Quarta-feira, 28 de Maio de 2014

António Pinto Coelho

 

 

“TRADIÇÃO” - Fados
 CD de António Pinto Coelho -  Maio de 2014
António Pinto Coelho, natural do Bairro da Madragoa, lança em Maio o CD “Tradição” com 17 temas tradicionais do Fado.

Acompanham-no, na guitarra portuguesa, o Mestre António Parreira, na guitarra clássica, Cristina Pinto Coelho que foi aluna de fado do guitarrista e professor, e, na viola baixo, João Penedo.
António Pinto Coelho nasceu no seio de uma família de amantes do fado e canta desde muito jovem, esporadicamente em casas de fados. Este é o seu segundo projecto em disco.

 

 

António Pinto Coelho

Canta: Saudade

Faixa 5 do CD - Tradição Fados

 

 

No disco “Tradição”, António Pinto Coelho faz uma homenagem ao chamado fado tradicional, escolhendo, integralmente, músicas de fados tradicionais compostas pelos “grandes do fado tradicional” tais como Renato Varela, Alfredo Marceneiro, Armando Machado, Filipe Pinto, Fontes Rocha, Franklin Godinho, João Maria dos Anjos, Pedro Rodrigues, Joaquim Campos e Armandinho. As letras escolhidas inserem-se na mesma linha com nomes tais como Manuel de Andrade, João Fezas Vital, António Amargo, João Ferreira Rosa, David Mourão Ferreira, António Calem e João de Freitas. Apenas uma excepção a este rol de nomes consagrados! É que o fadista resolveu incluir uma letra sua intitulada “Verde Lagoa” num dos fados mais antigos incluídos no disco, o Fado Rosa composto por António Rosa e celebrado na voz de Marceneiro. O CD inclui ainda três variações do grande Armandinho.


António nasceu no Bairro da Madragoa da freguesia de Santos-o-Velho no seio de uma família de amantes do fado com quem aprendeu a ouvir e a gostar do fado.
Começou a cantar em 1963 acompanhado pelo seu tio, o guitarrista Fernando Pinto Coelho, muitas vezes acompanhante da fadista Maria Teresa de Noronha, tendo na altura como referências Alfredo Marceneiro e Vicente da Câmara.

Ao longo destes anos tem cantado regularmente em casas de Fado.
Apesar do Fado o acompanhar desde pequeno, só em 2009 lança o seu primeiro CD intitulado “Fado Amado”. O CD “Tradição”, agora lançado, não estava planeado e é o resultado do seu convívio com o Mestre António Parreira e da amizade que se criou entre o grupo ao longo dos últimos anos nas aulas, nos ensaios e cantorias.


Contacto: Cristina Pinto Coelho - cristinapc@netcabo.pt

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fado Tradicional
música: Fado "Saudade"
publicado por Vítor Marceneiro às 10:43
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

HENRIQUE REGO

Poeta popular, nasceu e morreu em Lisboa (1885-1963).

Cantador na juventude, foi na poesia que se celebrizou, abordando temas bucólicos e líricos, tendo legado uma vasta obra, com versos de gran­de perfeição.

Fez parte dos concílios poéticos muito na moda na época.

Foi quem mais versos escreveu para Alfredo Marceneiro

Alfredo Marceneiro tinha uma sensibilidade muito especial para escolher  os fados que cantava, e a partir de certa altura eram os poetas que o assediavam para que interpretasse os seus poemas.

Dos muitos poetas que para ele escreveram, Henrique Rêgo foi decerto o que mais admirou. Mas no início desta relação houve um episódio que Alfredo relembrava:

 

Henrique Rêgo afirmou certo dia num "concílio poético" de fado:

 

— Que os versos só tinham valor e eram sentidos, quando escritos ou recitados, mas que nunca poderia senti-los quem os cantasse.

 

Alfredo Marceneiro ao ouvir tal afirmação, discordou firmemente e solicitou ao guitarrista Henrique Simas que o acompanhasser, e cantou um fado da autoria de Henrique Rêgo, Amor de Mãe.

 

Este ao ouvir os seus versos cantados com tal sentimento e intuição, comovido disse:

 

— Isto define um cantador... retiro o que tinha dito

 

Deve ter sido a partir desta altura, que amizade de ambos mais se cimentou, Henrique Rêgo veio a ser seu compadre, pois fez questão de ser padrinho de baptismo da sua filha Aida.

Certo dia perguntaram-lhe a sua opinião sobre Alfredo Marceneiro, ao que ele respondeu em verso:

 

Como existe compadrio

Ente mim e «Marceneiro»,

O meu maior elogio

É dizer, abertamente,

Que este fadista afamado

Enebria toda a gente

Que gosta de ouvir o Fado!...

 

 © Vítor Duarte Marceneiro

 

Eis um resumo da produção desse grande poeta popular Henrique Rêgo, para o repertório de Alfredo Marceneiro.

 

" COLCHETES D´OIRO "

 

Toma lá colchetes d´oiro

Aperta o teu coletinho

Coração que é de nós dois

Deve andar aconchegadinho

 

" CABELO BRANCO"

 

Cabelo Branco é saudade

Da mocidade perdida

Às vezes não é da idade

São os desgostos da vida

 

" O LENÇO"

 

O lenço que me ofertaste

Tinha um coração no meio

Quando ao nosso amor faltaste

Eu fui-me ao lenço e rasguei-o

 

 "A MENINA DO MIRANTE "

 

Menina lá do mirante

Toda vestida de cassa

Deite-me vista saudosa

E um adeus da sua graça

 

 

" MOINHO DESMANTELADO"

 

Moinho desmantelado

Pelo tempo derroído

Tu representas a dor

Deste meu peito dorido

 

" AVÓZINHA "

 

Ainda me lembro bem

Dessas noites invernosas

Em que o vento sibilava

E das lendas amorosas

Que a minha avó que Deus tem

Junto á lareira me contava

 

" SINAS "

 

Já mandei ler tantas sinas

Na palma da minha mão

E todas elas constatam

Que as buliçosas meninas

Dos teus olhos é que são

As meninas que me matam

 

"AS FONTES DA MINHA ALDEIA"

 

As fontes da minha aldeia

Murmuram, gemem em coro,

E as águas que vão correndo

Levam consigo o meu choro

 

 

" OS VÉLHINHOS "

 

Sentado nos degraus

Musgosos d´uma Ermida

Dois velhos aldeões

Mortinhos de saudade

Com palavras de amor

Cândidas como as rosas

Lembravam com ternura

A morta mocidade

 

" O NATAL DO MOLEIRO "

 

Que noite de Natal, tristonha agreste

De neve amortalhava-se o caminho

E o vento sibilada do nordeste

Por entre as frinchas da porta do moinho

 

 

" TRÊS TABULETAS "

 

De ferro três tabuletas

Todas três numeros seguidos

Dizem eternas moradas

Desses três na morte unidos

" OH ÁGUIA "

 

Oh águia que vais tão alta

Num voar vertiginoso

Por essas serras d´além

Leva-me ao céu, onde tenho

A estrela da minha vida

A alma da minha mãe

  

" AMOR DE MÃE "

 

Há vários amores na vida

Lindos como o amor perfeito

Belos como a Vénus querida

De tantos que a vida tem

Só um adoro e respeito

É o santo amor de mãe

“ANTES QUE QUEIRA NÃO POSSO”

 

Antes que queira não posso

Deixar o fado é morrer

É ele o meu Padre-Nosso

Que eu vou rezando a sofrer

 

"CABARÉ"

 

Foi num cabaré de feira, ruidoso

Que uma vez ouvi cantar, comovido

Uma canção de rameira, sem ter gozo

Que depois me fez chorar, bem sentido

 

 " O BÊBADO PINTOR"

 

Encostado sem brio

Ao balcão da taberna

De nauseabunda cor

E tábua carcomida   

O bêbado pintor

A lápis desenhou      

O retrato fiel

Duma mulher perdida

"A LUCINDA CAMAREIRA"

 

A Lucinda Camareira

Era a moça mais ladina

Mais formosa e mais brejeira

Do Café da Marcelina

 

" FADO BAILADO "

           

À mercê dum vento brando

Bailam rosas nos vergéis

E as Marias vão bailando

Enquanto vários Manéis

Nos Harmónios vão tocando

 

 

“O CAMPONÊS E O PESCADOR”

 

Eu adoro do mar

As ondas imponentes

Que vão morrer á praia

Em finos rendilhados

 

Eu adoro a campina

A rústica montanha

Adoro enfim a Paz

Nostálgica dos prados

" O BAILADO DAS FOLHAS "

 

Foi numa pálida manhã de Outono

Soturna como a cela dum convento

Que num vetusto parque ao abandono

Dei largas ao meu louco pensamento

 

" O LOUCO"

 

Quiseste que eu fosse louco

Para que te amasse melhor

Mas amaste-me tão pouco

Que eu fiquei louco de amor

 

"TRICANA"

 

Não sabes Tricana linda

Porque chora quando canta

O rouxinol no choupal

É porque ele chora ainda

P´la Rainha mais Santa

Das Santas de Portugal

“QUADRAS SOLTAS”

 

Junto ao Moinho cantando

Lavam roupa as lavadeiras

Os patos brincam nadando

Arrulham pombos nas eiras

 

Nota: Todos estes poemas forma cantados e gravados por Alfredo Marceneiro, com músicas da sua autoria.

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Poeta "Popular"
música: Amor de Mãe
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 22 de Maio de 2014

GUITARRA PORTUGUESA

No fim da Idade Média, vulgarizou-se chamar-se “guitarra”, na Península Ibérica, a todo o instrumento de dedilhação, Provinha a palavra do étimo grego “Kitara”, que em latim tinha a grafia de” Chitara”, ou “Cítara”.

Mas o instrumento medieval mais usado para acompanhamento de canções era o “Alaúde”, que só apareceu na Europa para além dos Pirinéus, no século XIII, mas na Península Ibérica já era utilizado desde o século VIII.

Havia também um outro instrumento em forma de “8”, de uso mais popular e também denominada guitarra, ou mais precisamente “Guitarra Castelhana”, que em Espanha acabou com a utilização do “Alaúde”.

Em Portugal continua-se a utilizar o “Alaúde” mas agora denominado de “Guitarra”, em relação à “Guitarra Castelhana”, os portugueses passam a denominá-la de “Viola” do latim “Vitula” já que a sua forma se assemelha ao instrumento de concerto “Viola de Arco”.

Hoje fazemos referência à Guitarra Portuguesa,  à Viola de Fado e à Guitarra Clássica (Espanhola)

Apenas em Portugal se mantém a parelha da Guitarra com a Viola para acompanhar o Fado.

Até ao século XVIII, o sistema de afinação das guitarras portuguesas era constituído por “cravelhas de madeira”, mais tarde (no tempo da Severa) aparece a “chapa metálica quadrangular”, cuja afinação se fazia com uma chavinha de relógio. No final de século XIX, toma a forma actual de leque, afinada por esticadores em parafuso, (no tempo da Cesária e da Maria Vitória) e que tem vindo a sofrer alterações até aos dias de hoje.

Era e é notório o amor tradicional dos portugueses pela sua guitarra.

Afirma-se que era tal a afeição pela guitarra pelos portugueses, que após a trágica jornada de Dom Sebastião em que o nosso Rei foi derrotado pelo Sultão de Fez de Marrocos, que entre os despojos do acampamento dos portugueses havia milhares de guitarras.

Também os nossos marinheiros levavam guitarras nas caravelas que singrava os mares à descoberta de Novos Mundos.

Foi na distância das terras longínquas que a saudade da Pátria e das afeições apartadas, que as trovas dos nautas portugueses ganharam novos ritmos e o Fado actual entrou em embrião

 in:  Fado de Mascarenhas Barreto

 

 

Variações na Guitarra Portuguesa por José Nunes

 

 

GUITARRA, VEM COMIGO!

 

Letra: Carlos Conde

  

Guitarra, velha amiga e companheira,

Da boémia afadistada

Vem daí perde a noite inteira

Em alegra ramboiadada

 

Como foste e grande amiga

Das rimas de uma cantiga

Em tempos que já lá vão.

Quero andar contigo à toa

Pelos Bairros de Lisboa

Onde mora a tradição

 

Velha guitarra

Meu sonha e fado

Vamos p´ra a farra

Lembrar tempos do passado.

Quero mostrar

Que tenho brio

Para cantar

Um despique ao desafio!

 

Vem daí, mostrar à mocidade

A graça que o fado tinha

Vamos correr os bairros da cidade

Onde tu foste rainha!

 

Vem, guitarra, vem comigo,

Reviver o tempo antigo

Que o teu passado resume;

Viver no fado a balbúrdia

Das grandes noites de esturdia,

Juras, amor e ciúme!

 

Quando publiquei esta página em Maio de 2007 recebi esta nota, que muito me apraz trancrever.

 

De João Filipe Braga a 23 de Agosto de 2007 às 18:33

Caro Vitor,
Gostaria antes de mais, de o congratular por todo o precioso trabalho que tem vindo a desenvolver,e , de lhe agradecer por toda a informação que tem divulgado e disponibilizado neste seu site.
Gostaria de complementar a informação alusiva á guitarra portuguesa, referindo que existem actualmente duas variantes na Guitarra Portuguesa, nomeadamente a de Lisboa e a de Coimbra, diferindo ambas nas sua morfologia, na sua ornamentação bem como na sua afinação e consequente sonoridade, e técnica de execução.
Cracteriza-se a guitarra de lisboa, pela sua maior caixa de ressonância, e pelo remate da sua extremidade a qual se desenvolve segundo uma voluta, estando munido o instrumento de inumera ornamentaçãona sua escala, na sua boca e no remate das suas ilhargas. A sua execução apresenta-se tal como instrumento, mais ornamentada.

A guitarra de Coimbra nasce pela mão de Artur Paredes, nesta mesma cidade, a qual foi concebida para ser tocada na rua, tendo assim uma afinação mais grave (afinando um tom abaixo da guitarra de lisboa) de forma a poder projectar o seu som. É um objecto despojado de qualquer ornamentação, recusando inclusivamente a marcação da sua escala nos trastos do seu braço. A sua extremidade termina com uma lagrima, a qual é uma alusão à lagrima de Sta Isabel, Padroeira de Coimbra. O seu leque de afinação difere tambem do lisboeta.
A sua técnica de execução é coerente á sua austeridade.

Existe porem uma terceira variante na guitarra portuguesa, denominando-se de Guitarra do Porto, a qual apresenta uma dimensão menor e diferindo das outras pela ornamentação da sua extremidade a qual apresenta o desenho de um rosto humano, de uma flor ou de um animal

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Guitarra portuguesa
música: Som de Guitarra- Choro da Alma Lusa
publicado por Vítor Marceneiro às 19:05
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Maio de 2014

FILIPE PINTO -Fadista da Velha Guarda

Cantador e compositor, nasceu em Lisboa (1905-1968)

Era conhecido por Marialva do Fado dada a forma re­quintada com se vestia, destacando os típicos sapatos de tacão alto.

Começou a cantar o Fado ­com apenas 15 anos, e foi como amador que se apresentou em festas par­ticulares, de beneficência, em colectividades de re­creio, ganhando experiência, vindo a ser contratado como profissional no retiro Ferro de Engomar.

Cantou ainda no Salão Artístico de Fados, na Cervejaria Vitória, e, em retiros como  A Severa, O Solar da Alegria e  O Café Mondego.

Foi no Solar da Alegria num concurso de “Fado Corrido", que obteve uma me­dalha de ouro, correspondente ao primeiro prémio, tendo mais tarde ganho também o primeiro lugar num outro concurso de Fados realizado no Salão Sul América, em 1930.

Dada a sua experiência era solicitado como apresentador nos espectáculos, vindo a ser convidado para gerente do Solar da Alegria, onde deu a conhecer outros intérpretes que vieram a ser reconheci­dos e admirados pelo público.

Fez parte de uma embaixada do Fado, composta por Armandinho e Martinho d’Assunção, que se deslocou ao Brasil e vários países da América Latina.

É autor de alguns Fados, entre eles Fernandinho e Perigo de Morte.

Marialva, boémio e noctívago era figura mui­to conhecida dos meios fadistas onde a sua opi­nião era respeitada.

Foi o apresentador escolhido para a histórica gravação de Amália no Café Luso.

«Silêncio, que se vai cantar o Fado!» expressão ainda hoje muito em voga, havendo quem lhe atribua a sua autoria! mas do Fado Meia-Noite não existem dúvidas.

Teve um filho, a  quem deu o seu nome - Filipe Pinto Júnior, - também homem de Fado, que tocava viola de acompanhamento, mas que infelizmente deixou-nos muito cedo.

 


Filipe Pinto e caricaturado  por Fernanndo Farinha

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadista da Velha Guarda
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Maio de 2014

Marquês de Pombal - Orgulho de Ser Português...

 

RESPOSTA À LETRA ( de um português com "eles no sítio"

 

Portugal estava fragilizado com o rescaldo das invasões francesas e altamente endividado com os ingleses.

Os espanhóis, aproveitando-se dessa fraqueza, faziam pressões e exigências desmesuradas e inconcebíveis, o Marquês de Pombal opunha-se  com firmeza às concessões exigidas imperiosamente pelo governo castelhano.

 

Dizendo firmemente, não, não e não,  ao embaixador de Espanha.

 

— Muito bem — atalhou o embaixador. — Um exército de sessenta mil homens entrará em Portugal e fará...

 

— O quê? — perguntou o marquês sorrindo-se, com a tremenda luneta assestada e no tom mais indiferente.

 

 Retorquio o embaixador.

 

— Fará entender a razão e a justiça das exigências de el-Rei, meu amo, a Sua Majestade e a vossa excelência! - redarguiu meia oitava acima o espanhol, supondo o ministro fulminado com tal impetuosidade -.

 

Sebastião José de Carvalho franziu as sobrancelhas, carregou a viseira e, cravando a vista e a luneta no diplomata, retorquiu-lhe friamente:

 

— Sessenta mil homens muita gente é para casa tão pequena,  mas, querendo Deus, el-Rei, meu amo e meu senhor, sempre há-de achar onde possa hospedá-la. Mais pequena era Aljubarrota e lá couberam os que D. João de Castela trouxe. Vossa excelência pode responder isto ao seu governo e a el-Rei seu senhor.

 

E, levantando-se para despedir o embaixador, acrescentou:

 

— Bem sabe vossa excelência que pode tanto cada um em sua casa, que, mesmo depois de morto, são precisos quatro homens para o tirarem!

 

Vem também a propósito parte de um poema de Carlos Conde, cantado por Vítor Duarte Marceneiro:

 

 

                                    POR BEM PODES ENTRAR

 

Se é de longe que tu vens

De um país onde se abraça

O amor, a fé a nobreza

Podes entar porque tens

Um abrigo em cada casa

Um lugar em cada mesa

 

                             Mas se trazes a divisa

                             De te impor de interceder

                             Por favor deixa-nos sós

                             O meu país não precisa

                             Que outros venha resolver

                             As discuções que entre nós

 

Diz ao mundo, grita aos sóis

Enches os céus da nossa glória

Num clarão vasto e fecundo

Que só com sangue de heróis

Portugal, ergueu história

Nas cinco partes do mundo

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Com "ELES" no sitio...
música: Sangue de Heróis
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Maio de 2014

Maria Amélia Proença - A Miúda de Campo d´Ourique

Nasceu em Lisboa na freguesia de Campo d´Ourique em 1938.

Aos oito anos de idade e com autorização do pai, inscreveram-na num concurso de fados do jornal Ecos de Portugal, cujos ensaios eram no Café Latino à Rua Ferreira Borges em Campo d´Ourique e a final seria no “Casablanca” do empresário José Miguel. Foi a grande vencedora do concurso sendo estrondosa e prolongadamente aplaudida. Coube à fadista Ercília Costa entregar-lhe o troféu, a Taça Amália Rodrigues, e a imprensa da época afirmava que, embora com oito anos o seu canto era "expressivo" com um estilo muito próprio, e uma garra de quem viria a ser uma grande cantadeira de fados, o que se concretizou, pois ainda hoje os críticos afirmam, que Maria Amália Proença tem uma voz característica e um estilo muito próprio, não deixando dúvidas a ninguém que a ouve, que aquilo que canta é Fado bem clássico. Após a vitória em 1946 conseguem-lhe uma autorização especial da Inspecção-geral dos Espectáculos, e o empresário José Miguel, contrata-a para actuar em todos os recintos que explora nomeadamente no “Casablanca”. Maria Amélia Proença integrou praticamente todos os elencos das casas de fado, nomeadamente o Café Luso, considerado "a Catedral do Fado". Participou em peças de teatro e vários programas de variedades, cegadas, etc. Em 1972 vai ao Extremo Oriente, numa digressão de mais de meio ano, tendo actuado em Macau, Singapura e Japão. Fez várias gravações cantando temas feitos especialmente para ela, mas também canta letras de outros repertórios se o tema lhe agrada. Uma das suas últimas gravações foi “ Fados do meu Fado” Teve actuações no Concertgebouw (Amesterdão), ou ao lado de Mariza no Royal Festival Hall, em Londres, ou no Le Carré, em França. No Concertgebouw cantou no Concerto do Milénio, em Janeiro de 2001, acompanhada pelo Nederlanders Blazers Ensemble para uma audiência de mais de um milhão de telespectadores. É a fadista com mais anos no activo, Maria Amélia Proença, já foi distinguida com o Prémio Carreira da Casa da Imprensa.

Tem uma 2ª geração fadista, embora não seja a cantar, o seu filho Carlos Manuel Proença, está no Fado, toca viola de acompanhamento e com bastante agrado de quem o ouve e de quem com ele tem cantado, igual opinião têm os seus colegas guitarristas, é aliás um dos músicos muito solicitado por fadistas de nomeada.

Foi agraciada com o prémio Amália Rodrigues na gala organizado pelo Museu Amália Rodrigues  no ano de 2011.

Em 2012 foi homenageada na festa anual da Junta de Freguesia de Santa Isabel, festa de que fui o responsavel e  apresentador.

 

 

Não Chamem Nomes ao Fado 

Letra e Carlos Conde

Música Tulio Pereira

Video de Paulo Conde

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
música: Não Chamem Nomes ao Fado
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 3 de Maio de 2014

Dia da Mãe

 

  SE PARA SER HOMEM, JESEUS,

PRECISOU QUE UMA MULHER

O DESSE Á LUZ NESTE MUNDO

O AMOR DE MÃE É A LUZ

QUE TORNA O NOSSO VIVER

NUM HINO DE AMOR PROFUNDO

 

O 1º Domingo do mês de Maio, foi convencionado passar a  ser o dia da mãe.

Em tempos de crise, como os que estamos a passar, mais difícil é para muitas mães, mas também para os pais, mas temos que torcer para que tudo se venha a recompor.

 

 

Alfredo Marceneiro canta com música de sua autoria

e versos de Henrique Rego

AMOR DE MÃE

 

 

Maria das Dores ( a avó Maria)  e Vítor Duarte

 

Minha mãe partiu com 25 anos, tinha eu cinco anos, mas quando eu já sabia escrever, era à minha saudosa avò Maria,  que eu escrevia uma mensagem de amor de filho,  como se da minha mãe se tratasse,  porque ela na realidade foi um "grande mãe" a ela lhe devo tudo o que sou,  foi durante muitos anos comemorado a 8 de Dezembro, aqui lhe presto a minha homenagem

 

Saúdo as mães de todo o Mundo, com especial carinho para aquelas que acabam por passar os seus últimos dias de vida, ou sós nas suas casas, ou em lares, e tantas vezes esquecidas e desamparadas.

A solidão é muito triste, mas como deve ser angustiante a solidão de uma mulher que pariu um filho e que o criou, e no fim da vida estar só e abandonada,  por esse próprio filho.  

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: QUE SAUDADES AVÓ MARIA
publicado por Vítor Marceneiro às 22:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Maio de 2014

DIA DO MUNDIAL DOS TRABALHADORES

EM PORTUGAL COMEMORAMOS TAMBÉM O DIA DOS ESPOLIADOS DE PORTUGAL

 

 

No dia do trabalhador, há 41 anos estávamos todos de braço dado, com um cravo ao peito, acreditando num futuro melhor....

 

 

Hoje embora desiludidos, temos que dar as mãos e lutar por um futuro mais justo para todos os povos do Mundo Inteiro, e celebremos em todos os dias o dia do cidadão independentemente das raças ou credos de cada um.

Viva a Paz, Viva a Liberdade,

Viva a Democracia

 

 

1º de Maio – Dia Mundial do Trabalho

 

O Dia Mundial do Trabalho foi criado em 1889, por um Congresso Socialista realizado em Paris. A data foi escolhida em homenagem à greve geral, que aconteceu em 1º de Maio de 1886, em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos naquela época.

 

Milhares de trabalhadores foram às ruas para protestar contra as condições de trabalho desumanas a que eram submetidos e exigir a redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. Naquele dia, manifestações, passeatas, piquetes e discursos movimentaram a cidade. Mas a repressão ao movimento foi dura: houve prisões, feridos e até mesmo mortos nos confrontos entre os operários e a polícia.

 

Em memória dos mártires de Chicago, das reivindicações operárias que nesta cidade se desenvolveram em 1886 e por tudo o que esse dia significou na luta dos trabalhadores pelos seus direitos, servindo de exemplo para o mundo todo, o dia 1º de Maio foi instituído como o Dia Mundial do Trabalho. 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Roubado e espoliado
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags