Domingo, 26 de Agosto de 2012

Alfredo Duarte - Porquê Marceneiro como nome artístico

Depois de apresentar alguns dados sobre Alfredo Correeiro, na publicação anterior, poderão agora verificar  como o "DESTINO MARCA A HORA" e como a festa de homennagem ao Alfredo Correiro,  ficou ligada à ascensão de ALFREDO DUARTE, marceneiro de profissão e fadista (cantador de Fados , estilista criador de inumeros Fados cládssicos, leia-se músicas), porque o destino (o  seu Fado),  assim o determinou, passou a ser conhecido para todo o sempre como ALFREDO MARCENEIRO.


Para quem ainda não percebeu! eu sou seu neto, seu biógrafo e filho do seu filho, o Fadista Bailario- Alfredo Duarte Júnior, aliás somos (fomos) a primeira família fadista a terem o palmarés de rem  cantado juntos "TRÊS  GERAÇÕES"... até gravámos em disco.


Dueto no Fado A Lucinda Camareira cantam o Avô- Alfredo Marceneiro e o Neto - Vítor Duarte

P*oema de Henrique Rego

Música Fado Bailartico de Alfredo Marceneiro



Escreveu a poetisa Maria José Praça


 

No sangue que Deus me deu

 

Há pós de fado enrolados

 

Que cantam pregões ao vento

 

Desta Lisboa dos fados

 

 

 

Dos fados que vão correntes

 

Em vozes d'inibriar

 

À lareira das guitarras

 

Em ondas soltas de mar

 

 

 

A tradição rezou jura

 

De pai p´ra filho , p'ra neto

 

Marceneiro , é fado-d'alma

 

Asa d'um fado que freme... 



Mas vamos aos factos: 

O jovem Alfredo fazia questão de andar sempre muito bem vestido, de fato, camisa muito bem engomada com o laço ao pescoço e calçando polainites de polimento. Desse seu aspecto elegante nasceu a alcunha de «Alfredo-Lulu» — Lulu era equivalente ao «Janota» dos dias de hoje. (Como se pode observar nas fotos inseridas)
Em meados de 1920, um grupo de fadistas decide organizar no recinto Clube Montanha, uma Festa de Homenagem a dois nomes grandes do fado de então: Alfredo Correeiro e José Bacalhau.
O poeta Manuel Soares, responsável pela organização do evento, não prescindiu de convidar Alfredo para fazer parte dele
No dia em que juntamente com o guitarrista José Marques, estavam a ultimar os detalhes para a composição dos cartazes de promoção da festa, chegaram à conclusão de que ambos desconheciam o apelido do Alfredo. Como acharam que «Lulu», como então ele era alcunhado, não seria o mais apropriado, decidiram por bem mandar imprimir os cartazes, anunciando em destaque "Alfredo MARCENEIRO", visto que esta era a sua profissão.
Os seguidores do Fado, que nunca perdiam a oportunidade de comparecerem a estes espectáculos, sentiram grande curiosidade em saber quem era aquele Alfredo Marceneiro, de quem nunca tinham ouvido falar e que tinha merecido tamanha evidência!
Assim não foi de admirar que rapidamente a lotação se tivesse esgotado.
Alfredo cantou, pondo tal ênfase na sua actuação, que no final foram para ele todas as honras da noite. Dos comentários a esse espectáculo saiu extraordinariamente prestigiado o seu nome.



" O MARCENEIRO"

Com lídima expressão e voz sentida
Hei-de cumprir no Mundo a minha sorte
Alfredo Marceneiro toda a vida
Para cantar o fado até à morte.

Orgulho-me de ser em toda a parte
Português e fadista verdadeiro,
Eu que me chamo Alfredo, mas Duarte
Sou para toda a gente o Marceneiro.

Este apelido em mim, que pouco valho,
Da minha honestidade é forte indício.
Sou Marceneiro, sim, porque trabalho,
Marceneiro no fado e no ofício.

Ao fado consagrei a vida inteira
E há muito, por direito de conquista.
Sou fadista, mas à minha maneira,
À maneira melhor de ser fadista.

E se alguém duvidar crave uma espada
Sem dó numa guitarra para crer,
A alma da guitarra mutilada
Dentro da minha alma há-de gemer.

E foi assim que o Alfredo «Lulu» passou a ser para todos e, para sempre, conhecido por ALFREDO MARCENEIRO.
Mais tarde, o poeta Armando Neves escreveu um poema que lhe dedicou, ao qual deu o título: "O Marceneiro".
Estes versos com música de sua própria autoria foram o "seu Cartão de Visita", e passaram a ser tema obrigatório nas suas actuações.

 

Assim principiou a carreira de Alfredo Marceneiro, precisamente na altura em que o fado, saído dos cafés iluminados a gás (onde se ouvia ao piano, na voz de camareiras e faias), começava a impor-se no mundo do espectáculo. Ouvir então cantar a chamada canção nacional que, no entanto havia de manter-se nos retiros «fora de portas» e na garganta dos participantes das cegadas, em dias do Carnaval lisboeta, já não era uma perigosa aventura. É a partir daí que o fado, na sua forma estilizada, irá chegar ao teatro ligeiro e, mais tarde, ao cinema. Por outro lado, poetas como José Régio, Augusto Gil, António Botto ou Silva Tavares, encontram no próprio fado, inspiração para muitos dos seus versos. Aparecem novas vozes e, em breve, o fado passa a mostrar-se ao mundo, com foros de atracção internacional.

 

© Vítor Duarte Marceneiro in “Recordar Alfredo Marceneiro”

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Muito saudoso e... vaidoso
música: Dueto avô e neto
publicado por Vítor Marceneiro às 22:05
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Agosto de 2012

AS MENINAS DOS MEUS OLHOS

Beatriz da Conceiçaõ canta

As Meninas dos Meus Olhos

De: Fernando Pinto Ribeiro e Fontes Rocha


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Olhos da minha filha
música: As Meninas dos Meus Olhos
publicado por Vítor Marceneiro às 23:50
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Agosto de 2012

BEATRIZ DA CONÇEIÇÃO

Conhecida no meio do Fado por (Bia) nasceu no Porto em 1939.

Numa vinda a Lisboa vai ouvir fados ao Solar da Márcia Condessa, é desafiada a cantar, interpreta de tal maneira que logo é contratada pela dona da casa.

Fica a viver em Lisboa e rapidamente o seu estilo de cantar lhe granjeia muitos admiradores, acabando por fazer várias épocas em quase todas as casas de fado.
Na revista, onde obteve grandes êxito, em, Fado Para Esta Noite e John Português.
Grava todo o repertório que estreia, que é êxito assegurado.

Faz várias digressões ao estrangeiro, actuando para as comunidades emigrantes, actua em diversos festivais internacionais de música, festas de beneficência.
Beatriz da Conceição, canta com um estilo muito pessoal verdadeiro, diz muito bem e divide o verso como deve ser, é irreverente mas tem uma alma fadista incontestável. Tem um vasto repertório, porque raros foram os poetas que não lhe escrevessem poemas, como Artur Ribeiro, Vasco de Lima Couto, ou José Carlos Ary dos Santos que em parceria com Fernando Tordo, escreveram o Fado da Bia,

Continua a actuar em programas de televisão, espectáculos ao vivo, na gravação de discos e, é presença assídua nas casas de fado.

 

 

                                           Beatriz da Conceição

 

                                 O fado já não lhe chega,

                                           Mas como nada lhe falta

                                           Tanto canta numa adega

                                           Como à luz de uma ribalta!

 

                                           E embora sentindo a chama

                                           Que leva à celebridade,

                                           Não se deslumbra na fama

                                           Nem se perde na vaidade!

 

                                           A Beatriz da Conceição

                                           Não é somente fadista,

                                           Muito mais do que atracção

                                           Ela impõe-se como artista!

 Poema de Carlos Conde


   

CANÇÃO DE LISBOA

Cantado por Beatriz da Conceição 

Letra de: Artur Ribeiro

 

Vejo do cais, mil janelas

Da minha velha Lisboa

Vejo Alfama das vielas

O Castelo, a Madragoa

E os meus olhos rasos de água

Deixam por toda a cidade

A minha prece de mágoa

Nesta canção de saudade

 

Estribilho

 

Quando eu partir

Reza por mim Lisboa

Que eu vou sentir Lisboa

Penas sem fim Lisboa

Saudade atroz

Que o coração magoa

E a minha voz entoa

Feita canção Lisboa

 

E se ao voltar

Me vires chorar, perdoa

Que eu abra a porta à tristeza

Para depois rir à toa

Tenho a certeza

Que ao ver as ruas

Tal qual hoje as vejo

Nesse teu ar de rainha do Tejo

Hei-de beijar-te Lisboa

 

Hei-de beijar com ternura

As tuas sete colinas

E vou andar à procura

De mim p’las esquinas

E tu Lisboa

Hás-de vir aqui ao cais

Como agora

P’ra eu te dizer a rir

O que hoje minha alma chora

 

Estribilho

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Bia
música: Canção de Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 12 de Agosto de 2012

FILME FADO - Carlos Saura, Carlos do Carmo & CIA.

Corria o ano de 2007,  e já alguém vaticinava o que se iria passar.

Estão em curso vários processos em tribunal por ilegalidades da produção, fugas ao fisco, direitos autorais não pagos, utilização abusiva de direitos conexos,  E O FADO VERSÍCULO ?, etc...

Alguém  (tribunal de contas e não só), já terá perguntado se já foram feitas as contas do dinheiro que todos nós pagámos... UM MILHÃO DE EUROS... 

E se lerem o contrato, logo verão o embuste...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Dr. Manuel Falcão, homem ligado aos audiovisuais, escreveu um artigo sobre o caso "FILME FADO -CARLOS SAURA -  CARLOS DO CARMO ". que não resisti a transcrever , pois é uma pessoa com conhecimentos da causa,  para se poder pronunciar objectivamente,  como faz  neste artigo publicado no Jornal Boa-Hora de distribuição gratuita.

Recebi um convite da EGEAC , para a apresentação do filme no Cinema S. Jorge, porque entra o meu avô, mas decidi não ir... também não comento, para já, aguardo ansiosamente o que se vai passar, e qual vai ser a reacção das gentes do Fado!

"ESPEREMOS QUE NÃO SEJA COMO A "FÁBULA DO REI VAI NU", PORQUE ENTÃO, O ÊXITO É ASSEGURADO, ISTO PORQUE OS ILUMINADOS ASSIM O IRÃO AFIRMAR"

 


 

DESFADOS

Anda por aí um grande alarido em torno de uma coisa chama­da "Fados", uma operação

pro­pagandística impulsionada e protagonizada por Carlos do Carmo, que logrou um inusita­do investimento público, à re­velia de todas as regras vigen­tes em matéria de financiamen­to ao audiovisual, para conse­guir um filme onde ele próprio brilhasse no papel de inspira­dor da obra. Para dar um ar cosmopolita à coisa arregimentou o sempre disponível Carlos Saura, que nos últimos anos se especializou em fazer bilhetes postais em torno de géneros musicais - primeiro o flamen­co, depois o tango e agora o fado. Claro que estes filmes não foram nem grátis nem rentá­veis e claro que houve sempre vários poderes a pagar a factu­ra, o que faz sentido porque na realidade eles foram usados     es­sencialmente como peças pro­pagandísticas. Pena é que o re­sultado final tenha sido sempre mais favorável a Saura e aos produtores que foram buscar os dinheiros públicos, do que aos países que financiaram a

operação, e, sobretudo, na reali­dade pouco fizeram a médio­-longo prazo pelos géneros mu­sicais cuja imagem no mundo se dizia irem exponenciar.

 

DO QUE LI E OUVI, APOSTO QUE ESTE É MAIS UM CASO DE DINHEIROS PÚBLICOS DEITADOS À RUA

 

O  mentor e os produtores do filme gabam-se de que ele esta­rá colocado em duas dezenas de mercados e sublinham o enorme valor que isto tem para a divulgação da cultura portu­guesa. Vamos por partes: pri­meiro é preciso ver que merca­dos são estes, em que circuns­tâncias vai o filme aparecer (para que audiências, em que circuitos, se estamos a falar de redes de salas de estreia, se sa­las e circuitos de filmes de au­tor, ou se de canais de televisão abertos); depois, é fundamental ver bem o que o filme é - e a esse nível as primeiras notícias são alarmantes na descaracteri­zação, na falta de rigor, no faci­litismo e até no pirosismo a que se recorreu.

No fundo a questão aqui é per­ceber se os tais imensos merca­dos onde dizem que o filme vai passar são relevantes em ter­mos de audiência e, depois, se o produto e o seu conteúdo con­tribuem para afirmar a marca de Portugal e a sua cultura ou se apenas aumentam a confu­são e a descaracterização. Do que li e ouvi, aposto que este é mais um caso de dinheiros pú­blicos deitados à rua para satis­fação de umas quantas vaida­des e interesses pessoais.

 

*mfalcao@gmail.com www.aesquinadorio.blogspot.com

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Desolado com tudo isto
publicado por Vítor Marceneiro às 20:26
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quarta-feira, 8 de Agosto de 2012

Saudade dos Santos

Nasceu em S. Pedro de Alva, em 1939, mas veio viver para o Distrito de Lisboa ainda muito jovem.
Desde muito nova tem a paixão da poesia, o que  contribui para começar a tomar atenção ao fado, e toma-lhe o gosto.
Em 1957 num concurso de fados organizado no Luso é “Eleita Rainha das Cantadeiras”.
Faz várias digressões artísticas no Ultramar e nas Ilhas onde obtém acentuada êxito, faz teatro, cinema e televisão, grava vários discos e é muito tocada nas rádios.
Saudade dos Santos tem uma voz melodiosa que nos atrai, aliada à sua bonita figura e simpatia pessoal.
Era frequentemente convidada para cantar nos salões dos casinos, e em várias Casa de Fado, por último contratada na “Severa” e quando está no auge da sua popularidade, casa-se com o conhecido empresário (*) Emílio Mateus, da Etiqueta Discos Estúdio.
Saudade dos Santos toma a opção de abandonar a vida artística para dedicar todos os seus momentos ao lar e à educação dos filhos.
Continua a escrever poesia e esperemos que edite o seu trabalho, pois seria um desperdício o não fazer, porque tem poemas muito bem estruturados e de agradável leitura.

 

(*) Emílio Mateus é um homem que há muito frequenta o fado, é conhecedor profundo das coisas do fado, foi decerto nos anos setenta o editor que mais oportunidade deu aos fadistas de terem a sua voz em disco, penso até que deveria pensar em editar em livro as suas memórias pois decerto que teríamos muitas supressas
 
 
 
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa:
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 6 de Agosto de 2012

TEREZA TAROUCA

Tereza de Jesus Pinto Coelho Telles da Silva, nasceu em Lisboa a 4 de Janeiro de 1942, oriunda de uma família ligada à música e grandes amantes de Fado. É bisneta dos Condes de Tarouca, prima afastada de Maria Teresa de Noronha e prima de Frei Hermano da Câmara.

O Salão dos Bombeiros de Oeiras, foi palco da estreia de Tereza Tarouca, em que cantou o fado tinha apenas 13 anos, afirma que teve influências de Amália Rodrigues e Maria Teresa de Noronha.

Gravou seu primeiro disco para a RCA em 1962.

Fez vários programas de televisão.

Cantou poemas e músicas de Fados clássicos de autores de nomeada,  como D. António de Bragança, João de Noronha, Casimiro Ramos, João Ferreira-Rosa, Francisco Viana, Alfredo Marceneiro, D. Nuno de Lorena, Pedro Homem de Mello e Maria Manuel Cid. 

Tereza Tarouca ganhou vários prémios nacionais e internacionais e actuou em muitos países como Dinamarca, Bélgica, Espanha, Estados Unidos e Brasil.

Em 1989 publicou um álbum emblemático da sua carreira: Tereza Tarouca Canta Pedro Homem de Mello.

 

Dos seus principais êxitos, destacam-se:
"Mouraria",
"Deixa Que Te Cante Um Fado",
"Fado",
"Dor e Sofrimento",
"Passeio à Mouraria",
"Saudade,
"Silêncio e Sombra",
"Não Sou Fadista de Raça",
"Meu Bergantim",
"Zé Sapateiro".

 

 

 Tereza Tarouca canta: Cai Chuva no Céu Cinzento

Festival da RTP - 1993

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
música: Cai Chuva no Céu Cinzento
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 2 de Agosto de 2012

ZECA AFONSO - 25 Anos de Saudade

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, filho de um juiz e de uma professora primária, nasceu, em Aveiro, em 2 de Agosto de 1929, tendo passado os primeiros anos de vida entre a terra natal, Angola e Moçambique.

"Bicho-cantor" foi a alcunha que lhe deram no liceu, por cantar serenatas durante as praxes. Nesta altura conhece a vida boémia e os fados tradicionais de Coimbra.

Entre 1946 e 1948, enquanto terminou o liceu, conheceu a costureira Maria Amália de Oliveira, com quem casou às escondidas, devido à oposição dos pais.

Quando, em 1949, ingressou no curso de Ciências Histórico Filosóficas, da Faculdade de Letras, revisitou Angola e Moçambique, integrado numa comitiva do Orfeão Académico da Universidade de Coimbra.

Em 1953, nasceu o primeiro filho, José Manuel, e, enquanto dava explicações e fazia revisões no "Diário de Coimbra", viu os primeiros discos serem editados.

O Emissor Regional de Coimbra, da Emissora Nacional, foi o local escolhido para a gravação dos dois discos, de 78 rotações, com faixas de fados de Coimbra.

"Fados de Coimbra" é o título do primeiro EP, editado em 1956. Nos finais dos anos 50, princípios de 60, começou a frequentar colectividades e a cantar, com regularidade, em festas populares.

Em 1963, concluiu o curso, com uma tese sobre Jean-Paul Sartre e a nota de 11 valores.

A senha para o início da Revolução de Abril, "Grândola Vila Morena", nasceu após Zeca Afonso se ter inspirado numa actuação na Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, em Maio de 1964.

O único disco editado pela Valentim de Carvalho, "Cantares de José Afonso", é desse ano, altura em que regressou a Moçambique, onde viveu e leccionou durante três anos.

O regresso a Portugal deveu-se à oposição José Afonso ao sistema colonial . O destino, desta vez, foi Setúbal, onde foi colocado como professor, tendo sofrido uma grave crise de saúde que o forçou ao internamento hospitalar durante vinte dias. Quando recuperou, ficou a saber que tinha sido expulso do ensino oficial, passando a viver de explicações que dava.

O PCP chegou a convidá-lo, por esta altura, a entrar para o partido, mas José Afonso recusou alegando a sua condição de classe.

O álbum "Contos Velhos Rumos Novos" e o single "Menina dos Olhos Tristes", que contem a canção popular "Canta Camarada" , são editados em 1969.

Seguem-se "Traz Outro Amigo Também", em 1970, gravado em Londres, "Cantigas do Maio", em 1971, gravado em Paris, e, no ano seguinte, "Eu Vou Ser Como a Toupeira", editado em Madrid.

Em Abril de 1973, foi preso, passando vinte dias em Caxias, e no Natal desse ano gravou, em Paris, "Venham Mais Cinco", com a colaboração musical de José Mário Branco, então exilado na capital francesa.

Muitas outras canções, espectáculos e prémios surgiram nos anos posteriores à revolução e, em 1982, os primeiros sintomas da doença que lhe causou a morte, uma esclerose lateral amiotrófica, começaram a manifestar-se.

No último álbum, "Galinhas do Mato", editado em 1985, Zeca Afonso já não conseguiu cantar todos os temas, sendo substituído por muitos cantores portugueses, como Luís Represas e Janita Salomé.

Dois anos mais tarde, em 1987,  no dia 23 de Fevereiro, às 3:00 h, José Afonso morreu, no Hospital de S. Bernardo, em Setúbal.

in: http://delta02.blog.simplesnet.pt/

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: SAUDADES ZECA
música: A MORTE SAIU À RUA
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags