Sexta-feira, 29 de Novembro de 2013

JOSÉ RÉGIO 1901 - 1969

Escritor português, natural de Vila do Conde, onde viveu até completar o quinto ano do liceu, após o que continuou a estudar no Porto. José Régio, pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira, publicou, em Vila do Conde, nos jornais O Democrático e República, os seus primeiros versos. Aos 18 anos, foi para Coimbra, onde se licenciou em Filologia Românica (1925), com a tese «As Correntes e As Individualidades na Moderna Poesia Portuguesa». Esta foi pouco apreciada, sobretudo pela valorização que nela fazia de dois poetas então quase desconhecidos, Mário de Sá-Carneiro e Fernando Pessoa. Esta tese, refundida, veio a ser publicada com o título Pequena História da Moderna Poesia Portuguesa (1941).
Com Branquinho da Fonseca e João Gaspar Simões fundou, em 1927, a revista Presença (cujo primeiro número saiu a 10 de Março, vindo a publicar-se, embora sem regularidade, durante treze anos), que marcou o segundo modernismo português e de que Régio foi o principal impulsionador e ideólogo. Para além da sua colaboração assídua nesta revista, deixou também textos dispersos por publicações como a Seara Nova, Ler, O Comércio do Porto e o Diário de Notícias. No mesmo ano iniciou a sua vida profissional como professor de liceu, primeiro no Porto (apenas alguns meses) e, a partir de 1928, em Portalegre, onde permaneceu mais de trinta anos. Só em 1967 regressou a Vila do Conde, onde morreu dois anos mais tarde.
Participou activamente na vida pública, fazendo parte da comissão concelhia de Vila do Conde do Movimento de Unidade Democrática (MUD), apoiando o general Nórton de Matos na sua candidatura à Presidência da República e, mais tarde, a candidatura do general Humberto Delgado. Integrou ainda a Comissão Eleitoral de Unidade Democrática (CEUD), nas eleições de 1969.
Como escritor, José Régio dedicou-se ao romance, ao teatro, à poesia e ao ensaio. Centrais, na sua obra, são as problemáticas do conflito entre Deus e o Homem, o indivíduo e a sociedade, numa análise crítica das relações humanas e da solidão, do dilaceramento interior perante a relação entre o espírito e a carne e a ânsia humana do absoluto. Levando a cabo uma auto-análise e uma introspecção constantes, a sua obra é fortemente marcada pelo tom psicologista e, simultaneamente, por um misticismo inquieto que se revela em motivos como o angelismo ou a redenção no sofrimento. A sua poesia, de grande tensão lírica e dramática, apresenta-se frequentemente como uma espécie de diálogo entre níveis diferentes da consciência. A mesma intensidade psicológica, aliada a um sentido de crítica social, tem lugar na ficção. Como ensaísta, dedicou-se ao estudo de autores como Camões, Raul Brandão e Florbela Espanca. Na revista Presença, assinou um editorial («Literatura Viva») que constituiu uma espécie de manifesto dos autores ligados a este órgão do segundo modernismo português, defendendo a necessidade de uma arte viva, e não livresca, que reflectisse a profundidade e a originalidade virgens dos seus autores.

Estreou-se, em 1926, com o volume de poesia Poemas de Deus e do Diabo, a que se seguiram Biografia (1929, poesia), Jogo da Cabra-Cega (1934, primeiro romance), As Encruzilhadas de Deus (1936, livro de poesia e tido como a sua obra-prima), Primeiro Volume de Teatro: Jacob e o Anjo e Três Máscaras (1940), Davam Grandes Passeios aos Domingos (novela publicada em 1941 e incluída, em 1946, em Histórias de Mulheres), Fado (1941, livro de poesia com desenhos do irmão Júlio, principal ilustrador da sua obra), O Príncipe Com Orelhas de Burro (1942, romance), A Velha Casa (obra inacabada, mas de que chegaram a sair os volumes Uma Gota de Sangue, em 1945, As Raízes do Futuro, em 1947, Os Avisos do Destino, em 1953, As Monstruosidades Vulgares, em 1960, e As Vidas São Vidas, em 1966), Mas Deus É Grande, (1945, poesia), Benilde ou a Virgem-Mãe (1947, peça de teatro adaptada ao cinema, em 1974, por Manuel de Oliveira), El-Rei Sebastião (1949, «poema espectacular em 3 actos»), A Salvação do Mundo (1954, tragicomédia em três actos), A Chaga do Lado (1954, sátiras e epigramas), Três Peças em Um Acto: Três Máscaras, O Meu Caso e Mário ou Eu Próprio-O Outro (1957), O Filho do Homem (1961), Há Mais Mundos (1962, livro de contos, pelo qual recebeu o Grande Prémio de Novelística da Sociedade Portuguesa de Escritores), Cântico Suspenso (1968, poesia) e, a título póstumo, Música Ligeira (1970, poesia), Colheita da Tarde (1971, poesia) e Confissão Dum Homem Religioso (1971, obra de reflexão). Na sua obra ensaística, destacam-se ainda os Três Ensaios Sobre Arte (1967), que reúnem textos publicados anteriormente, e Páginas de Doutrina e Crítica da Presença, recolha feita por Alberto Serpa, relativamente à colaboração de Régio na Presença (1977).
Partilhou ainda, com o irmão Júlio, o gosto pelas artes plásticas, tendo chegado a desenhar uma capa para a Presença e feito os oito desenhos que, a partir da 5ª edição, ilustram os Poemas de Deus e do Diabo.
É considerado, por alguns, como um dos vultos mais significativos da moderna literatura portuguesa. Recebeu, em 1961, o prémio Diário de Notícias e, postumamente, em 1970, o Prémio Nacional de Poesia, pelo conjunto da sua obra poética. As suas casas de Vila do Conde e de Portalegre são hoje museus

In: www.astormentas.com/regio.htm

 

 

AMÁLIA  RODRIGUES canta:

Fado Português

Letra de José Régio e música Alain Oulmain

  

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Poetas de Portugal
música: Fado Português de José Régio
publicado por Vítor Marceneiro às 11:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Novembro de 2013

LENITA GENTIL

 

Natural da Marinha Grande, começou a cantar aos 16 anos pela mão do maestro Resende Dias aos microfones dos Emissores Reunidos do Norte, vindo a profissionalizar-se pouco tempo depois na Emissora Nacional.

Começa a experimentar o fado ainda nos começos da década de 1970, grava entre outros, "A tantos do tal" (Artur Ribeiro/Fernando Farinha/Fado Alexandrino) acompanhada pelo conjunto de guitarras de Jorge Fontes.

Esteve contratada na Toca de Carlos Ramos.

Com uma carreira de assinaláveis êxitos na canção, como "Partir, voltar" ou "Eles foram tão longe". Representa Portugal em vários festivais interna­cionais, salientando-se duas vitórias consecutivas no Festival Hispano-Português do Douro e o Prémio da Crítica nas Olimpíadas da Canção, em Atenas, para além de destacadas participações em festivais no México, Roménia e Polónia.

"Tarde triste no Campo Pequeno" foi o “pasodoble” que fez saltar o nome de Lenita para a ribalta

Em 1983 gravou aquele que se tornará num dos seus temas emblemáticos: "Preciso de espaço" (Vasco de Lima Couto/Verónica), nesta década vai-se dedicando cada vez mais ao fado que torna sua carreira por opção e dedicação.

Entre outros álbuns de fado editou "Fado-Lenita Gentil" (Movieplay), "Maria la portuguesa" e "Fado para dois" com Natalino de Jesus, ambos com a etiqueta Ovação.

Além das várias digressões ao estrangeiro, Lenita Gentil canta habitualmente nas Arcadas do Faia, ao Bairro Alto, em Lisboa.

Ao longo da sua carreira foi já distinguida com o Óscar da Imprensa e o Prémio Prestígio da Imprensa.

Em 2006 recebe o “Troféu Amália Rodrigues” – Melhor Álbum de Fado –  "OUTRO LADO DO FADO', editado pela Ovação em 2005, pela sua interpretação quer em alguns temas já conhecidos, como "Fria Claridade" que canta na melodia do Fado Mouraria, ou "Maldição" (David Mourão-Ferreira / Alfredo Marceneiro), quer em  inéditos como "As penas que me deixaste"(Rogério de Oliveira / Otério José Lopes). O acompanhamento esteva a cargo de Fernando Silva na guitarra portuguesa, Jaime Santos na viola e Joel Pina na viola baixo.


 Nota: Quando da gravação do tema Preciso de Espaço, produzi e realizei um Tele-Disco para a RTP da Lenita Gentil - Vítor Marceneiro

 

 Lenita Gentil canta: Preciso de Espaço

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa:
música: Preciso de espaço
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 24 de Novembro de 2013

JÚLIO VIEITAS - Fadista da Velha Gurda

JÚLIO VIEITAS (1915 – 1990), nasceu nas Caldas da Rainha, cidade onde muito jovem, começou a cantar o fado entusiasmado com as interpretações de fadistas de Lisboa que lá iam participar em espectáculos.

Com 15 anos, decidiu vir trabalhar para a capital, mas a sua ideia era desenvolver as suas qualidades de cantador.

Aos 17 anos cantou no retiro da Bazalisa, em Campolide, onde o velho fadista Júlio Janota, (pessoa de muito mau feitio), despeitado com a sua interpretação castiça e a sua bela voz, lhe disse que pensasse noutro futuro pois a cantar não se «safava» (para tentar desmoralizar o rapaz), mas não conseguiu desanimá-lo, pois continuou a cantar como amador durante alguns anos em sociedades de recreio e verbenas.

Estreia como profissional em 1937 no Café Mondego, tendo cantado, sucessivamente, no Solar da Alegria, Café Vera Cruz e Café Latino. Actuou também nas casas típicas: Café Luso (da Travessa da Queimada), Sala Júlia Mendes, Café Monumental e Cervejaria Artística.

Em 1943, fez uma tournée pelo Centro e Norte do País com Ercília Costa como empresária, actuando durante algum tempo no Cinema Olímpia, do Porto, mais tarde voltaria ao Porto várias vezes ao longo da sua carreira, actuando na Taverna de S. Jorge, no Hotel D. Henrique, na Cozinha Real do Fado, na Casa da Mariquinhas e n'O Rabelo (Vila Nova de Gaia). Em Coimbra cantou no Retiro do Hilário

Em 1954 cantou num programa de fados da Emissora Nacional, e mais tarde, em 1960, tambem participou no Rádio Clube Português e nos Emis­sores Associados de Lisboa.

Em 1955 gravou discos para a etiqueta “Estoril”, com as composições Bairro Eterno, Campinos, A Cigana, Vem Comigo e Aquela Luz.

Em 1957 foi um dos primeiros artistas do fado a cantar nos programas experimentais da RTP.

Foi contratado no retiro do Caliça, na Parreirinha do Rato, no Ritz Clube, na Adega da Lucília, na Adega Mesquita, n'O Faia, na Nau Catrineta, no Paraíso das Guitarras e na Parreirinha de Alfama.

Em 1970 é o director artístico no Arabita, em Alfama.

Em 1973 para a etiqueta “A Roda”, grava: Juventude, Aguarela Portuguesa, A Varina dos Olhos Verdes e Doce Visão

Em 1977 grava: Embriaguez do Amor, O Regresso do Soldado, O Fado... Apenas Isto e Um Artista.

Em 1979 gravou para a etiqueta “Riso e Ritmo” um LP com o título (Fado da Velha Guarda), com Gabino Ferreira, Júlio Peres, Manuel Calixto, José Coelho e Frutuoso França, em que canta Ser Fadista e Não te Quero Perder

Júlio Vieitas, foi um conceituado intérprete do Fado de Lisboa, distinguiu-se também como poeta popular, autor de conhecidas letras de fados, algumas delas com música sua, das quais destacamos: Princesa do Tejo (fado-canção gravado por Fernanda Maria, Ana Hortense e Francisco Martinho e orquestrado por Shegundo Galarza), A Cigana e Varina dos Olhos Verdes.

Júlio Vieitas foi um dos últimos representantes de uma escola fadista, que persistiu em manter a tradição do fado autêntico, embora cultivando também o fado-canção.

© Vítor Duarte Marceneiro

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas da Velha Guarda
publicado por Vítor Marceneiro às 10:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

Lucília do Carmo

 

Lucília Nunes de Ascenção Carmo nasceu em Portalegre em 1920. Estreou-se no Retiro da Severa em 1936 e foi nesta casa que a sua voz e talento chamou a atenção dos proprietários e empresários das maiores casas típicas de Lisboa. Em 1947 abriu a sua própria casa de fados com o nome de Adega da Lucília (mais tarde mudou, para "O Faia"), na Rua da Barroca, no Bairro Alto.
Quando regressou do Brasil, onde viveu durante cinco anos. Lucília do Carmo realizou poucas digressões ao estrangeiro e foi pena não ter gravado mais discos.
Entre os seus êxitos encontram-se: “Leio em teus olhos”, “ Foi na Travessa da palha”, “Maria Madalena”, “Não gosto de ti”, “Preciso de te ver”, “Senhora da Saúde” ,”Olhos Garotos”, “Antigamente”, “Tia Dolores” , “Loucura” , “Zé Maria”, “Lá Vai a Rosa Maria”
Lucília do Carmo retirou-se da vida artística na década de 1980, sendo considerada uma das melhores vozes que o fado conheceu.
Lucília do Carmo foi mãe de Carlos do Carmo.
Faleceu em Lisboa a 19 de  Novembro de  1999.
 
Caricatura de Armando Boaventura, em que para além do próprio poder-se-á identificar Lucilia do Carmo, Alfredo Marceneiro, Carlos do Carmo ainda miúdo e Alfredo de Almeida npo canto saperior esquerdo.
 

 Lucilia do Carmo com Alfredo Marceneiro

 

Lucília do Carmo
 
Por direito e por justiça,
Lucília do Carmo é bem
A figura mais castiça
Das poucas que o Fado tem!
 
Se ela canta a dor incalma
Logo vive a mágoa atroz,
E então abre-nos a alma
Na expressão da sua voz!
 
Dá-nos o gosto, o prazer,
De uma certeza formal,
                                   A de poderemos dizer
                                        Que inda há Fado em Portugal!
 
Versos de: Carlos Conde
Desenho de: Pedro Leitão
Lucília do Carmo canta em dueto com Fernando Farinha
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 17 de Novembro de 2013

JOSÉ INÁCIO - Violista de Fado

Artista versátil, José Inácio, cantava Fado e  tocava  também guitarra, podia ter sido, se quisesse, um bom executante deste instrumento,  mas foi a viola que sem­pre o interessou mais e é como  violista que atingiu o lugar que ocupou entre os melhores da sua geração.

Era funcionário da Câmara Municipal de Lisboa, mas nunca deixou de actuar assiduamente nas casas típicas: Retiro dos Marialvas, Café Salvaterra , Patrício, Lobos do Mar, Tradição e Pampilho (Calçada de Carriche); no Retiro da Bairrada (Benfica), na Parreirinha do Rato e na Nau Catrineta, esteve várias vezes na Viela, no Solar da Hermínia e na Tipóia, passou também pelo Ritz Club, pelo Cristal e pelo Olímpia.

Em 1979 acompanhou Cidália Moreira numa digressão à Alemanha, em que aquela artista obteve um dos seus maiores êxitos cantando num castelo romântico perto de Hamburgo, na festa internacional de uma empresa vinícola alemã.

Durante alguns anos actuou em Cascais, tocando em casas como o Galito, Arreda, Tabuinhas e Kopus Bar.

Ao longo da sua vida de instrumentista emparceirou com os mais diversos guitarristas. Gravou discos a acompanhar vozes e a executar gui­tarradas, tendo sido um dos violistas preferidos de José Nunes, que muito o apreciava. Dotado como compositor, são da sua autoria os fados Maria Sozinha, A Malva Rosa e Velha Capa (letras de Linhares Barbosa), Moda Fadista (letra de Luís Simão), Foi Hoje (letra de Raul Dias), Adeus, Tentação! (letra de Jorge Rosa), Fado Augusta (quadras), Fado Rina (quintilhas), Fado Galeno (sextilhas) e Fado Dinora (decassílabos), etc. Com­pôs também, entre outras, as seguintes variações: Dança Portuguesa, Retalhos Clássicos, Dança Gitana, Oração, Rapsódia Portuguesa (arranjo com números seus intercalados) e Marcha Militar.

Conhecidíssimo no meio fadista, onde é estimado pelo seu temperamento bona­cheirão, José Inácio é também figura familiar do Bairro Alto, que habita desde criança e que, popular como ele o é, faz parte da sua própria existência.

José Inácio estará sempre ligado á minha experiência de cantar o Fado, embora já o tenha explicado aqui, mas permitam que repita o que se passou:

… Corria o ano de 1966, tinha cerca de 21 anos, fiz uma pausa nos bailaricos e outros «poisos» e comecei a frequen­tar o fado amador, que praticamente desconhecia, pois, até essa altura, costumava acompanhar o meu avô e o meu pai às casas tradicionais.

Certo dia, uns amigos convidaram-me para uma noite de fados no Galito, que ficava no Estoril. Lá fui e, como é lógico entre os frequentadores habituais, ao saberem de quem eu era filho e neto, logo pensaram que havia mais um para cantar.

… Ora eu não cantava. Para ser sincero, com muita pena minha, achava que não conseguia e, para «meter água», era melhor estar calado. Isto porque tinha a noção da responsabi­lidade de ser filho e neto de quem era.

Mas a rapaziada estava sempre a apertar comigo (este gajo é filho de fadistas e não canta?), alguns até aventavam a hipótese de que eu não cantava porque tinha a mania de que era bom de mais para cantar ali! Mal sabiam eles a pena que eu tinha de sentir que não era capaz.

Certa noite, por insistência do Zé Inácio, grande executante de viola, mas que, na altura, fazia o acompanhamento à gui­tarra, acompanhado à viola pelo «Pirolito da Ericeira», começa­ram a dedilhar a Marcha do Marceneiro, o Zé Inácio começou a desafiar-me, era no princípio da noite, não havia ainda muitos clientes, timidamente comecei a entoar o poema Amor é Água Que Corre (eu nem calculava que, afinal, sabia o poema todo). Parece que não saiu muito mal, recordo que o tom em que cantei foi Fá (hoje canto em So/); no final, o Zé Inácio disse-me:

— Como vês, é preciso não ter medo, perder a vergonha e, a partir de agora, ir praticando.

Tomei-lhe o gosto e, durante algum tempo, só cantava este fado. Foi ainda com a ajuda do Zé Inácio que comecei a ensaiar e a cantar outros poemas, mas cantava sempre letras e músicas do repertório do meu avô.

© Vítor Duarte Marceneiro

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Musico, Grande Amigo
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 15 de Novembro de 2013

CARLOS CONDE- Grande PoetaPopular

Esta página foi escrita e publicada neste blogue a 26 de Maio de 2007, e não teve qualquer constetação!?

A 14 de Novembro de 2001 foi dada a uma rua de Lisboa no bairro de Campolide.

Aqui está a foto da placa e um artigo de Appio SottoMayor publicado no Jornal "A Capital", em que refere a "particularidade do epíteto Poeta Popular"

 

 

País de poetas é expessão já cansada do uso para definir Portugal. E, no entanto, continua verdadeira como no dia da sua invenção. Parece, porém, que na Poesia como em tudo o mais na vida, se formam classes: há uns tantos servidores das musas já tidos como académicos; há alguns (raríssimos) cujas novas produções são garantia de rápido desaparecimento dos escaparates; há uma multidão que vai esgotando sentimentos em edições de autor...

E há depois aqueles que, aparentemente sem escola e não se arrogando de angústias universais, vão compondo alo longo da vida com a facilidade de quem respira, encontrando rimas, ritmos e imagens como se tal faculdade lhes viesse de graça logo no berço. Chamam-lhes Poetas Populares. Metem a dor, a alegria, a raiva, o ciúme, o desejo, a bondade e a morte em meia dúzia de versos e passam a mensagem como se fosse dever natural. Todo um tratado de filosofia do comportamento pode, para eles, caber em poucas palavras.


Trabalho é letra vencida

Que o suor já pagou bem.

Quem trabalha toda a vida

Não deve nada a ninguém.


Carlos Conde, autor da quadra transcrita, escreveu versos em grande parte da sua vida e tornou-se conhecido porque as suas letras foram musicadas e depois cantadas por gente grande do fado. De Amália a Marceneiro, de Hermínia a Fernanda Maria, quantos fadistas interpretaram as palavras deste homem que sabia transmitir emoções.

Lisboa e o Fado têm tido a sorte de encontrar quem os sirva desta forma, eivada de simplicidade mas eminentemente artística. E, querendo ter boa memória, a cidade hoenageia o poeta, em vésperas do seu centenário, com um gesto singelo: dá hoje o seu nome a uma rua.


 

 

 

 Carlos Conde, nascido em 1901 no Concelho da Murtosa em Aveiro e filho de pescadores, muito cedo teve de procurar melhor sorte e partiu para a então cidade dos sonhos, Lisboa!

Chegado à capital, o seu fascínio pelo Fado e o acolhimento no meio fadista, deverão ter despertado o talento nato do poeta, para a concretização da maravilhosa obra que nos legou e que hoje recordamos com saudade e emoção!

É um facto, que a grande paixão de Carlos Conde foi o Fado, mas não nos podemos esquecer das lindas cegadas, um género de teatro de rua, que faziam as delícias de multidões por alturas do Carnaval.

Não devemos apagar da memória, os célebres motes e quatro décimas com que o poeta descreveu os típicos Bairros de Lisboa, onde ainda hoje, podemos apreciar muitos detalhes que têm resistido aos malefícios do tempo e à desenfreada evolução.

Carlos Conde, foi dos melhores poetas, senão mesmo o melhor, a descrever com tal exactidão, pormenor e sentimento, os hábitos e costumes das gentes desses lindos bairros, que ao lermos a sua obra, somos, quase que por magia, transportados para a época e para os locais descritos.

Isto, para não falarmos nas deliciosas quadras, que correram Portugal inteiro, vencendo concursos de Norte a Sul e espalhando o talento do poeta, pelas almas sedentas, de palavras harmoniosas e verdadeiras.

Mas, como já afirmei, foi de facto no Fado que Carlos Conde se notabilizou, autor de centenas de letras:

( A mulher que já foi tua, Sótão da Amendoeira, Marquês de Linda-a-Velha, Feira da Ladra, Bairros de Lisboa, Revista de Fados, Não passes com ela à minha rua, Trem desmantelado, etc, etc.)

 e para sempre imortalizadas nas vozes de: Amália, Argentina Santos, Maria da Fé, Carlos do Carmo, Fernando Maurício, Fernanda Maria, os Marceneiros (Pai, filho e neto), Lucília do Carmo, Ercília Costa, Ada de Castro, Rodrigo, João Ferreira Rosa, Gabino Ferreira, Raul Pereira, Adelina Ramos, Maria Amélia Proença e tantos outros.

Carlos Conde deixou de escrever para nós dia 12 de Julho de 1981, levando consigo as mais douradas décadas de fado.

Apesar da saudade latente, de um homem humilde e sincero, gravada para sempre em nossos corações, o que mais nos deve angustiar, é o facto de só após todos estes anos, compreendermos a dimensão do vazio deixado pelo homem que mais escreveu para o fado e só por isso a sua chama será eterna.

O reconhecimento por parte da Câmara Municipal de Lisboa, ao atribuir o seu nome a uma das artérias da cidade, vem repor justiça, à memória de um homem que tanto amou Lisboa.

 

Obrigado Carlos Conde!

 http://carlosconde.com.sapo.pt/

 Paulo Conde, 25 de Maio de 2007


     Vitor Duarte e Paulo Conde

 

Paulo Conde é bisneto de Carlos Conde, é o autor da sua monobiografia “FADO – Vida e Obra do Poeta Carlos Conde”.  Escreve o autor  na contracapa do seu livro:

Quando decidi eternizar em livro a vida e obra do poeta Carlos Conde, moveu-me para além do sangue e impulsos de descendência, uma vontade expressa de tributar o Fado.

Nutro pelo Paulo uma amizade e carinho, que nasceu no momento em que nos conhecemos, honra-me saber que o sentimento é recíproco, a nossa troca de “cartões” como se pode verificar na foto abaixo, foi a troca das nossas obras de que muito nos orgulhamos.

Obrigado Paulo Conde  pelo documento que deixaste para a história do Fado e desse grande poeta entre os poetas,  Carlos Conde teu bisavô.

Vitor Duarte Marceneiro 26-05-2007

 

Alma fadista

Conheço o Vítor Duarte destas andanças de homenagear o fado, é algo que nos está no sangue e como temos amizades cruzadas por consagrados ascendentes do meio fadista, não degenerámos. Prova disso é o notável trabalho (e se não conhecesse o Vítor pessoalmente, diria que era um génio) de colocar Lisboa no Guiness. Lisboa a cidade mais cantada do mundo, vai concerteza encher de orgulho o povo lusitano, porque nisto de reconhecimentos fora de portas há que deixar regionalismos de parte.

 

Deixo aqui um abraço de carinho e admiração ao Vítor, para quem o fado é uma forma de vida, sem aprumos de circunstância nem vaidades mascaradas, mas simplesmente um acto natural e reflexo como o pulsar do coração.

 

Paulo Conde - Bisneto 25-05-07

 


 

  Carlos Conde é um dos poetas com mais poemas sobre Lisboa:

                                   FLORES DE LISBOA

Letra de Carlos Conde  

Música de: Túlio Pereira

 

                                 Sempre a rir, sempre a cantar

                                 Esta Lisboa bonita

                                 Beija quem a sabe amar

                                 E abraça quem a visita

 

                                 Lisboa não se afadiga

                                 De cantar a vida inteira

                                 Tem p´ra tudo uma cantiga

                                 A Cidade Cantadeira

 

                                 A quem visita

                                 Esta Lisboa

                                 Terra que o mundo prende em fortes laços

                                 Os nossos beijos

                                 Com os desejos

                                 A que voltam de novo a nossos braços

                                 O meu país

                                 P´ra ver feliz

                                 Quem nos rende amizade fraternal,

                                 Concede flores

                                 De vivas cores

                                 Colhidas nos jardins de  Portugal!

 

                                 Lisboa deita-se tarde

                                 E tão bem o fado entoa

                                 Que nunca falta quem guarde

                                 Uma nesga de Lisboa!

 

                                 Canta e sente um bem profundo

                                 Pois é feliz e contente

                                 A cantar p´ra todo o mundo

                                 E a sorrir para toda a gente

 

 

Vítor Duarte Marceneiro canta: Bairros de Lisboa



 Carlos Conde também era um poeta de esperança, de fé  no futuro.

 


           

      Carlos Conde (Trineto de Carlos Conde

 

Beatriz Duarte e Alfredo Duarte (Bisnetos Marceneiro)

                                          



“È TÃO BOM SER PEQUENINO”
Letra de: Carlos Conde
Música: Corrido ou Mouraria
 
                                      É tão bom ser pequenino
                                     Ter pai, ter mãe, ter avós
                                     Ter esperança no destino
                                     E ter quem goste de nós
 
                                     A velhice traz revés
                                     Mas depois da meninice
                                     Há quem adore a velhice
                                     Para ser menino outra vez
                                     Ser menino que altivez
                                     De optimismo e desatino
                                     Ver tudo bom e divino
                                     Tudo esperança, tudo fé
                                     Enquanto a vida assim é
                                     È tão bom ser pequenino
 
                                     Ver tudo com alegria
                                     Sem delongas sem demoras
                                     Viver a vida numa hora
                                     Eternidade num dia
                                     Ter na mente a fantasia
                                     Dum bem que ninguém supôs
                                     Ter crença sonhar a sós
                                     Com a grandeza deste mundo
                                     E para bem mais profundo
                                     Ter pai, ter mãe, ter avós
 
                                     Ter muito enlevo a sonhar
                                     Acordar e ter carinho
                                     Ter este Mundo inteirinho
                                     No brilho do nosso olhar
                                     Viver alheio ao penar
                                     Deste orbe torpe ferino
                                     Julgar-se eterno menino
                                     Supor-se eterna criança
                                     E num destino sem esperança
                                     Ter esperança no destino

 

                                     Oh! Desventura, Oh! Saudade

                                     Causas da minha inconstância

                                     Dai-me pedaços de infância

                                     Retalhos de mocidade

                                     Dai-me a doce claridade

                                     Roubando-a ao tempo atroz

                                     Eu queria ter a minha voz

                                     Para cantar o meu passado

                                     E é tão bom cantar o fado

                                     E ter quem goste de nós


 

Alfredo Marceneiro canta

È Tão bom Ser Pequenino


 

Carlos Conde tinha uma visão muito profunda das injustiças sociais, foi dos poetas de fado com mais poemas censurados.

 

Alfredo Marceneiro fala de Carlos Conde 

 

  

"JANELA DA VIDA" 

Letra de: Carlos Conde

Música: Alfredo Marceneiro

  

                                           Para ver quanta fé perdida

                                           E quanta miséria sem par

                                           Há neste orbe, atroz ruim

                                           Pus-me à janela da vida

                                           E alonguei o meu olhar

                                           P´lo vasto Mundo sem fim.

 

                                           Pus todo o meu sentimento

                                           Na mágoa que não se aparta

                                           Do que mais nos desconsola;

                                           E assim a cada momento

                                           Vi buçais comendo à farta

                                           E génios pedindo esmola!

 

                                           Vi muitas vezes a razão

                                           Por muitos posta de rastos

                                           E a mentira em viva chama;

                                           Até por triste irrisão

                                           Vi nulidades nos astros

                                           E vi ciências na lama!...

 

 

                                           Vi dar aos ladrões valores

                                           E sentimentos perdidos

                                           Nas que passam por honradas

                                           Vi cinismos vencedores

                                           Muitos heróis esquecidos

                                           E vaidades medalhadas

 

 

                                           Vi no torpor mais imundo

                                           Profundas crenças caindo

                                           E maldições ascendendo

                                           Tudo vi neste Mundo

                                           Vi miseráveis subindo

                                           Homens honrados descendem

 

                                           Por isso afirmo com siso

                                           Que p´ra na vida ter sorte

                                           Não basta a fé decidida

                                           P´ra ser feliz é preciso

                                           Ser canalha até à morte

                                           Ou não pensar mais na vida.


 Vítor duarte Marceneiro 

Diz o poema Janela da Vida


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Homem,, Grande Poeta
música: Várias
publicado por Vítor Marceneiro às 19:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Novembro de 2013

JULIO PROENÇA - FADISTA

JÚLIO PROENÇA (de facto Júlio da Fonseca), cantador de voz quente e sentimen­tal, nasceu em Lisboa, na Rua do Capelão, n.º 20 (perto da casa onde morou a Severa), em pleno coração da Mouraria, e ali aprendeu a cantar com a mãe, mais tarde mudou-se  para o Bairro Alto (Rua das Gáveas).

Em 1917, pela mão do cantador António Lado, começou a cantar como amador em festas de beneficência, nos retiros, em esperas de touros, em cinemas, nos teatros ApoIo, Trindade, Avenida, Maria Vitória e no Salão Artístico de Fados. E em 1927 tomou parte, ainda como amador, numa digressão por várias localidades do País - a primeira que se realizou no género - com Joaquim Campos, Alberto Costa, Raul Ceia e Maria do Carmo, os guitarristas Armandinho e Herculano Rodrigues e o violista Abel Negrão.

Júlio Proença tornou-se cantador profissional em 1929, ano em que no Coliseu dos Recreios participou na opereta Mouraria. Actuou também nos teatros Joaquim de Almeida, Eden­-Teatro, S. Luís, Capitólio e Variedades, nos clubes Monumental, Ritz, Olímpia e Maxim's, no Retiro da Severa, no Solar da Alegria (que reabriu sob a sua direcção e a de Deonilde Gouveia em Março de 1931) e nos Cafés Ginásio, Mondego e Luso.

Com um estilo sentimental e boa dicção, Júlio Proença cantou versos dos poetas Augusto Sousa, Fernando Teles, Júlio Guimarães, Henrique Rego, Frederico de Brito e João Linhares Barbosa, e distinguiu-se como autor de música de fados, entre eles o Fado Proença, Fado Camélias e Fado Moral. Das suas interpretações gravadas em disco, citam­-se: Como Nasceu o Fado, Três Beijos, Olhos Fatais, Mentindo Sempre, Meu Sonho, Minha Terra, Meu Sentir, Saudade, etc.

Em 1946 foi homenageado numa festa realizada na Sala Júlia Mendes no Parque Mayer.

Parte para Moçambique onde veio a falecer em 1970

 

© Vítor Duarte Marceneiro

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas do Passado
publicado por Vítor Marceneiro às 19:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Novembro de 2013

JULIO GOMES - Violista de Fado

Nasceu na freguesia de Santa Isabel, de Lisboa, em 14-3-1912, desde muito jovem que demonstrou aptidão para a música, decerto influenciado por seu pai que tocava guitarra .
Mas a sua escolha é a viola, que passa a aprender, sem lições, apanhando as músicas de ouvido, treinando até tocá-las.
Como todos quase os músicos da época, antes de dedicar a sua vida em exclusivo á música tem outra actividade, escriturário na CP, onde permanece, não deixando de actuar como violista, como segunda ocupação.
No inicio dos anos quarenta do século anterior, actua na Emissora Nacional., fazendo parte do conjunto de guitarras de Raul Nery, onde se manteve cerca de uma década. Com o conjunto de Raul Nery participou em espectáculos, acompanhando Amália, na Roménia, Rússia, Leninegrado,. Estados Unidos da América, Canadá, França, Itália, etc.
Júlio Gomes também participou no primeiro programa experimental da RTP na Feira Popular de Palhavã (1956).
Fez também parelha com outros guitarristas de nomeada, como Casimiro Ramos, Jaime Santos, Domingos Camarinha e Carlos Gonçalves, etc.
Foi casado com a fadista Natalina Bizarro
Actuou em quase todas as casas de Fado da sua época, assim como artistas de nomeada, era um bom amigo quer de meu avô, quer de meu pai.
 
 
1ª foto: Conjunto de guitarras de Raúl Nery, com Raúl Nery, Fontes Rocha, Júlio Gomes e Joel Pina.
2ª foto: Fontes Rocha e Júlio Gomes acompanhado Fernando Farinha.

Em 29 de Setembro de 2012 após receber  esta mensagem, que me enterneceu, e me fez ver quanto esteb trabalho é importante para alguns, publiquei uma página sobre este grande músico, que tive o prazer de conhecer pessoalmente.

 

-----Mensagem original-----

De: Virgínia gomes

Enviada: quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008 13:10

Para: fado.em.movimento@sapo.pt

Assunto: Conhece o viola Júlio Gomes?

Importância: Alta

 

Caro Vítor Marceneiro,

 

Em primeiro lugar os meus parabéns pelo seu site. Deve ter lido isto um milhão de vezes mas o que e um facto e que depois de muitos anos a tentar no "Trilho das Memórias " encontrar imagens do meu tio avo Júlio Gomes que era um viola de vários fadistas afamados, vejo na sua pesquisa uma possibilidade de ajuda nesta tarefa.

Vivo desde há cinco anos em Londres e actualmente dividida entre UK e Franca. Tenho procurado na net e youtube sem sucesso. Cresci a ver o meu tio na Tv a acompanhar vários fadistas, sei que acompanhou mesmo Amália Rodrigues nos seus primórdios, creio que no Luso. Apesar de não ser uma expert em assuntos de fado sinto por esta expressão musical tudo o que um português normal deveria sentir...admiração e nesta coisa de genes toda a minha família e musical e tenho um filho que curiosamente depois de passar pelo violino e piano escolheu agora como instrumento preferencial a guitarra. Mais uma razão para que lhe mostre aquilo que o tio-bisavô deu ao fado.

 

Será que me pode ajudar? 

Atentamente

 

Virgínia Gomes


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Músico
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 8 de Novembro de 2013

JÚLIO PERES - Fadista Alcantarense de Alma e Coração

Natural do bairro de Alcântara, onde nasceu em 1909. Faleceu em 1995

Começou a cantar muito jovem, aos 11 anos e com 15 já participava em serenatas e cegadas pelo carnaval.
Trabalhou no Arsenal de Marinha com Alfredo Marceneiro de quem era amigo e companheiro.
Profissionalizou-se aos 18 anos, actuando em muitas casas de Fado.
Foi um dos iniciadores de dar fado no Parque Mayer e foi gerente artístico do Café Luso.
Entre os seus companheiros habituais contavam-se Gabino Ferreira, Frutuoso França, José Coelho, Júlio Vieitas e Manuel Calixto, com quem participou em grandes noites de Fado.
Cantou na Cesária e no Timpanas em Alcântara, era bem tal com Filipe Pinto e Alfredo Marceneiro um “Marialva do Fado”.
Entre as suas criações para além da que aqui colocamos o tema, destacam-se Fado do Fa¬roleiro; Milagre da Rainha Santa; Eu Gosto Daquela Feia; Não Te Quero Perder, Duas Promessas; Alfama e A Última Corrida em Salva terra; O Velho Tinteiro (com letras de Francisco dos Santos); O meu Bairro e Ó Minha Mãe, Minha Amada (ambos com poemas de Linhares Barbosa).
Hábil dançarino, ganhou inúmeros prémios e medalhas em concursos onde constituía uma verdadeira atracção.
Cantou muitoa anos na Parreirinha de Alfama.
Após a publicação desta página recebi uma mensagem do Edgar Canelas, grande radialista e conhecedor da história do Fado, a indicação que Júlio Peres foi o primeiro fadistas a cantar e a gravar o Fado "Igreja de Santo Estavão", a qum agradeço o contributo.
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas da Velha Guarda
publicado por Vítor Marceneiro às 13:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 3 de Novembro de 2013

Vítro Marceneiro - Fados da Minha Vida

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Honrado
publicado por Vítor Marceneiro às 22:59
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Novembro de 2013

JOSÉ NUNES - Guitarrista



José Nunes Alves da Costa (José Nunes) nasceu no Porto na freguesia de Paranhos em 28 de Dezembro de 1916.

Com cerca de 5 anos aprende a dedilhar o Fado Menor numa guitarra que pertencia a um sapateiro vizinho de seus pais.

Com oito anos de idade vem para Lisboa estudar,  co dezasete anos completou  o Curso de Electrotecnia.

Começa a frequentar uma taberna à Rua dos Cavaleiros, que tinha à disposição de quem soubesse tocar uma guitarra e uma viola,  à tarde o local era frequentado por gente do Fado onde os seus dotes a ninguém passou despercebido.

Ainda como amador  mas já não sendo um principiante José Nunes exibe-se no Café Ginásio, no Café Luso (Avenida da Liberdade), e ainda em tertúlias fadistas.

É em 1936 com vinte anos de idade que se estreia como profissional no Café Mondego (mais tarde Retiro dos Marialvas), acompanhado por um dos mais conceituados tocadores de viola de Fado da época, Alfredo Mendes.

Em 1945 com a reabertura do Solar da Alegria, sob a direcção artística de Júlio Proença, é contratado, ali levam a efeito as noites de “Fado Antigo” era nessa altura cabeça de cartaz Fernanda Peres “ a voz nostálgica do Fado”, José Nunes à frente de um conjunto de guitarras e violas dos quais fazem parte Casimiro Ramos, Alfredo Mendes e Pais da Silva, onde cada vez ganha mais admiradores, há quem o compare ao Grande Armandinho .

Mais tarde actua no Café Luso ( Travessa da Queimada), onde se mantém sete anos, rescinde o contrato porque decide tirar partido do seu curso e talvez uma maior estabilidade profissional, e ingressa na Companhias Reunidas de Gás e Electricidade, onde chega a exercer o cargo de Chefe Ajunto da rede geral de gás, conseguindo no entanto conciliar esta actividade com a de músico.

Tocou em directo como era costume na época em várias rádios, mas foi na Emissora Nacional que mantém às sextas-feiras durante cerca de trinta anos um programa que foi decerto inspiração para muitos futuros guitarristas.

Em 1956 é o primeiro guitarrista a actuar na Radiotelevisão.

José Nunes tocou praticamente para todos os fadistas e gravou com muitos deles, permitam-me que realce, eu próprio tive a honra de gravar um EP para a Valentim de Carvalho, e um dos temas desse disco era precisamente o poema que Artur Ribeiro fez para mim, e uma pessoa que tal como se diz do meu avô tinha (um certo mau feitio), só me posso recordar que foi de uma simpatia e de uma colaboração, aliadas a alguns conselhos que nunca poderei esquecer.

Foi guitarrista de Amália em Portugal e no Estrangeiro, mas acaba por dar lugar a outro, pois tem a fobia de andar de avião.

È autor de vários fados e variações, saiu à cerca de dois anos um "cd - O Melhor de José Nunes" com as suas variações que é uma tal virtuosidade, ouvi-lo causa arrepios de prazer fadista.

A sua guitarra cala-se em 23 de Janeiro de 1979, no seu cortejo fúnebre a grande maioria dos músicos e gente do Fado, prestam-lhe a sua sentida homenagem.

 

José Nunes toca em homenagem a Lisboa e ao Poeta/compositor Artur Ribeiro e ao compositor  Raul Ferrão

Video-Clip realizado por Vítor Marceneiro

 
 

Ficha Técnica:

Imagem , montagem e sonorização: Vítor Duarte Marceneiro

Execução musical por: José Nunes

Temas: Lisboa -música de Raúl Ferrão para o poema de Artur Ribeiro

             Rosinha dos Limões -  Música de Artur Ribeiro

             Lisboa não sejas Francesa - Raúl Ferrão

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Guitarra...nostálgica guitarra
música: Homenagem de José Nunes a Artur Ribeiro -Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 19:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags