Quinta-feira, 28 de Julho de 2011

Daisy Correia

 

 

Daisy Marouscha Correia, nasceu em Amesterdão a 30 de Setembro de 1986.

Filha de pai holandês e mãe portuguesa,  com  raízes de Trás-os-Montes, razão porque tem as duas nacionalidades.

Desde muito jovem que Daisy se sentiu vocacionada para a música, aos 13 anos já actuava a solo, cantando Pop-Rock.

Em casa,  por influência da mãe, aprendeu o português e a ouvir música portuguesa, com predominância  no Fado, mas só aos 18 anos, numa das vindas anuais a Portugal para passar as férias, no ano de 2004, vai co a mãe, ouvir a Dulce Pontes num espectáculo no castelo de Óbidos, ao escutar ao vivo a Canção do Mar, fica de tal modo siderada, que  para além da toada musical e também pela actuação peculiar da Dulce Pontes, que  decidiu que iria saber mais sobre o Fado e a música portuguesa ( ver  vídeo anexo em que ela própria nos explica e canta um Fado).

Começa a ouvir e fazer buscas sobre o Fado e os fadistas e começa gradualmente a incluir a música portuguesa nos seus espectáculos.

Em 2009 grava o seu primeiro CD, com o apoio da mãe, Manuela Correia, que é simultaneamente sua “manager”.

Já actuou com considerável êxito, em Portugal, na Holanda, França, Luxemburgo, Suiça.

Daisy é estudante e está a tirar o curso de música no  conservatório holandês.

Através deste blogue, fui contactado  pela mãe a solicitar-me ajuda para lhe proporcionar temas de Fado, pois tinham dificuldade em receber resposta ao vários pedidos que vinham tentando nos organismos que esperavam lhes dessem resposta!! Colaborei no que me era possível, tive há dias o grato prazer de conhecer estas nossas compatriotas pessoalmente, e aqui estou a apresentar-vos a DAISY,  concordarão decerto comigo, que mesmo verificando-se um ligeiro desvio na pronúncia, ao ouvi-la cantar, não há dúvida que tem “costela” portuguesa.

Vítor Marceneiro

 

Video-Clip realizado por Vítor Marceneiro

Daisy Correia  comenta e canta:

Zanguei-me com o meu Amor

Letra de João Linhares Barbosa

Música de Jaime Santos

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Português e Fadista
música: Zanguei-me com o meu Amor
publicado por Vítor Marceneiro às 16:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Julho de 2011

JOAQUIM PIMENTEL - cantor e compositor e os Herdeiros

Esta página foi colocada neste blogue em 25 de Outubro de 2007, portanto vai fazer 4 anos.

Foi visitada por uns milhares de pessoas, e foi indiscutivelmente uma grande homenagem a Joaquim Pimentel, este blogue tem poucos comentários, como não me escondo cobardemente por detrás de um pseudónimo, as pessoas sabem quem eu sou, o meu número de telefone, os meus endereços de email, etc. Sabem também ao que me propus quando iniciei este trabalho, o que me tem dado força são os maldizentes, porque como já disse alguém... QUANTO MELHOR FIZERES, MAIS INVEJAS ARRANJAS... e eu que o diga, até de familiares!!!

Este blogue, é considerado um dos trabalhos mais importantes sobre Fado, não esqueço que muitas pessoas também fazem este tipo de blogues, mas clonar é fácil, sabem bem que eu começei tendo que investigar, os honestos que clonam páginas por mim escritas, fazem a indicação dos créditos, mas infelizmente são mais os que o não fazem.

Eu coloco músicas,  quando arranjo um tema do artista sobre quem escrevo, para o homenagear, também ao autor da letra e ao autor da música, e muitas pessoas,  já aqui têm elogiado este facto, até há quem me diga, que basta escrever no Google um nome de um artista de Fado (e não só), e que de certo está lá o link para Lisboa no Guiness... agora já aparecem mais links, mas a "papa" na maioria dos casos já estava feita, já sei que os detractores vão dizer que me estou a glorificar, estou, estou, podem crer.

Sabem que há familiares e amigos,  que se têm reencontrado através de mensagens aqui deixadas, e as dezenas de pessoas que me pedem, os poemas, informações, muitas desses pedidos vem desgostosos porque já bateram à porta de quem deveria ajudar, mas não, mas eu quando não sei para lá os mando, e os que pensam que eu tenho obrigação de os satisfazer, enfim , continuemos.

Respeito e defendo os direitos de autor,  mas também sei que muitos dos temas  que aqui coloquei em termos de música, já estavam há  muito esquecidos e até desconhecidos,  de grande parte das novas gerações que gostam de Fado,  e até sei, que muitos temas foram novamente editados, já com as novas tecnologias, quer para lembrar o artista, quer os temas. 

A mim,  repugna-me  os blogues ou sites... desculpem..sítios que têm os álbuns completos dos artistas à disposição de quem quer copiar, quer do meu avô, quer do meu pai, da Amália e muitos mais, isso é que é repugnante.

Até hoje não tinha recebido nenhuma denúncia, e a SPA, sabe ao que me proponho, mas como é óbvio têm que dar seguimento a qualquer reclamação que seja feita. Muito bem, mas os visitantes deste blogue e a comunidade fadista, sabem e não esquecem o que se passou comigo com o Fado Versículo, e com os 15.OOO Dvd, do Filme do Saura, e com os direitos conexos, que não pagaram, ainda estou à espera de saber o que se passa!!! E até passo por oportunista, desonesto etc.

 

Continuemos:

Tomo a liberdade de vos mostrar o email que recebi hoje da SPA - Sociedade Portuguesa de Autores. 

 

De: Novas Tecnologias [mailto:novas.tecnologias@spautores.pt]  

Enviada em: terça-feira, 26 de Julho de 2011 16:54 

Para: marceneiro@sapo.pt

 

Cc: Para o departamento Jurídico (retirei o nome da advogada a quem foi endereçada)

 

Assunto: 110726 EXP utilização de obras Novas Tecnologias [novas.tecnologias@spautores.pt] literário-musicais em blog  

52.1/RN/MC

  

Exmo. Senhor,

 

Vitor Marceneiro

No seguimento do nosso contacto telefónico, vimos pelo presente informar que recebemos uma reclamação por parte dos herdeiros das obras "Só Nós Dois" e "Deixa-me Só" da autoria de Joaquim Tavares Pimentel, representadas pela SPA e utilizadas no seu blogue http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/90085.html?view=321765#t321765, sem que para tal a SPA tivesse emitido qualquer autorização para as obras em epígrafe, caso contrário existiria uma Factura/Licença.

Perante este facto, solicitamos que nos façam chegar um pedido de licenciamento para as mesmas, (em anexo ficha de licenciamento).

Após reunirmos todas as informações estaremos em condições de contactar os detentores dos direitos da(s) obra(s) e averiguar quais as condições a aplicar para este tipo de utilização. 

A fim de evitar possíveis reclamações e processos jurídicos, sugerimos que façam a retirada imediata das obras do vosso blogue, enquanto as mesmas não se encontras devidamente Licenciadas. 

Na expectativa da vossa breve resposta, apresentamos os nossos melhores cumprimentos,

Retirei o nome do funcionário

Nota: que fique bem esclarecido que obedeço ao pedido da SPA, por ser meu dever não só como membro, mas também porque idependentemente da minha revolta, esta é a lei,  e tem que se cumprir. 

 

Já retirei os temas um cantado pelo Toni de Matos e outro pelo próprio Joaquim Pimentel, e se verificarem nos comentários há familiares e não só a elogiar, mas também a pedir contacto com outros familiares.

 

Ora o que mete nojo (desculpem o termo) é que estes herdeiros ao que julgo saber, são netos, nada fizeram para lembrar o avô e virem a este bolgue há página que já está publicada há cerca de 4 anos, (quem sabe mandados por quem), nem um reparo, por exemplo... " Tudo bem falar do nosso avô, mas pôr Fados dele é que não", e então eu retirava, e pedia-lhe se então me sabiam dizer a data em que o avô morreu, aonde e como, mas não!.  E a prima que está aqui a pedir um contacto?

Eu sei qual é o problema deles, é que já não recebem quase nada, e olhem que eu falo com conhecimento de causa... não descurar o que se tem a receber, mas acima de tudo dignificar a obra, e esse atributo em relação ao espólio musical do meu avô, ninguém mo nega, sim,  porque de outro espólio... fui roubado, eu depois conto, porque este caso vai mesmo para policia, e portanto é segredo de justiça.

 

O meu avô ensinou-me e eu decorei,

QUANDO ELES NÃO VALEM NADA, NÂO SE GANHA EM DISCUTIR, NÃO É BOM SERVIR DE ESCADA PARA QUALQUER ASNO SUBIR…

 

Podia mandá-los darem uma volta, mas como sou pessoa bem formada, e como calculo que sejam pessoas que dominam mal estas coisas “das internetes” bateram esta porta, porque como já me glorifiquei, "clica" e aparece… o que se procura no LISBOA NO GUINESS… até já me sussurraram ao ouvido que os decisores da UNESCO, para a candidatura do Fado a património da humanidade, também aqui vêm consultar, se  calhar é boato.. será? Com isto não quero tirar o mérito a quem vai na rua e é interpelado pelas povo para saber como vai isso do projecto da Unesco.

Bem com eu ia dizendo, vou colaborar com estes herdeiros e aqui vão os links dos vídeos colocados no Youtube com obras do vosso avô, bem não são todas, eu só vos quero dar a pista, o resto façam vocês, blogues e sitios, e no Brasil, então é que vão encher a barriga.

Saudações fraternas, e quero crer que o vosso avô estará algures num ponto imaginário, (creio porque sou crente) a comentar para o meu avô… Oh! Alfredo ….(penso que sei o que ele diz, mas por decência não devo explicitar)

Aqui vai algumas pistas:

 

 

www.youtube.com/watch?v=SBgRNu68c0Q

 

adeliapedrosa.bloguedemusica.com/.../Joaquim-Pimentel-Saudades/

 

www.youtube.com/watch?v=NUt1pbTgkQ4

 

mundofadobrasil.podbean.com/2009/08/.../joaquim-pimen

 

users.isr.ist.utl.pt/~cfb/VdS/j.pimentel.html

 

www.youtube.com/watch?v=SBgRNu68c0Q

 

videos.sapo.pt/nZeuIOzZvYmcQkVjzgZ8

 

www.youtube.com/watch?v=TTHdm4EB5rA

 

www.youtube.com/watch?v=XigWUls1-kc

 

 

Mas há mais, mas como o povo diz, quem quer bolota trepa, e se quizerem processar, estejam à vontade pois como não estou na clandestinidade, sabem quem eu sou.

 

E aqui vai mas uma vez a homenagem ao grande homem que foi o vosso avô.

 

 

JOAQUIM PIMENTEL nasceu na freguesia de Cedofeita, do Porto, cidade onde se dedicou à prática do atletismo no Clube Académico.

Começa por  cantar fados e tangos como amador.

Fixou-se depois em Lisboa, foi atleta do clube de futebol Os Belenenses e em 1933 apareceu a cantar no Retiro da Severa (do Luna Parque), afirmando-se desde logo como um intérprete do fado, expressivo e de boa voz, que depressa se impôs no meio artístico da capital.

Em 1934 foi convidado para ir ao Brasil (Rio de Janeiro e S. Paulo) com alguns nomes consagrados do fado como Maria do Carmo, Maria do Carmo Torres e Filipe Pinto, além de outros artistas (Branca Saldanha, Alberto Reis, Eugénio Salvador e Lina). Essa viagem determinaria, aliás, o futuro de Joaquim Pimentel, que em 1939 voltou ao Brasil para lá permanecer até 1946, ano em que regressou a Portugal e actuou no Teatro Avenida. Mas em 1947 parte uma vez mais e então para se radicar definitiva­mente naquele país.

Depois de largos anos de actuações em espectáculos, na rádio e na televisão do Rio de Janeiro, onde também praticou remo no Clube Vasco da Gama, Joaquim Pimentel instalou-se em S. Paulo, dedicando-se à exploração da Adega Lisboa Antiga, à Rua Brigadeiro Tobias, um restaurante típico por onde passaram os mais destacados artistas portugueses da canção.

Autor das músicas de parte dos números do seu reportório e também para outros artistas, Joaquim Pimentel can­tou, entre outros, os fados Mulheres Há Muitas, Malmequer, Confissão, Não Penses Mais em Mim, A Freira, Duas Mortalhas, Deixa-me Só, O Teu Destino, O Melhor Amor, Por Que Razão, Coração?, O Amor Sempre Acontece, Saudade Não Vás Embora e Caçador de Mulheres.

Entre outras quero aqui recordar dois grandes êxitos para o repertório de Tony de Matos, “SÓ NÓS DOIS”, letra e música de sua autoria,  e “VENDAVAL” em que o autor da música foi A. Rodrigues.

© Vítor Duarte Marceneiro

 

 Toni de Matos canta:

SÓ NÓS DOIS

 

   Já não canta a pedido dos herdeiros

 

 

Só nós dois é que sabemos

O quanto nos queremos bem

Só nós dois é que sabemos

Só nós dois e mais ninguém

Só nós dois avaliamos

Este amor, forte, profundo...

Quando o amor acontece

Não pede licença ao mundo

 

                                      Anda, abraça-me... beija-me

                                      Encosta o teu peito ao meu

                                      Esqueça o que vai na rua

                                      Vem ser minha,  eu serei teu

                             Que falem não nos interessa

                                      O mundo não nos importa

                                      O nosso mundo começa

                                      Cá´dentro da nossa porta.

 

Só nós dois é que sabemos

O calor dos nossos beijos

Só nós dois é que sofremos

As torturas dos desejos

Vamos viver o presente

Tal-qual a vida nos dá

O que reserva o futuro

Só Deus sabe o que será.

 

Nota: Fiz imensas tentativas para arranjar uma gravação do próprio Joaquim Pimentel, como não consegui, decidi-me  pelo seu amigo  Tony de Matos, cantando esta sua grande criação, que é decerto uma homenagem à sua obra.

 

Informação posterior à publicação da página:

Afinal pensava ter consultado o meu amigo Fernando Baptista, quando na realidade não o fiz,assim este grande coleccionador e amente das coisas do Fado, vem mais uma vez dar uma preciosa colaboração enviando-me um bonito Fado cantado pelo Joaquim Pimentel, com letra e música de sua autoria a que deu o título "DEIXA-ME SÓ"

 

 

 

    Joaquim Pimentel canta

DEIXA-ME SÓ 

 Já não canta a pedido dos herdeiros

Contacto com o autor: clicando aqui
música: SÓ NÓS DOIS - canta Tony de Matos
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Quinta-feira, 14 de Julho de 2011

Mafalda Arnauth - Nova Geração de Fado

Nasceu em Lisboa, 4 de Outubro de 1974

Foi descoberta por João Braga num concurso de Fado levado a efeito no extinto "Clube de Fado Amália" . em Birre-Cascais, propriedade de Bela Bueri e do grande músico e poeta Tó Moliças, corria o ano de 1995.

João Braga, logo a convidou para entrar num concerto no Teatro de São Luís, em Lisboa, no qual foi estrondosamente ovacionada.

O seu primeiro álbum, Mafalda Arnauth (1999), foi aclamado pela crítica e recebeu o prémio de "voz revelação" do ano pela revista portuguesa BLITZ,

O seu segundo disco, " Esta Voz Que Me Atravessa" foi editado em 2001.

Em 2003, Mafalda Arnauth lançou "Encantamento", no qual surge também como compositora.

Em 2005 grava "Diário" , que foi saudado pela crítica e pelos fãs como o melhor trabalho da cantora até o momento.

Este ano com produção própria edita "Flor do Fado", com alguns temas seus e outros já gravados por outros fadistas, mas para mim e para grande maioria do público, é sublime a sua interpretação do excepcional poema que Manuel Alegre fez para a bonita canção de José Niza "Flor de Verde Pinho" . (ouvir este tema em (http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/141318.html)

Também neste blogue pode ouvir Mafalda Arnauth cantar, Lisboa Serás Sempre Lisboa, com poema e música de sua autoria.(http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/201462.html)

 

Mafalda Arnauth canta ESTRELA DA TARDE de José Carlos Ary dos Santos

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Estrela da Tarde
publicado por Vítor Marceneiro às 23:11
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Julho de 2011

TEATRO MARIA VITÓRIA - Fórum Cidadania defende Teatro Maria Vitória como "templo da revista"

Fórum Cidadania defende Maria Vitória como "templo da revista"
Lisboa, 25 Jan (Lusa) - O Fórum Cidadania Lisboa apresentou ao concurso de ideias para o Parque Mayer um projecto que prevê a manutenção do Maria Vitória como teatro para revista e a transformação do Palacete Ribeiro da Cunha num hotel de charme.
    O prazo para entrega de candidaturas para o concurso de ideias do Parque Mayer e zona envolvente promovido pela Câmara de Lisboa termina hoje, e a partir dos melhores projectos será elaborado o plano de pormenor para a zona.
    A proposta da associação de cidadãos Fórum Cidadania Lisboa prevê a demolição do teatro ABC , a totalidade dos restaurantes, os acrescentos ao teatro Capitólio, o anexo que tapa a fachada sul do Teatro Maria Vitória e o antigo guarda-roupa Paiva.
   
O Fórum Cidadania Lisboa defende a reabilitação do Capitólio, segundo o projecto original do arquitecto Cristino da Silva, preparado para projecção de Cinema, avançando com a possibilidade de instalação de um núcleo do Museu de Cinema (Cinemateca).
    O Teatro Variedades é visto como uma boa “sala polivalente, preparada para teatro, concertos de jazz, ensaios da Companhia de Bailado de Lisboa, locais de ensaios de coros”.
    O Teatro Maria Vitória deve, segundo o Fórum Cidadania Lisboa, manter-se como “templo da revista”, “100 por cento afecto ao teatro de revista”. (*)
 
   A associação propõe que seja instalada no Parque Mayer uma “loja âncora multimédia/livraria” para o local do teatro ABC .
    Na zona ocupada pelo guarda-roupa Paiva, é proposta a instalação de galerias de arte.
    Para o Palacete Ribeiro da Cunha, na zona envolvente ao Parque Mayer, a associação defende a “abertura de um hotel verdadeiramente de ‘charme’, sem esventramento dos jardins”.
    Este palacete está em processo de classificação no IGESPAR (Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico), e já está abrangido pela Zona Especial de Protecção da Mãe de Água e do Jardim Botânico.
    O Fórum Cidadania defende a “construção de um parque de estacionamento subterrâneo no actual parque à superfície da Rua do Salitre, com capacidade para 300 viaturas, e estacionamento à superfície, com plantação de árvores em caldeira”.
    A associação é contra a construção de um parque de estacionamento da Avenida da Liberdade, à entrada do Parque Mayer, como é defendido no PUALZE ( Plano de Urbanização da Avenida da Liberdade e Zona Envolvente), nem no próprio recinto.
    Segundo o Fórum Cidadania há “três perigos potenciais” de fazer um estacionamento subterrâneo no Parque Mayer: “o cruzamento do túnel ferroviário do Rossio, a existência de lençóis freáticos e impacto nas espécies do Jardim Botânico”
Lusa - ACL .
 (*) Provavelmente, alguém falou em criar um espaço para dar "Fado", mas como o espaço que restava era minúsculo , ficava junto aos urinóis , acharam por bem nem  sequer o referir. Outros terão levado em consideração que, o Fado poderia trazer ao novo espaço mais sofisticado, "a ralé" que "bate o Fado", isto em relação ao Fado na sua vertente original, ou ainda àqueles que com eu,  se lembram das farturas, das barracas dos tirinhos e dos carrosséis , etc. 
Em relação ao Fado dos "concertos" encaixa-se perfeitamente ao lado do Jazz, nos Bailados, no Flamenco e nos Fados do "investigador!!!" de Fado,  Carlos Saura, e do cantor Carlos do Carmo (veja-se a sua obra prima no filme Fados)

Nota: Este texto é pura ficção , qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência e, é da minha inteira responsabilidade — Vítor Duarte Marceneiro — obviamente que estou solidário com a recuperação do Parque Mayer, mas não haver uma referência ao Fado, na utilização dos espaços, dá-me vontade de.... não digo mais nada

 

           

           Recordamos mais uma vez quem foi Maria Vitória

MARIA VITÓRIA, foi outra artista do teatro idolatrada pelo público e que tam ­bém se acompanhava à guitarra. Nasceu em Málaga em 3-3-1888, mas veio em criança com a mãe para Lisboa, cidade onde foi educada num convento de freiras.

Com uma bonita figura, morena, olhos e cabelos negros, estava, porém, talhada para uma vida turbulenta e efémera, tal como Júlia Mendes, devido ao seu temperamento em que sentimentalismo e sensualidade se misturavam, prevalecendo sobre os princípios em que se iniciara. Optando pelo caminho da boémia, do desregramento, vivendo dema­siadamente depressa, sacrificou a sua juventude generosa imolando-se aos 27 anos quando se encontrava no apogeu de uma prometedora carreira de actriz e de fadista.

Andou pelas feiras em pândegas e noitadas até que surgiu a cantar o fado na taber­na Flor da Boémia, da Travessa da Espera, n.o 11, de que era proprietário um tal Joaquim Rato, que foi um dos seus vários amantes. E logo aí deu origem a um drama, porquanto um filho do Rato, apaixonando-se por ela e não sendo correspondido, viria a morrer tuberculoso.

Criando à sua volta uma roda de admiradores, Maria Vitória estrear-se-ia como actriz em 1908 no Casino de Santos, donde transitou para o Salão Fantástico e daí para o Teatro da Rua dos Condes, à porta do qual foi protagonista de uma célebre cena de ciúmes em que a rival, outra actriz então em voga, lhe sofreu os desabrimentos de mu­lher temperamental e impulsiva.

Contratada pelo empresário Luís Galhardo, actuou, em 1913, na revista "O 31", levada à cena no Teatro Avenida, onde desempenhou os papéis de Estúrdia, de Alzira Fadista (3) e de Guines do dueto Arco de Santo André. O seu grande sucesso foi, então, o Fado do 31, cuja popularidade transpôs as fronteiras e se estendeu até à Espanha.

Minada pela tuberculose, depois de uma breve passagem pelo Caramulo donde fugiu para voltar para o teatro, Maria Vitória, cuja carreira teatral não foi além de sete anos, viria a falecer na sua residência da Rua de Nova da Piedade, n.o 1-r/c, em 30-4-1915, sendo inumada no cemitério de Benfica.

Desaparecida do palco da vida, com o decorrer do tempo ela havia de se transfor­mar numa figura lendária, celebrada como actriz (que deu o nome a um teatro do Parque Mayer, inaugurado em 1922) e como fadista afamada (a quem o cantador Francisco Viana dera em 1908 lições de canto), intérprete de fados que tiveram enorme audiência.

Entronizada como cantadeira que deu brado teve, naturalmente, o seu Fado Maria Vitória, com letra de Pereira Coelho e música de Alves Coelho, os mesmos autores do Fado do 31.

Na reabertura em Fevereiro de 1990 , o teatro foi acossado por um violento incêndio, que o  destruiu. Na inauguração a figura de Maria Vitória foi recriada por Marina Mota.

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:15
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Julho de 2011

LISBOA NO GUINESS - 672.991 visitantes - Inicio 7 de Abril de 2007

Cerca de 800 publicações

Mais de 300 biografias

Cerca de 400 Videoclips

 

 

Inicio da contagem a 7 de Abril de 2007

Em 29 de Novembro de 2007

mais de 100.000 visitantes

 

Comentava eu, em 29 de Novembro de 2007, ainda não era tão "persona non grata", o meu avô ainda era o autor do FADO VERSÍCULO!!!

Hoje com 672.991 visitantes, não retiro nem uma linha do que então escrevi, mas Lisboa não está no Guiness, perguntarão porquê?...

Um dia estará e tudo será desvendado.

 

...este Blog do qual sou responsável atingiu hoje mais de 100.000 visitantes.

Deu muito trabalho, mas que não me arrependo, foi feito com muito amor.

Aprendi muito sobre Fado, e

aprendi mais sobre o ser humano,

aprendi a conhecer melhor a inveja.

aprendi a ver quem é o amigo,

aprendi a ver como se comportam os incompetentes

e finalmente

aprendi como se movem os interesses dos lobbies e a força que têm,

mas também descobri que "só eu é que sonho" em colocar "Lisboa no Guiness " como a Cidade mais cantada do mundo!

aprendi que estava enganado por acreditar que era "O Sonho que Comanda a Vida", não, não é

actualmente quem comanda a vida "é quem tem protagonismo" e se por alguma razão ameaçar-mos esses estatutos, somos arrasados e ignorados.

Em 100.000 visitantes, com mais de trezentas páginas editadas, tive meia dúzia de comentários, mas da comunidade fadista nenhum comentário, nem sequer daqueles, que, ainda vivos, e que deles falei, e que por tal razão passaram a estar nos "motores de busca" e passaram a ser referenciados, é claro que não têm nada a agradecer-me, mas que é estranho é!

Mas como o Fado é muito mais do que isto, vou continuar para alegria de alguns, e decerto para "dor de c.." de outros

A todos os que visitaram o blog, aos que comentaram, aos que colaboraram, e principalmente nos momentos de angústia aqueles que contribuíram para que eu não tenha desistido, ao amigo, Fernando Batista, ao Nuno Lopes, ao Armindo Rosa, ao Acácio Monteiro, e outros, assim como à equipa do "SAPO BLOGS", que muito me tem ajudado.

Se este resultado algum valor tem, quero repartir também com a minha família, em especial os meus filhotes Alfredo e Beatriz, a quem tenho retirado muitas horas de convívio.

A TODOS O MEU MUITO OBRIGADO

 

Caricatura de: Mário Jorge Neves

 


 

 

 

© O SAPO FADISTA

MAS QUE SAPO ENGRAÇADO
BONÉ NA CABEÇA E PINTA D'ARTISTA
TEM PINTA DE PINTA, TEM PINTA DE FADO
CLICA A GUITARRA, É SAPO FADISTA

CLICA A VIOLA, CLICA A GUITARRA
TEM CARA MALANDRA, SORRISO DE MOÇO
O SAPO FADISTA, FADISTA DE GARRA
BONÉ NA CABEÇA E LENÇO AO PESCOÇO

O SAPO FADISTA TEM AR ESPERTALHÃO
CLICA NA NET , MAS NÃO CLICA À TOA
NO PORTAL DO GUINESS ELE ABRE O PORTÃO
BLOGUE INTEIRINHO DA SUA LISBOA

Autor versos :
Carlos Escobar

   

OBS: Figura do Sapo: propriedade do "PORTAL DO SAPO"

Montagem de Vítor Marceneiro com desenho de Alfredo Duarte Jr .

Proibida a reprodução do Sapo inserido nesta montagem, a imagem está protegida por copyright, e foi excepcionalmente autorizada a sua utilização para a publicação neste blog.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 16:12
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 2 de Julho de 2011

Santa Isabel em Festa - Noite de Fado - Domingo 3 de Julho às 21,30 horas

Permitam relembrar os intervenientes neste espectáculo de Fado, em que eu também lá estarei, para apresentar o espectáculo e cantar. Agradeço ao povo de Campo d´Ourique pelo carinho que demonstram pela memória de meu avô. O meu sentido agradecimento ao Dignº Presidente da Junta de Freguesia de Santa Isabel, Dr. João Serra, pela amizade que com que me honra, obrigado por todas as diligência que tem feito, para que Campo d´Ourique dê o nome de ALFREDO MARCENEIRO a uma rua do bairro que o viu nascer e que ele tanto enalteceu. Também o meu agradecimento a toda a equipa da junta de freguesia, destacando o meu querido amigo Dr. João Soares (*) pela sua competência e apoio.

 

Cristina Nóbrega -http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/241408.html

 

 


Carolina Tavares -http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/72185.html

 

 

 


João Paulo- http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/66300.html

 

 

 

{#emotions_dlg.lisboa}(*) Para que não haja confusão o Dr. João Soares, assesor do Presidente da Junta de Freguesia de Santa Isabel, não é o Dr. João Soares que foi presidente da edibilidade de Lisboa.

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 11:59
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags