos já cantados e gravados, é Maria da Fé, com quem casou há mais de 40 anos, a sua grande intérprete. É longa a lista dos melhores fadistas que cantam poemas seus. "Até Que a Voz Me Doa", "Divino Fado", "Senhora do Livramento", "António Baptista", "Eu Não Me Entendo" ou "Fado da Meia Laranja" são alguns exemplos de popularidade.

Para além da escrita, José Luís Gordo é um grande divulgador do Fado através do restaurante típico "Senhor Vinho", que detém com a sua mulher Maria da Fé, onde há mais de 35 anos os melhores fadistas e músicos têm divulgado o Fado aos portugueses e a muitos milhares de turistas que nos visitam.

Em 2004 edita o primeiro livro "Recados ao Fado", que no ano seguinte lhe vale o Prémio Amália Rodrigues na categoria de Melhor Poeta do Fado.

Contacto com o autor: clicando aqui
música: O Teu Nome Meu Amor
publicado por Vítor Marceneiro às 21:35
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Outubro de 2010

ALFREDO DUARTE JÚNIOR

Ainda na memória dos verdadeiros amantes do fado, o «castiço» Alfredo Duarte Júnior sempre fez por honrar o nome de seu pai, o inesquecível Marceneiro, verdadeira legenda de oiro do Fado Tradicional. Se a história do Fado tem vindo a ser escrita, através dos tempos,  acerca dos  seus mais     expressivos intérpretes, é inegável que a carreira de Alfredo Duarte Júnior merece vir a ocupar Interessante e importante capítulo. Este video foi filmado pela RTP1 na inauguração da Casa do Fado e da Guitarra Portuguesa, curiosamente Alfredo Duarte Júnior, não tem nenhuma referência no painel de fotos que lá existe, mas fiquem certos que ele fará parte da história do Fado, embora desconhecido de alguns "investigadores/escritores/divulgadores - cientificos" e fazedores de palestras destas coisas do Fado,  (obra feita é claro), esses sim passando a glória efémera e oportunista, deles ninguém falará daqui a uns tempos.

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa:
música: Fado Nosso
publicado por Vítor Marceneiro às 00:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 20 de Outubro de 2010

MANUEL FERNANDES

 

MANUEL FERNANDES

Nasceu em Lisboa no Bairro de Capo d´Ourique a 9 de Dezembro de 1921.
Começa a cantar como amador nas Sociedades de Recreio aos 15 anos.
Estreia-se em 1938 na verbena de Santa Catarina, passando mais tarde para o Solar da Alegria, Mondego e Luso.
Cantou em Angola , Estados Unidos e Brasil onde grava o seu primeiro disco.
Em 1957 é o representante da música portuguesa no Festival de Música Latina em Génova.
Fez parte do elenco da peça teatral “A Rosinha dos Limões” no Coliseu
Foi atracção na peça “Muitas e Boas” no Teatro ABC .
A 4 de Maio de 1962 comemora as suas Bodas de Prata artísticas no Pavilhão dos Desportos, sendo a comissão organizadora composta por Filipe Pinto e Alfredo Marceneiro.
Esteve muito anos contratado no Restaurante Típico A Severa no Bairro Alto, onde se manteve até á sua retirada.
Na sua longa carreira gravou creca de 70 discos entre Singles, EP e LP.
Das muitos poemas  que cantou, houve um que  cantava com muito sentimento, era o fado “ A Vassourinha”, poema criado por Silva Tavares e que mais tarde Domingos Gonçalves Costa aproveitando  o mote, e faz um novo poemas para Manuel Fernandes. (ver vídeo):
A minha linda Filhinha
Com sua saia de roda
Parce uma vassourinha
A varrer-me a casa toda
Manuel Fernandes  faleceu em Lisboa a 20 de Maio de 1994.
 
 
Manuel Fernandes
Canta: A Vassourinha
Autores:D. Gonçalves Costa/F.Ribeiro
Música: Fado Menor do Porto
 
  
 

 

 

Manuel Fernandes homenageado por Carlos Conde

 

Na canção como no Fado 
Manuel Fernandes tem,
O desejo inconformado
De ser mais, de ir mais além!
 
Na sua linda traçada
Nada o prende nem assusta,
Porque já conhece a estrada
De quem sobe à sua custa!

 

E assim, Manuel Fernandes
Um homem que anda na berra,
Pertence à marca dos grandes
Artistas da nossa terra!

 

Nota: Esta página foi publicada pela primeira vez em 2007

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas da Velha Guarda
música: A Vassourinha
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 10 de Outubro de 2010

PORTUGAL PIONEIRO NA ABOLIÇÃO DA PENA DE MORTE

10 -10 -10

 Dia Mundial da Abolição de Pena de Morte

 

   ABOLIÇÂO DA PENA DE MORTE EM PORTUGAL

(Lei de 1 de Julho de 1867)

 

Síntese histórica

 

A abolição da pena de morte para os crimes políticos foi proposta na sessão de 10 de Março de 1852 da Câmara dos Deputados, em Aditamento ao Acto Adicional à Carta Constitucional. Iniciada a discussão em 29 de Março, as divergências incidiram apenas sobre o processo legislativo. Relativamente à questão de fundo, o representante do Governo sintetizou o que parecia corresponder ao sentimento unânime da Câmara: "...porque felizmente entre nós a pena de morte para os crimes políticos está abolida nos corações de todos; e se, porventura, aparecesse hoje entre nós, um Nero, ou um Calígula, não teria força para a impor; e ainda bem que damos ao mundo um exemplo de tolerância que muito nos honra".

A proposta foi aprovada e a abolição da pena de morte por crime político passou a constar do artigo 16º do Acto Adicional à Carta Constitucional (5 de Julho de 1852).

Sabe-se que, desde 1834, não fora executada pena capital pela prática de crime político.

A partir daí, a questão da abolição da pena de morte para os restantes crimes foi levada, por diversas vezes, às câmaras.

 

 

Na sessão de 3 de Julho de 1863, Ayres de Gouveia, depois de propor a supressão, no orçamento do Estado, do ofício de carrasco, apresentou uma proposta que visava a abolição da pena de morte em todos os crimes, incluindo os militares. Proposta bem acolhida e logo secundada por outra, assinada por vários deputados, cujo texto é o seguinte: "1º - Fica abolida a pena de morte; 2º - É extinto o hediondo ofício de carrasco; 3º - É riscada do orçamento do Estado a verba de 49$200 réis para o executor".

Não foi possível reunir consenso à roda da proposta nem nesta altura nem no ano seguinte mas, em 1867, viria a ser aprovada uma lei que aboliu a pena de morte para todos os crimes, exceptuados os militares - Lei de 1 de Julho de 1867.

Relativamente a crimes do foro militar, a pena de morte manteve-se até ao Decreto com força de lei de 16 de Março de 1911 que a aboliu, vindo a Constituição de 1911 a prever que em nenhum caso poderia ser estabelecida tal pena.

Uns anos mais tarde, a participação de Portugal na guerra levaria, pela lei nº 635, de 28 de Setembro de 1916, a restabelecer a pena de morte para "caso de guerra com país estrangeiro, em tanto quanto a aplicação dessa pena seja indispensável, e apenas no teatro de guerra".

 

 

Com redacção ligeiramente diferente, este regime vigorou até à Constituição de 1976 que, no nº 2 do artigo 24º, estabeleceu que "em caso algum haverá pena de morte".

O movimento abolicionista foi estimulado por disposições introduzidas nas leis judiciárias (Reforma Judiciária, Nova Reforma Judiciária e Novíssima Reforma Judiciária) que impunham o recurso obrigatório à clemência régia em todos os casos de sentenças capitais proferidas por tribunais portugueses.

A última execução de pena de morte por motivo de delitos civis ocorreu em Lagos, em Abril de 1846.

Curiosamente, remonta a 1 de Julho de 1772 a data em que é executada pela última vez uma mulher. Chamava-se Luísa de Jesus, tinha 22 anos e assassinara 33 expostos que ia buscar à roda de Coimbra, uns em seu nome, outros em nome suposto, para se locupletar com o enxoval e os 600 réis que correspondiam a cada entrega.

No que se refere a crimes militares, a última execução terá ocorrido em França, na pessoa de um soldado do Corpo Expedicionário Português, condenado por espionagem.

Portugal foi pioneiro na abolição da pena de morte e na renúncia à sua execução mesmo antes de abolida.

No colóquio internacional comemorativo do centenário da abolição da pena de morte, realizado em Coimbra, em 1967, Miguel Torga e Vergílio Ferreira falaram assim:

Miguel Torga:

"A tragédia do homem, cadáver adiado, como lhe chamou Fernando Pessoa, não necessita dum remate extemporâneo no palco. É tensa bastante para dispensar um fim artificial, gizado por magarefes, megalómanos, potentados, racismos e ortodoxias. Por isso, humanos que somos, exijamos de forma inequívoca que seja dado a todos os povos um código de humanidade. Um código que garanta a cada cidadão o direito de morrer a sua própria morte".

Vergílio Ferreira:

"...E acaso o criminoso não poderá ascender à maioridade que não tem? Suprimi-lo é suprimir a possibilidade de que o absoluto conscientemente se instale nele. Suprimi-lo é suprimir o Universo que aí pode instaurar-se, porque se o nosso "eu" fecha um cerco a tudo o que existe, a nossa morte é efectivamente, depois de mortos, a morte do universo".

 

A pena de morte no mundo

Nos fins de 1990, só 36 países tinham abolido a pena de morte, enquanto 27 a mantinham sem a aplicar e 99 a conservavam com plena eficácia.

Os números divulgados pela Amnistia Internacional relativos a 1995 mostram que foram executadas, naquele ano, no mínimo, 2932 pessoas, em 41 países, e condenadas à morte 4165 em 79 países.

No decurso do mesmo ano, a África do Sul aboliu a pena de morte para crimes comuns e as Ilhas Maurícias e a Espanha para todos os crimes.

Ainda segundo a Amnistia Internacional, no fim de 1995, mais de metade dos países tinha abolido a pena de morte na lei ou na prática.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: E a inquisição!!!
publicado por Vítor Marceneiro às 12:47
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Outubro de 2010

DIA MUNDIAL DA MÙSICA

SAÚDO OS MÚSICOS DE TODO O MUNDO

Permitam-me neste dia, relembar uma das músicas da autoria de meu avô, cantada por ele próprio o poema de Armamdo Neves " A Minha Freguesia "

 A música está registada como " Fado CUF"

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: A música é a lingua universal
música: A Minha Freguesia
publicado por Vítor Marceneiro às 12:19
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags