Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

MILÚ

 Maria de Lurdes de Almeida Lemos  nasceu em Lisboa,  a de 24 de Abril de 1926.

Milú foi o nome artístico que escolheu.

Estreou-se na rádio aos dez anos, e no cinema, aos doze anos, com uma breve participação em A Aldeia da Roupa Branca, de Chianca de Garcia, ao lado de Beatriz Costa.

O cinema nacional, de vida irregular e carácter improvisado, sempre teve um dos seus mais fortes apoios nos populares artistas do teatro, que lhe enchem as salas com o seu público fiel. Milú, a única ' 'movie star'' portuguesa, é a excepção. Vinda do cinema, o público acorre à revista para a ver "in person'', tal qual como quando as de Hollywood dão uma saltada à Broadway.

Milú é também excepção porque é vedeta essencialmente pela sua beleza. En­quanto que às outras a elegância ou o sorriso vêm por acréscimo, ela "existe" por ser excepcionalmente bonita. O público simpatizava com Milú desde pequena, quan­do alegrava, na Rádio-Sonora, a "Hora da petizada", e, depois, na Emissora, for­mando quarteto com Maria da Graça e as irmãs Remartinez. O público vê-a crescer, fazer-se estrela de cinema e gosta de a ouvir, com a sua voz grossa e um tanto afecta­da, como então era moda, cantar a Cantiga da rua e É assim Lisboa, canções dos seus popularíssimos filmes (O Costa do Castelo, 1943; Doze luas de mel, 1944).

Loura e mimada, sempre mais bonita, Milú retira-se de quando em quando, anunciando que é de vez, para logo voltar, sorridente, de cabeça erguida, enroscada no seu vison, pronta a desaparecer de novo. A revista, que não está acostumada a es­tes luxos, toda se deslumbra quando a estreia de Milú é anunciada nos seus palcos. Estreia que vai sendo constantemente adiada até que acontece, finalmente, em O Rosa arredonda a saia (1952), com agrado, embora ela, ao fim de um mês, abandone o espectáculo.­

O público que conhecia Milú sabia que ela, na revista, não era novidade, pois aparecera em O preto mazalipatão (1938), "revista de miúdos" que fez furor no Éden e onde contracenava com Maria José e Manuel Paiào. Tinha então só doze anos e era já anunciada como ' 'vedeta de fantasia''.

Não sendo uma vedeta popular, mas antes uma bonita vedeta, as aparições de Milú na revista nunca são banais. Quase sempre traz alegres canções, como Canta Lisboa (O Rosa arredonda a saia, 1952), ou a célebre Lisboa à noite, que ela criou em NãO faças ondas (1956) e deu a volta ao mundo. Em Agora é que são elas (1953) comandou um elenco feminino, cantando a popular Alfama, e com tanto êxi­to que, caso inédito, o espectáculo foi filmado e correu como filme de fundo pela província. Ninguém como Milú para, montando um cavalo branco, entrar no palco e dar chique a uma apoteose ribatejana, como o fazia em A vida é bela (1960). Embo­ra sem grandes consequências, fez também uma revista em Barcelona (Ven y ven, 1960), em vedeta, claro.

Um dia, desapareceu pelo Brasil e lá ficou muitos anos. Quando regressou, em 1969, era a Milú de sempre. Disse que não queria nada com o espectáculo, e eí-la lo­go num filme desastroso (O diabo era o outro, 1969). Depois, com relativo agrado, fez dramas e comédias até que voltou à revista, em Lisboa acordou... (1975). Servi­da por péssimos números, não pôde ser a Milú por quem esperava esse público que a conhece desde pequena e embora se lembre dela como a rapariga bonita e desembara­çada das comédias cinematográficas dos anos 40, gosta sempre de a ver no palco.

Foi distinguida pela Secretaria de Estado da Cultura com uma condecoração de mérito artístico. Em 2007 foi agraciada com a Ordem Militar de Santiago e Espada, pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Milú deixou-nos a 5 de Novembro de 2008 aos 82 anos

 

Filmografia:

Kilas, o Mau da Fita                 (1981)

O Diabo Era Outro                   (1969)

Dois Dias no Paraíso                (1958)

Vidas Sem Rumo                      (1956)

Agora É Que São Elas              (1954)

Os Três da Vida Airada            (1952)

O Grande Elias                           (1950)

A Volta de José do Telhado     (1949)

O Leão da Estrela                     (1947)

Barrio                                          (1947)

Doce lunas de miel                    (1944)

O Costa do Castelo                   (1943)

Aldeia da Roupa Branca          (1939) 

 

In: A Revista à Portuguesa de Vítor Pavão dos Santos e Wikipédia

  

  Milú canta

Cantiga da Rua

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Saudades de Lisboa
música: Cantiga da Rua
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

MARIA DA NAZARÉ

 Maria da Nazaré Martins, nasceu no Barreiro no dia 9 de Fevereiro de 1946.

Aos 12 anos veio com a mãe para Lisboa,  passaram a habitar no  Bairro de Campo de Ourique.

O Fado estava-lhe na alma, começa a cantar muito cedo nos serões de amigos, em colectividades  e mais tarde é integrada nas sessões para trabalhadores organizadas pela FNAT. (Actual INATEL)

Nos  anos sessenta, venceu por duas vezes a Grande Noite do Fado, que era organizada pela casa da imprensa no Coliseu.

Corria o ano de 1963 com 17 anos de idade, foi contratada pela Emissora Nacional. Percorreu  o país a cantar em “embaixadas de artistas” que actuavam ao vivo nos teatros das localidades,  nos chamados  serões para trabalhadores, que também eram transmitidos pela via rádio pela EN.

Editou vários discos a solo, mas também em colaboração com o cavaleiro José Mestre Batista e Fernando Farinha.

A sua vida artística tem-na levado a percorrer vários pontos do globo, Brasil, Angola, Moçambique, Grande Bretanha, Bélgica, Finlândia, Suécia, Dinamarca, Espanha, onde a todos eles levava um pouco desta música que percorre as ruas Lisboa.

Em Portugal tem actuado em espectáculos por todo o país, e tem várias actuações no Casino do Estoril, Expo 98, Centro Cultural de Belém, assim como também já fez vários programas em televisão

Foi artista contratada nas mais prestigiadas casas de Fado, no Arreda em Cascais, na Taverna do Embuçado, no Lisboa à Noite, Senhor Vinho, Clube de Fado e actualmente está há cerca de seis anos no Bacalhau de Molho.

Gravou vários discos a que deu os títulos:

 

Cada um para seu lado

Lá vai ele atrás de ti

Saudades tenho-as aos montes

Meu grande, grande amor

Ser Fadista

Em 2013 foi galardoadad na VII Gala Amália com o Prémio de Intérprete

Conheço a Maria da Nazaré desde muito jovem, eu e a toda a minha família nutrimos uma grande estima e amizade pela Maria da Nazaré,  o meu avô gostava imenso de ouvir cantar, afirmou várias vezes que a Maria era para ele, a mulher que melhor cantava o Fado Menor.

 Conheço também uma sua filha, a Joana Cruz, que também canta muito bem o Fado, embora não faça neste momento profissão a cantá-lo. Sou também amigo de há muitos anos de seu pai, conhecemo-nos  no Bacalhau de Molho do tempo do Álvaro,  e posso dizer-vos que é uma jovem com muito mérito.

 

Poema da autoria de Maria da Nazaré, em que nos transmite, porque canta o Fado.

 

CANTO PORQUE CANTAR O FADO
É CANTAR A COMPLEXIDADE DOS SENTIMENTOS
QUE ANIMAM O CORPO E A ALMA.
CANTO PORQUE CANTAR O FADO É CANTAR O AMOR,
INCONDICIONALMENTE
DEDICADO A ALGO OU ALGUÉM.
CANTO PORQUE CANTAR O FADO É CANTAR O CIÚME,
SENTIMENTO FUNDAMENTAL E SEMPRE PRESENTE QUANDO SE AMA.

CANTO PORQUE CANTAR O FADO É CANTAR O MEU PAÍS,
AS GENTES E A SUA CULTURA,
PORQUE CANTAR O FADO É EXPRIMIR
O SONHO E A DOR DO OUTRO,
O SONHO E A DOR DE QUEM CANTA,
PORQUE CANTAR O FADO É EXORCIZAR A ALMA DO MEU PAÍS.
CANTO PORQUE CANTAR O FADO É CANTAR OS CHEIROS E OS OLHARES,
AS ALEGRIAS E AS TRISTEZAS QUE PERCORREM
AS RUAS E VIELAS DE LISBOA,
ONDE MORA O FADO,
AS RUAS E VIELAS QUE PALMILHO DESDE MENINA.
CANTO PORQUE CANTAR O FADO É CANTAR A MOURARIA,
A ALFAMA E O ALTO DE PINA,
É CANTAR A MADRAGOA E O CAMPO DE OURIQUE.
PORQUE CANTAR O FADO É CANTAR A SAUDADE.
CANTO PORQUE CANTAR O FADO É CANTAR
A SAUDADE FEITA CANTO.
POR ISSO CANTO, POR ISSO AINDA SONHO CANTANDO.

 

 

Maria da Nazaré canta:

Quem me dera ser o Fado

Letra de Rui M.J. Oliveira

Música: Fado Versículo de Alfredo Marceneiro 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
música: Quem me dera ser o Fado
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Ascensão ou Assunção - a Nossa Senhora do feriado de 15 de Agosto em Portugal

Embora com diferentes denominações a festa da Assunção/Ascensão de Maria é normalmente comemorada no dia 15 de Agosto pelo mundo cristão e é feriado em Portugal e noutros países.

 

 

 

 

Curioso é também lembrar que a 15 de Agosto se assinala o dia da abertura do Festival de Woodstock em 1969, apenas 19 anos após a proclamação do dogma por Pio XII...

A Assunção de Maria é a crença tradicional realizada pelos cristãos católicos, ortodoxos, anglicanos, e algumas igrejas protestantes que a Virgem Maria no final da sua vida foi fisicamente para o céu.
O dogma da Assunção refere-se a que a Mãe de Deus, no fim da sua vida terrena foi elevada em corpo e alma à glória celestial. Este dogma foi proclamado ex-cathedra pelo Papa Pio XII, no dia 1º de Novembro de 1950, por meio da Constituição Munificentissimus Deus:
"Depois de elevar a Deus muitas e reiteradas preces e de invocar a luz do Espírito da Verdade, para glória de Deus omnipotente, que outorgou à Virgem Maria sua peculiar benevolência; para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e vencedor do pecado e da morte; para aumentar a glória da mesma augusta Mãe e para gozo e alegria de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que a Imaculada Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, terminado o curso da sua vida terrena, ascendeu em corpo e alma à glória do céu".
Diz-se que este dogma da subida ao céu de Maria, mãe de Jesus, radica na seguinte lenda: 
"São Juvenal, Bispo de Jerusalém , no Concílio de Calcedónia em 451 levou ao conhecimento do Imperador Marciano e Pulquéria, que desejava possuir o corpo da Mãe de Deus, que Maria morreu na presença de todos os Apóstolos, mas que o seu túmulo, quando aberto, a pedido de St. Thomas, foi encontrado vazio; donde os Apóstolos concluiram que o corpo fora levado para o céu."
A festa da assunção para o céu da Virgem Maria é celebrada como a "Solenidade da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria" pelos católicos, e como a Dormição por cristãos ortodoxos. 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Somos crentes
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Agosto de 2014

Maria Emília Ferreira

Nasceu nas Caldas da Rainha, começou a cantar o Fado como amadora, tinha cerca de 12 anos.
Contemporânea de Maria Vitória, foram amigas e companheiras da boémia.
Foi também através do teatro que se tomou conhecida e admirada, com actuações, em Lisboa, no Teatro da Rua dos Condes, S. Luís, Coliseu dos Recreios, Avenida, Fantástico, Politeama, Maria Vitória e Eden-Teatro (onde participou na opereta Mouraria); e, no Porto, no Águia d'Ouro, S. João, Nacional (hoje Rivoli), Apolo- Terras  e Sá da Bandeira .
Profissionalizou-se em 1927 como cantadeira, foi convidada para actuar em terras brasileiras, mas preferiu cantar para o público português e em particular para o de Lisboa, que lhe proporcionou os seus maiores triunfos e a recompensou com estrondosas ovações, como sucedeu na célebre "Festa dos Vendedores de Jornais" realizada no Coliseu dos Recreios.
Dando às suas interpretações uma expressão inconfundível, que enternecia os que a ouviam, foi na verdade um caso invulgar de artista acarinhada por um público heterogéneo e entusiasta.
Já perto do fim da sua carreira (faleceu em 1941), actuou, sempre com o mesmo êxito, no Retiro da Severa, por onde passaram quase todos os grandes fadistas da década de 30, deliciando os numerosos admiradores com os fados que lhe deram fama, entre eles o Fado " Amor de Pai", com letra de Armando Neves e  música de Alfredo Marceneiro, que foi de  certo uma das suas mais populares interpretações.
© Vítor Duarte Marceneiro
Amor de  Pai

Infelizmente não temos a gravação de Maria Emília Ferreira, assim podem ouvir este fadista, Manuel Dias, que nos anos 60 teve um estrondoso sucesso com este tema.

 Canta: Manuel Dias

Letra de Armando Neves e  música de Alfredo Marceneiro

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadistas de antigamente
música: Amor de Pai- Manuel Dias
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 7 de Agosto de 2014

MARIA DO ESPÍRITO SANTO

Maria Amélia Consciência do Espírito Santo, nasceu em Lisboa no bairro de Xabregas em 1938.

O seu começo foi como o de tantos outros artistas, começando a cantar em festas de amigos, até que através de um concurso na Emissora Nacional, deu inicio à sua carreira artística, tendo passado a actuar nos espectáculos daquela Emissora, granjeando a simpatia e admiração do público, que a levou a passar rapidamente do anonimato para a ribalta.

Dedicou-se ao fado, tendo cantado nas mais conhecidas casas de fado, nomeadamente na " TOCA" propriedade do grande fadista Carlos Ramos, e mais tarde passou pelo cinema, não tendo o teatro de revista ficado insensível à sua figura insinuante, elegância e beleza, tendo integrado o elenco de revistas que tiveram êxito, como "Põe-te a Pau " e " Bate o Pé ".

Integrou também o elenco das "Caravanas da Saudade", fez várias digressões ao estrangeiro, e teve uma boa prestação no festival de "Aranda del Duero".

Do seu vasto repertório constam letras de Fados que lhe granjearam admiração, “Não te digo, Devagar Coração, Rainha do Tejo, O meu último pecado, Noutro Tempo, Olha o Toiro, A Minha Sina, Assim é que é, Sou Fadista, Se eu pudesse, Olhos Tontos, Lisboa do Fado”, etc.

No pleno uso de todas as suas capacidades, que a tornaram conhecida do grande público, sem qualquer explicação, retirou-se, abandonando a vida artística, privando-nos a todos os que muito a admirávamos, da sua simpática figura, da sua elegância e do seu talento.

 

 

LISBOA DO FADO

 Repertório de Maria do Espírito Santo

Letra: Moita Girão

Música: Adelino dos Santos

 

                                            És de todas as cidades

                                            A cidade mais vistosa

                                            Tensa. cor maravilhosa

                                            Com que se pintam saudades.

                                            Tens craveiros nas janelas

                                            Beijados pelo luar;

                                            És rica desde as chinelas

                                            Ao sol que te vem beijar.

 

                                            Estribilho

 

                                            Lisboa airosa

                                            Menina mimada

                                            Que sabe cantar;

                                            Tens graça de rosa

                                            Linda, perfumada,

                                            Aberta ao luar;

                                            Lisboa formosa.

                                            Menina risonha.

                                            De belo passado;

                                            Lisboa saudosa,

                                            Lisboa que sonha,

                                            Lisboa do fado!

 

                                            São teus bairros diamantes,

                                            Com que vaidosa te enfeitas;

                                            Sempre que à noite te deitas

                                            Vestes de estrelas brilhantes.

 

                                            Em carícia apaixonada,

                                            O Tejo beija-te os pés;

                                            Lisboa cidade amada,

                                            Lisboa tão linda és!

 

 Imagem de Lisboa - FotoM. Esteves

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Agosto de 2014

MARIA DO CARMO TORRES

MARIA DO CARMO TORRES

Cantadeira, nasceu na Fuzeta, no Algarve, e morreu em Leça do Bailio, na década dos anos 1950.Ainda criança foi viver para Setúbal, onde trabalhou como operária conser­veira.

Estreou-se em récitas de teatro amador na­quela cidade com apenas 14 anos e aos 19 come­çou a cantar o Fado numa revista de amadores le­vada à cena no Salão Recreio do Povo de Setúbal. Numa outra revista interpretou a personagem do marítimo António Gouga, numa imitação em que era obrigada a cantar sete vezes seguidas.

Interessada em seguir uma carreira artística e sentindo que em Setúbal tal seria difícil, instalou­-se em Lisboa onde Raul Gil a levou ao Pátio do Carrasco, onde cantou pela primeira vez na capi­tal. Pouco tempo depois tornou-se uma cantadei­ra muito requisitada.

Actuou em todos os retiros dos arredores de Lisboa, em esperas de toiros, no Campo Pequeno, em festas de caridade e em teatros e cinemas de todo o país. Cantou no Retiro da Severa, Solar da Alegria e nos cafés Luso e Mondego.

Fez uma digressão pelo Brasil e pela Argentina organizada por Maria do Carmo Alta e em que também participaram Joaquim Pimentel, Filipe Pinto, Armandinho e Martinho d' Assunção.

Cola­borou na homenagem a Ângela Pinto, no Retiro da Severa em 1938, e integrou o elenco da festa de homenagem ao poeta João da Mata, realizada em 1931, no Salão Jansen.

Interpretou peças e opere­tas como Adeus, Artur!,  Coração de Alfama, A Se­vera e O Chico do Intendente.

O seu poeta preferido era Adriano dos Reis, autor de quase todo o seu repertório.

 

  © Vítor Duarte Marceneiro

Contacto com o autor: clicando aqui
música: O Sonho
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags