Segunda-feira, 29 de Abril de 2013

1º de Maio de 2013 - Dia dos Trabalhadores

 

 

Neste dia 1º de Maio de 2013, saúdo todos os trabalhadores no activo e os reformados de todo o mundo.

Passados mais de 100 anos dos acontecimentos que deram lugar à comemoração deste dia, em que muitos homens e mulheres de coragem, perderam a vida para lutarem pelos direitos de todos os trabalhadores, quem diria que este ano, fruto de uma desenfreada ambição capitalista, que responsáveis politicos não souberam travar, milhares de trabalhadores de todo o mundo estão dia a dia a perder o seu emprego, só quem estiver nessa situação poderá saber o quanto sofre.

A minha solidariedade ... Acreditemos que o amanhã será melhor...

 

Ver e ouvir para lembrar:  39 anos depois!!!


 

1º de Maio – Dia Mundial do Trabalhador

O Dia Mundial do Trabalho foi criado em 1889, por um Congresso Socialista realizado em Paris. A data foi escolhida em homenagem à greve geral, que aconteceu em 1º de Maio de 1886, em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos naquela época.

Milhares de trabalhadores foram às ruas para protestar contra as condições de trabalho desumanas a que eram submetidos e exigir a redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. Naquele dia, manifestações, passeatas, piquetes e discursos movimentaram a cidade. Mas a repressão ao movimento foi dura: houve prisões, feridos e até mesmo mortos nos confrontos entre os operários e a polícia.

Em memória dos mártires de Chicago, das reivindicações operárias que nesta cidade se desenvolveram em 1886 e por tudo o que esse dia significou na luta dos trabalhadores pelos seus direitos, servindo de exemplo para o mundo todo, o dia 1º de Maio foi instituído como o Dia Mundial do Trabalho.

 

Chicago, Maio de 1886 

 

O retrocesso vivido nestes primórdios do século XXI remete-nos directamente aos piores momentos dos primórdios do Modo de Produção Capitalista, quando ainda eram comuns práticas ainda mais selvagens. Não apenas se buscava a extracção da mais-valia, através de baixos salários, mas até mesmo a saúde física e mental dos trabalhadores estava comprometida por jornadas que se estendiam até 17 horas diárias, prática comum nas indústrias da Europa e dos Estados Unidos no final do século XVIII e durante o século XIX. Férias, descanso semanal e aposentadoria não existiam. Para se protegerem em momentos difíceis, os trabalhadores inventavam vários tipos de organização – como as caixas de auxílio mútuo, precursoras dos primeiros sindicatos.

Com as primeiras organizações, surgiram também as campanhas e mobilizações reivindicando maiores salários e redução da jornada de trabalho. Greves, nem sempre pacíficas, explodiam por todo o mundo industrializado. Chicago, um dos principais pólos industriais norte-americanos, também era um dos grandes centros sindicais. Duas importantes organizações lideravam os trabalhadores e dirigiam as manifestações em todo o país: a AFL (Federação Americana de Trabalho) e a Knights of Labor (Cavaleiros do Trabalho). As organizações, sindicatos e associações que surgiam eram formadas principalmente por trabalhadores de tendências políticas socialistas, anarquistas e social-democratas. Em 1886, Chicago foi palco de uma intensa greve operária. À época, Chicago não era apenas o centro da máfia e do crime organizado era também o centro do anarquismo na América do Norte, com importantes jornais operários como o Arbeiter Zeitung e o Verboten, dirigidos respectivamente por August Spies e Michel Schwab.

Como já se tornou praxe, os jornais patronais chamavam os líderes operários de preguiçosos e canalhas que buscavam criar desordens. Uma passeata pacífica, composta de trabalhadores, desempregados e familiares silenciou momentaneamente tais críticas, embora com resultados trágicos no pequeno prazo. No alto dos edifícios e nas esquinas estava posicionada a repressão policial. A manifestação terminou com um ardente comício.

No dia 3, a greve continuava em muitos estabelecimentos. Diante da fábrica McCormick Harvester, a policia disparou contra um grupo de operários, matando seis, deixando 50 feridos e centenas presos, Spies convocou os trabalhadores para uma concentração na tarde do dia 4. O ambiente era de revolta apesar dos líderes pedirem calma.

Os oradores se revezavam; Spies, Parsons e Sam Fieldem, pediram a união e a continuidade do movimento. No final da manifestação um grupo de 180 policiais atacou os manifestantes, espancando-os e pontapeando-os. Uma bomba estourou no meio dos guardas, uns 60 foram feridos e vários morreram. Reforços chegaram e começaram a atirar em todas as direcções. Centenas de pessoas de todas as idades morreram.

A repressão foi aumentando num crescendo sem fim: decretou-se “Estado de Sítio” e proibição de sair às ruas. Milhares de trabalhadores foram presos, muitas sedes de sindicatos incendiadas, criminosos e gangsters pagos pelos patrões invadiram casas de trabalhadores, espancando-os e destruindo seus pertences.

A justiça burguesa levou a julgamento os líderes do movimento, August Spies, Sam Fieldem, Oscar Neeb, Adolph Fischer, Michel Shwab, Louis Lingg e Georg Engel. O julgamento começou dia 21 de Junho e desenrolou-se rapidamente. Provas e testemunhas foram inventadas. A sentença foi lida dia 9 de Outubro, no qual Parsons, Engel, Fischer, Lingg, Spies foram condenados à morte na forca; Fieldem e Schwab, à prisão perpétua e Neeb a quinze anos de prisão.

 

Mártires de Chicago:

Parsons, Engel, Spies e Fischer foram enforcados, Lingg suicidou-se na prisão.

No dia 11 de Novembro, Spies, Engel, Fischer e Parsons foram levados para o pátio da prisão e executados. Lingg não estava entre eles, pois suicidou-se.

 

Spies fez a sua última defesa:

"Se com o nosso enforcamento vocês pensam em destruir o movimento operário - este movimento de milhões de seres humilhados, que sofrem na pobreza e na miséria, esperam a redenção – se esta é a vossa opinião, enforquem-nos. Aqui terão apagado uma faísca, mas lá e acolá, atrás e na frente de vocês, em todas as partes, as chamas crescerão. É um fogo subterrâneo e vocês não poderão apagá-lo!"

 

Parsons também fez um discurso:

"Arrebenta a tua necessidade e o teu medo de ser escravo, o pão é a liberdade, a liberdade é o pão". Fez um relato da acção dos trabalhadores, desmascarando a farsa dos patrões com minúcias e falou de seus ideais:

"A propriedade das máquinas como privilégio de uns poucos é o que combatemos, o monopólio das mesmas, eis aquilo contra o que lutamos. Nós desejamos que todas as forças da natureza, que todas as forças sociais, que essa força gigantesca, produto do trabalho e da inteligência das gerações passadas, sejam postas à disposição do homem, submetidas ao homem para sempre. Este e não outro é o objectivo do socialismo".

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Triste e amargurado
música: Como foi possível este retrocesso
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Abril de 2013

MANUEL DE ALMEIDA, Recordado na data do seu nascimento

 

 

 

Deixou-nos há 18 anos e faria 91 anos hoje se estivesss entre nós

Nasceu no ano de 1922 e faleceu a 3 de Dezembro de 1995.

Desde a sua partida que um grupo de amigos, encabeçados por Humberto Rosa a partir de  1996, tem vindo a organizar um jantar de confraternização, para lembrar e homenagear, na data do seu aniversário.

 

          O FADISTA... O AMIGO

                             MANUEL DE ALMEIDA

 

Uma monobiografia já publicada neste blog pode ser consultada em:   http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/60925.html

 

  

 
 
MANUEL DE ALMEIDA 
canta : A Cor dos Olhos (*) Olhos Fatais
Letra de: Armando Neves
Música: Fado Bailado de Alfredo Marceneiro
 
  
 
Homenageado também hoje pelos poetas . 
  
Carlos Escobar:
  

Amigo... amigo ...

Falava no outro dia

Alguém que sonhou contigo

E dizia

O Manel !!!

O Manel foi aquele que sonhei

A voz, a graça, a humildade

O fado

O fado do Manel foi o fado da verdade

O homem !!!

O homem ... recordamos com saudade

Foi o homem que eu sonhei

No sonho ...

No sonho sonhei contigo

Amigo ... amigo...

  

  

Euclides Cavaco:

     

Manuel de Almeida fadista

De rara voz detentor

Muito castiço e bairrista

Foi do fado embaixador.

 

                                                      Nasceu em berço alfacinha

                                                      Aos dez anos fez-se ao fado

                                                      Pelo talento que tinha

                                                      Foi fadista consagrado.

 

Da Tipóia grande amigo

Onde inicia a carreira.

Ao Forte de Dom Rodrigo

Se dedica de alma inteira.

 

                                                     No Lisboa à Noite actua

                                                     Pelos retiros dá brado

                                                     Muitas noites efectua

                                                     Em outras casas de fado.

 

Gravou discos,  foi autor

Conquistou fama e glória

Do fado um grande Senhor

Digno de grata memória.

 

                                                     É honra do nosso fado

                                                     E credor do nosso apreço

                                                     Por ter ao mundo legado

                                                     Eu fadista me confesso !...

 

NOTA: (*) Observação referente ao título deste tema, que eu na altura de publicar não fiz o devido reparo e agora este amigo o António Cruz, teve a gentileza de me rectificar.

 

...Como admirador que sou de tudo o que se relaciona com o saudoso Manel, e durante umas pesquisas que efectuei, deparei-me com esta excelente página sobre ele, uma bonita homenagem na data em que teria completado 86 anos!

Resolvi intervir, não só para agradecer, como para corrigir um pequeno detalhe:

- Assim, o tema que ele canta no vídeo acima, da autoria do Armando Neves, tem o título de "Olhos fatais" e não de "A cor dos olhos", conforme se indica, tema que ele também gravou, na música do Fado Artilheiro, versos de Domingos Gonçalves Costa!

Como curiosidade, o tema "Olhos fatais”, foi gravado a primeira vez pelo seu saudoso avô, Alfredo Rodrigo Duarte, num disco de massa de 78 rpm, em fins de 1936. ...

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
música: Olhos Fatais -Armando Neves/Alfredo Marceneiro
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 23 de Abril de 2013

HINO NACIONAL

 

 Hino Nacional


A ideia de adoptar uma música como símbolo de um país só surgiu no século XIX. Anteriormente era costume escolher para as cerimónias oficiais um tema composto em honra do rei. No tempo de D. João VI, por exemplo, tocava--se o Hymno Patriótico de António Marcos Portugal.
Em 1834, depois da guerra civil e do triunfo dos liberais, o rei D. Pedro IV aprovou uma lei que declarava uma obra sua - o Hymno da Carta -como hino nacional. Manteve-se em vígor até à queda da monarquia.

 

Hymno Patriótico
Hymno da Carta
António Marcos Portugal


Eis, oh Rei Excelso
os votos sagrados
q'os Lusos honrados
vêm livres, vêm livres fazer
vêm livres fazer


                                  Por vós, pela Pátria
                                  o Sangue daremos
                                  por glória só temos
                                  vencer ou morrer
                                  vencer ou morrer
                                  ou morrer
                                  ou morrer

0  NOSSO  HINO NACIONAL TEM UMA HISTÓRIA
Quando se implantou a República mudaram os símbolos do país. O projecto da nova bandeira desencadeou grandes discussões e apareceram dezenas de propostas. Quanto ao hino não houve dúvidas. Toda a gente aprovou a escolha de A Portuguesa, que já existia e era cantada com fervor em homenagem ao povo português e à História de Portugal. Em 1890, no tempo do rei D. Carlos, os países europeus fizeram uma partilha do continente africano. Portugal pretendia obter todos os territórios entre Angola e Moçambique. A França e a Alemanha aprovaram a ideia, mas a Inglaterra opôs-se porque queria dominar o interior de África desde o Cairo (Egipto) ao Cabo (África do Sul).
Para obrigar Portugal a desistir, lançou um ultimato: ou o governo português mandava retirar imediatamente os exércitos que tinha naquela zona ou declarava guerra a Portugal. Na altura não havia possibilidade de enfrentar um país tão rico e poderoso; a única hipótese era ceder. Foi isso que o rei e os ministros fizeram.
O povo, porém, não aceitou, nem compreendeu e sentiu-se humilhado. Com que direito é que a Inglaterra fazia tais exigências, se os portugueses é que tinham sido os primeiros a navegar e a desembarcar naquelas paragens longínquas? Houve muitas manifestações de rua e muitos artigos nos jornais contra o ultimato, contra os ingleses, contra o governo e contra o rei. Houve quem pusesse a bandeira nacional a meía-haste em sinal de luto.

O compositor Alfredo Keil, indignado também, atirou-se ao piano e compôs uma espécie de marcha militar onde vibrava toda a sua raiva. Depois dirigiu-se a casa do poeta Henrique Lopes de Mendonça, que morava num quarto andar, subiu as escadas esbaforido e pediu-lhe uma letra que encaixasse naqueles acordes e desse voz à revolta que se gritava nas ruas. Trabalharam juntos alguns dias e logo que o poema ficou concluído deram-lhe o nome de A Portuguesa.

A primeira edição da música e texto íoi paga pelos próprios autores. Teve uma tiragem de 1 2 000 exemplares que esgotou imediatamente! A partir de então, nas ruas, nos cafés nos clubes, nos teatros cantava-se a toda a hora: «Heróis do mar, nobre povo...». E era a música de toda a gente. Os revolucionários republicanos tinham--Ihe um apreço especial porque, além do poema lembrar a História de Portugal sem nunca falar no rei, incitava ao combate. No dia 31 de Janeiro de 1891, quando saiu à rua a primeira tentativa de revolução republicana no Porto, os revoltosos berraram A Portuguesa a plenos pulmões. Depois da revolta abafada, a música foi proibida. Mas continuou a ser cantada às escondidas. Alíredo Keil passou o Verão de 1 890 em Vales, perto de Frazoeira. Durante essas férias fez uma adaptação da música para que pudesse ser tocada por uma banda, ninguém, nem ele  sonhava que viria a ser adoptada como Hino Nacional.


A PORTUGUESA

1890 (versão original)
Letra: Henrique Lopes de Mendonça
Música: Alfredo Keil


I
Herois do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memoria,
Oh patria sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões marchar, marchar!


II
Desfralda a invicta bandeira,
À luz viva do teu céo!
Brade a Europa á terra inteira:
Portugal não pereceu!
Beija o teu sólo jucundo
O Oceano, a rugir de amor;
E o teu braço vencedor
Deu mundos novos ao mundo!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões marchar!


III
Saudai o sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal do resurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injurias da sorte.

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões marchar!!

 

A PORTUGUESA - HINO NACIONAL

Com  alterações feitas em 1957
Letra: Henrique Lopes de Mendonça
Música: Alfredo Keil


I
Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,

Ó Pátria sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

 

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!

 

II
Desfralda a invicta Bandeira,
À luz viva do teu céu!
Brade a Europa à terra inteira:
Portugal não pereceu
Beija o solo teu jucundo
O oceano, a rugir d'amor,
E o teu braço vencedor
Deu mundos novos ao Mundo!

 

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!

 

III
Saudai o Sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal do ressurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injúrias da sorte.

 

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Ás armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!

 HINO NACIONAL

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: português e fadista
música: Hino Nacional
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 19 de Abril de 2013

D. Afonso Henriques - A Conquista de Lisboa

  

 

 

 

D. Afonso Henriques - O Conquistador

 

 

 

 

 

A CONQUISTA DE LISBOA

 

Lisboa tinham-na os Mouros

Quem havia de a conquistar

El-Rei D. Afonso Henriques

E os Cruzados a ajudar

 

Poêm cerco em toda a volta

Pela terra e pelo mar

Atacam por todas as portas

Por uma foram entrar

 

Vêm os Mouros ao combate

Oh. que forte batalhar

Tantos ferros, tantos golpes

Tanto sangue a espadanar

 

Vencem as armas de Cristo

Há mil bocas a gritar

Arraial por D. Afonso

Que Deus o Queira guardar

 

Sobem todos ao castelo

Suas bandeiras no ar

A bandeira da mourisma

Vai pelo chão a arrastar


Quatro bispos vão à frente

Vai El-Rei a comandar

Atrás vão os cavaleiros

Que bem sabem cavalgar


Todos juntos lá na cerca

Mãos erguidas a rezar

Dando graças ao Senhor

Que a vitória lhes quis dar


E lá na torre mais alta

Uma Cruz a assinalar

Que Lisboa é dos Cristãos

Que a souberam conquistar

 

Martin Moniz, foi um dos grandes herois que lutou ao lado de D.Afonso Henriques, vindo a morrer no cerco de Lisboa em 1147, quando num acto de sacrificio e de heroicidade se atravessou numa das portas do Castelo de S.Jorge , permitindo assim que os mouros a não pudessem fechar, dando assim oportunidade ás nossas tropas de concretizarem a invasão.

 

 

 

 

Miradouo de Stª Luzia, painel de azulejo mostrando o sacrificio de Martin Moniz

ao deixar-se entalar numa das portas do Castelo.

 

D. Afonso Henriques O 1º Rei de Portugal

Após a morte de D. Henrique de Borgonha, a mãe de D. Afonso Henriques, D. Teresa, ficou à frente do Condado Portucalense, mas ela era facilmente influenciável, aproveitando-se disso a família Peres de Trava.

No entanto, debaixo da influência do arcebispo de Braga D. Paio, D. Afonso Henriques opunha-se à forma como a sua mãe governava o Condado Portucalense.

Assim, ele armou-se cavaleiro por suas próprias mãos, no dia de Pentecostes de 1122, na catedral de Zamora.

Em Setembro de 1127, o rei de Leão D. Afonso VII invadiu Portugal, cercando o castelo de Guimarães onde se encontrava D. Afonso Henriques.

Foi aí que D. Afonso Henriques reafirmou a sua lealdade ao rei de Leão e conseguiu, não só fazer com que D. Afonso VII levantasse o cerco, como também que ele se tornasse seu aliado na luta contra D. Teresa.

Foi assim que, a 24 de Junho de 1128, próximo de Guimarães, as forças de D. Afonso Henriques defrontaram as forças de D. Teresa e levaram-nas de vencida na famosa batalha de São Mamede.

A partir daí, D. Afonso Henriques tomou os comandos do Condado Portucalense.

D. Afonso Henriques aliou-se sucessivamente a D. Afonso VII para reconquistar as terras mais a sul, com o objectivo de expulsar os muçulmanos. Estas conquistas e reconquistas de D. Afonso Henriques levaram-no até Leiria onde fundou o Castelo de Leiria.

Mais tarde, os muçulmanos ainda reconquistaram Leiria, mas com o apoio do rei de Leão, D. Afonso Henriques venceu novamente os muçulmanos na batalha de Ourique, sendo que, a partir desse momento ele passou a intitular-se como rei de Portugal.


 

 

Foto de Helder Pinto

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Viva Portugal
publicado por Vítor Marceneiro às 22:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Abril de 2013

ARMINDA XAVIER - Poetisa Popular

Novo livro de poesias de Arminda Xavier, foi apresentado recentemente na autarquia de Silves, "Um pouco de mim"

Arminda Xavier deu-nos a honra de se associar na "Associação Cultural de Fado "O Patriarca do Fado"


Prefácio

Desde sempre que a sua poesia em forma de suspiros da alma, ora a preto e branco ora em ais coloridos como um arco-íris de sentimentos que reflectem os gemidos do seu coração ou da sua alma – podendo dizer-se que a sua poesia é feita duma simbiose de alegrias e tristezas que emergem de zonas incognoscíveis do seu eu mais profundo ou das vivências interiores e exteriores ou de algo mais, ainda por descobrir.

Este seu segundo livro não só vai ao encontro das interrogações da autora como vai fazer parte das reflexões da maioria dos leitores que se vão identificar com essa busca.

Prof. Herrero

 

Já com  o livro em elaboração, veio à Ericeira, que não conhecia, e fez este lindo poema sobre o que viu e sentiu.


 

 


 

Ericeira - Este Mar Lindo

 

Estou escutando o teu falar

Tua voz forte e persistente

Que me convida a entregar

E entrar nas tuas águas livremente.

 

Olho ao longe e vejo gaivotas

Num esvoaçar completo de alegria

Falando entre si, com risotas

Agradecendo ao mundo este dia.

 

Vejo a espuma branca destas águas

Vejo a branca areia, onde me exponho

Cedo senti estas tristes mágoas

Tarde senti o viver dum sonho.

 

Vejo o cinzento céu que termina

E a luz deste mundo a que pertenço

Sinto perante esta grandeza, sou pequenina

Sinto a grandeza deste Céu imenso.

 

Sei que o mar e o Céu se misturam

Sei que tudo isto é obra de Deus

Acredito que todos os homens que torturam

Terão o retorno dos actos seus

 

Se eu fosse livre como a gaivota

Que corta o vento rumo ao infinito

Soltando gritos de alegria à solta

Olho a Natureza, tudo é tão bonito!

 

Só o homem que por amor Deus criou

À sua semelhança, e de verdade

Falhou na sua entrega, e desviou

Do caminho do valor, e lealdade


Recordamos a sua biografia e o seu primeiro livro.

 

 

Nasceu a 30 de Maio de 1953 em Santa Clara-a-aVelha.

Oriunda de uma família muito humilde e  com cinco irmãos, cedo sentiu na alma  as agruras da vida, ao perder a sua mãe quando tinha apenas 5 anos.

Cresceu junto do pai e dos irmãos mais velhos, mas dificuldades financeiras da família fizeram que só frequentasse a escola até à 2ª classe, facto  que não a privou do seu gosto pelas letras e uma grande vontade de aprender.

Desde muito pequena que se sentia atraída pela música e pela acordeão, mas é  na harmónica de beiços, instrumento que toca muito bem, embora desconheça as notas musicais,  sendo muito admirada ao ponto de ser apelidada  carinhosamente pelos amigos com "a gaitinha".

É uma mulher muito interessada no convívio humano, de fino trato, não volta as costas a colaborar na sociedade em que está inserida. Faz parte da direcção do Clube de Futebol de Silves.

Ao longo da sua vida tem escrito centenas de versos, os seus poemas são descrições dos seus sentimentos, queixumes, desilusões que reflectem os momento mais marcantes da sua vida.

É casada e tem três filhos.

Em 2009  numa edição se autor lança o seu primeiro livro de poemas a que deu o título de "Sentimentos", a que se reter afectuosamente como "o meu menino".

Alguns dos seus poemas já estão a ser cantados em Fado.


Arminda Xavier teve a gentileza de me ofertar um exemplar do seu livro, que me deveras enterneceu, pois para mim os seu versos são a descrição da sua vida, das suas alegrias e amarguras como se uma auto-biografia se tratasse.

Pedidos a : Arminda xavier8300 [armindaxavier53@hotmail.com]

 

 AMIZADE

 

Amizade é uma semente

Que germina,ganha raiz

Quem não a tem, certamente

Dificilmente é feliz

 

A amizade é uma semente

Ganha raiz ao germinar

é algo que agente sente

Que faz o mundo girar

 

No convívio dos amigos

num agradável jantar

torna os humanos unidos

é mais fácil o caminhar

 

caminhando nesse sentido

abrindo os braços á amizade

é meio caminho percorrido

ser amigo é ser verdade

 

ter amigos é uma dádiva

Que o universo nos oferenda

São ouvintes,confidentes

Ter amigos é uma prenda


È uma prenda sem laços

não tem fita colorida

São presos pelos abraços

Que nos confortam a vida

 

Arminda Xavier


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Bonitos poemas
publicado por Vítor Marceneiro às 15:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 14 de Abril de 2013

JULIETA FERREIRA - ROSTO DO MEU POVO

Ama Lisboa... Escreve amando Lisboa...

 

 

 

Julieta Ferreira nasceu em Lisboa em 1952.

 

Desde criança sentiu uma grande paixão pela leitura e pela escrita.

Licenciou-se em Filologia Românica na Universidade de Lisboa.

Em 1983, emigrou para a Austrália, onde começou por trabalhar como tradutora e intérprete.

Em 1987 foi convidada para leccionar Língua e Cultura Portuguesa na Universidade de Queensland, Brisbane, onde se manteve até 1999.

Compilou e publicou um Curso de Língua Portuguesa para principiantes e organizou várias conferências para divulgação da História e Cultura de Portugal.

É muito entusiasta por tudo o que é português e, desde que tem estado ausente do seu país, tem apreciado ainda mais as suas origens, na sua visita a Portugal, em 2005, surgiu a inspiração para a escrita de “Regresso a Lisboa” concretizando assim um sonho antigo. Este seu primeiro romance, de carácter autobiográfico, é a expressão de um amor muito intenso pela pátria e, em particular, por Lisboa.

Em 2007, publicou o seu primeiro romance de ficção, “Sem ponto final”, assim como um livro de poesia, “Pedaços de mim”. Em 2010 voltou a publicar,  "O Outro Lado do Silêncio"

 in:http://julieta-ferreira.com/




 

 

ROSTO DO MEU POVO

Nas nossas ruas, ao anoitecer,
Há tal soturnidade, há tal melancolia,
Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia
Despertam-me um desejo absurdo de sofrer.

Para Cesário, a cidade revelava-se melancólica e opressora. Era um espaço que o limitava e constrangia. Com vinte e cinco anos, nos finais do século dezanove, o poeta sente-se como que diminuído e oprimido pelo ambiente citadino. Existe nele uma ânsia de evasão que não consigo deixar de comparar ao melancolismo mórbido e alucinatório do rei-menino quinhentista.

Essa mesma tristeza profunda e patológica reaparece noutros autores, atingindo um ponto máximo na complexidade poética do mestre do século passado. Pessoa passeava pela cidade e sentia na alma a ‘negra bílis’ dos lisboetas.

 

Ah quanta melancolia!
Quanta, quanta solidão!
Aquela alma, que vazia,
Que sinto inútil e fria
Dentro do meu coração!

 

Há quem afirme que a melancolia se teria instalado, de forma definitiva, nos portugueses, a partir da nefasta e incongruente derrota em Alcácer Quibir. Ou então teria sido herdada dos Mouros e dos seus cânticos que permaneceram em Lisboa, depois da reconquista cristã. O Fado, de origem obscura, segundo algumas teorias, teria sido proveniente desses cânticos e daí o seu carácter dolente e melancólico. Seja como for, o certo é que a nostalgia, desilusão e resignação assaltam e invadem o nosso povo. Os poetas, melhor do que ninguém, entenderam esses sentimentos e expressaram-nos de formas variadas. Como eles, eu tenho sentido, na pele e na alma, esta maneira tão lusitana de sermos e estarmos no mundo. Mas, ao contrário de Cesário ou Pessoa, a cidade dispersa a minha melancolia e serena a minha nostalgia. Em mim, a desilusão surge da vontade de permanência, ao invés de fuga. E tão pouco me resignarei a um destino, enquanto continuar a acreditar nas infinitas leis do Universo e na minha inabalável determinação.

Ao palmilhar Lisboa, saboreando e sorvendo as nuances com que ela sempre me surpreende, em cada viela, praça ou esquina, eu vejo o rosto do meu povo. E vejo-o com esse vagar, emoção e deslumbramento, ausentes nas faces e vidas dos lisboetas. Pressurosos, desinteressados ou decepcionados, deixaram há muito de olhar a sua cidade e de se reconhecerem, dentro dela. Olho os pedintes de corpos chagados e andrajosos, na entrada das igrejas, e oiço as suas lamúrias. As mulheres prenhes e mal cheirosas, de criança chorosa, nos braços cansados. O homem de face enrugada e mãos calejadas que tacteia o lajedo com a bengala vacilante. Escuto o zunido dos homens, discutindo futebol e bebericando ginjinha, no Largo de São Domingos. Observo os velhos, aos magotes, de chapéu às três pancadas, atentos ao naipe de cartas, pés pesados sobre o relvado, no centro da Alameda.

 

É meu e vosso este fado
Destino que nos amarra
Por mais que seja negado
Às cordas de uma guitarra

Sempre que se ouve o gemido
De uma guitarra a cantar
Fica-se logo perdido
Com vontade de chorar

Ó gente da minha terra
Agora é que eu percebi
Esta tristeza que trago
Foi de vós que a recebi

 

Regresso sempre a Lisboa com a mesma e renovada fascinação, que porventura teria trazido Ulisses de volta, seduzido pela doçura e claridade deste pedaço de terra, no jardim da Europa, à beira-mar plantado.

Esta é uma cidade que deve ser vista a pé. Deve ser sentida no pisar firme das suas pedras de calcário e granito, no cheirar cativo dos seus aromas que se misturam numa simbiose invulgar, no olhar demorado pelas suas fachadas seculares, na contemplação envaidecida dos seus bairros sem igual e no apreciar da sua luz que nos aquece por dentro.

Por toda a parte nos deparamos com contrastes, onde o passado se afirma constantemente, remetendo-nos para épocas gloriosas e feitos singulares. Nos azulejos, pelos miradouros, ou nas estátuas de mármore ou bronze a eternizar os que se distinguiram nas letras ou artes e nos deixaram um espólio riquíssimo, eu continuo a ver e a venerar o rosto multifacetado do meu povo. Sinto orgulho em ser portuguesa e em ter nascido nesta cidade!


Mais sobre Julieta Ferreira neste blogue:


http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/78971.html

http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/211797.html

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 23:00
link do post | comentar | favorito

José Nunes homenageia Artur Ribeiro e LISBOA

Ficha Técnica:

Imagem , montagem e sonorização: Vítor Duarte Marceneiro

Execução musical por: José Nunes

Temas: Lisboa -música de Raúl Ferrão para o poema de Artur Ribeiro

             Rosinha dos Limões -  Música de Artur Ribeiro

             Lisboa não sejas Francesa - Raúl Ferrão

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Variações
música: Temas de Artur Ribeiro
publicado por Vítor Marceneiro às 10:22
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 9 de Abril de 2013

Homenagem a Alfredo Marceneiro - Cadaval

O FADO EM DIVULGAÇÂO


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fado Património
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Abril de 2013

Fado é noticia na TVLocal no Cadaval

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fado em Informação
publicado por Vítor Marceneiro às 22:26
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 1 de Abril de 2013

Vítor Marceneiro fala da Homenagem a Marceneiro no Cadaval

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Que Alegria
publicado por Vítor Marceneiro às 18:13
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags