Sábado, 28 de Setembro de 2013

NATÁLIA CORREIA

 

 

 

As premonições de Natália

 

"A nossa entrada (na CEE) vai provocar gravíssimos retrocessos no país, a Europa não é solidária com ninguém, explorar-nos-á miseravelmente como grande agiota que nunca deixou de ser. A sua vocação é ser colonialista".

 

"A sua influência (dos retornados) na sociedade portuguesa não vai sentir-se apenas agora, embora seja imensa. Vai dar-se sobretudo quando os seus filhos, hoje crianças, crescerem e tomarem o poder. Essa será uma geração bem preparada e determinada, sobretudo muito realista devido ao trauma da descolonização, que não compreendeu nem aceitou, nem esqueceu. Os genes de África estão nela para sempre, dando-lhe visões do país diferentes das nossas. Mais largas mas menos profundas. Isso levará os que desempenharem cargos de responsabilidade a cair na tentação de querer modificar-nos, por pulsões inconscientes de, sei lá, talvez vingança!"

 

"Portugal vai entrar num tempo de subcultura, de retrocesso cultural, como toda a Europa, todo o Ocidente".

 

"Mais de oitenta por cento do que fazemos não serve para nada. E ainda querem que trabalhemos mais. Para quê? Além disso, a produtividade hoje não depende já do esforço humano, mas da sofisticação tecnológica".

 

"Os neoliberais vão tentar destruir os sistemas sociais existentes, sobretudo os dirigidos aos idosos. Só me espanta que perante esta realidade ainda haja pessoas a pôr gente neste desgraçado mundo e votos neste reaccionário centrão".

 

"Há a cultura, a fé, o amor, a solidariedade. Que será, porém, de Portugal quando deixar de ter dirigentes que acreditem nestes valores?"

 

"As primeiras décadas do próximo milénio serão terríveis. Miséria, fome, corrupção, desemprego, violência, abater-se-ão aqui por muito tempo. A Comunidade Europeia vai ser um logro. O Serviço Nacional de Saúde, a maior conquista do 25 de Abril, e Estado Social e a independência nacional sofrerão gravíssimas rupturas. Abandonados, os idosos vão definhar, morrer, por falta de assistência e de comida. Espoliada, a classe média declinará, só haverá muito ricos e muito pobres. A indiferença que se observa ante, por exemplo, o desmoronar das cidades e o incêndio das florestas é uma antecipação disso, de outras derrocadas a vir"."

 

Natália Correia

 

Nota: Todas as citações foram retiradas do livro "O Botequim da Liberdade", de Fernando Dacosta.


Biografia:

Natália de Oliveira Correia nasceu na Fajã de Baixo na ilha de São Miguel – Açores, em 13 de Setambro de 1923.

Veio ainda criança estudar para Lisboa, iniciando muito cedo a sua actividade literária.

Importante figura da cultura portuguesa da segunda metade do século XX, notabilizou se como poetisa, ensaísta, romancista, passando pelo teatro e investigação literária, Natália foi também uma figura destacada da luta contra o fascismo. Vários livros seus foram apreendidos pela censura, tendo sido condenada a três anos de prisão com pena suspensa, por abuso de liberdade de imprensa. Foi também deputada depois do 25 de Abril e também nesse papel foi uma figura marcante e inesquecível.

Colaborou com frequência em diversas publicações portuguesas e estrangeiras.

Faleceu em Lisboa em 1993 no dia 16 de Março

A sua obra está traduzida em várias línguas.

Obras poéticas: "Rio de Nuvens" (1947), "Poemas" (1955), "Dimensão

Encontrada" (1957), "Passaporte" (1958), "Comunicação" (1959), "Cântico do

País Imerso" (1961), "O Vinho e a Lira" (1966), "Mátria" (1968), "As Maçãs

de Orestes" (1970), "Mosca Iluminada" (1972), "O Anjo do Ocidente à Entrada

do Ferro" (1973), "Poemas a Rebate" (1975), "Epístola aos Iamitas" (1976),

"O Dilúvio e a Pomba" (1979), "Sonetos Românticos" (1990), "O Armistício"

(1985), "O Sol das Noites e o Luar nos Dias" (1993), "Memória da Sombra"

(1994).

Ficção: "Anoiteceu no Bairro" (1946), "A Madona" (1968), "A Ilha de Circe"

(1983).

Teatro: "O Progresso de Édipo" (1957), "O Homúnculo" (1965), "O Encoberto"

(1969), "Erros meus, má fortuna, amor ardente" (1981), "A Pécora" (1983).

Ensaio: "Poesia de arte e realismo poético" (1958), "Uma estátua para

Herodes" (1974).

Obras várias: "Descobri que era Europeia" (1951 viagens), "Não Percas a

Rosa" (1978 diário), "A questão académica de 1907" (1962), "Antologia da

Poesia Erótica e Satírica" (1966), "Cantares Galego Portugueses" (1970),

"Trovas de D. Dinis" (1970), "A Mulher" (1973), "O Surrealismo na Poesia

Portuguesa" (1973), "Antologia da Poesia Portuguesa no Período Barroco"

(1982), "A Ilha de São Nunca" (1982).

In: Truca de Luis Gaspar

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Mulher
publicado por Vítor Marceneiro às 13:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Setembro de 2013

IVONE SILVA

Maria Ivone Silva Nunes, nasceu em 1935 em Paio Mendes, perto de Ferreira do Zêzere, faleceu em Lisboa em 1987.

Estreou-se no ABC, em 1963 na “Revista Vamos à Festa” contratado pelo empresário José Miguel, o espectáculo agradou e, em Setembro, a mesma equipa produziu a “Revista Chapéu Al­to”, já então Ivone aparecia como cabeça de cartaz.

O público, com o seu julgamento implacável, elevou Ivone Silva, passou a reinar sobre o Parque Mayer, deslocando-se apenas do ABC pa­ra o Maria Vitória e do Maria Vitória para o ABC, como quem reconhece os seus domínios, sem temer confronto. A sua carreira é segura, sem solavancos, sendo rara a revista em que não consegue uma boa actuação. E nunca fez menos de duas revistas por ano.

Com o seu sorriso aberto, os olhos saltitantes, mal Ivone entra em cena o públi­co sabe logo que vai chegar o melhor momento. E ela, ou ri alegremente ou barafus­ta, gesticula, atravessa o palco de uma ponta a outra, falando com incrível rapidez. Tão bem caricatura a elegância afectada da Senhora de bem-fazer em (Lábios pintados, 1964), como a burguesa dona de casa, nas suas aflições diárias, em números do fôle­go de (Diário de Uma Louca), (Sete Colinas, 1967) ou (Angústia para o jantar), (O Bom­bo da Festa, 1976).

Os pequenos cantores de Viana do Castelo em (Mini-saias, 1966) ficou como o ti­po de rábula em que Ivone Silva consegue grande brilho. Talvez por isso os autores lhe escrevem, às vezes, textos demasiado pretensiosos, como A operário da fábrica das lâmpadas em (Pronto a despir, 1972) ou A Guerra Santa em (P´ra trás mija a burra, 1975), que em nada a beneficiam. Porque o que dá mesmo gozo é vê-la imitar Amá­lia Rodrigues, recém-chegada da Rússia e só a pensar "no dela" (Ena, já fala, 1969), ou a “fellineana" Corista de outros tempos, cole ante e com uma patética re­forma  em (O Zé aperta o cinto, 1971).

No pós 25 de Abril, Ivone compôs, com imen­sa graça, a chique Madame Salreta, socialista de recente data em (O Bomba da Festa, 1976) e a inquieta alívio-alívio, empregada-patroa, posta ante o dilema terrível de se sanear a si própria em (P´ra trás mija a burra, 1975).

In Revista à Portuguesa de Vítor Pavão dos Santos

 

                                      

IVONE SILVA EM QUEM TEM CUBO...TEM MEDO
 
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Setembro de 2013

Fado é canto genuíno português.

 



Já há muito tempo, que o meu amigo Jorge Fernando, nos anda a cantar, que chegou a hora de dizer e de afirmar, que o Fado é canto genuíno português.
Porque não o ouvimos com mais atenção?...
Porque não fazemos  algo de mais positivo  pelo nosso Fado?...
Porque o "andamos a castigar" com peliculas cinematográficas, que em nada o dignificam?...
Porque o envolvemos em "guerras" de todo o tipo, até de ordem politica, "guerras" essas de que o Fado não gosta?...
O Fado é do povo, do qual, aliás, tem a sua origem.
Ouçamos, com mais atenção este bonito "recado" com que o Jorge Fernando nos brindou.
 

CHEGOU A HORA

 

Letra e música de Jorge Fernando

 

Chegou a hora de  dizer

Chegou a hora de afirmar

Que o Fado é canto genuíno português

E não há nada que estranhar

Chegou a hora de  dizer

Chegou a hora de afirmar

Que o seu encanto, é quem o canta uma só vez

Não mais o deixa de cantar

 

                                 Porque é que tantos teimam em dizer

                                 Dum modo descuidado

                                 Que o Fado não nasceu em Portugal

                                 Que não é nosso Fado

                                 E buscam sua origem na distancia

                                 Trazido pelas marés

                                 Mas eu sei que o Fado

                                 Só é cantado em português

 

Por mais que eu tente o jeito de  entender

Confesso que não posso

Porque é que a gente tarda em afirmar

Que o Fado é só nosso

Talvez por isso o Fado seja triste

Fatalista talvez

Mas eu sei

Que o Fado só é cantado em português

 

                                  Chegou a hora de  dizer

                                  Chegou a hora de afirmar

                                  Que o Fado é canto genuíno português

                                  E não há nada que estranhar

                                  Chegou a hora de  dizer

                                  Chegou a hora de afirmar

                                  Que o seu encanto, é quem o canta uma só vez

                                  Não mais o deixa de cantar

 

Porque é que tantos teimam em dizer

Dum modo descuidado

Que o Fado não nasceu em Portugal

Que não é nosso Fado

E buscam sua origem na distancia

Trazido pelas marés

Mas eu sei que o Fado

Só é cantado em português

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: O Fado é Português
publicado por Vítor Marceneiro às 09:36
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Setembro de 2013

João Tenreiro - O Faia Alentejano

João José Silva Tenreiro, nasceu em Elvas a 28 de Janeiro de 1951 Desde muito miúdo que demonstrava gosto pela música e aos 12 anos começa por frequentar a escola de guitarra clássica.

Aos 15 anos pisa pela 1ª vez um palco na antiga sede do clube de futebol "Os Elvenses" (1ª filial de "Os Belenenses"), foi o inicio de uma longa carreira artística, que já dura há cerca de 45 anos.

Fez parte de vários grupos musicais de baile como vocalista, tendo integrado  o conjunto "Os 5 do Alentejo", ao qual também pertencia o seu  conterrâneo Paco Bandeira.

Actuou em bares, discotecas e até em circos, mas tinha o Fado no ouvido, e simultaneamente começa a cantá-lo, verifica que é esta a musica com que mais se identifica,  e dedica-se só ao Fado.

Começa a frequentar e a cantar em casas que foram autenticas escolas de Fado, o "Galito, Arreda, Kopus Bar e outros sediados entre o Estoril e Cascais, onde conhece e cria amizades e canta com Carlos Zell, João Braga, Teresa Silva Carvalho, Teresa Tarouca, Vitor Marceneiro, Lúcio Bamond, Xico Madureira, Rodrigo, Carlos Guedes de Amorim, entre outros.

Nesta altura, conhece também alguns dos grandes poetas e  letristas de Fados, criando grande cumplicidade com Carlos Escobar e Azinhal Abelho, que lhe escrevem vários temas que ainda interpreta.

Obviamente que passa também a frequentar a maioria das casas de  Fado de Lisboa, convivendo e criando amizade com os grandes interpretes e fadistas do meio, sempre solicitado para cantar, quer por  Lucília do Carmo e Carlos do Carmo no Faia, no Lisboa a Noite  da Fernanda Maria, no Senhor Vinho com Maria da Fé, Argentina Santos na Parreirinha de Alfama, na Taverna D´El-Rey  com a Maria Jojo, na Adega Machado onde conhece o grande monstro do fado Alfredo Marceneiro, e seu filho Alfredo Duarte Júnior, actuou também no  Timpanas, no Forcado, na Cesária, no Mil e Um, no Solar da Madragoa, Forte de D. Rodrigo, Solar da Hermínia, etc.

Fez parte do elenco em espectáculos com Artur Batalha, Gil Costa, Alexandra, Cidália Moreira, Lenita Gentil, Corina, Maria Dilar, Fernanda Batista, Nuno da Câmara Pereira, José da Câmara, Vicente da Câmara, Moniz Trindade, Beatriz da Conceição, etc.

Em 1994 grava em parceria com Antonio Vieira o seu primeiro trabalho em estúdio, intitulado "Somos Elvas", com poemas de Francisco Rasquilha e Azinhal Abelho, foi acompanhado à guitarra por  Paulo Jorge,  à viola por Carlos Macieira e José Vilela na viola baixo.

Em 1995 grava um CD ao vivo num espectáculo em Mérida (Espanha), conjuntamente com Manuela Roque e Ana Carvalho, com o genérico " Mujeres" espectáculo para comemorar o dia internacional da mulher.

Mais recentemente gravou o CD, "ASAS NO TEMPO" com a especial participação da grande cantadeira de Fados,  BEATRIZ DA CONCEICAO, com poemas da autoria de Carlos Escobar e  Maria José Rijo, acompanhado pelo do guitarrista Paulo Jorge, Vital D’Assunção na viola e no baixo Rui Garrido, teve ainda arranjos no acordeão de Tiago Afonso.

João Tenreiro tem sido solicitado para levar o seu Fado ao estrangeiro, nomeadamente em Espanha, Bélgica, Luxemburgo, África e mais recentemente  na Finlândia , onde fez 10 espectáculos para um público essencialmente Finlandês, onde teve enorme êxito.

A VOZ DE JOAO TENREIRO NAO SE CONFUNDE COM MAIS NENHUMA, NAO É MAIS FADISTA NEM MENOS FADISTA, MAS E FADISTA, daí que os seus amigos e admiradores o apelidem “ O FAIA DO ALENTEJO”.

 

Vítor Marceneiro

 

Nota:

Conheço o João Tenreiro há vários anos, assim como a sua simpática família, a distancia que nos separa não impede que a nossa amizade se mantenha. Foi-lhe pedido pela RTD um  Video-Clip sobre um dos seus Fado, o João convidou-me a realizá-lo, o que fiz com todo o prazer.

Esta versão para colocar na internet não tem a qualidade de imagem como  original já enviado em HDTV, pelas razões que todos sabem. Espero que gostem.

 

João Tenreiro

Canta: Recordando O Alentejo

Letra de Carlos Escobar e música de Filipe Pinto

Realização de Vítor Duarte Marceneiro

Filmado em Elvas em Setembro de 2010

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Compadre é Fadista
música: Recordando O Alentejo
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Setembro de 2013

João Ficalho - Fadista Alentejano

Canção Dolente, um bonito poema de Maria Eugénia Tiago, cantado na música de Casimiro Ramos pelo Castiço -Fadista João Ficalho.

Tive o prazer de filmar e realizar dois video-clips para este meu amigo.

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: bem cantado...compadre
música: Canção Dolente
publicado por Vítor Marceneiro às 10:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Setembro de 2013

João Ficalho - Fadista Alentejano de Borba

João Manuel  Compoête  Ficalho , nasceu no Alentejo na cidade de  Borba, no dia 6 de Março de 1951.

Desde muito novo,,tomou gosto pela música de tal modo que improvisava baterias musicais no

balcão da taberna de que o pai era proprietário.  O bombo eram garrafões, as panelas  os tachos  e as tampas  dos mesmos, as baquetas eram as colheres, garfos e facas compunham, era assim  a sua imaginária bateria.

O pai, Miguel Ficalho tocava guitarra, e  vendo o gosto que o filho tinha pela música  resolveu mandá-lo aprender a tocar guitarra, mas o  jovem João, como o professor também dava aulas de viola,  é por este instrumento que se sente atraído, com alguma decepção no inicio  pela parte do  pai, mas passados poucos meses já o João o acompanhava.

Tinha oito anos quando os elementos da  conferências de S. Vicente Paulo, de Borba, organizaram um espectáculo  no Cine-Teatro de Borba, e o João alcançou enorme êxito ao  cantar um tema que ainda hoje é de referência quando pisa palcos, “Vila de Borba”.

A vida na terra não era fácil e os pais quando fez 13 anos mandaram-no para  Lisboa-Moscavide, ficando a cargo de familiares,  para começar a trabalhar.

Deixa de poder  dedicar-se de alma e coração ao instrumento e à música de que tanto gostava.

Aos 17  anos, volta para Borba, e logo  se integra no grupo musical 1X2, como viola

e vocalista. Quando o grupo não tem actividade, actua em simultâneo em vários tipos de festas com o teclista João Varela, com quem já mantinha uma  grande amizade.        

Aos  19 anos cantava  e  tocava  a solo,  animando festas,  realizando alguns espectáculos e   convívios amigáveis.

Ainda com 19 anos  casou com a jovem  Nazaré , que lhe deu três filhos

É chamado para cumprir o serviço militar e foi mobilizado  para a Guiné, onde se mantém de

Janeiro de 1973 a Maio de 1974. Mas na Guiné continua a sua progressão na música, fez parte do grupo musical da Polícia Militar como viola ritmo e vocalista, foi convidado a cantar em directo à rádio de Bissau, a sua actuação não passou despercebida ao proprietário do Bar Gato Negro, que logo o contrata, passando a fazer parelha com o seu amigo João Varela.

Ferido em serviço é evacuado para o continente e internado no  Hospital Militar à  Estrela onde permaneceu durante 3 meses.        

Passa à disponibilidade e de volta a Borba integrou o grupo musical Star Melodia de Vila Viçosa, durante 12 anos, sem nunca deixar de realizar espectáculos de fados.

Mais tarde, e após a extinção deste último grupo musical, fez parte do grupo de Borba Honda-Média, sempre com o fado a ser aquilo que mais gostava de cantar.

Em 1990 começa a compor poemas e a musicar, tornando-se sócio da Sociedade Portuguesa de Autores, onde foi registando os seus trabalhos, e passa a dedicar-se única e exclusivamente ao fado, cantando e tocando na sua viola.

Os  anos passam, continua a escrever, mas guarda os seus poemas e músicas numa "caixa de papelão".

Foi convidado a  participar no CD de homenagem ao João Rita com 3 poemas de sua autoria, onde também participaram o filho Joaquim Ladeiras e D. Vicente da Câmara.

Em 1996 surge um projecto para formar o Grupo Delta por iniciativa do Sr. Comendador Rui Nabeiro, que se tornou realidade no mesmo ano, estando ainda no activo sempre que é solicitado.

Entretanto, vai  levando o nome de Borba por todo o Alentejo, e a outros locais, tais como Espanha, Bélgica, onde cantou ao lado de grandes nomes do fado e da música portuguesa, esteve também na Finlândia, mas a tocar viola, acompanhando João Tenreiro, lembrando sempre com saudade os nomes do Tóquim, Carlos Zel e Maria Leopoldina da Guia, entre outros.       

Em Março de 2006, decide  editar um CD, com os poemas e músicas que vinha arquivando na sua"caixa de papelão". Fez mais poemas, dedicados  a amigos e familiares, e é  neste contexto que surge o projecto, "Orgulhoso por ti, Vila de Borba”.

Em  Março de 2010, celebra 40 anos a cantar os mais variados géneros de música, rodeado por todos aqueles que o acompanharam e partilharam os bons e os maus momentos ao longo da sua carreira, enquanto amador.

A 30 de Outubro de 2010, apresenta o seu segundo CD “ Fados Novos”.  A modéstia, simplicidade e amizade são marcas do João Ficalho. O apoio, o carinho, as palavras de conforto foram referências que nunca  lhe faltaram.  Não sendo de admirar, a grande afluência de grande parte dos seus amigos, assim como, de grupos musicais,  música de baile, de música de ambiente,  das fadistices e das boémias.

 

Já conheço há uma série de anos o João Ficalho, já actuámos os dois, e agora aqui estou com muito gosto a apresentá-lo no meu blogue.

Tive o grato prazer de lhe realizar dois video-clips, que espero que apreciem este grande (compadre) fadista alentejano.

 

Vítor Marceneiro

 

 

 

 

Video Clipe de João Ficalho

Canta versos de sua autoria " Ser amigo é ser alguém

Música de Joaquim Campos

 

SER AMIGO, É SER ALGUÉM

 

                     AMIZADE P’RA SER PURA

                     VAI ALÉM DE SER AMIGO

                     É RESPEITO E TERNURA

                     É TER UM OMBRO DE ABRIGO

 

É ESTAR LONGE, SEMPRE PERTO

O CHEGAR NÃO TEM DEMORA

É CORAÇÃO SEMPRE ABERTO

QUE NOS OUVE A QUALQUER HORA

 

                    DIZER AMIGO, HÁ ESPERANÇA

                    EM TOM MEIGO, DOCEMENTE

                    AMIGO NUNCA SE CANSA

                    SENTIR O QUE A GENTE SENTE

 

O CARINHO QUE SE TEM

É PODEM CRER, AFINAL

O AMIGO, É SER ALGUÉM

É SER ALGUÉM ESPECIAL

 

                    É ALGUÉM A QUEM ABRIMOS

                    TOTALMENTE O CORAÇÃO

                    ONDE CHORAMOS OU SORRIMOS

                    SEJA QUAL FOR A RAZÃO

 

SER AMIGO É COM CERTEZA

MAIS ALENTO P’RA VIVER

SENDO A MAIS BELA RIQUEZA

QUE NA VIDA PODE HAVER

 

João Ficalho

Borba 2010

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Ah! Fadista
música: Ser amigo é ser alguém
publicado por Vítor Marceneiro às 15:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Setembro de 2013

JOSÉ LUIS GORDO - Poeta

 

 

JOSÉ LUÍS GORDO Nasceu em Vila de Frades, Vidigueira, a 13 de Abril de 1947, embora tivesse sido registado a 26 de Julho seguinte. Nasceu na sua casa de família, tendo sido sua avó materna quem deu assistência ao parto. Aos 13 anos veio para Lisboa a fim de trabalhar na antiga Casa Quintão, entretanto desaparecida e que era famosa pelos tapetes de Arraiolos que comercializava. Estudou na Escola Veiga Beirão à noite, onde frequentou o Curso Comercial. Devido ao contraste entre o Alentejo e Lisboa, criou primeiramente um sentimento de rejeição em relação à capital. Mais tarde diria que Lisboa é o seu coração. Começou a escrever poesia muito jovem e aos 17/18 anos encarou essa tendência mais a sério. O seu primeiro poema para Fado intitula-se Há Tanta Amargura, Tanta, que foi escrito inicialmente para Beatriz Ferreira, mas o destino trocou-lhe as voltas e seria Maria da Fé, na altura Maria da Conceição, a cantá-lo quando actuava na Taverna do Embuçado. Mais tarde casaria com ela. Os primeiros contactos de José Luís com o Fado sucederam na Viela, que já não existe. Durante alguns anos usou o pseudónimo de Luís Alçaria, em virtude de junto da sua aldeia natal existir a Serra de Alçaria. Como bom alentejano que se preza, mais tarde desistiu daquele nome e assumiu Refachinho e Gordo. Ao longo da sua vida de poeta do Fado escreveu cerca de trezentos poemas, sendo uma grande parte cantados e gravados em discos, sobretudo por Maria da Fé. António Mello Corrêa e Ada de Castro. Profundo admirador e amigo dejosé Carlos Ary dos Santos, dele sofreu grande influência literária, tal como de Gabriel de Oliveira, João Linhares Barbosa, Carlos Conde, Vasco de Lima Couto ou Joaquim Frederico de Brito Britinho ou Poeta Chofer. É um admirador de Mário Raínho. Sempre preferiu escrever primeiro os poemas e depois serem musicados, a fim de não se cair na facilidade de se adaptarem constantemente os fados tradicionais. Muitos têm sido os fadistas que têm cantado poemas seus, entre os quais destaca Maria Armanda, Fernando Maurício, Carlos Zel, Camané, Filipe Duarte, Carlos Macedo, Ada de Castro, Maria da Nazaré, Argentina Santos, Lina Maria Alves, Mariajôjô, Celeste Rodrigues, José Manuel Osório, Marina Mota, Nuno de Aguiar, Vasco Rafael, Lenita Gentil, Alexandra, Jorge Fernando, Machado Soares, Paulo Saraiva, Maria Dilar, Manuel Azevedo Coutinho, Odete Santos, Tina Santos, João Chora, António Mello Corrêa, Marisa, Cristina Branco, TóZé Zambujo e sobretudo Maria da Fé. Em 1975 inaugurou o primeiro Sr. Vinho, na Rua das Trinas. Porque o espaço era exíguo, em 1981 a casa passou para a Rua do Meio à Lapa, igualmente no Bairro da Madragoa, sendo considerada uma das três melhores Casas de Fado de Lisboa. Em 1980 adquiriu o Solar da Hermínia, casa de grande tradição e que pertenceu a Hermínia Silva. Na década de 90 tornou-se sócio do Restaurante Típico O Faia que deixaria alguns anos depois. Da sua imensa produção poética destaca-se o fado Até Que A Voz Me Doa, que imortalizou Maria da Fé. José Luís Gordo escreveu um dia uma quadra que dedicou a sua mãe, onde revela sem dúvida grande sensibilidade poética nas metáforas utilizadas. É autor do livro de poemas Recados ao Fado, editado pela Miosótis em Novembro de 2004, com prefácio de José Manuel Osório. Em 2005 a Fundação Amália Rodrigues atribuiu-lhe o prémio Poeta do Fado. 

Em 2008 é o vencedor no concurso para a melhor letra para a Grande Marcha de Lisboa de 2008, que poderá ouvir num Video-Clip de Lisbao no Guiness em 

http://www.youtube.com/watch?v=lwm5sU9Vo8w

 

 

 

José Luis Gordo

Delama o inicio do poema

Maria da Fé canta

O Teu Nome Meu Amor


 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Poeta
música: O Teu Nome Meu Amor
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Setembro de 2013

ERMELINDA VITÓRIA

ERMELINDA VITÓRIA, nasceu em Lisboa no bairro da Mouraria, em 1892.

Viveu durante algum tempo em Setúbal.  Aos nove anos já cantava ao lado do velho fadista Calafate.

Em dada fase da sua vida andou a cantar pelas ruas com cegos, mas veio a tornar-se depois uma das primeiras cantadeiras do seu tempo sendo muito apreciada pelos assíduos  do fado nos anos 20 e 30 do século passado.

Tomou parte em descantes com cantadores afamados, como Jorge Cadeireiro, Júlio Janota, Carlos Harrington, Ginguinha, António Rosa, Armando Barata, António Lado, Fortunato Coimbra e outros. Cantou na maior parte dos retiros de Fado da época, Bacalhau, Ferro de Engomar, José dos Pacatos, Perna de Pau, da Fonte do Louro e Quinta da Montanha.

Nunca faltava nas esperas de toiros em Vila Franca de Xira e na Azambuja.

Foi uma das primeiras fadistas a profissionalizar-se. Em 1928, actuou no Salão Jansen, no Solar da Alegria,  nos teatros Ginásio, S. Luís, Maria Vitória, Apolo, Trindade e Capitólio, e ainda nos teatros de província.

Foi companheira do violista Georgino de Sousa. Teve a sua festa de homenagem em 1930 no Salão Jansen.

Gravou discos, cantou em directo na Rádio Luso, na Rádio Peninsular.

Depois decaiu, ficando numa situação difícil de sobrevivência, mas passou a ser solidáriamente protegida, pela sua colega e amiga Maria Emma Ferreira, tendo vivido até cerca dos 90 anos de idade.

Um dos fados  da sua criação que obteve maior sucesso foi "Meu Portugal" de autores desconhecidos,  e “O Fado Altaneiro” com letra de Carlos Conde na música do Fado Mouraria:

  © Vítor Duarte Marceneiro

                                          

 

O FADO ALTANEIRO

 

Cantar o Fado altaneiro,

                                           Erguê-lo como um padrão,

                                           É ter Portugal inteiro

                                           Metido no coração.

 

Há quem me ponha em baixeza

E me tenha censurado

Por eu ter cantado o Fado

Sendo mulher portuguesa;

Porém, a nobre defesa

Para o dito traiçoeiro,

É ter por forte guerreiro

O som do Fado imortal,

E por todo o Portugal

Cantar o Fado altaneiro.

 

                                           Uma guitarra a gemer

                                           Por alguém ao Fado atreito,

                                           Geme a aquecer-nos o peito

                                           Para também se aquecer.

                                           Quero cantar e viver

                                           Nesta sonhada ilusão,

                                           Porque o Fado é a canção

                                           Calmante de quem padece,

                                           Rezá-lo como uma prece,

                                           Erguê-lo como um padrão.

 

Assim, nas notas bem-vindas,

Onde vibram mocidades,

Quero cantar as saudades

Doutras saudades infindas;

Desprezar as mal-avindas

Línguas do povo embusteiro,

Porque ter o lisonjeiro Fado

profundo e dolente,

Não é ter alma somente,

É ter Portugal inteiro.

 

                                            Cantar o Fado que encanta

                                             Desde o mais sábio ao mais rude,

                                             É ter a santa virtude

                                             Sobre a virtude mais santa.

                                             Toda a mulher que não canta

                                             Por devaneio ou paixão,

                                             Perde toda a sedução,

                                             Toda a ternura e valor

                                             Por não ter um puro amor

                                             Metido no coração.

 

Nota:
Esta página teve a colaboração iconográfica do coleccionador e grande amante de Fado, Fernando Batista do Porto
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas do Passado
publicado por Vítor Marceneiro às 22:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags