Sábado, 29 de Setembro de 2012

JÚLIO GOMES - Músico de Fado - Viola de Acompanhamento

Recebi esta mensagem, que me enterneceu, e me fez ver quanto esteb trabalho é importante para alguns.

Com uma ida ainda  ao Museu do Fado e Biblioteca Nacional, consegui algumas fotos e  dados sobre este grande músico, que tive o prazer de conhecer pessoalmente.

 

-----Mensagem original-----

De: Virgínia gomes

Enviada: quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008 13:10

Para: fado.em.movimento@sapo.pt

Assunto: Conhece o viola Júlio Gomes?

Importância: Alta

 

Caro Vítor Marceneiro,

 

Em primeiro lugar os meus parabéns pelo seu site. Deve ter lido isto um milhão de vezes mas o que e um facto e que depois de muitos anos a tentar no "Trilho das Memórias " encontrar imagens do meu tio avo Júlio Gomes que era um viola de vários fadistas afamados, vejo na sua pesquisa uma possibilidade de ajuda nesta tarefa.

Vivo desde há cinco anos em Londres e actualmente dividida entre UK e Franca. Tenho procurado na net e youtube sem sucesso. Cresci a ver o meu tio na Tv a acompanhar vários fadistas, sei que acompanhou mesmo Amália Rodrigues nos seus primórdios, creio que no Luso. Apesar de não ser uma expert em assuntos de fado sinto por esta expressão musical tudo o que um português normal deveria sentir...admiração e nesta coisa de genes toda a minha família e musical e tenho um filho que curiosamente depois de passar pelo violino e piano escolheu agora como instrumento preferencial a guitarra. Mais uma razão para que lhe mostre aquilo que o tio-bisavô deu ao fado.

 

Será que me pode ajudar? 

Atentamente

 

Virgínia Gomes

 

JÚLIO GOMES, nascido na freguesia de Santa Isabel, de Lisboa, em 14-3-1912, desde muito jovem que demonstrou aptidão para a música, decerto influenciado por seu pai que tocava guitarra .
Mas a sua escolha é a viola, que passa a aprender, sem lições, apanhando as músicas de ouvido, treinando até tocá-las.
Como todos quase os músicos da época, antes de dedicar a sua vida em exclusivo á música tem outra actividade, escriturário na CP, onde permanece, não deixando de actuar como violista, como segunda ocupação.
No inicio dos anos quarenta do século anterior, actua na Emissora Nacional., fazendo parte do conjunto de guitarras de Raul Nery, onde se manteve cerca de uma década. Com o conjunto de Raul Nery participou em espectáculos, acompanhando Amália, na Roménia, Rússia, Leninegrado,. Estados Unidos da América, Canadá, França, Itália, etc.
Júlio Gomes também participou no primeiro programa experimental da RTP na Feira Popular de Palhavã (1956).
Fez também parelha com outros guitarristas de nomeada, como Casimiro Ramos, Jaime Santos, Domingos Camarinha e Carlos Gonçalves, etc.
Foi casado com a fadista Natalina Bizarro
Actuou em quase todas as casas de Fado da sua época, assim como artistas de nomeada, era um bom amigo quer de meu avô, quer de meu pai.
 
 
1ª foto: Conjunto de guitarras de Raúl Nery, com Raúl Nery, Fontes Rocha, Júlio Gomes e Joel Pina.
2ª foto: Fontes Rocha e Júlio Gomes acompanhado Fernando Farinha.
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grandes homens do Fado
publicado por Vítor Marceneiro às 04:24
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2012

DULCE PONTES

 

 

Dulce Pontes, nasceu no Montijo.

Estudou no Conservatório de Lisboa, onde aprendeu piano, e dança contemporânea.

Em 1988, inicia a sua actividade profissional na Comédia Musical "Enfim sós" prosseguindo com "Quem tramou o Comendador", no Teatro Maria Matos, como actriz, cantora e bailarina. Em 1990 é convidada a integrar o espectáculo "Licença para jogar" no Casino Estoril.

Torna-se popular junto do público português através do programa de televisão "Regresso ao passado" de Julio Isidro.

Em 1991 vence o Festival RTP da Canção representando Portugal no Festival Eurovisão da Canção, onde cantou "Lusitana Paixão", alcançando o oitavo lugar entre 22 países participantes, uma das melhores prestações de Portugal no Eurofestival.

Em 1992 gravou o seu primeiro álbum, chamado “Lusitana”, principalmente com música pop.

Em 1993, sai o seu segundo disco, chamado “Lágrimas”, em que Dulce aborda o fado duma forma que não convence os puristas, misturando fado tradicional com ritmos e instrumentos modernos, procurando criar novas formas de expressão musical. A sua interpretação do clássico "Povo Que Lavas No Rio" , é um exemplo desse “desvio”. Mas o álbum “Lágrimas” tinha também faixas de fados clássicos, gravados ao vivo e em estúdio, em que ela tenta manter o rigor do Fado clássico, com os temas "Lágrima" e "Estranha Forma de Vida", levando a que alguns entendidos na matéria (os tais que vão a congressos!) afirmassem, que estava encontrada a sucessora e herdeira de Amália Rodrigues. ( Amália ainda era viva, e pelo que julgo saber franziu o sobrolho!)

Para muitos admiradores o maior êxito do “Lágrimas” foi "A Canção do mar", que, no Brasil, foi usado como tema de abertura de uma adaptação em telenovela do romance “As Pupilas do Senhor Reitor”. Tornou-se um dos maiores êxitos da canção portuguesa de sempre (aliás as vendas do CD falam por si), sendo actualmente uma das canções portuguesas mais conhecidas, além fronteiras. "A Canção do Mar" interpretada pela Dulce faz também parte da banda sonora do filme americano "As Duas Faces de um Crime" no qual Richard Gere contracena com Edward Norton.

Em 1995 Dulce lançou o álbum “Brisa do Coração”, gravado ao vivo durante um concerto que teve lugar no Porto a 6 de Maio de 1995. O disco seguinte, “Caminhos”, lançado em 1996, continha temas clássicos como "Fado Português", "Gaivota" e "Mãe Preta", e também, outras composições originais.

Este disco consolidou a sua posição no mundo da música, confirmando-se que a sua via artística não estaria no Fado.

Em 1999 sai o CD “O Primeiro Canto”. Neste disco Dulce confirma que está seriamente interessada em ser uma artista da "Word Music". Em “O Primeiro Canto” introduz elementos do jazz, opta pela sonoridade acústica, dá nova vida a antigas tradições musicais da Península Ibérica, pois para além de cantar em português, canta também em galego e mirandês, e redescobre melodias e instrumentos há muito esquecidos.

Em 2003, foi lançado o “Focus”, que é fruto da colaboração da Dulce com o Maestro Ennio Morricone, onde cantou alguns dos clássicos do compositor, compostas especialmente para a sua voz. Com este trabalho foi alcançado o objectivo de consagrar uma grande voz. Gravado em Itália e destinado tanto ao público português como internacional, o “Focus” contém temas cantados em português, inglês, espanhol e italiano.

O CD “O Coração Tem Três Portas” editado em 2006, foi produzido na íntegra por Dulce, é composto por 2 CD e um DVD. 145minutos de música que Dulce considera ser o âmago da música Portuguesa: O Fado, o Folclore/Música Popular Portuguesa e a Música de inspiração medieval Galaico-Portuguesa versus Fado de Coimbra. Totalmente acústico, foi gravado ao vivo por 5 Continentes, na Igreja de Santa Maria em Óbidos e no Convento de Cristo em Tomar, em Istambul e o making of das gravações efectuadas nos monumentos.

 

Dulce Pontes em parceria com José Carreras, protagonizou a abertura oficial da eleição das Novas 7 Maravilhas do Mundo com o tema "One World" (Todos somos um) de sua autoria, para a maior emissão televisiva da história.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa:
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Setembro de 2012

CARLOS MACEDO, Guitarrista, Fadista,autor, compositor e construtor de guitarra portuguesa.


 

Nasceu em Lousado, Vila Nova de Famalicão, a 9 de Dezembro de 1946. Aos 17 anos a sua sensibilidade musical de cariz popular leva-o a formar um conjunto típico com o seu nome. É assim que pela 1ª vez se apresenta em espectáculos e nas Rádios Nacionais. Desde muito cedo que começou a escrever no papel o que a sua imaginação lhe ditava Cumpre o serviço militar em Moçambique, onde fica a viver cimentando uma carreira artística que lhe valeu ser nomeado em 1972 “Rei do Fado em Moçambique”, e grava o seu primeiro disco. Na sua estadia em Moçambique, convive com muitos artistas locais e com aqueles que por lá vão fazendo tourneés. È companheiro assíduo de Alfredo Duarte Jr, que também se radicou em Moçambique, entre 1972 e 1974, Em 1975 regressa a Portugal, onde passa a trabalhar em diversos recintos com Fado, mas é em 1982 que se fixa no Restaurante Típico Sr. Vinho, de, Maria da Fé e José Luis Gordo onde se mantém até 2008. Gravou nos anos oitenta cerca de 8 discos, destacando-se um tema que obteve grande êxito, "Até o Rei ia ao Fado", com letra de Tó Moliças e música de sua autoria. Também grava os CD's "Fado", "O nosso amor está por um triz", "Desejos" e "Este meu fado". Paralelamente, exibe-se também com guitarrista, fazendo inúmeras gravações com outros artistas. Fez várias viagens pelo mundo fora, Brasil , "Canecão", Rio de Janeiro , "Palace", S. Paulo ; "Gallary", S. Paulo, Macau , "Centro Cultural de Macau", Holanda , "Teatroz", Twente Schouwbourg, Canadá , Toronto, Espanha, Bélgica, França., entre, partcipando em vários programas de televisão. Em 1998 actuou no Palco Nº1 da "Expo 98" durante uma semana. Em 1999 volta em tourneé a Macau durante um mês. Canta em Bruxelas (Bélgica) a convite da câmara de Comércio Luso-Belga. Participa em duas noites de Fado no Teatro Mailon em Strasbourg (França). Carlos Macedo para além de intérprete, autor, músico e compositor, também é construtor de guitarras. Conheço Carlos Macedo desde praticamente a sua vinda de Moçambique, é um homem de uma extrema lisura, por quem nutro grande admiração.

Vítor Marceneiro

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Esquina de Rua
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Setembro de 2012

Carlos Gonçalves Guitarrista e Compositor

Nasceu em Beja a 3 de Junho de 1938. Apaixonou-se pela guitarra portuguesa aos 13 anos e dois anos depois começou a aprender tocar, influenciado pelo que ouvia na Rádio, sobretudo quando se tratava de José Nunes. Em 1957 veio viver para Lisboa, tendo sido contratado para tocar na Adega da Anita, de Anita Guerreiro, no Parque Mayer. Posteriormente passou para o Restaurante Típico Lobos de Mar, da Calçada de Carriche. Foi depois para a Viela, Márcia Condessa, Toca, Severa e 0 Folclore. Em 1965 esteve no Carlota de Cascais, daqui passou para a Taberna do Embuçado em Alfama, para o Arreda e Picadeiro. Até esta altura tinha acompanhado Alfredo Marceneiro, Filipe Pinto, Maria Teresa de Noronha, Lucília do Carmo, Argentina Santos, Fernando Farinha, Fernando Maurício, Fernanda Maria e Beatriz da Conceição. Em Maio de 1968 passou a acompanhar Amália Rodrigues, integrada no conjunto de José Fontes Rocha. E autor do fado Quero Que Sintas Que Te Quero", com música popular. Foi interpretado por João Roque no CD Tasca do Chico. Em 2004 Carlos Gonçalves voltou a brindar os amantes da guitarra portuguesa, através da edição de novo álbum produzido pela CNM onde encanta com 0 Meu Sentir, de Jaime Santos, Meditando, de Armandinho, Marcha Fadista, de Armandinho / Francisco Carvalhinho, Lágrima, de Carlos Gonçalves, Caixinha de Música, de José Nunes, Lisboa Antiga, de Raul Portela, Variações em Mi, de Armandinho/José Nunes, Variações Em Si Menor, de José Nunes, Vira de Frielas, de José Nunes, Fado João de Deus, de Armandinho/José Nunes, Balada de Coimbra, de Artur Paredes com arranjo seu, Romance, de Narciso Yepez e Abril Em Portugal, de Raul Ferrão. Teve o acompanhamento à viola de Leio Nogueira. Luís Caldeira foi o técnico de som. O álbum é apresentado por Rui Vieira Nery. Fez conjunto com Sebastião Pinto Varela, Jorge Fernando e Joel Pina nos Anos 80. Nessa altura atingiu o ponto máximo da sua carreira, como autor e como intérprete, tendo acompanhado Amália em variadíssimas gravações, espectáculos ao vivo e em muitos palcos de todo o mundo. A sua colaboração com a Diva do Fado durou até 6 de Outubro de 1999, data em que ela faleceu. Reconhece-se por unanimidade que Carlos Gonçalves é dotado de grande musicalidade e de grande técnica na guitarra portuguesa. Entre outras gravações salientam-se três LP's de 1980-1983, com temas exclusivos de sua autoria, com letras de Amália como Lágrima e Grito. Desde o final de 1999 tem actuado também como solista, tendo nesta situação gravado um CD. São da sua autoria musical os seguintes fados gravados por Amália; Ai As Gentes, Ai A Vida, Ai, Minha Doce Loucura, Alma Minha, Amor de Md, Amor De Fé! Asa De Vento, Contigo Fica O Engano, Entrega, Flor De Lua, Flor De Verde Pinho, Fui Ao Mar Buscar Sardinhas, Gostava De Ser Quem Era, Grito, Lágrima, Morrinha, Nasci Para Ser Ignorante, O Fado Chora-se Bem, O Pinheiro Meu Irmão, Obsessão, Olha A Ribeirinha, Romance, Se Deixas De Ser Quem És, Sete Anos De Pastor e Sou Filha Das Ervas. É também autor das músicas dos seguintes fados: Perlim Pim Pim, Quando Se Gosta De Alguém, Rosa De Fogo, Tenho Em Mim A Voz Dum Povo, Vai Do Vira, Variações Em Mi Menor, Vi O Meninotes, Xaile De Silêncio, Ai Maria, Alfama Não Cheira A Fado, Bem £ Mal Amado, Cor De Lua, Gastei Contigo As Palavras, Marcha Fadista Em Ré, Meu Amor De Alfazema, Labão e Nasçam Os Amores e Homenagem, hoje em estreia, poema de Manuel Trindade. Carlos Gonçalves efectuou as seguintes gravações: de 1970 a 1979, Covilhã, Cidade Neve, É Ou Não É, Ó Careca, Oiça Lá Ó Senhor Vinho I, 2e3, Amália No Japão, Cantigas De Amigos, Zé Soldado Soldadinho, Amália Canta Portugal 3, Cheira A Lisboa, Fadinho De Ti Maria Benta, Cana Verde Do Mar, Valentim, Meu Amor £ Marinheiro, Trova Do Vento Que Passa e Caldeirada; de 1980 a 1989, Gostava De Ser Quem Era, Cantigas Ao Menino Jesus, É Ou Não £, Amália Fado, Lágrima, Amália Coliseu 3 de Abril de 198 7, Folclore A Guitarra e A Viola, Amália 50 Anos, Amália Mais Os Poetas Populares; de I 990 a 1999, Obsessão, Oiça Lá O Senhor Vinho, Gostava De Ser Quem era e Lágrima. Teve os acompanhamentos de José Fontes Rocha na guitarra, Pedro Leal na viola e Joel Pina na viola-baixo, por vezes Manuel Martins (Oiça Lá O Senhor Vinho), Jorge Fernando em discos gravados em 1980-89, José Nunes, Castro Mota, Raul Nery, Domingos Camarinha, Santos Moreira, Jaime Santos e Joaquim Luís Gomes ( O menor de Amália Vol. II, Tudo Isto É Fado ). Em 2005 a Fundação Amália Rodrigues atribuiu-lhe o prémio Guitarra Portuguesa.

in: Programa I GALA DOS PRÉMIOS AMÁLIA RODRIGUES.

Foto de: Leonel Lourenço



Vítor Duarte Marceneiro

Canta Bairros de Lisboa

Guitarra Carlos Gonçalves - Viola Jaime Martins

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadista
música: Bairros de Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 13 de Setembro de 2012

PEDRO HOMEM DE MELLO

 

Nasceu no seio de uma família fidalga, filho de António Homem de Melo de Macedo, irmão do 1.º Conde de Águeda, e de sua mulher Maria do Pilar da Cunha Pimentel Homem de Vasconcelos, tendo, desde cedo, sido imbuído de ideais monárquicos, católicos e conservadores. Foi sempre um sincero amigo do povo e a sua poesia é disso reflexo. O spedro-homem-de-mello.jpgeu pai, pertenceu ao círculo íntimo do poeta António Nobre.

Estudou Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, acabando por se licenciar na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1926. Exerceu a advocacia, foi subdelegado do Procurador-Geral da República e, posteriormente, professor de português em escolas técnicas do Porto (Mouzinho da Silveira e Infante D. Henrique), tendo sido director da Mouzinho da Silveira. Membro dos Júris dos prémios do secretariado da propaganda nacional. Foi um entusiástico estudioso e divulgador do folclore português, criador e patrocinador de diversos ranchos folclóricos minhotos, tendo sido, durante os anos 60 e 70, autor e apresentador de um popular programa na RTP sobre essa temática.

Foi um dos colaboradores do movimento da revista Presença. Apesar de gabada por numerosos críticos, a sua vastíssima obra poética, eivada de um lirismo puro e pagão (claramente influenciada por António Botto e Federico García Lorca), está injustamente votada ao esquecimento. Entre os seus poemas mais famosos destacam-se Povo que Lavas no Rio e Havemos de Ir a Viana, imortalizados por Amália Rodrigues, e O Rapaz da Camisola Verde.

Afife (Viana do Castelo) foi a terra da sua adopção. Ali viveu durante anos num local paradisíaco, no Convento de Cabanas, junto ao rio com o mesmo nome, onde escreveu parte da sua obra, "cantando" os costumes e as tradições de Afife e da Serra de Arga.

 

Bibliografia

       Danças De Portugal

       Jardins Suspensos (1937)

       Segredo (1939)

       A Poesia Na Dança E Nos Cantares Do Povo Português (1941)

       Pecado (1943)

       Príncipe Perfeito (1944)

       Bodas Vermelhas (1947)

       Miserere (1948)

       Os Amigos Infelizes (1952)

       Grande. Grande Era A Cidade (1955)

       Poemas Escolhidos (1957)

       Ecce Homo (1974)

       Poesias Escolhidas (1987)

       E ninguém me conhecia, Lisboa, Campo da Comunicação, 2004 (Selec. de Poemas por Manuel Alegre e Paulo Sucena)

       Poesias Escolhidas, Lisboa, Asa, 2004 (selec. e pref. de Vasco da Graça Moura)

       Eu, Poeta e tu, cidade, Quasi Edições, 2007

 

Pedro Homem de Melo casou com Maria Helena de Sá Passos Rangel Pamplona, filha de José César de Araújo Rangel (24 de Janeiro de 1871 - 1 de Junho de 1942) e de sua mulher Alda Luísa de Sá Passos (Lisboa, 6 de Novembro de 1887 - 25 de Junho de 1935), e teve dois filhos: Maria Benedita Pamplona Homem de Melo (3 de Fevereiro de 1934), que faleceu ainda criança, e Salvador José Pamplona Homem de Melo (Porto, Cedofeita, 30 de Julho de 1936), já falecido, que foi casado a 6 de Setembro de 1969 com Maria Helena Moreira Teles da Silva (10 de Janeiro de 1944), neta paterna da 12.ª Condessa de Tarouca, de quem teve uma filha, Mariana Teles da Silva Homem de Melo (Porto, 3 de Novembro de 1974), e depois com Maria José de Barros Teixeira Coelho (Braga, São José de São Lázaro, 9 de Janeiro de 1943), de quem teve uma filha, Rita Teixeira Coelho Homem de Melo (Porto, Santo Ildefonso, 10 de Julho de 1983). Foi tio-avô de Cristina Homem de Melo.

in: Wikipédia

É um dos poetas que contribuiu para o reper­tório de Amália Rodrigues ligado à poesia erudita, nomeadamente com duas criações famosas, Povo que Lavas no Rio (com música do Fado Vitória de Joaquim Campos) e o Rapaz da Camisola Verde (com música de D. Hermano da Câmara)

 

 

 

 

Poema: Pedro Homem de Mello

Música: Joaquim Campos 

 

Povo que lavas no rio,
Que talhas com teu machado
As tábuas do meu caixão,
Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado,
Mas a tua vida não.

 

Fui ter à mesa redonda,
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão;
Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste,
Mas a tua vida não.

 

Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama,
Tive a mesma condição;
Povo, povo, eu te pertenço,
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não.

 

 

(*) Caricatura de Rui Pimentel

(Não conheço o caricaturista, e não conhecia a caricatura, mas tomo a liberdade de  a expor, homenageando o seu trabalho)

Nota se o autor assim o exigir a mesma será retirada.

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Poeta
publicado por Vítor Marceneiro às 10:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 10 de Setembro de 2012

Rodrigo - 50 anos de Fado

 

Fadista há já cerca de 45 anos, começou como amador nas noites fadistas de Estoril e Cascais, vem a tornar-se profissional obtendo grande aceitação, quer pelo seu brio profissional quer pela sua simpatia pessoal.

Tem vários trabalhos discográficos, mas é curioso que o seu maior êxito não é num fado clássico, mas sim com uma canção popular “Coentros e Rabanetes”

Percorre as comunidades dos emigrantes portugueses no Mundo onde obtém assinalável êxito.

Em Birre explorou durante vários anos o “Restaurante com Fados – Forte D. Rodrigo, aquele que deve ter sido o último reduto fadista de Cascais

Apraz-me realçar, que  para além do aspecto artístico é um bom amigo, um bom conversador com quem se gosta de conviver




Rodrigo canta É tão bom ser pequenino

Poema de João Linhares Barbosa

Música: Fados Corrido

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa:
música: É Tão Bom Ser Pequenino
publicado por Vítor Marceneiro às 23:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 1 de Setembro de 2012

Fados da minha (nossa?) vida... de Português livre e independente!

Há 60 anos estava eu em vésperas  ir para a escola,   as aulas começavam nessa época a 7 de Outubro, nesse ano 1952, como dia 7 foi a um Domingo, as aulas começaram no dia  8.  

A escola que fui frequentar foram as Oficinas de S. José, dos Padres Salesianos, situada nos Prazeres, no bairro de Campo d´Ourique, escola que ainda hoje existe.

Recordo o livro, o caderno de duas linhas, um lápis, uma borracha de apagar, uma ardósia, uma pena para poder escrever na ardósia, uma caixa de lata  pequena, com um pedaço de pano molhado, que servia para limpar a ardósia, e a mala que a tia Aida me deu, uma cesta de verga para levar o almoço, 2 carcaças com ovo mexido e uma laranja, preparado pela avó Judite.

Estava entusiasmado, porque também era o dia que eu iria estrear umas calças compridas, um "pull-over" grená sem mangas, que me deu a avó Maria, e mais que tudo as botas de cano alto (á cow-boy) que o meu pai me comprou na feira da ladra, (ver relato em: http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/281578.html) recordo também que nessa altura  ainda usava um fumo preto  no braço direito, por luto de minha mãe.

 

Fotos de recordação: Em cima eu com 7 anos, em baixo a foto do livro da 1ª classe e a foto da minha primeira comunhão junto á estátua de S. Domingos Sávio no dia 31 de Janeiro de 1953, no Colégio dos Salesianos.

                                       

Livros Escolares anos 60.jpg

 Curiosidades: Ao escrever este texto e relembrar todas estas passagens da vida, nomeadamente o material do trabalho escolar de então, não posso deixar de expor aqui o que  tive de adquirir este anos para a Beatriz frequentar o 4ª ano e o Alfredo o 7º:

 

 

O Fio da História 7.º ano

 

O Fio da História 7º Ano - Caderno de Actividades

 

O Fio da História 7º Ano - CD

 

À Descoberta da Terra 7.º Ano

 

À Descoberta da Terra 7º Ano - Ciências  Naturais

 

Caderno de .Actividades

 

À Descoberta da Terra 7º Ano - Ciências Naturais - CD

 

Novo FQ 7º Ano

 

Novo FQ 7º Ano - Caderno de Actividades

 

Novo FQ 7º Ano - CD

 

Sem Fronteiras 7

 

Sem Fronteiras 7º Ano - Geografia ( Temas 1 e 2)-

 

Caderno de .Actividades

 

Move On - Inglês 7º Ano

 

Pasta Mágica - Língua Portuguesa - 4.º Ano

 

Livro de Fichas - Pasta Mágica - Língua Portuguesa 4 - 4.º Ano

 

Pasta Mágica - Estudo do Meio 4 - 4.º Ano

 

Desafios 4 - Matemática

 

Desafios 4º Ano - Matemática - Caderno de Actividades

 

Desafios 4º ano - Matemática - Material Interactivo Multimédia

 

e-Manual do Aluno - Diálogos - Língua Portuguesa - 7.º Ano

 

Caderno de Actividades - Diálogos - Língua Portuguesa - 7.º Ano

 

Diálogos - Língua Portuguesa - 7.º Ano

 

Livros destinados a:

 

Alfredo Francisco de Azevedo Duarte 

 

Beatriz Francisco de Azevedo Duarte 

 

 

 

TOTAL: € 233

 

 

 

PARA O PRÓXIMO ANO HÁ MAIS !!!!! porque estes vão ficar obsoletos, inclusive, se de  dos meninos não passar de ano (chumbar) o que é uma ideia remota!!! sabem por quê?... Sabem, sabem. os mesmos livros não vão servir, , terão de ser novos!! E Porquê? , pergunto eu, e tento perceber.

Porque somos o País mais evoluídos do mundo, e todos os anos repomos todas as novas descobertas sobre, a nossa historia, sobre a história universal, a matemática, a física, etc..  Ah! esquecia-me do PORTUGUÊS, também já mudou, cada vez me sinto mais analfabeto... até já ouvi dizer que a Lei de Ohm, está errada, o principio de Lavoisier... é tanga... a lei da gravidade.... etc, etc,

 

E digam lá se isto não é um Fado...

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Ao que isto chegou...
publicado por Vítor Marceneiro às 11:18
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags