Sábado, 25 de Maio de 2013

Tristão da Silva Júnior

 

Nasceu a 5 de Janeiro de 1948, no Bairro da Mouraria, em Lisboa. 

O seu avô paterno, sócio e dirigente de várias Colectividades lisboetas, iniciou-o no fado, com três anos de idade, participou num concurso infantil na “Casa das Beiras” tendo ficado em 2.º lugar e foi assim que começou a preparar-se para uma carreira artística, que o levaria aos 10 anos de idade, a estrear-se na televisão, cantando nas matinés infantis, tendo sido na época o mais jovem cantor a actuar na televisão portuguesa.
Aos doze anos, começou a cantar no "SOLAR DA HERMÍNIA", onde esteve a actuar durante mais de uma década.
Com quinze anos, conheceu o grande locutor Victor Marques, que lhe proporcionou a sua primeira gravação para a Rádio Renascença.

Em 25 de Abril de 1964,  no então Pavilhão dos Desportos,  se estreou-se como profissional, tendo sido convidado para actuar no espectáculo comemorativo das “Bodas de Prata” do famoso Marques Vidal.
Em 1965, foi  o artista mais novo a actuar no Casino Estoril, como também foi o artista mais jovem a pertencer aos quadros da Emissora Nacional, tendo participado em vários programas, incluindo diversos “Serões para Trabalhadores”. Ainda em 1963, gravou o seu primeiro Disco para a etiqueta Alvorada.
Durante a sua carreira gravou 22 discos para diversas editoras: Alvorada, Estúdio, Valentim, Polygram ,Tecla, Discossete, Orfeu e Metro-Som.
Ao longo da sua carreira actuou em diversas casa de fados em Lisboa e Porto, destacando-se: “O Faia", "Adega Machado", "Solar Da Hermínia", "Parreirinha de Alfama", "Nau Catrineta", “O Poeta", "A Toca de Carlos Ramos", "Tipóia", “A Viela", entre muitos outros, e em diversos Casinos, com destaque para os do Estoril, Póvoa de Varzim, Figueira da Foz e Armação de Pêra. Substituiu o seu pai Tristão da Silva, vários dias, na Revista "Férias em Lisboa" no Teatro Monumental.
Em 1993, actuou em New Bedford, numa homenagem que lhe fizeram a propósito da sua carreira artística.
Ao Longo da sua carreira actuou em grandes espectáculos ao lado de artistas famosos como: Charles Aznavour, Gilbert Bécaud, Sylvie Vartan, Joselito, Cliff Richardes, Roberto Carlos, Nelson Ned, Julie Andrews ( no Radio City Hall, em Nova Iorque) , Louis Armstrong (no Casino da Madeira), entre outros.
Na sequência de um grave acidente de viação, que lhe provocou cegueira temporária, e que o impediu de actuar, foi forçado a retirar-se da vida artística profissional, tendo-se tornado bancário, profissão da qual se aposentou em 1998.

Em 1999 regressa à actividade profissional, tendo gravado o disco "Posso Viver de Saudade” que  atingiu a 5ªedição.

É de assinalar que participou no CD "Vedetas do Fado 2", como principal vedeta.Participou em muitos programas televisivos de grande audiência, nos quatros Canais da Televisão Portuguesa, na televisão Brasileira, Americana e Canadiana. Ao longo da sua Carreira já realizou espectáculos, não só em Portugal Continental, nos Açores e na Madeira, mas também em Espanha, França, Inglaterra, Canadá, Estados Unidos da América, Jamaica, Brasil e Angola.
No ano 2000, foi o artista português que mais discos vendeu nas Comunidades Portuguesas do Rio de Janeiro, tendo sido galardoado com o título de melhor artista português do ano. Em 2004, gravou o seu último trabalho discográfico: "Lisboa, Tejo e Céu" que atingiu assinalável sucesso. Depois de um problema de saúde,  em 2012  retomou a sua carreira artística.

 (Texto cedido pelo próprio)


Sou amigo e admirador  do Tristão da Silva Jr. como fui de seu pai com quem tive a honra de cantar  na reabertura do Café Luso, quer meu avô e meu pai tinham por ela uma amizade e estima. Cantámos juntos em várias colectividades e brevemente para minha satisfação aceitou o meu convite para abrilhantar no dia 8 de Junho em Figueiros no Cadaval a primeira noite de Fados organizada pela Associação Cultural de Fado "O Patriarca do Fado" e em 29 de Junho no Largo da Igreja de Santa Isabel no Bairro de Campo de Ourique em Lisboa.


Tristão da Silva Jr. canta:

"Viela" 

Letra de Guilherme Pereira da Rosa

Música  Fado Cravo de Alfredo Marceneiro


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Ah! Fadista
música: Viela
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Maio de 2013

Alfredo Marceneiro - Os primeiros passos no Fado

 

A primeira vez que Alfredo vai ouvir cantar o fado, em recinto adequado, foi na Rua do Poço dos Negros, no Beco dos Carrascos, onde actuavam conhecidos fadistas de então que, por serem gente de trabalho, cantavam por amor à arte. Os acompanhamentos musicais nessa época eram feitos ao piano, com bandolim, ou com guitarras.

Mas foi no «14» do Largo do Rato, antiga casa de jogo e que o dono transformou em «cabaret» quando os jogos de azar foram proibidos, que o jovem Alfredo começou a ser mais conhecido no meio fadista, sendo frequentemente convidado a cantar alguns «fadinhos», cujos versos ele mesmo improvisava. Outros versos que também cantava, letras de qualidade literária e poética muito fracas, eram adquiridos nos quiosques pelo preço de um vintém.

Aqui travou conhecimento com alguns dos poetas populares e grandes fadistas de nomeada daquela época, nomeadamente, o Britinho, estucador, o Soares, do Intendente, o Júlio Proença, estofador, o João Mulato, o Chico Viana, o Jorge, caldeireiro, o Fernando Teles e tantos outros, todos peritos de Fado, que não tardaram em ver no jovem Alfredo um verdadeiro fadista. Como manifestação desse reconhecimento começaram a dar-lhe algumas das suas criações poéticas para que ele as cantasse.

O fado era uma canção de revolta e/ou de amor. Era a história do operário que ficava sem uma perna, sem um braço, ou que era despedido e ficava na miséria, era a história da rapariga que vinha do campo e se perdia nas vielas, era a história do órfão abandonado. Era também a história do amor inflamado pela esperança ou pela desilusão.

É certo que havia letras de fados bastante «lamechas», mas Alfredo tinha a intuição natural de saber escolher de entre os melhores poemas que os poetas da altura escreviam, utilizando sempre o seu dom de bem-dizer e de correctamente dividir as orações gramaticais, o que decerto contribuiu, a par com o seu estilo musical, para a sua enorme popularidade.

As deambulações pelos retiros de Fado continuam e certo dia foi convidado para uma «patuscada» no Carioca da Trindade, mais conhecido por "Coimbra", situado no Largo da Abegoaria, hoje Largo Rafael Bordalo Pinheiro. Alfredo cantou e foi aplaudido com bastante entusiasmo, tendo havido alguém que, quando ele cantou o "Fado Dois Tons", com invulgar sentimento, não resistiu a ir abraçá-lo e, com os olhos rasos de lágrimas, apresentando-se, disse:

— Você não me conhece, mas de hoje em diante faço questão de ser seu amigo, pois comoveu-me profundamente ouvi-lo cantar. Chamo-me Manuel Rêgo, sou poeta, escrevo letras para fado e terei muito gosto em dar-lhe alguns dos meus poemas.

Assim começou uma amizade que durou anos, tendo Manuel Rêgo escrito para Alfredo Duarte alguns poemas para o seu repertório.

Quando Manuel Rêgo adoeceu, logo Alfredo, com outros elementos, lhe organizou uma festa de solidariedade, como homenagem ao poeta e amigo.

E num dia, que nunca mais esqueceu, disseram-lhe que o seu amigo Manuel Rêgo tinha falecido, vítima de uma «galopante». Sucumbido com a notícia, que lhe parecia inacreditável, Alfredo ficou de tal forma sentido que durante dois dias não saiu de casa.

Quando voltou à oficina, decidiu fazer uma cruz em madeira e foi ao cemitério colocá-la na campa onde jazia o amigo. Era uma homenagem singela, mas não a última pois continuou pela vida fora homenageando-o ao cantar os seus versos e, acima de tudo, mantendo-o bem vivo na sua memória, tal como vezes sem conta o referiu.

Eis o exemplo de um de fado, considerado patriótico, mas do género do que se escrevia após a primeira Grande Guerra Mundial.

 

" ASSOMO DA RAÇA "

 

Enquanto o Mundo, cobarde,

Precipita com rancor

Numa trágica odisseia,

Na escola, ao cair da tarde

O velhinho professor

Fala aos rapazes da aldeia!

 

«Sabeis vós o que é a guerra,

«Essa hecatombe terrível

«De que fala todo o Mundo?

«É ver os homens, na terra,

«Em luta medonha, horrível,

«Num ódio torvo e profundo!

 

«Vai-se p´ra a guerra contente,

«Patriotismo exaltado

«Na fé baixa da vingança!

«Mas, regressa-se descrente,

«Cego, doido ou mutilado,

«Velho, até, se foi criança...

«Contra a guerra e contra tudo

«O que no mundo a consente!

 

Brada o professor por fim; 

 

5

 


    Mas o CHICO miúdo,

   Uns quatro palmos de gente

   Levantou-se e disse assim:

 

«Seja a Guerra obra do mal,

«Duro flagelo, não nego,

«Diga-se o que se disser...

«Se alguém quiser Portugal

«Fique mutilado ou cego

«Eu tenho de defender!

 

 

E o gesto desse rapaz,

Que oito séculos de História

Obrigavam a falar,

Mostrou bem do que é capaz

O Povo de maior Glória,

LIVRE NA TERRA E NO MAR

 

© Vítor Duarte Marceneiro in “Recordar Alfredo Marceneiro”

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Orgulho nas origens
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Maio de 2013

A Casa da Mariquinhas - O Leilão da Mariquinhas

 

 

A CASA DA MARIQUINHAS

Foram muitos os temas que Alfredo Marceneiro cantou, mas, de entre todos eles, houve um que teve  grande êxito com versos  da autoria do grande jornalista e poeta Silva Tavares e que foi, aliás, considerado o "ex-libris" das suas criações, " A Casa da Mariquinhas".
 Todos os que o escutavam, eram unânimes em afirmar que os versos que Silva Tavares escreveu, quando cantados pelo Alfredo, "viam imagens reais". Marceneiro, numa ideia genial, decide  demonstrar a todos que, também no seu ofício, é um mestre e na escala de 1/10 constroi em madeira a Casa da Mariquinhas, recriando todos os pormenores que são descritos nos versos do fado.


Alfredo Marceneiro canta

A Casa da Mariquinhas



 "CASA DA MARIQUINHAS"

 

                                         É numa rua bizarra 
                                         A casa da Mariquinhas
                                         Tem na sala uma guitarra
                                         Janelas com tabuínhas.

 

Vive com muitas amigas
Aquela de quem vos falo
E não há maior regalo
De vida de raparigas
É doida pelas cantigas
Como no campo a cigarra
Se canta o fado á guitarra
De comovida até chora
A casa alegre onde mora
É numa rua bizarra

 

                                                 Para se tornar notada
                                                 Usa coisas esquisitas
                                                 Muitas rendas, muitas fitas
                                                 Lenços de cor variada
                                                 Pretendida e desejada
                                                 Altiva como as rainhas
                                                 Ri das muitas, coitadinhas
                                                 Que a censuram rudemente
                                                 Por verem cheia de gente
                                                 A casa da Mariquinhas

 

É de aparência singela
Mas muito mal mobilada
No fundo não vale nada
O tudo da casa dela
No vão de cada janela
Sobre coluna, uma jarra
Colchas de chita com barra
Quadros de gosto magano
Em vez de ter um piano
Tem na sala uma guitarra

 

                                                  Para guardar o parco espólio
                                                  Um cofre forte comprou
                                                  E como o gás acabou
                                                  Ilumina-se a petróleo
                                                  Limpa as mobílias com óleo
                                                  De amêndoa doce e mesquinhas
                                                  Passam defronte as vizinhas
                                                  Para ver oque lá se passa
                                                  Mas ela tem por pirraça
                                                 Janelas com Tabuinhas

 

O tema  " A Casa da Mariquinhas ", teve tal êxito, que levou  outros poetas a se basearem nele, Linhares Barbosa, Carlos Conde e Dr. Lopes Victor,  compondo outras versões igualmente cantadas por Marceneiro:

O poeta João Linhares Barbosa, escreveu:


Vítor Duarte Marceneiro canta

O Leilão da Mariquinhas



O LEILÃO DA MARIQUINHAS

 

                                        Ninguém sabe dizer nada
                                        Da famosa Mariquinhas
                                        A casa foi leiloada
                                        Venderam-lhe as tabuinhas

 

Ainda fresca e com gagé
Encontrei na Mouraria
A antiga Rosa Maria
E o Chico do Cachené
Fui-lhes falar, já se vê
E perguntei-lhes, de entrada
P´la Mariquinhas coitada?
Respondeu-me o Chico: e vê-la
Tenho querido saber dela
Ninguém sabe dizer nada.

 

                                                  E as outras suas amigas?
                                                  A Clotilde, a Júlia, a Alda
                                                  A Inês, a Berta e a Mafalda?
                                                  E as outras mais raparigas?
                                                  Aprendiam-lhe as cantigas
                                                  As mais ternas, coitadinhas
                                                  Formosas como andorinhas
                                                  Olhos e peitos em brasa
                                                  Que pena tenho da casa
                                                  Da formosa Mariquinhas.


Então o Chico apertado
Com perguntas, explicou-se
A vizinhança zangou-se
Fez um abaixo assinado,
Diziam que havia fado
Ali até de Madrugada
E a pobre foi intimada,
A sair, foi posta fora
E por more de uma penhora
A casa foi leiloada.

 

                                                 O Chico foi ao leilão
                                                 E arrematou a guitarra
                                                 O espelho a colcha com barra
                                                 O cofre forte e o fogão,
                                                 Como não houve gambão
                                                 Porque eram coisas mesquinhas
                                                 Trouxe um par de chinelinhas
                                                 O alvará e as bambinelas
                                                 E até das próprias janelas
                                                 Venderam-lhe as tabuinhas.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Duas Gerações
música: A Casa e o Leilão da Mariquinhas
publicado por Vítor Marceneiro às 19:06
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Maio de 2013

ALFREDO MARCENEIRO - As Cegadas

As cegadas eram a maior diversão popular da época e até meados de 1926 constituíram a febre máxima da gente humilde

Em 1908, com dezassete anos, consegue almejar o seu grande sonho: sair numa cegada.

O papel que lhe é dado não é de grande destaque, pois os principais personagens são entregues aos mais experientes.

Como nas cegadas não era permitido a actuação de mulheres, este seu primeiro papel é de "travesti". Esta cegada foi adaptada de um filme mudo com o título " O Duque de Guise", pelo poeta popular Henrique Lajeosa, fazendo Alfredo o papel de amante do Duque. 

Noutras cegadas entrou, mas a que mais o celebrizou, na época foi da autoria do grande poeta popular Henrique Rêgo, intitulada "Luz e Sapiência", que tinha como conceito poético um despique entre dois personagens: um Toureiro e um poeta — dois tipos diferentes de arte —, em que o poeta compara o matador de touros a um simples magarefe. No papel do poeta, Alfredo atingiu grande êxito, emocionando todos quantos o ouviram. É de realçar que, até ao fim dos seus dias, Alfredo Duarte     ainda era capaz de recitar, não só todo o seu papel nesta cegada, como o dos outros intervenientes.

Alfredo teve sempre o gosto pela arte de representar e gostaria de ter sido actor profissional, mas a vida reservou-lhe outro destino. No entanto, ainda chegou a pisar um palco de teatro, só que ligado ao Fado, através da sua participação na opereta "História do Fado", que teve lugar no Coliseu dos Recreios, contracenando com Beatriz Costa e Vasco Santana.

 

© Vítor Duarte Marceneiro in “Recordar Alfredo Marceneiro”

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Outros tempos Outras Cegadas
música: As Cegadas
publicado por Vítor Marceneiro às 18:46
link do post | comentar | favorito
Sábado, 11 de Maio de 2013

Margarida Bessa

 

Maria Margarida de Paula Bessa , nasceu em Lisboa.

Licenciada em Germânicas, Margarida Bessa começou por cantar em festas de amigos, m até que um destes,  fez chegar à RTP uma cassete gravada em casa, foi o passaporte para concorrer ao Grande Prémio do Fado RTP em  1993, que venceu “exequo” com Luís Almada.

Exerceu o cargo de directora de marketing da Effem em Lisboa, mas a música falou mais alto, e decidiu  optar pela carreira de fadista a partir do ano de 1995.

Edita em 1995 o seu primeiro álbum, o segundo álbum foi  editado em 1997, em 2005, surge um CD,  onde canta poemas de José Niza, que incluí 13 temas e Niza assina além de "Nocturnos", "Um olhar sobre Lisboa" (Maluda) que Margarida Bessa interpreta na música do Fado Franklin.

Acerca da fadista José Niza salienta o "belo timbre" e a "voz diferente", o que lhe dá "uma expressão e uma forma própria de cantar" onde se notam "algumas referências de Maria Teresa de Noronha".

Hoje divulga o seu repertório entre espectáculos e gravações, sempre com o maior acolhimento do público.

A sua grande paixão para além da música é a protecção aos animais domésticos abandonados.

(texto da própria)


Video-Clip, Martgarida Bessa canta:

Lisboa Vai, Lisboa Vem

 

 

In: Find Out - 8ª Edição 2013
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
música: Lisboa Vai, Lisboa Vem
publicado por Vítor Marceneiro às 14:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Maio de 2013

ARGENTINA SANTOS

MARIA ARGENTINA PINTO DOS SANTOS, nasceu em Lisboa, na Mouraria (fre­guesia do Socorro), a 6 de Fevereiro de 1926.

Desde 1950 que se mantém à frente do seu restaurante típico “A Parreirinha de Alfama”, também conhecida antigamente com (Cantinho da Amália), sendo considerada uma excelente cozinheira.

Argentina Santos só iniciou a sua carreira artística depois da aber­tura do seu restaurante, cantando com sucesso para os frequentadores da casa. De facto, graças à autenticidade das suas interpretações e a um estilo muito pessoal, logo se impôs como uma das mais dotadas e prometedoras fadistas da época, tornando-se desde então, muito apreciada como intérprete do fado clássico, na linha das cantadeiras afamadas do passado.

Pela Parreirinha de Alfama passaram as mais consagradas cantadeiras de fado, aliás as paredes estão decoradas com molduras com as fotos de todas elas. Homens só Marceneiro e Júlio Peres.

Os fados As Duas Santas (letra de Augusto Martins e música do Fado Franklin) e Juras (letra de Alberto Rodrigues e música de Joaquim Campos) foram, entre outros, grandes êxitos seus.

Gravou o seu primeiro disco em 1960 cantando conhecidas composições como Chafariz do Rei, Quadras (de António Botto), Naquela Noite, Em Janeiro, Amar Não é Pecado, Dito por Não Dito, Passeio Fadista, A Grandeza do Fado, Não Me Venhas Bater à Porta, Mágoas Com a Vida, Reza, Quadras Soltas e Os Meus Passos.

Tendo-se embora confinado às suas actuações na Parreirinha de Alfama e a uma ou outra intervenção em festas públicas e particulares, Argentina Santos não deixou, por isso, de se tornar conhecida e apreciada como cantadeira castiça.

Nas últimas décadas tem tido umas deslocações ao estrangeiro, onde também tem agradado.

Na 1º Gala dos *Prémios Amália Rodrigues, foi agraciada com o prémio carreira.

Em 2011 Argentina Santos, retira-se para a Casa do Artista.

 

Argentina Santos e Alfredo Marceneiro

 

 

Anúncio da "Parreirinha de Alfama" no Jornal a Voz de Portugal de Janeiro de 1959

em que se verifica que se apelidava também de (Cantinho da Amália)

 

 

Berta Cardoso, Alfredo Marceneiro, Lina Maria Alves (a fadista que há mais anos foi residente na Parreirinha) e o guitarrista Acácio Gomes

 

 

Caricatura de Argentina Santos da autoria

do Dr. Francisco Faria Pais

oferecida à Associação Cultural de Fado "O Patriarca do Fado"

Protegida por Direitos Autorais

 

Argentina Santos, entrou no filme "Fados"  interpretando um "Fado Menor" .

 


Para a feitura do referido filme o erário público contribuiu com um milhão de euros, para considerar este apoio como de interesse de Lisboa, do Fado e de Portugal  a EGEAC, fez várias exigências, destaco só os seguintes considerandos:

  •  Considerando que este projecto contribui, de forma inequívoca, para a promoção da Cidade de Lisboa, dado que as suas filmagens decorrerão, na íntegra, nesta Cidade;
  •  Considerando que este projecto reúne as condições para a fixação de um rigoroso testemunho cinematográfico sobre o universo do Fado, como instrumento de afirmação da nossa identidade cultural e de internacionalização do Fado e da Cidade de Lisboa;
  •  Considerando que a EGEAC tem como missão criar um perfil nacional e internacional de Lisboa enquanto montra de património, espectáculos, cultura e entretenimento, por forma a atrair eventos de prestígio, garantir apoio adequado aos promotores e proporcionar uma oferta diversificada aos públicos da capital;

Há indicações que o filme foi visto por milhares de pessoas, foram includivé editados mais de 11.000 DVD, (não foram pagos os direitos de autor nem os direitos conexos).

 Pergunto a quem viu o filme?.

Para além das imagens que são utilizadas em sistema de "chroma key" e só nos  dois "telediscos" de CC, que poderão ou não identificar Lisboa, onde está a promoção á cidade?! 

Em que locais da cidade foram feitas todas as filmagens, que como  parece tinha sido acordado, inclusive sabe-se que acabou por ser montada nos estúdios em Madrid, uma réplica da "Casa de Fados" que havia no Museu do Fado, onde actuaram os outros intervenientes?!

Haverá mais perguntas a fazer, muitas mais, e não tenho dúvidas que venham a ser feitas, nomeadamente se o erário público já recuperou o dinheiro empregue face ao êxito apregoado do Filme,  e já afirmado  em jornais, que o investimento já estava recuperado e dar lucro... veremos. 

Aqui estou a apresentar o videoclip inserido no filme em que a Argentina Santos canta... pasme-se, sobre um fundo de cor em imagem parada com 4 planos, ao invés do que a própria já confessou, e é de todo sabido, que seria filmada a cantar na sua casa " A Parreirinha de Alfama"!

Não uso toda imagem movimento, e uso só quatro "imagens fixas" exemplificativas de cada um dos planos.

Como é possível que os cineastas deste país estejam calados com tudo isto?

Como é possivel que alguém diga que este filme divulga Lisboa, que o Fado na sua essência, mormente o valor dos fadistas que nele entraram?

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas de antigamente
música: Volta Atrás Vida Vivida
publicado por Vítor Marceneiro às 14:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Maio de 2013

Procissão da Senhora da Saúde

 

Quadro do Mestre Real Bordalo da Igreja de Nossa Senhora da Saúde

 

 

IGREJA DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE
A Ermida de Nossa Senhora da Saúde - melhor é classificá-la assim - situa­-se no Bairro da Mouraria, na Rua Martim Moniz, local antigamente situado fora de portas. Constituía um dos encantos populares religiosos de Lisboa do século passado e que perdurou até à República.
No início do século XVI (1506), . terá sido construída uma ermida dedicada a S. Sebastião, mártir romano do final do século III, cujo culto se estendeu rapidamente por todo o mundo cristão depois de proclamado patrono de Roma pelo Papa Gregório Magno (590-604), devido à epidemia que grassou naquela cidade por mais de trinta anos.
Em Portugal foi objecto de uma devoção muito viva, como advogado contra os males da peste, da fome e da guerra. Entre nós, a peste tinha feito centenas de vítimas em 1506, e a construção da igreja foi da iniciativa dos artilheiros (na altura, bombardeiros) da guarnição de Lisboa. Por Alvará de 27 de Maio de 1647, «foi determinado que a cada um dos condestáveis que assentassem praça para servir na India se tirassem 400 réis e aos artilheiros 200 réis para se refazer do necessário para o culto da Ermida de S. Sebastião», que lhes teria sido doada pela Rainha D. Catarina, viúva de D. João III.
Contínuas epidemias surgiram no Reino e uma muito grande que vitimou milhares de pessoas, no ano de 1569, chegou a fazer mais de 500 vítimas por dia, obrigando o Rei D. Sebastião e sua avó, a Rainha D. Catarina, a afastarem-se para Sintra.
O Rei D. Sebastião (nascido em Lisboa a 20 de Janeiro de 1554, no dia litúrgico de D. Sebastião) em 16 de Outubro de 1569 escreveu ao Senado de Lisboa no sentido de se proceder à edificação de um templo dedicado àquele santo, e por outra carta, datada de 28 de Dezembro do mesmo ano, autorizava que o templo fosse levantado no sítio da Mouraria, onde já se encontrava a ermida.
No ano de 1570, Lisboa foi de novo ameaçada por peste, e o próprio Senado dirige uma petição a D. Sebastião, que se encontrava em Salvaterra de Magos, para que se faça uma cerimónia religiosa com toda a solenidade, devoção e demonstração de reconhecimento a Nossa Senhora da Saúde, por a epidemia não ter progredido.
Em 20 de Abril de 1570, realiza-se a primeira procissão de Nossa Senhora da Saúde, cuja imagem se encontrava no oratório do Colégio dos Meninos Órfãos, formando-se então a respectiva Irmandade.
A imagem continuou no Oratório, fazendo-se todos os anos a procissão em data que caía na terceira quinta-feira de Abril, até 1908, ininterruptamente durante trezentos e trinta e dois anos.
Devido à proclamação da República, a procissão deixou de se efectuar durante trinta e dois anos, até que em 1940 se reatou a tradição, vindo a quebrar-se novamente de 1974 a 1981.
No início, o percurso era da Mouraria até ao Convento de S. Domingos, com regresso ao Colégio dos Meninos Órfãos. Em 1661, por desinteligência entre os administradores do Colégio dos Meninos Órfãos e a Irmandade de Nossa Senhora da Saúde, esta pensou construir capela própria.
Os artilheiros (bombardeiros) que possuíam a sua ermida votada a S. Sebastião, na Mouraria, ofereceram então guarida à Irmandade de Nossa Senhora da Saúde, que a aceitou, com a condição de a ermida passar a chamar-se de Nossa Senhora da Saúde e de a imagem ficar colocada no altar principal. As duas Irmandade fundiram-se depois numa única - a Associação da Senhora da Saúde e de S. Sebastião - aprovada
pelo Papa Alexandre VII, e em 20 de Abril de 1662 a imagem da Senhora da Saúde, após a procissão, entrou definitivamente na sua casa da Mouraria.
A ermida de Nossa Senhora da Saúde teve a protecção, não só de reis, rainhas e príncipes, mas também de fidalgos, militares e beneméritos.
D. Pedro V, em 1861, elevou a ermida à dignidade de Capela Real. A Condessa d'Elba, viúva do Rei D. Fernando II, criou, em 20 de Maio de 1871 a Real Irmandade de Santo António Lisbonense, erguida na Real Capela de N." S.a da Saúde.

                             

      (1)     (2)    

(1) Vista da Procissão da Senhora da Saúde em desfile na Rua da Madalena

(2) O andor com a imagem de Nossa Senhora da Saúde

 

 Ver complemento em:

http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/159397.html

 

Alfredo Marceneiro canta

Há Festa na Mouraria

na versão de António Amargo



 

HÀ FESTA NA MOURARIA

 

Letra de: António Amargo

  

Desde manhã os fadistas 

Jaquetão calça esticada 

Se aprumam com galhardia

Seguem as praxes bairristas

 É data santificada

 Há festa na Mouraria

 

 

Toda aquela que se preza

De fumar falar calão 

Pôr em praça a juventude 

Nessa manhã chora e reza 

É dia da procissão 

Da Senhora da Saúde

 

Nas vielas do pecado

Reina a paz tranquila e santa

Vive uma doce alegria 

À noite é noite de fado 

Tudo toca tudo canta 

Até a Rosa Maria

  

A chorar de arrependida 

A cantar com devoção

Numa voz fadista e rude

E aquela Rosa perdida

Da Rua do Capelão

Parece que tem virtude


A versão de Gabriel de Oliveira que também foi composta para o repertório de Alfredo Marceneiro, e que foi gravado por Amália Rodrigues

Video-Clip de Amália a cantar

Senhora da Saúde - Há Festa na Mouraria

Video postado por Américo Pereira


"SENHORA DA SAÚDE" - HÁ FESTA NA MOURARIA
 
Repertório de Alfredo Marceneiro
Poema: Gabriel de Oliveira  -  Música: Alfredo Marceneiro
 
Há festa na Mouraria,
É dia da procissão
Da Senhora da Saúde.
Até a Rosa Maria,
Da Rua do Capelão,
Parece que tem virtude.
 
Colchas ricas nas janelas,
Pétalas soltas no chão,
Almas crentes, povo rude.
Anda a fé pelas vielas,
É dia da procissão
Da Senhora da Saúde.
 
Após um curto rumor,
Profundo silêncio pesa,
Por sobre o Largo da Guia.
Passa a Virgem no andor,
Tudo se ajoelha e reza,
Até a Rosa Maria.
 
Como que petrificada,
Em fervorosa oração,
É tal a sua atitude,
Que a rosa já desfolhada,
Da Rua do Capelão,
Parece que tem virtude.
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grandes Tradições Fadistas
música: Há Festa na Mouraria e Senhora da Saúde
publicado por Vítor Marceneiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Maio de 2013

LISBOA A CIDADE MAIS CANTADA DO MUNDO...Cheira bem. cheira a Lisboa

Cheira bem. Cheira a Lisboa... e Digam lá que Lisboa não é a cidade mais cantado do Mundo, mas não confundam, como  os que tudo fizeram para matar este projecto, NÃO É A CANÇÃO MAIS CANTADA SOBRE UMA CIDADE NO MUNDO,  PORQUE ESSA É " NEW YORK" DE FRANK SINATRA.

MAS A CIDADE COM MAIS POEMAS NO MUNDO È LISBOA E CONSEQUENTEMENTE A MAIS CANTADA.

Este bogue está a atingir um milhão de visitantes, com cerca de mil páginas editadas,   que diáriamente são consultadas a  uma média de quatrocentas,  em TODA A PARTE DO MUNDO.

Não resta dúvidas a ninguém que eu AMO LISBOA, e os que tudo têm feito para que LISBOA não esteja no GUINNESS WORLD OF RECORDS, com este triunfo, desenganem-se.

 

Video de Wendy Nazaré & Pop´s

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Bravo
música: Lisboa- Wendy Nazaré & Pep´s
publicado por Vítor Marceneiro às 23:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 4 de Maio de 2013

DIA DA MÃE

 

 

O 1º Domingo do mês de Maio, foi convencionada ser o dia da mãe.

Em tempos de crise, como os que estamos a passar, mais difícil é para muitas mães, mas também para os pais, mas temos que torcer para que tudo se venha a recompor.


Saúdo as mães e mulheres de todo o mundo

 

Alfredo Marceneiro canta com música de sua autoria

e versos de Henrique Rego

AMOR DE MÃE

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Homenagem à mulher
música: Amor de Mãe
publicado por Vítor Marceneiro às 22:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Maio de 2013

Homenagem à "AVÓ MARIA"

 

Maria das Dores e Vítor Duarte


MÃE... com três letras apenas se escreve esta palavra, tal como PAI..., são palavras pequenas, mas como alguém já escreveu,  são aquelas que na VIDA, um  maior  significado têm.

Minha mãe partiu com 25 anos, tinha eu cinco anos, mas quando eu já sabia escrever, era à minha saudosa avò Maria,  que eu escrevia uma mensagem de amor de filho,  como se da minha mãe se tratrasse.

Este dia que foi durante muitos anos comemorado nos dias 8 de Dezembro. 

Saúdo as mães de todo o Mundo, com especial carinho para aquelas que acabam por passar os seus últimos dias de vida, ou sós nas suas casas, ou em lares, e tantas vezes esquecidas e desamparadas.

A solidão é muito triste, mas como deve ser angustiante a solidão de uma mulher que pariu um filho, ou que o criou, e no fim da vida estar só e abandonada,  por esse próprio filho.  

Cito estes versos de um poema da autoria de Linhares Barbosa e celebrizado por  Fernando Farinha.


P´las mãos de minha mãezinha

 Andei nos tempos de então

Hoje com está vélhinha

É ela que anda p´la minha

Faço a minha obrigação

 

 

De Henrique Rego. 

 

 

 

DA MULHER DESVENTURADA NINGUÉM FUJA

SE ELA ACASO UM FILHO TEM,

DEIXÁ-LA SER DESGRAÇADA

PORQUE A DESGRAÇA NÃO SUJA

O SANTO AFECTO DE MÃE


De Eugénio de Andrade o poema "MÃE", num Video-Clip

Produzido por Estúdios Raposa

Poema dito pelo meu meu amigo Luís Gaspar

 

 

 

Também com muito gosto tenho o prazer de vos apresentar dois poemas de dois amigos sobre o tema "MÂE"

 

Mãe

 

por Maria da Luz

 

Sinto falta de ti mãe

Do calor do teu colo

Onde me acolhias e me fazias

Sentir que o mundo estava todo ali

E me protegias

 

Sinto falta de ti mãe

Quando me abrias os braços

E eu para ti corria feliz

Inocente menina

 

Sinto falta de ti mãe

Quando me falavas baixinho

E eu adormecia pensando que ouvia

A voz de um anjo

 

Sinto falta de ti mãe

Agora que no teu peito

Me queria esconder da vida

E contar-te os meus segredos

As minhas dores

 

Sinto falta de ti mãe

Ter as tuas mãos no meu rosto

Os  teus beijos secando minhas lágrimas

A tua voz dizendo palavras doces

Embalando a tua menina

 

Agora mãe

Como eu queria que me abrisses os braços

Quais asas de um anjo que me levasse

Ao encontro de um outro anjo que me espera

E a ele me entregasses

E eu pudesse estar de novo em paz

Acreditar que era verdade

Quando me dizias,  que tudo estava bem

E eu era feliz

 

 

Do meu amigo Júlio Dias, que ao enviar-me este poema, não escondia o seu orgulho dizendo: Sabes Vítor a minha mãe foi uma das últimas varinas, que percorreu com a sua canastra à cabeça as ruas da nossa  Lisboa, apregoando ...Oh. Viva da Costa...

 

 

ATÉ AMANHÃ MINHA MÃE

 

por Júlio Dias


A TUA VIDA FOI SER VARINA,
COMEÇAS-TE DE PEQUENINA,
NO MERCADO DA RIBEIRA,
ENTOAVAS O TEU PREGÃO,
PARA PODERES GANHAR O PÃO,
POR ESSA LISBOA INTEIRA!

 

FOSTE ENVIADA POR DEUS,
AMASTE TODOS OS TEUS,
COM AMOR E DEVOÇÃO
E, NA HORA DA PARTIDA,
ÉS A MÃE MAIS QUERIDA,
GUARDADA NO MEU CORAÇÃO!

 

OBRIGADO MINHA MÃE,
QUE SOUBESTE SER ALGUÉM,
NUMA VIDA SÃ,
O TEU CAMINHO EU SIGO,
UM DIA IREI TER CONTIGO,
BOA NOITE E ATÉ AMANHÃ!

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Que saudades avó Maria
publicado por Vítor Marceneiro às 15:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags