Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2015

FERNANDO ALVIM - Executante de Guitarra Clássica- Viola


Nasceu em Cascais, a 6 de Novembro de 1934, mas morou sempre em Lisboa.

 A mãe tocava piano e transmitiu-lhe o gosto pela música, desde pequeno que o leva a assistir a concertos.

Aos 18 anos, Fernando Alvim tem as primeiras aulas de viola com o professor Duarte Costa.

Aos 24 anos, frequenta um curso com o guitarrista Emílio Pujol.

Inicia a sua carreira profissional aos 21 anos, tocando como acompanhante em casas de fado amador.

Na Emissora Nacional, Fernando Alvim foi responsável por  um programa de music-hall chamado «Nova Onda», que dará o nome ao conjunto que posteriormente formou com outros músicos e que estará na origem do “Conjunto Mistério”.

Fernando Alvim praticamente acompanhou e gravou com quase todos os fadista de renome.

Em 1959 , inicia uma parceria de trabalho com Carlos Paredes,  que durou 24 anos , mas ao longo desses anos, Fernando Alvim desenvolve outras actividades, tocando com vários músicos do Hot Club, fez parte integrante do conjunto de músicos do popular programa televisivo Zip-Zip,

Em 1969, fundou o “Conjunto de Guitarras de Fernando Alvim”, que tocaram para diversos artistas, quer em espectáculos, quer em gravações.

Fernando Alvim fez ainda “parelha” com os guitarristas João Torre do Vale (Zina), António Chainho e Pedro Caldeira Cabral.

Em 1998,  participa no disco de António Chainho, “A Guitarra e Outras Mulheres”,  as "outras mulheres", são as cantoras Teresa Salgueiro, Elba Ramalho, Nina Miranda, Filipa Pais, Marta Dias e Sofia Varela.

Tive a oportunidade de conhecer Fernando Alvim, em 1970 na reabertura do “ LUSO”, em que ele tocava com o guitarrista, historiador e coleccionador Pedro Caldeira Cabral, foram eles  os músicos que me acompanharam ,  na primeira experiência que tive,  como profissional no Fado.

Quero realçar que Fernando Alvim é uma homem de uma enorme sensibilidade, pessoa de poucas palavras, mas muito cativante… um Senhor.

Fernando Alvi faleceu em Lisboa a 27 de Fevereiro de 2015

Vítor Marceneiro

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Músico
publicado por Vítor Marceneiro às 18:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

ALICE MARIA- Fadista e Poetisa

2015-02-27
 

 

Grande fadista, cantou muitos anos na "SEVERA", tem muitos discos gravados e muitos poemas de sua autoria.

Tenho feito imensos esforços para a conseguir contactar, embora sabendo que é de sua livre vontade que se abstem de aparecer, acho que merece um lugar na história do Fado.

Graças ao trabalho do meu caro amigo Américo dos Santos Pereira, é possivel relembrá-la no video-clip que ele produziu e realizou, em que Alice Maria, canta o Fado " Castigo de Deus", da autoria de Frederico de Brito.

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa:
música: Castigo de Deus
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2015

ALFREDO MARCENEIRO - Lembrar o seu nascimento 1888 e baptismo 1891

Alfredo+Marceneiro+alfmarceneiro.jpg

 Comemora-se este ano,  os 124 anos do registo baptismal de

Alfredo Marceneiro

1891 - 1982

Alfredo Rodrigo Duarte, vulgo Alfredo Marceneiro, na realidade nasceu a 29 de Fevereiro de  1888, mas só foi registado em 1891, este facto deveu-se a dificuldades financeiras de seus pais ( facto muito comum na época), e quando tiveram a oportunidade de o  baptizar, corria o ano de 1891, como  não era um ano bissexto,  o mês de Fevereiro só tinha 28 dias, seus pais optaram pelo dia 25 de Fevereiro.

ALFREDO MARCENEIRO

“PATRIARCA DO FADO”

 

Raro será o português que se não tenha interrogado acerca do fascínio que o Fado exerce sobre si. Verifica-se que o mesmo acontece com os muitos estrangeiros de diversas partes do mundo, com culturas, etnias e credos diferentes dos nossos, que ao assistirem a essa entrega sublime do cantador que nos transmite para além da sonoridade da voz, da expressão facial, do gesticular do corpo, uma melopeia acompanhada por uma parelha de músicos “guitarras e violas”, que nos provoca nostalgia, amor, ódio, ciúme, alegria, que provoca o ritmo acelerado do coração, enquanto na alma desabrocham sentimentos, que extravasam as barreiras linguísticas, e as almas irmanam-se.

O Fado está cheio de símbolos. Os símbolos são gerados pelo povo, sejam políticos ou militares, sejam sábios ou médicos, sejam músicos ou cantores. É o povo o grande juiz: eleva os ídolos quando lhe agradam, os venera quando tal merecem; Mas também é o mesmo povo que os ignora quando são falsos.

No universo da expressão musical, o Fado é um mundo dentro de outro mundo, é um universo de cantigas onde cabem, a dor, a saudade, o entusiasmo, a fé, a esperança... O Fado é uma “seita” com os seus ritos, os seus segredos…

Será talvez uma afirmação sacrílega esta de vos dar como título a este livro:

Alfredo Marceneiro – Patriarca do Fado.

Na “Catedral do Fado” há um sentir que nos leva muitas vezes à lágrima, tal qual “água benta”, como a que tocamos, na saudação de respeito, que nos motiva ao cruzar os umbrais de uma outra qualquer "Catedral"; também no Fado, há um ritual, um estado de alma... que veneramos e respeitamos.

Se alguém entendeu todo este ritual foi decerto Alfredo Duarte, o Marceneiro, por ofício.

Se os prosélitos do Fado entenderem perpetuar a sua bandeira - O Fado genuíno - , que seja relembrando a sua obra, a sua dádiva ao Fado.  Alfredo Marceneiro nunca seapelidou, nem deixou que o apelidassem, Rei do Fado, mas foi, sem sombra de dúvidas,  o seu mais louvado príncipe, tão igual ao Povo que com ele se confundiu amavelmente.

Alfredo tu foste/és o “ Patriarca do Fado

 

Amália com esta frase lapidar, demonstrou a sua veneração por ele:

Alfredo... tu és o Fado

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 17:49
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015

FERNANDO PINTO RIBEIRO -. 1928 -. 2009 -Seis Anos de Saudade

 

  Fernando   Pinto Ribeiro, deixou-nos, faz hoje dia 20 de Fevereiro três anos.

Sinto saudade e mágoa imensa, desde o dia em que tive a honra de o conhecer, nasceu ente nós uma amizade   e carinho, que nunca esquecerei.

Poucos dias antes da sua partida, em conversa telefónica informou-me que ía escrever o poema que me dedicou pela sua própria mão. Enviou-me pelo correio, aqui publico, que pena não ter tido a oportunidade de o conhecer há muitos mais anos.

Afirmava-me que era meu afilhado do Fado,  fazia também  questão de me apelidar de Vítor Duarte Terceiro (por extenso). 

Até um dia Fernando, não estás esquecido.

   

NAS RUAS DA NOITE

 

A Vítor Duarte, “Marceneiro Terceiro” — Meu padrinho no Fado

Fernando Pinto Ribeiro

 

 

 No crepitar de estilhaços(*)

de estrelas sobre os espaços

da Lisboa  rua em rua —

crucificámos abraços

encruzilhados nos passos

que à noite a lua insinua

 

                                Nas nossas bocas unidas

                                sangrámos fados em feridas

                                dos beijos amordaçados —

                                salvámos vias vencidas

                                que andam pla treva perdidas

                                como num mar afogados

 

Cegos de sombras e lama

E da sede que se inflama

numa inquisição divina —

bebemos o vinho em chama

que sanguínea  luz derrama

no candeeiro da esquina

 

                                Embriagados de lume

                                sem dissipar o negrume

                                do fumo que nos oprime —

                                rezamos todo o queixume

                                do cio deste ciúme

                                num amor que se faz crime

 

Crucificamos abraços

encruzilhados nos passos

que a noite nua desnua —

crepitantes de estilhaços

de estrelas quando em pedaços

vêm morrer sobre a rua

 

O Poeta e escritor Fernando Pinto Ribeiro, que faz questão de me chamar  "Seu Padrinho no Fado" quando eu nasci já ele escrevia para o Fado  isto,  porque acha que eu fui  a pessoa do Fado, que escreveu acerca dele  e da sua obra, , de uma forma que ele considera a mais objectiva, em todos estes  anos que tem de Fado. ("O percurso da História é muitas vezes estrangeiro ao percurso do artista. Nem sempre este se integra de forma tão sincronizada e congruente com aquele".

hoje somos somos duas almas gémeas do "Fado" que se encontraram, como que para reatar uma amizade que há muito estava estagnada.

É uma ternura para mim este seu sentir, como honrado fico com os versos que me dedica, e que gostariamos que eu um dia cantasse com música de meu avô. 

(*) Este tema já foi cantado e gravado, por decisão própria de quem o cantou, o poeta autorizou através da SPA, por delegação, mas é a primeira vez que ele o dedica pessoalmente,  com algumas, mas importantes reformulações, em última e definitiva versão, orientadas,  pela minha peculiar forma de me exprimir e venerar o Fado.

  

Fernando Pinto Ribeiro, é natural da Guarda. Nasceu em 1928. Ao 17 anos vem para Lisboa após completar o Curso Liceal, inscrevendo-se na Faculdade de Direito, cujo curso não chegou a completar. Já em jovem começa a rimar as palavras, nunca deixando de escrever quadras soltas, tendo aos catorze anos escrito, o seu primeiro soneto a que dá o título de “Soneto dos 15 Anos”.

Colaborou nas Revistas Flama , Panorama, Páginas Literárias, em Jornais, como Diário de Notícia, Diário Ilustrado e em vários jornais regionais, tendo também sido publicados  no Brasil alguns poemas de sua autoria.

Foi Director da Revista de Letras e Artes “CONTRAVENTO” (1968), da qual só se conseguiram editar quatro  números, dado que o seu cariz intelectual e democrático, não podia de deixar de ser amordaçado pela censura.

Pertence aos corpos sociais da Sociedade da Língua Portuguesa, Sócio da Associação Portuguesa de Escritores, Cooperador da Sociedade Portuguesa de Autores, Sócio da Colectividade Grupo Dramático e Escolar “Os Combatentes”. (Colectividade Popular Centenária)

Frequenta algumas noites de Fado e fica fascinado com o ambiente da noite fadista, começando sem que se aperceba, a identificar-se com  a “expressão fadista” o que apela  à sua alma de poeta, começando a escrever alguns fados que desde logo foram bastante elogiados. Compositores de Fado colaboraram,  e a qualidade dos seus poemas é tal, que logo houve nomes do panorama musical do Fado que os quiseram interpretar, fadistas como: Ada de Castro, Alexandra Cruz, Anita Guerreiro, António Mourão, António Laborinho António Passão , António Severino, Arlindo de Carvalho, Artur Garcia, Beatriz da Conceição, Branco de Oliveira, Carlota Fortes, Chico Pessoa, Estela Alves, tia e sobrinha, Fernando Forte, Francisco Martinho, Humberto de Castro, Julieta Reis e sua filha Sara Reis, Lenita Gentil, Lídia Ribeiro, Maria Jô-Jô Pedro Lisboa, Lurdes Andrade, Natércia Maria, Simone de Oliveira Toni de Almeida,, Tonicha , Tristão da Silva, Xico Madureira, e outros. No início Fernando Pinto Ribeiro usava o pseudónimo "SÉRGIO VALENTINO".

Alguns das suas letras para fado mais conhecidos, são: Às Meninas dos Meus Olhos, A Cantiga dos Pardais, Era um Marinheiro, Fado Alegre, Hino à Vida, Nas Ruas da Noite, Bom Fim de Semana, Noites Perdidas, Pensando em Ti, Lisboa vai,  Pensando em Ti, , etc.

 © Vítor Duarte Marceneiro

 Fernando Pinto Ribeiro

Diz um poemas de sua autoria

«AO NOVO DIA»

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Poeta e Grande HOMEM
música: Ao Novo Dia
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2015

Lisboa cantada... pintando

Ao iniciar a publicar este blog, tive a honra de conhecer o grande artista Mestre Real Bordalo e a sua obra,  que dfesde logo, me autorizou a publicar as suas obras.

As imagens por mim utilizadas, têm, sem sombra de dúvidas, valorizado os temas abordados, o próprio genérico do blog é retirado de uma aguarela  do mestre.

Hoje publico, em preito de hoenagem  a imagem de um bonito quadro a óleo da Praça do Principe Real, e de uma vista de Alfama, conjuntamente com um poema da  autoria de Armanda Ferreira, dobre o pintor.

 

 

 

 

Lisboa - Gosto a saudade

                          (ao Mestre Real Bordalo)

É Alfama, É a Madragoa.

É a varina que passa.

É este cheiro a Lisboa

Que nos prende e nos abraça.

 

                            É o Rossio iluminado...

                            É a Rua do Capelão.

                            É a voz triste do fado

                            Que nos enche o coração.

 

                            É a névoa vinda do rio.

                            É o par de namorados

                            Que se beija ao desafio.

 

É nesta cumplicidade...

É no rigor dos teus quadros

Que pulsa a nossa cidade!

 

Poema de: Armanda Ferreira

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2015

JÙLIA FLORISTA


Desde muito jovem vendia flores pelas ruas de Lisboa. Era o seu sustento que nunca abandonou. Mesmo perdendo as noites nas fadistices, era vê-la logo pela manhã na ribeira para arranjar as flores para o seu negócio, mantendo assim a sua independência.

A sua vivência na ruas da cidade boémia no inicio do Século XX, fez dela uma rapariga irreverente, provocadora nos seus ditos sarcásticos, tinha sempre uma resposta na ponta da língua para os mais atrevidos piropos, perdia a noite a cantar pelas tascas, foi muitas vezes convidada para cantar nos salões da aristocracia,

Era uma fadista sentimental de voz melodiosa, acompanhava-se à guitarra que dedilhava em estilo arrastado para cantar os seus fados.

Morreu em 1925.

  

Júlia Florista


 

Letra de: Joaquim Pimentel

Música: Leonel Vilar / J. Pimentel

 

A Júlia Florista

Boémia fadista

Diz a tradição

Foi nesta Lisboa

Figura de proa

Da nossa canção

Figura bizarra

Que ao som da guitarra

o fado viveu

Vendia as flores

Mas os seus amores

Jamais os vendeu

 

Refrão

 

Ó Júlia Florista

Tua linda história

O tempo marcou

Na nossa memória

Ó Júlia Florista

Tua voz ecoa

Nas noites bairristas

boémias fadistas

Da nossa Lisboa

 

Chinela no pé

Um ar de ralé

Um jeito de andar

Se a Júlia passava

Lisboa parava

P'ra ouvir cantar

No ar um pregão

Na boca a canção

Falando d'amor

Encostado ao peito

A graça e o jeito

Do cesto das flores

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Julia Florista
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015

BEATRIZ DA CONCEIÇÃO

 Conhecida no meio do Fado por (Bia) nasceu no Porto em 21 de Agosto de 1939.

Numa vinda a Lisboa vai ouvir fados ao Solar da Márcia Condessa, é desafiada a cantar, interpreta de tal maneira que logo é contratada pela dona da casa.

Fica a viver em Lisboa e rapidamente o seu estilo de cantar lhe granjeia muitos admiradores, acabando por fazer várias épocas em quase todas as casas de fado.
Na revista, onde obteve grandes êxito, em, Fado Para Esta Noite e John Português.
Grava todo o repertório que estreia, que é êxito assegurado.

Faz várias digressões ao estrangeiro, actuando para as comunidades emigrantes, actua em diversos festivais internacionais de música, festas de beneficência.
Beatriz da Conceição, canta com um estilo muito pessoal verdadeiro, diz muito bem e divide o verso como deve ser, é irreverente mas tem uma alma fadista incontestável. Tem um vasto repertório, porque raros foram os poetas que não lhe escrevessem poemas, como Artur Ribeiro, Vasco de Lima Couto, ou José Carlos Ary dos Santos que em parceria com Fernando Tordo, escreveram o Fado da Bia,

Continua a actuar em programas de televisão, espectáculos ao vivo, na gravação de discos e, é presença assídua nas casas de fado.

 

 

                                           Beatriz da Conceição

 

                                           O fado já não lhe chega,

                                           Mas como nada lhe falta

                                           Tanto canta numa adega

                                           Como à luz de uma ribalta!

 

                                           E embora sentindo a chama

                                           Que leva à celebridade,

                                           Não se deslumbra na fama

                                           Nem se perde na vaidade!

 

                                           A Beatriz da Conceição

                                           Não é somente fadista,

                                           Muito mais do que atracção

                                           Ela impõe-se como artista!

Palavras  de Carlos Conde

   Beatriz da Conceição

Canta: Alguém

Guilherme Pereira da Rosa/Casimiro Ramos

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Fadista
música: Alguém
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015

CÉLIA PEDRO - Brasileira de nescença- Fadista de Alma e Coração

Célia Pedro, nasceu na cidade de Itajaí no Brasil, Estado de Santa Catarina, a 9 de Fevereiro de 1955.

Itajaí  fica no sul do Brasil e foi colonizada essencialmente por portugueses oriundos dos  Açores, tendo actualmente  também uma forte influência de habitantes de origem alemã.

Em Itajaí são muito enaltecidas em festas, em convénios,  as tradições portuguesas,  em particular o folclore e costumes açorianos, mas o Fado também é muito apreciado.

Itajaí é  uma cidade muito acolhedora. Como português mal cheguei senti-me muito acarinhado.

Célia Pedro tem nas suas origens antepassados alemães pela parte do avô paterno, e portugueses da parte da avò materna. A  comunidade portuguesa é mais antiga, uma vez que os alemães começaram a emigrar a partir dos   anos  trinta do século XX, para fugir aos horrores da guerra, e do nazismo.

Seus pais já nascidos e criados em Itajaí, sentiram-se sempre muito mais ligados às tradições lusitanas.

Célia teve seis irmãos e desde muito pequena que era considerada o “canarinho da casa”, pois passava o tempo a cantar.

Na escola sempre se integrava em  todos os eventos com predominância de canto. Tinha 14 anos, a escola organizou um Festival/Concurso, em que os alunos para concorrerem tinham de apresentar um poema e música inédita de sua autoria. Célia Pedro concorreu e ficou em primeiro lugar.

Acabou os seu estudos, e concorreu para funcionária dos correios, onde foi admitida,  e onde se manteve até à sua recente aposentação. Durante todos este anos sempre se manteve ligada à música, sempre que podia estava  cantarolando,  passando  a ser conhecida pelos colegas e os utentes dos correios como “A Mulher que Canta”, como ainda hoje assim é lembrada. 

Célia começou a cantar mais assiduamente e a ser solicitada com mais frequência a partir de 1996, altura em que  passou por uma fase muito difícil da sua vida, é  nesta fase que  descobre, e  afirma : —  que achou,  um bálsamo para as suas mágoas, pois ouviu casualmente a melodia da guitarra portuguesa,  afirma convictamente, que é  partir daí, que através daquela melodia e nos poemas de Fado, que ganhou uma força anímica, que a ajudou a ultrapassar os contratempos. O Fado, tranquilizava-lhe  a alma, tendo começado avidamente a  interessar-se por tudo o que falasse de Fado… e para meu deleite afirma-me: 

— Sabes Vítor? O Fado para mim é  “UM ESTADO DE ALMA”, e logo me diz os seguintes versos

O Fado é noite, desperta dos confins do sofrimento
Também é vida, liberta para dançar comigo ao vento
Sua lágrima é sem tino, sonha as ruas da cidade
Sempre ao lado do destino é regado na saudade

Vivendo numa comunidade em que a presença de Portugal tem muita  expressão, começa a aprender letras e músicas  de Fados, a adquirir todos os discos que encontra,  apaixonando-se por Amália, e mais algumas figuras do mundo fadista, e é com muito orgulho que igualmente me comunica, que quando descobriu o blogue “Lisboa no Guiness”, nunca mais deixou de o visitar e… não escrevo mais, pois esta página  é sobre ela. 

Começa a idealizar gravar um disco só de  Fados, e o  sonho  concretiza-se, com o apoio do departamento de cultura da Prefeitura de Itajaí. 

Simultaneamente com o lançamento do cd, é mais uma vez contratada para actuar  na grande festa anual de Itajaí,  apelidada de “Marejada”, evento que é considerado a maior festa portuguesa e do pescado do Brasil, atraindo   milhares de visitantes de outros estados,  assim como dos países vizinhos. Esta festa é anual  e acontece no mês de  Outubro, dura cerca de dez a quinze dias.

Ainda hesitou, o que julgou  ser uma ”loucura”  gravar um Cd, mas avança e  nesse ano, decide fazer o que julgava ser outra “loucura”, na sua actuação na “Marejada” cantar só Fado, mas teve um êxito redundante. 

 Visite o sitio de Itajaí - http://www.visiteitajai.com.br/

A Prefeitura de Itajaí já considera Célia Pedro um elemento indispensável no panorama cultural nas festas e eventos da cidade, tal é a sua popularidade junto dos seus contemporâneos, assim como os turistas que Itajaí. 

Com o Fado, mais se aproxima da comunidade portuguesa, e devora toda a informação que obtém sobre Portugal e os Açores, o que a leva a aderir e a dinamizar uma associação a que deram a designação de: Associação Luso Açoriana Itajaí – A.L.A.I., e que como se pode verificar nas fotos nesta página,  a sede é na sua própria casa. 

A sua paixão pela cultura lusitana, com o seu entusiasmo, consegue ter um programa semanal, na TV Regional de Itajaí, “PROGRAMA LUSITANO” onde tive a honra de ser seu convidado, em que os temas são sobre Portugal e a nossa cultura. 

 

 

Aqui vos apresento um video-clip que retirei de uma gravação em DVD, passando por cima da dialéctica, que é a sua pronuncia natural, ninguém poderá negar que esta mulher… é fadista de alma e coração.

Vítor Marceneiro
 
  Célia Pedro
canta: Canção do Mar
Letra de Frederico de Brito
Música de Ferrer Trindade
Piano e teclados: Cristiano Mendonça
Guitarra portuguesa: Alcides dos Anjos
Viola de acompanhamento: Ruy A. Silva
Cavaquinho: Celso Morais Borges
Apoio à produção: Perfeitura de Itajaí e Fundação Cultural de Itajaí
 
Contacto com o autor: clicando aqui
música: Tudo isto é fado
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2015

VASCO RAFAEL

 Vasco Rafael Simões de Sá Nogueira, nasceu em Angola na província de Moçamedes em Agosto de 1949

Começou com cançonetista, tendo um início de carreira difícil, até que é convidado de um espectáculo publicitário que se realizava num dos cinemas de Luanda, “Chá das Seis” onde começa a ser notado e vem a atingir um assinalável êxito.

Vem para Portugal e sente as dificuldades de um  novo inicio de carreira. Beatriz da Conceição apresenta-o a uns empresários no Porto e lá fica a actuar durante cerca de um ano, é no Porto que grava o seu primeiro disco.
Vem para Lisboa contratado para o elenco do “Painel do Fado”, seguidamente é convidado por  Sérgio de Azevedo para  actuar  no “Frou Frou” , agradou ao empresário que logo o convida para a revista “Ó da Guarda”, onde obtém o seu maior êxito de sempre com o Fado “ROSEIRA BOTÃO DE GENTE” com letra de José Carlos Ary dos Santos e música de Paulo de Carvalho, gravado em 1981 para Rádio Triunfo
Faz ainda parte do elenco da revista “A Aldeia da Roupa Suja”, mas deixa as revistas porque acha que o prendem muito tempo no mesmo local.
Tem algumas deslocações ao estrangeiro.
Já com poetas de relevo a escreverem para ele, realçando Ary do Santos, Vasco de Lima Couto, etc. grava mais uma série de EP e LP. 
É contratado para as Arcadas do Faia, onde se mantém até à sua morte prematura.
Faleceu em Lisboa em 27 de Junho de 1998.
 
Notas: 
Link página Mestre Real Bordalo
http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/8556.html
Link 1ª página de Vasco Rafael
http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/68497.html
 

As imagens das aguarelas de Mestre Real Bordalo, estão protegidas por "copy-write", sendo a a sua reprodução total ou parcial proibida fora do contexto deste Video-Clip.

As imagens foram autorizadas para "Lisboa no Guiness" na pessoa de Vítor Marceneiro.

O Video-clip no seu todo, e desde que assinalados os devidos créditos, pode  ser utilizado por outros sítios ou blogues na net

 

Este Video-Clip, é realizado por José Pedrosa, com imagens da cidade do  Porto,  de aguarelas da autoria do  Mestre Real Bordalo. É musicado com o Fado " Porto Cidade das Três Pontes", cantado por Vasco Rafael com música de sua autoria e versos do saudoso "tripeiro" Jorge Barradas.

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Cidade das Três Pontes
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 7 de Fevereiro de 2015

UM DOS FADOS DOS PORTUGUESES.......

 

 

 

 

As análise da política em Portugal, no primeiro dia do ano serão benéficas? É para  nos dar ânimo para prosseguir!... E depois fica tudo na mesma.

 

 

«Há muitos anos a política em Portugal apresenta este singular estado: Doze ou quinze homens sempre os mesmos, alternadamente, possuem o poder, perdem o poder, reconquistam o poder, trocam o poder... O poder não sai duns certos grupos, como uma péla que quatro crianças, aos quatro cantos de uma sala, atiram umas à outras, pelo ar, numa explosão de risadas.
Quando quatro ou cinco daqueles homens estão no poder, esses homens são, segundo a opinião e os dizeres de todos os outros que lá estão, - os corruptos, os esbanjadores da fazenda, a ruína do país, e outras injúrias pequenas, mais particularmente dirigidas aos seus caracteres e às suas famílias.
Os outros, os que não estão no poder são, segundo a sua própria opinião e os seus jornais - os verdadeiros liberais, os salvadores da causa pública, os amigos do povo, os interesses do país e a pátria.
Mas, cousa notável!
Os cinco que estão no poder, fazem tudo o que podem - intrigam, trabalham, para continuar a ser os esbanjadores da fazenda e a ruína do país, durante o maior tempo possível! E os que não estão no poder movem-se. Conspiram, cansam-se para deixar de ser - o mais depressa que puderem - os verdadeiros liberais e os interesses do país!
Até que enfim caem os cinco do poder, e os outros - os verdadeiros liberais - entram triunfantemente na designação herdada de esbanjadores da fazenda e ruína do país, e os que caíram do poder, resignam-se cheios de fel e de amargura - a vir ser os verdadeiros liberais e os interesses do país.
Ora como todos os ministros são tirados deste grupo de doze ou quinze indivíduos, não há nenhum deles que não tenha sido por seu turno esbanjador da fazenda e ruína do país...
Não há nenhum que não tenha sido demitido ou obrigado a pedir demissão pelas acusações mais graves e pelas votações mais hostis...
Não há nenhum que não tenha sido julgado incapaz de dirigir as coisas públicas, - pela imprensa, pela palavra dos oradores, pela acusação da opinião, pela afirmativa constitucional do poder moderador...
E todavia serão estes doze ou quinze indivíduos os que continuarão dirigindo o país neste caminho em que ele vai, feliz, coberto de luz, abundante, rico, forte, coroado de rosas, num choito [trote miúdo e sacudido] triunfante!»

 

Felizmente que esta crónica foi escrita no ano de 1871..., sim 1871,  senão teríamos que ficar muito preocupados,  e muito atentos... Qualquer semelhança com a política actual no nosso país, não é, (desculpem!!!) é pura coincidência.

 

 

In : "As Farpas", de Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão, Junho de 1871

 

 continua...

 

 

 

"JANELA DA VIDA"

  

Para ver quanta fé perdida

E quanta miséria sem par

Há neste orbe, atroz ruim

Pus-me à janela da vida

E alonguei o meu olhar

P´lo vasto Mundo sem fim.

 

 

Pus todo o meu sentimento

Na mágoa que não se aparta

Do que mais nos desconsola;

E assim a cada momento

Vi buçaes comendo à farta

E génios pedindo esmola!

 

Vi muitas vezes a razão

Por muitos posta de rastos

E a mentira em viva chama;

Até por triste irrisão

Vi nulidades nos astros

E vi ciências na lama!...

  

Vi dar aos ladrões valores

E sentimentos perdidos

Nas que passam por honradas

Vi cinismos vencedores

Muitos heróis esquecidos

E vaidades medalhadas

 

 

Vi no torpor mais imundo

Profundas crenças caindo

E maldições ascendendo

Tudo vi neste Mundo

Vi miseráveis subindo

Homens  honrados descendo

 

Esse é rico, e não tem filhos

Que os filhos não dão prazer

A certa gente de bem

Aquele tem duros trilhos

Mas é capaz de morrer

P´los filhinhos que tem

 

 

Esta é rica em frases ledas

Diz-se a mais casta donzela

Mas a honra onde ela vai

Aquela não veste sedas

Mas os garotitos dela

São filhos do mesmo pai

 

Por isso afirmo com ciso

Que p´ra na vida ter sorte

Não basta a fé decidida

P´ra ser feliz é preciso

Ser canalha até à morte

Ou não pensar mais na vida.

 

 

Felizmente que... este poema foi escrito no  Século XX, no final dos anos  vinte e que hoje nada disto se poderia passar!, senão bem estávamos (à rasca - desculpem,  mas a frase é da Hermínia Silva), digo,  com razão para estar preocupados!

 

Video-Clip em que Vítor Duarte canta:

Janela da Vida

Letra de: Carlos Conde

 

 

Nota: Esta página foi publicada primeiramente no dia 1 de Janeiro de 2008.  C

Como o tempo passa .... e tudo está a acontecer.

Ver poema do bisneto de Carlos Conde nos comentários

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Enganado
música: Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão- Carlos Conde
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2015

Vítor Duarte Marceneiro - O Médico e Duquesa

 

Nos anos 80, em que eu trabalhava como produtor cinematográfico, com os realizadores de filmes de animação, MáriFoto 1.jpgo Neves Sénior e Mário Neves Júnior, decidimos fazer um pequeno filme documentário numa sátira ao poema do “Médico e a Duquesa”, que  para não ser muito dispendioso nós próprios éramos os actores e técnicos.

O pequeno filme (tem o mesmo tempo do disco, pois a música de fundo e o cantar é a própria narração),  estreou no Condes antes do filme principal em cartaz.

Foram vários dias de filmagens, só os três no estúdio, em que era mais o tempo que riamos às gargalhadas, do que filmávamos, com as fotos que vos mostro a seguir podem deduzir  “o gozo” que nos deu fazer este filme.

Eu fui o mais sacrificado, tive que cortar o bigode, fiz o “travesti” da Duquesa  e andei vários dias enjoado com as pinturas.

Estou a envidar esforços para arranjar uma cópia do filme na Cinemateca Nacional, pois perdi o contacto do pai e filho Mário Neves, mas aqui vai um video com o tema.

Vítor Duarte Marceneiro

 

 

 

O MÉDICO E A DUQUESA

 

Autor: Frutuoso França                                                        Foto 1

 

Era um médico ilustre e inteligente

Que o povo humilde amava com prazer

E ele a todos queria meigamente

Salvando muita gente de morrer.

 

Mas num dia fatal se apaixonou

p'la mais linda cliente, uma duquesa,

Que dele escarneceu e assim falou:

"Não lhe dou minha mão, sou da Nobreza!"

                                                                                                

                                                                                               Foto 2

Mais tarde a duquesa adoecia

E os grandes da Ciência são chamados,

Mas pertinaz doença a envolvia

Deixando os cirurgiões desanimados.

 

 

                                                                                                          

 

 

                                                                                   Foto 3

 

Ela ao ver-se pior, desfalecida,

Do seu médico antigo se lembrou.

E esse jovem doutor salvou-lhe a vida

O que a muitos colegas espantou.

 

 

 

                                                                                                        

 

 

         

 

Ela então ofereceu-lhe a sua mão

Para lhe pagar, altiva e sedutora                                                Foto 4

Mas teve uma tremenda decepção

Ouvindo esta resposta esmagadora.

 

"Se vós sois da Nobreza, é por dever

Qu'assim me quereis pagar, mas (se me entende)

Eu sou muito mais nobre, pode crer,                                   

Pois o amor duquesa não se vende   

                                              

 

      

                Foto 5                                                 Foto 6

 

Curta Metragem cores 35mm (1980)

Realizador:           Mario Neves

Efeitos especiais: Mário Jorge

Produção:             Vítor Duarte

Operador de Imagem: Carlos Gaspar

 

 

Foto 1 - Duquesa (Vítor Duarte) com Médico (Mário Jorge)

Foto 2 - Duquesa (Vítor Duarte)

Foto 3 - Duquesa (Vítor Duarte) com Mordomo (Mário Neves)

Foto 4 - Duquesa (Vítor Duarte) com Médico (Mário Jorge)

Foto 5 - Duquesa (Vítor Duarte) com Mordomo (Mário Neves)

Foto 6 - Mário Jorge,  Mário Neves e Vítor Duarte

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags