Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

Margarida Soeiro

 

MARGARIDA  LOURENÇO SOEIRO, nasceu em Lisboa, apesar da sua infância ter sido em Santarém, onde estudou e cantou pela primeira vez fado.

Afirma  ter tido a sorte de ser acompanhada pelos melhores músicos deste país, desde muito cedo e privar com muitos dos nomes marcantes na história do fado.

Começou por cantar fados do repertório de  Amália Rodrigues,  e só mais tarde, descobriu a beleza dos fados e da voz de Maria Teresa de Noronha, de quem tem muita pena de não ter conhecido pessoalmente.

Desde muito nova que aprendeu a ouvir o Fado , a sentir que "tinha alma fadista" e  só  se afoitou a cantá-lo em público , quando sentiu  que para ela o Fado  já era " um estado de alma" , pelo que não concorda totalmente com a "máxima"  de que fado não se aprende., sente que não é totalmente verdade, nasce-se fadista, é certo, mas o  "estado de alma, que se sente fadista"  cresce com a vida, ouvindo muito, e só assim  se aprende a melhor dizer, e dizer bem,  e transmitir a quem nos ouve, o sentimento,  a dor,  a alegria que o Fado tem.

Gosta do Fado tradicional, admira Amália Rodrigues, Maria Teresa de Noronha,  Alfredo Marceneiro,  João Ferreira Rosa , Carlos Zel. e muitos outros.

A sua carreira profissional  é  na área das ciências sociais e humanas.  No Fado, que ser sempre amadora.

Em 2011 lança o seu primeiro CD " MOMENTOS, registo em que junta alguns dos fados que canta regularmente,  e   quatro letras inéditas em músicas de Fado tradicional.

Ainda em  2011 foi convidada pela Presidência da Junta de Freguesia de Campo de Ourique, para ao lado de Vítor Duarte Marceneiro,  homenagear a figura de Alfredo Marceneiro, onde foi muito aplaudida.

Esteve a cantar durante algum tempo na Casa da Mariquinhas em Alcântara, no entanto passou por algumas das casas mais emblemáticas de Lisboa, desde o Senhor Vinho, Embuçado,  Os Gordos,  Pátio das  Cantigas, Tia Ló, Pindéricos, S. Caetano e Nove e Tal, no Guarda-Mor em Alfama etc.

Actualmente é a voz feminina  privativa às sextas-feiras no EstaFado.

É  Vice-Presidente da Direcção da Associação Cultural de Fado," O Patriarca do Fado", cujo patrono é Alfredo Marceneiro.



Margarida Soeiro

"Quadras para Namorar"


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas...eu amo o Fado
música: Quadras para Namorar
publicado por Vítor Marceneiro às 16:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

Fados no EstaFado

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Viva O fado
publicado por Vítor Marceneiro às 23:56
link do post | comentar | favorito
Domingo, 27 de Janeiro de 2013

Fui à Feira da Ladra

 

Vou novamente relembrar a minha ida à feira da ladra nesse ano de 1951, com o meu pai antes do inicio da escola, em que para aléda compra de uma grafonola, é também a história das minha botas de cano alto à "cow-boy".

Foi num Sábado de Agosto de 1951, que o meu pai me foi buscar a casa dos meus avós para me levar a conhecer a Feira da Ladra. Nessa época meu pai já tinha abraçado a profissão de "Artista de Variedades – Fadista", mas estava no início, o que ainda não lhe dava estabilidade económica. Com o falecimento precoce de minha mãe, passei a viver com os meus avós, na Rua da Páscoa, a Santa Isabel – Campo de Ourique.

Fomos a pé até ao Largo do Rato, descemos a Rua de S. Bento e, quando íamos a meio da Av.ª D. Carlos I, comecei a chorar porque me doíam muito os pés; tinha calçado nessa altura umas botas de carneira com sola de pneu, boas para jogar à bola, mas para caminhadas pareciam ser feitas de chumbo. Meu pai ficou um pouco arreliado, pois estava a fazer planos para irmos até ao Campo de Santa Clara a pé, e logo me disse:

– Lá vamos ter que gastar catorze tostões em dois bilhetes de eléctrico para a Graça.

                               

Carro Elécrico aberto anos 50

Chegámos a Santos e apanhámos o eléctrico, tal como o da foto acima (eléctrico aberto). Lembro-me que enjoei um pouco, pois o meu pai disse-me:

– Eh pá, estás amarelo, não vomites no carro – e passou-me para o topo do banco, onde era totalmente aberto, agarrando-me o braço com força para eu não cair.

Lá chegámos e entrámos para o recinto, pelo lado da Rua da Voz do Operário.

 

                    

                                          

                                    Foto do ambiente da Feira da Ladra, anos 50

 

Aquilo era um mundo fantástico para mim (tantas coisa giras); algumas eu nem sabia para que serviam, mas meu pai era frequentador e já ia com a ideia fixa do que queria comprar: uma grafonola! Fomos ao poiso do homem que ele sabia ter uma para vender, embora avariada. Na semana anterior já tinha tentado negociar um bom preço, mas não conseguiu. Com a minha presença (talvez para puxar ao sentimento) e batendo no argumento de que a corda estava partida e talvez nunca fosse possível arranjá-la, lá a comprámos por 20$00, incluindo uma caixa de agulhas e um disco de massa da "Voz do Dono" com dois temas de Maria Alice (que mais tarde veio a ser mulher de Valentim de Carvalho).

Tentámos, nos vários comerciantes, arranjar um disco do meu avô para lhe fazer a supresa, mas em vão; os discos de "Marceneiro" ainda eram preciosidades, raras de mais para aparecerem por ali.

Com o meu pai a transportar a grafonola, que depois de fechada parecia uma mala e tinha uma pega, começámos a descer em direcção à Av.ª 24 de Julho, para nos irmos embora. Ao passarmos junto ao gradeamento que dá para o Hospital da Marinha, havia um homem a vender calçado usado, mas com bom aspecto e muito bem engraxado. Os meus olhos fixaram logo uma botas de cano alto (à cow-boy). Pedi ao meu pai para ir ver se eram da minha medida, calcei-as e recordo que estavam um pouco compridas. Mas o homem disse logo que era a minha medida e que tinham solas novas, estavam muito baratas, só 15$00. Ó paizinho, compre, para eu levar para a escola (eu entrava em Outubro desse ano de 1952 para a 1ª Classe, nas Oficinas de S. José, aos Prazeres).

– São caras e o pai só tem... – e levou a mão ao bolso, mostrando 8$60.

O homem, com a sua lábia de vendedor, disse-lhe:    

– Estas botas, por 15$00, são um pechincha... Mas como o miúdo está aí tão triste, dê cá isso e leve lá as botas.

Mesmo antes que meu pai dissesse algo, embrulhou-as em papel de jornal, atou-as com uma guita, à volta. Eu agarrei-as logo, pois o meu pai, carregado com a grafonola, ainda podia dizer que não, o que não aconteceu. Lá deu o dinheiro ao homem e – meu Deus, como hoje recordo (sem pieguices ,mas com uma lágrima no olho) – que alegria!

Começámos a descer para a 24 de Julho, quando o meu pai se volta para mim e a rir diz:

– O menino Vitó levou a sua avante, mas esqueceu-se de uma coisa: o pai não tem mais dinheiro e agora temos que ir para casa a pé; e olha que não te posso ajudar porque a grafonola ainda é pesada.

– Ó paizinho, não há problema; eu aguento.

– Sempre quero ver isso – retorquiu ele.

Chegámos ao Cais do Sodré e eu derreado, já não conseguia dar mais um passo. Meu pai, a quem também já doía o braço de carregar a grafonola, poisou-a no chão, junto a uma parede, sentou-me em cima dela, disse-me que não saísse dali porque ia ao bar da gare dos comboios, ver se estava lá alguém conhecido.

Fiquei ali e, passados uns minutos, o meu pai aparece com uma sandes de torresmos e um pirolito. Fiquei deliciado, porque já havia um bom bocado que tinha fome e sede, mas não tinha dito nada para não complicar ainda mais a situação. Então, ele disse-me:

– Bem, espero que tenhas aprendido a lição; mas como o pai ainda descobriu aqui no fundo do bolso uns trocos, que deram para as sandes e ainda nos sobrou 2$00, assim podemos ir de eléctrico até ao Rato.

Calculem o alívio e alegria quando ouvi esta novidade, e lá fomos os dois a rir às gargalhadas para a paragem do eléctrico.

Foi um dia em cheio (que saudades, pai)...

Mal chegámos a casa, o meu avô começou logo meter-se com o meu pai, em ar de troça:

– Uma grafonola... e avariada!

– Deixe estar, que eu e o Vitó arranjamos isto – dizia o meu pai.

Claro que eu não percebia nada daquelas coisas, mas recordo ter ficado todo orgulhoso com o comentário. No futuro viria a ter esse jeito para as máquinas e ferramentas, mas meu pai era um grande “engenhocas”, lá em casa arranjava tudo.

Limpámos muito bem a caixa, que estava um pouco mal tratada, e meu pai desmontou o engenho de corda. Lembro-me que era parecido com a corda dos relógios de sala e – vejam a nossa sorte – a corda não estava partida, tinha-se solto o engate da ponta, que prendia ao sistema de fixação do enrolamento. O meu pai todo contente só dizia:

– Eu sabia, eu sabia!

Após a montagem, com a família toda à volta do engenho posto em cima da mesa de jantar, o meu pai dá à corda, destrava a pequena alavanca e o prato começa a rodar. Foi uma proeza saudada com grande algazarra e alegria. Logo o meu avô deu o dito por não dito:

– Já podemos tentar arranjar uns discos meus.

Entretanto, meu pai monta uma agulha, dá à corda (avisa-nos que não se deve rodar até prender, pois pode partir a corda ou voltar a soltar-se o engate) e põe o disco da Maria Alice. Foi, decerto, o primeiro disco que ouvi na minha vida, de tal forma que ainda hoje me lembro do fado na totalidade:

 

Acredita meu amor

Quando te vou visitar

Às grades dessa prisão

Sufocada pela dor

De te ver assim penar

Estala meu coração

 

Por mim mataste um rival

És agora condenado

Ao degredo por castigo

Mas juro por amor fatal

Não vai meu corpo a teu lado

Mas vai minha alma contigo

 

Depois, tomámos o gosto à grafonola e o primeiro disco do meu avô que arranjámos foi da “ODEON”, com os temas, "Amor de Mãe" e "Os Olhos". Como sabem, as grafonolas não tinham uma velocidade constante, e então o meu avô, quando se ouvia, exclamava:

– Então não é que até parece que tenho voz de mulher!!

                                   

                                         

                                      Disco de massa para grafonola

Mas voltemos às botas. Conforme tinha sido combinado, eram para estrear no primeiro dia de aulas, e assim foi, penso que a 6 ou 7 de Outubro. Nesse dia chovia torrencialmente, as botas vinham mesmo a calhar.

Ao fim do dia cheguei a casa desolado e com os pés todos molhados, pois as solas estavam todas desfeitas: As solas eram de cartão,  colado sobre a sola inicial já gasta, muito bem pintadas, com anilina preta e graxa, o que lhes dava aquele aspecto consistente e novo! Fartei-me de chorar com o desgosto, mas mais tarde até rimos, porque nos lembrámos de como fora o negócio e, afinal, os enganados fomos nós. Pediu-se orçamento ao sapateiro, mas a minha avó disse logo que não se podia agora estar com aquela despesa, as solas e a mão-de-obra custavam quase 30$00 (o meu avô, naquela altura, ganhava 50$00 por noite e o meu pai, quando arranjava para cantar, não ganhava mais do que 20$00 a 25$00 por noite).

Ora, a solução acabou por ser uma alegria e um orgulho para todos nós, isto porque o meu bisavô (pai do meu avô Alfredo) era sapateiro e o meu avô, nos intervalos da escola, até o pai morrer, foi aprendendo o oficio e dando uma ajuda no trabalho. Como o meu avô era habilidoso, desembaraçava-se bem; comprou num armazém, em S. Paulo, um bocado de sola que lhe custou 6$00 ou 8$00 e, como tinha as ferramentas da arte de sapateiro que tinham sido do pai – as formas, sovelas etc. – foi ele próprio que me colocou as solas nas botas, botas que usei enquanto me serviram. Creio que ainda acabaram por levar umas solas de borracha.

Desculpem estes desabafos/recordações dos meus Fados!

 

Vítor Duarte Marceneiro

 


Video Clip da autoria de Vitmaco

Fernando Mauricio canta: Feira da Ladra

Letra de Carlos Conde

Música de Raul Pereira (Faddo Zé Grande)


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Saudades Pai
música: Fui à Feira da Ladra
publicado por Vítor Marceneiro às 00:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 22 de Janeiro de 2013

BEATRIZ DA CONCEIÇÃO

 

Conhecida no meio do Fado por (Bia) nasceu no Porto em 1939.

Numa vinda a Lisboa vai ouvir fados ao Solar da Márcia Condessa, é desafiada a cantar, interpreta de tal maneira que logo é contratada pela dona da casa.

Fica a viver em Lisboa e rapidamente o seu estilo de cantar lhe granjeia muitos admiradores, acabando por fazer várias épocas em quase todas as casas de fado.
Na revista, onde obteve grandes êxito, em, Fado Para Esta Noite e John Português.
Grava todo o repertório que estreia, que é êxito assegurado.

Faz várias digressões ao estrangeiro, actuando para as comunidades emigrantes, actua em diversos festivais internacionais de música, festas de beneficência.
Beatriz da Conceição, canta com um estilo muito pessoal verdadeiro, diz muito bem e divide o verso como deve ser, é irreverente mas tem uma alma fadista incontestável. Tem um vasto repertório, porque raros foram os poetas que não lhe escrevessem poemas, como Artur Ribeiro, Vasco de Lima Couto, ou José Carlos Ary dos Santos que em parceria com Fernando Tordo, escreveram o Fado da Bia,

QUE SAUDADES BEATRIZ....

 

 

                                           Beatriz da Conceição

 

                                           O fado já não lhe chega,

                                           Mas como nada lhe falta

                                           Tanto canta numa adega

                                           Como à luz de uma ribalta!

 

                                           E embora sentindo a chama

                                           Que leva à celebridade,

                                           Não se deslumbra na fama

                                           Nem se perde na vaidade!

 

                                           A Beatriz da Conceição

                                           Não é somente fadista,

                                           Muito mais do que atracção

                                           Ela impõe-se como artista!

 Poema de Carlos Conde


   

CANÇÃO DE LISBOA

Cantado por Beatriz da Conceição 

Letra de: Artur Ribeiro

 

Vejo do cais, mil janelas

Da minha velha Lisboa

Vejo Alfama das vielas

O Castelo, a Madragoa

E os meus olhos rasos de água

Deixam por toda a cidade

A minha prece de mágoa

Nesta canção de saudade

 

Estribilho

 

Quando eu partir

Reza por mim Lisboa

Que eu vou sentir Lisboa

Penas sem fim Lisboa

Saudade atroz

Que o coração magoa

E a minha voz entoa

Feita canção Lisboa

 

E se ao voltar

Me vires chorar, perdoa

Que eu abra a porta à tristeza

Para depois rir à toa

Tenho a certeza

Que ao ver as ruas

Tal qual hoje as vejo

Nesse teu ar de rainha do Tejo

Hei-de beijar-te Lisboa

 

Hei-de beijar com ternura

As tuas sete colinas

E vou andar à procura

De mim p’las esquinas

E tu Lisboa

Hás-de vir aqui ao cais

Como agora

P’ra eu te dizer a rir

O que hoje minha alma chora

 

Estribilho

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: SAUDADES ...BIA
música: Fado Canção de Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013

César Morgado

 

 

Desde muito jovem que era um apaixonado pelo Fado o que aos 7 anos de idade levava os vizinhos a pedirem-lhe para cantar. Aos 11 anos numa tenda de circo no Caramão da Ajuda, cantou pela primeira vez, acompanhado por guitarra e violaCésar  Morgado era serralheiro de profissão,  e cantava o Fado como amador, até que foi contratado para a "NauCatrineta" em Alfama ( que mais tarde viria a ser O Poeta), e assim se profissionalizou.

 

Em 1958 ganhou a "Guitarra de Ouro" num concurso, em que ficou em primeiro lugar, no antigo Café Luso.

 

 Gravou uma dezena de EP´s e vários "long-play".

 

Foi convidado de várias rádios e em 1961 actuou na televisão.

 

Em Lisboa cantou ainda no Faia, no Retiro da Calçada de Carriche, e, esteve um bom par de anos no Solar da Madragoa.

 

No Porto actuou  na Candeia, Tamariz e Palladium.

 

Tem um irmão de seu nome Leopoldo Morgado, que reside no Porto, e que também canta o Fado.


César Morgado

Canta: Jogo de Beijos

Letra de Carlos Conde

Música de: "Fado Louco" Alfredo Marceneiro


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas de antigamente
música: Jogo de Beijos
publicado por Vítor Marceneiro às 21:42
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Janeiro de 2013

Eu também tive um sonho - João Braga

 

 

EU TAMBÉM TIVE UM SONHO

 

Na minha cama, só, estava deitado e, sem poder dormir, pus-me a sonhar — que eu sonho muitas vezes acordado e o que sonhei então vou-lhes contar: 


Tive um pesadelo, em que eu, por conveniência, era comunista, membro de uma loja política, e que principiava com a minha ida ao Ministério da Cultura, onde o ministro me incumbia, não sem alguma pompa — que eu, no sonho mau, era algo presunçoso —, de superintender, junto da UNESCO, à candidatura do Fado a obra-prima do património oral e imaterial da humanidade, para o que me constituía em embaixador daquela ciclópica tarefa. O ministro disse-me ainda para formar uma equipa que trabalhasse comigo todos os pormenores para o bom sucesso da empresa.

 

Mal saí do Palácio da Ajuda desatei a falar ao telemóvel, primeiro para convidar uma jovem fadista em ascensão — achei de bom tom acrescentar algum ar hodierno à coisa —, depois um musicólogo de renome, de esquerda, como convém, finalmente o Museu do Fado, apoiado em várias associações da guitarra, do contrabaixo, do clarinete e de outros castiços instrumentos.

 

À medida que o pesadelo avançava, dei comigo a idealizar a cena em que o presidente Cavaco Silva me condecoraria com a Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, e uma onda de jactância abateu-se sobre os meus cabelos brancos, um tanto ralos, antecipando o êxtase pelos dividendos de triunfar onde o afamado tango fracassara. Mas a minha altivez, nessa fantasia, não conhecia limites e pus-me logo a pensar noutras glórias, noutras honrarias, eu tinha de ir mais além, o meu prestígio derrubaria fronteiras. Foi com algum arrepio que me imaginei no Itamarati, em cena idêntica, o Lula a galardoar-me com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, da mesma forma enternecida com que abraça o Chávez e, com mais alguns empenhos de peso, a receber até a Legião de Honra, lamentando, porém, que o “mon ami” Mitérrand já não fizesse parte do mundo dos vivos, pois não teria de renegar o meu comunismo oportunista a fim de entregar o tórax nas mãos do reaccionário Sarkozy. Quanto à da Jarreteira e do Banho, paciência, ficava de fora, tal como a Inglaterra que não integra o lote dos 170 países que subscreveram a Convenção.

 

E foi nessa altura do pesadelo que me ocorreu uma luminosa ideia que me ajudaria pela certa a atingir aqueles desideratos e mais alguns: dado que, além da Inglaterra, os Estados Unidos da América também estavam de fora da venturosa Convenção, eu teria apenas de agradar à maioria dos estados aderentes, quase todos do terceiro mundo. Como? Muito simplesmente lançando a teoria de que o fado nascera em África — Moçambique, Angola, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné — e na América do Sul — Brasil e Rio da Prata. Estava feita a pombinha, deixava de fora a Ásia e a Oceânia, porque era um pouco complicado arranjar analogias entre a música fadista e as daquelas paragens, mas os estados desses continentes sensibilizar-se-iam com o aplauso dos seus pares africanos e sul-americanos. Os portugueses poderiam levar isso a mal, mas quem se rala com a indignação lusitana perante a minha ambição? Nada me deterá. Imediatamente após esta minha conclusão ouvi um burburinho, surgiram numerosos e agitados vultos na minha direcção, apavorei-me.

 

E eu que andava para ali entontecido, com o sol, com a luz, com a algazarra; de repente, porém fui atraído pelo doce trinar de uma guitarra: era o fado, mas o fado rigoroso, cantava-o a Severa a preceito, com a guitarra nas mãos do Vimioso tangia anseios de fogo no peito.


É verdade, era uma turba imensa, como se fora uma manifestação da Intersindical (que saudades!), só que encabeçada por Luiz de Camões, Fernando Pessoa, Alfredo Marceneiro e Amália Rodrigues — fiquei como que paralisado. Junto à cabeça da manif lobriguei ainda Sophia de Mello Breyner Andresen, David Mourão-Ferreira, Miguel Torga, Pedro Homem de Mello, António Botto, tudo poetas que eu cantei, consegui até ver o O’Neill escrevinhando uns versos a ridicularizarem-me, enquanto a multidão se ia aproximando de mim, sufocando-me, e eu a reconhecer cada vez mais rostos, Maria Teresa de Noronha, Ercília Costa, a “santa” do Fado, Armandinho, José Nunes e Jaime Santos, com uma fita negra nas guitarras, Carlos Ramos, Manuel de Almeida, Hermínia Silva, Júlio Gomes, Alfredo Mendes, Martinho d’Assunção, Joaquim do Vale (“covinhas”), Pedro Leal, Manuel Martins, José Inácio e Francisco Perez Andión, o meu Paquito, todos eles com fumos nas violas. O pesadelo atingia o seu auge, com tantos olhares de desprezo em cima da minha pessoa, todos os meus mestres, todas as vozes, os tocadores, os poetas e os compositores que eu idolatrei, Júlio Peres, Frederico Valério, Lucília do Carmo, Alain Oulman, Berta Cardoso, Fernando Farinha, José António Sabrosa, Carlos Conde, Henrique Rego, os dois Joões, Linhares Barbosa (o autor do “Pierrot”, sob o pseudónimo de Luís de Sousa) e Silva Tavares, Manuel de Andrade, Vasco Lima Couto, Joaquim Campos, Júlio Proença, os manos Porfírio, Ricardo e José, João Soares Fernandes (“ferro-velho”), também Fernando Maurício, Carlos Zel, e muitos mais. Estava ali o fado inteiro — como cantou o Marceneiro, o fado que eu traíra da forma mais vil e videirinha.

 

Camões adiantou-se então a todos e proferiu, num timbre forte e muito bonito, a fazer lembrar Manuel Alegre: “para trás, fadista ímpio e traidor aos teus, já não és digno da nossa pena, das nossas liras, do nosso canto. A partir de agora, doravante e para o futuro, não mais, não mais, voltarás a cantar esta canção!”

Senti um frio inumano a percorrer-me o corpo todo. Acordei encharcado em suor e dei graças a Deus por tudo não passar de um sonho, ainda que sinistro.

 

E eu então, fadista como era, peguei numa guitarra e fui tocar. Cantei ao desafio com a Severa, mas isto meus senhores, foi a sonhar. 

E ainda bem, porque mal acordei pus-me foi a cantar quadras do Luis Vaz e do Fernando, com complemento da Rodrigues, assim uma espécie de verso de pé quebrado, ao qual, como vocês todos sabem, se chama versículo. Claro que o cantei na famosa melodia do Tio Alfredo, que lhe deu o mesmo nome. De seguida adormeci profundamente, em paz com a minha consciência.

 

Lisboa, 5 de Abril de 2008

 

João Braga

 

P.S. As palavras em itálico são extraidas de uma letra de Francisco Radamanto que eu, no que toca a autorias, não brinco. Nem sequer em sonhos.

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Sempre que um homem sonha...
publicado por Vítor Marceneiro às 19:23
link do post | comentar | favorito
Sábado, 5 de Janeiro de 2013

EU TIVE UM SONHO... OS PORTUGUESES DEIXARAM DE SONHAR?

Eu hoje  tive um sonho,  e ouvi novamente o Dr. Martin Luther King,  ouvi e reli  também o poema,   PEDRA FILOSOFAL, cantada pelo Fausto, de António Gedeão e  Manuel Freire, tema  incluído neste video-clip, que já  aqui  publiquei em Abril de 2008.

No meu sonho  lembrei-me dos "Baladeiros" com cantigas de protesto, de intervenção social, de denúncia,  que tínhamos em Portugal,  no tempo da ditadura, alguns deles até exilados... onde estão? 

Cá para mim estão todos bem na vida... será por isso que estão calados???!!!

Acordei sobressaltado,  será que  OS PORTUGUESES DEIXARAM DE SONHAR?

Será que já não há cantores e poetas de canções de protesto? e no Fado, será que alguem com veia poética, escreva letras para Fados de protesto, (do reviralho, como diria o meu avô)  ou será que continuará a ser considerado "reaccionário", é que já não há censura... não,  não há, mas Há MEDO... de perder o "tacho".


Martin Luther King, foi assassinado há mais 40 anos por  ter tido a ousadia de SONHAR, numa sociedade racista e intolerante .

MESMO QUE ISSO LHE CUSTE A VIDA , SEMPRE QUE UM HOMEM SONHA, O MUNDO PULA E AVANÇA

 

  

 

 

Manuel Freire canta:

 

Poema de António Gedeão

Música de Manuel Freire

 

PEDRA FILOSOFAL

 

Eles não sabem que o sonho

É uma constante da vida

Tão concreta e definida

Como outra coisa qualquer

Como esta pedra cinzenta

Em que me sento e descanso

Como este ribeiro manso

Em serenos sobressaltos

Como estes pinheiros altos

Em que verde e oiro se agitam

Como estas aves que gritam

Em bebedeiras de azul

 

                                                  Eles não sabem que o sonho

                                                  É vinho, é espuma, é fermento

                                                  Bichinho alacre e sedento

                                                  De focinho pontiagudo

                                                  Num perpétuo movimento

 

 

Eles não sabem que o sonho

É tela, é cor, é pincel

Base, fuste ou capitel

Arco em ogiva, vitral

Pináculo de catedral

Contraponto, sinfonia

Máscara grega, magia

Que é retorta de alquimista

Mapa do mundo distante

Rosa-dos-ventos, Infante

Caravela quinhentista

Que é Cabo da Boa Esperança

Ouro, canela, marfim

Florete de espadachim

Bastidor, passo de dança

Columbina e Arlequim

Passarola voadora

Pára-raios, locomotiva

Barco de proa festiva

Alto-forno, geradora

Cisão do átomo, radar

Ultra-som, televisão

Desembarque em foguetão

Na superfície lunar

 

                                          Eles não sabem nem sonham

                                          Que o sonho comanda a vida

                                          Que sempre que um homem sonha

                                          O mundo pula e avança

                                          Como bola colorida

                                          Entre as mãos de uma criança

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Não parem de SONHAR
música: Pedra Filosofal
publicado por Vítor Marceneiro às 16:03
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Janeiro de 2013

JOAQUIM CAMPOS

 

JOAQUIM CAMPOS, nasceu em Lisboa, na Fonte Santa, em 1911, passando, porém, a viver em Alfama, onde se iniciou a cantar o fado ainda criança. Foi no entanto em Setúbal que se apresentou em público pela primeira vez, em 1923, com 12 anos de idade, cantando uma letra que adquirira num quiosque do Rossio onde se vendiam folhetos com cantigas de poetas populares.

Aos 16 anos empregou-se na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses como escriturário, lugar em que permaneceu até à reforma, sem todavia deixar de cantar o fado, que foi a grande paixão da sua vida.

Foi considerado por muitos, o maior cantador da sua geração.

Dotado de uma voz suave e límpida, e primando por uma dicção impecável, Joaquim Campos atingiu, na verdade, alto nível como cantador, considerado por alguns como o "Bruxo do fado", devido ao estilo das suas interpretações e à  forte personalidade artís­tica que o caracterizou.

Fundador, com Alberto Costa, do Grémio Artístico Amigos do Fado, responsável pela organização de variadíssimas festas de beneficência, Joaquim Campos foi também um homem bom, que cultivou a amizade e a solidariedade, nunca se escusando a dar o seu contributo para minorar situações difíceis.

Ainda jovem, foi grande admirador de Luís Carlos da Silva (Petrolino), que na companhia do guitarrista Norberto ia frequentemente escutar ao café da Rua do Jardim do Regedor, ao tempo em que aquele ali actuava, o que contribuiu para o apuramento da sensibilidade musical de que deu provas na composição dos seus fados: Estações da Vida, Pobrezinhos, Amadores, A Boneca, Fado Puxavante, Voz do Mar, Fado Castanheira, Fado Alexandrino, Fado Vitória, Fado Rosita, Nosso Fado, O Cavador, Fado Simples, Fado Lisboa, Fado Estela, Fado Tango, Fado Aurora, O Meu Filho e Fado Sem Pernas.

Gravou em disco, além de alguns desses fados, uma Desgarrada com o Dr. António Menano e com Ercília Costa, um Dueto Sobre o Fado e Romance com Júlio Proença, e Fado da Mouraria com Ercília Costa, tendo-se exibido por todo o País. Mas foi sobre­tudo em Lisboa que obteve os seus grandes sucessos, cantando no Retiro da Severa, no Café Luso e Café Mondego e no Solar da Alegria, bem como no Coliseu dos Recreios, Eden- Teatro, Teatro Maria Vitória e Teatro Apolo.

Joaquim Campos (que esteve ligado, sentimentalmente, à cantadeira Rosa Maria até à morte prematura desta) foi um intérprete particularmente cuidadoso na escolha do seu reportório, preferindo letras dos poetas populares Fernando Teles, Manuel Soares, Linhares Barbosa e Gabriel de Oliveira.

Ao chegar a hora de se retirar da actividade artística, Joaquim Campos teve uma grandiosa festa de consagração em 1945, no Teatro Capitólio, onde os seus inu­meráveis amigos e admiradores lhe testemunharam de forma calorosa o apreço em .que tinham as suas qualidades humanas e de insuperável cantador.

© Vítor Duarte Marceneiro

 

 

INSPIRAÇÃO

 

Letra de: Gabriel de Oliveira

 

O fadista quando canta,

Se tiver no pensamento

Um sorriso de mulher,

Vibra-lhe a voz na garganta,

Canta com mais sentimento

Faz da garganta o que quer.

 

                                                  A mulher tem o condão

                                                  Que nos encanta e domina

                                                  De ameigar a nossa voz...

                                                  E uma estranha sensação

                                                  Da sua graça divina

                                                  Palpita dentro de nós.

 

Será por isso que a gente,

Cantando um fado qualquer,

Canta melhor, sendo amado:

- Há-de haver eternamente

Uma sombra de mulher

No sentimento dum fado

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas de antigamente
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags