Quarta-feira, 26 de Agosto de 2015

FLORINDA MARIA

 

Maria Florinda da Silva Leandro Piteira, nasceu em Lisboa a 25 de Junho de 1937, na freguesia do Alto Pina.

O seu apelido Piteira vem-lhe do marido o jornalista José Rodrigues Piteira, que durante muitos anos escreveu para a revista Flama.

Desde muito nova que ao assistir às festas populares do bairro, se sentia atraída pelo Fado, foi aos 10 anos de idade, que canta pela primeira vez em público numa dessas festas, tendo sido muito aplaudida.

Seus pais mudam-se para Almada, onde havia o célebre retiro de Fados “ O Pancão”, que organizava matinée de Fado aos Domingos, e. onde praticamente todos os fadistas da época por lá passaram,  tal era a sua fama, Florinda também passou ser frequentadora assídua, e era sempre solicitada para actuar.

Em 1953 ganha a Grande Noite do Fado e é-lhe atribuída a carteira profissional por mérito.

Em 1954 ganha o 1º lugar no concurso de Fado ex-aequo com Julieta Estrela,  organizado pelo jornal “A Voz de Portugal”.

Em 1955 estreia-se no Café Luso.

Depois do Luso, cantou em quase todas as casas típicas do Bairro Alto, A Severa, Lar Português, Solar da Hermínia, Tipóia, Adega Mesquita, Lisboa à Noite e Adega Machado onde se manteve até se decidir reformar.

Florinda Maria foi sempre uma grande amiga e admirador de meu pai Alfredo Duarte Jr., que também lhe dedicava uma carinho muito especial.

Gravou cerca de uma dezena de discos entre EP e LP, actuou na Emissora Nacional e na Televisão.

Actuou no estrangeiro para as comunidades de emigrantes em Inglaterra, França nos Estados Unidos foi a New York e à Califórnia.

Actualmente está retirada, mas se ambiente se propuser ainda a ouviremos com gosto.

 

                        

 

 Com Alfredo Marceneiro e com Amália e Alfredo Duarte Jr. na Adega Machado

 

 

Florinda Maria

canta: SER FADISTA

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Ai! Que saudades
música: Ser Fadista
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2015

FLORBELA ESPANCA - Poetisa

 Florbela de Alma da Conceição, nasceu em Vila Viçosa a 8 de Dezembro de 1894, e faleceu em Matosinhos a 7 de Dezembro de 1930.

Aos sete anos, faz seu primeiro poema, A Vida e a Morte.  

Foi uma das primeiras mulheres a ingressar no curso secundário no Liceu de Évora, facto não muito bem aceito por professores e a sociedade da época.  

Em 1916, Florbela reúne uma colectânea de 88 poemas de sua autoria e três contos, com o título “Trocando Olhares. 

Em 1917, completa o 11º ano do Curso Complementar de Letras e logo ingressa na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.  

Em 1927 Florbela perde seu irmão Apeles num trágico acidente, facto que muito a abalou psicologicamente, publicando o livro de contos “Às Máscaras do Destino” em sua memória. 

Em dois de Dezembro de 1930, Florbela encerra seu Diário do Último Ano com a seguinte frase: “… e não haver gestos novos nem palavras novas.” Às duas horas do dia 8 de Dezembro, dia do seu aniversário, Florbela Espanca suicida-se, em Matosinhos.   

Algumas décadas maia tarde como era seu desejo, os seus restos mortais são transportados para a sua terra natal, Vila Viçosa.

 

Poema AMAR

Canta e é autora da música 

Teresa Silva Carvalho

 

 

 

 

 

 

 

 Carta de Florbela Espanca a uma amiga

 

 

 

                                              Vila Viçosa, Setembro 1916

    

JÚLIA

 

Agora, quero contar-te uma coisa que me enterneceu deveras, uma noite destas.  

O luar caía límpido e claro como água, jorrando duma fonte perdida no infinito ...  

Eram 24 horas ... eu sonhava! ... Nisto, uma voz ergueu-se, uma voz acariciadora, pungente na toada pun­gentíssima do fado tão querido à alma portuguesa, sabes o quê, minha Júlia? Essas minhas despretensiosas quadras que o Suplemento publicou, tão" pobres, tão ingénuas, tão sentidas, que o povo humilde as acolheu e as canta! como diz o nosso suave Augusto Gil. Até hoje nem um único elo­gio me comoveu assim.

Tenho-os ouvido vibrantes e enternecidos, lisonjeiros sempre, mas quase sempre amigos, e nunca, nunca como este tiveram o dom de me arrasar os olhos de águas.

Ficaram, desde esta noite profunda de luar) as   minhas pobres quadras) sagradas para mim. Cantou-as a boca do povo, beijou-as a boca do povo, e é como se toda a alma rústica e humilde do meu Portugal beijasse com infinito amor a minha, nesses humildes versos, tão pobres… tão in­génuos ... tão sentidos!

 

Beija-te a tua

 

Florbela Espanca.

  

 

O FADO de Florbela Espanca

 

Corre a noite de manso, num murmúrio,

Abre a rosa bendita do luar,

Soluçam ais estranhos de guitarra,  

Um gemido de amor anda no ar.

  

Há um repouso imenso em toda a terra,  

Parece a própria noite a escutar  

E o canto continua mais profundo

Que página sentida de Mozart!

 

E' o fado. A canção das violetas

Que foram almas tristes de poetas

P'ra quem a vida foi uma desgraça!

   

Minha doce canção dos deserdados,  

Meu fado que alivias desgraçados

Bendita sejas tu, cheia de graça.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Poetisa, Grande Fadista
música: Amar
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015

FILIPE PINTO -Fadista da Velha Guarda

Cantador e compositor, nasceu em Lisboa (1905-1968)

Era conhecido por Marialva do Fado dada a forma re­quintada com se vestia, destacando os típicos sapatos de tacão alto.

Começou a cantar o Fado ­com apenas 15 anos, e foi como amador que se apresentou em festas par­ticulares, de beneficência, em colectividades de re­creio, ganhando experiência, vindo a ser contratado como profissional no retiro Ferro de Engomar.

Cantou ainda no Salão Artístico de Fados, na Cervejaria Vitória, e, em retiros como  A Severa, O Solar da Alegria e  O Café Mondego.

Foi no Solar da Alegria num concurso de “Fado Corrido", que obteve uma me­dalha de ouro, correspondente ao primeiro prémio, tendo mais tarde ganho também o primeiro lugar num outro concurso de Fados realizado no Salão Sul América, em 1930.

Dada a sua experiência era solicitado como apresentador nos espectáculos, vindo a ser convidado para gerente do Solar da Alegria, onde deu a conhecer outros intérpretes que vieram a ser reconheci­dos e admirados pelo público.

Fez parte de uma embaixada do Fado, composta por Armandinho e Martinho d’Assunção, que se deslocou ao Brasil e vários países da América Latina.

É autor de alguns Fados, entre eles Fernandinho e Perigo de Morte.

Marialva, boémio e noctívago era figura mui­to conhecida dos meios fadistas onde a sua opi­nião era respeitada.

Foi o apresentador escolhido para a histórica gravação de Amália no Café Luso.

«Silêncio, que se vai cantar o Fado!» expressão ainda hoje muito em voga, havendo quem lhe atribua a sua autoria! mas do Fado Meia-Noite não existem dúvidas.

Teve um filho, a  quem deu o seu nome - Filipe Pinto Júnior, - também homem de Fado, que tocava viola de acompanhamento, mas que infelizmente deixou-nos muito cedo.

 Filipe Pinto 

Canta: As Incertezas do Amor

Letra de António Boto

Música de José Bacalhau



Filipe Pinto com Alfredo Marceneiro

7049_pasta 2_Alfredo Marceneiro_Filipe Pinto.jpg

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fadista da Velha Guarda
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015

FILIPE DUARTE

Filipe Carvalho Duarte, nasceu em Lisboa na freguesia da Ajuda, e onde sempre morou.

Era vizinho do poeta João Linhares Barbosa, que se apercebe dos seus dotes e o apoia, escrevendo algumas letras para o seu repertório.

Em 1958 estreia-se como profissional no “O Faia”,  mais tarde “Parreirinha de Alfama” , aliás Filipe Duarte esteve praticamente em todas as Casas de Fado de Lisboa, foi no “Timpanas” que o conheço e passámos a ser amigos, sou  seu admirador,  pois tem estilo e forma de cantar com uma excelente dicção.

Também no Porto, esteve a cantar  no “ Mal Cozinhado”, onde se manteve dois anos.

Cantou nos Estados Unidos, Brasil, Japão, Roménia, etc., na Europa fez digressões por todas as comunidades portuguesas.

Foi sócio com Tony de Matos e Carlos Zel no “Fado Menor”.

Em 1989 abre no seu Bairro da Ajuda o “Solar do Fado”, que manteve aberto durante 12 anos.

Gravou vários discos e fez vários programas de televisão.

Ainda hoje canta, e bem,  em espectáculos,  quando é solicitado.

© Vítor Duarte Marceneiro

 

 

 

 

                               Filipe Duarte

 

Ouvir Filipe Duarte

É sentir fado a vibrar

Com emoção e com arte

Por quem sabe cantar

 

De voz nostálgica, triste

Focando assuntos diversos.

Realça tudo o que existe

Na cadência dos seus versos!

 

Com carreira bem marcada

E ainda longe do fim,

Já não lhe falta mais nada

P'ra subir ao "Galarim".

 

Poema de: Carlos Conde

 
Filipe Duarte Canta:

 

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Viva o Fado, Viva Lisboa
música: Ternura dos Quarents
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 18 de Agosto de 2015

Helena Tavares

 

 

Helena Tavares.jpg

 Estreia-se no Clube Oriental de Lisboa, na revista “É Regar e Pôr ao Luar”, não passa despercebida a Vasco Morgado que logo a contrata para o Teatro Avenida, na revista “Ó Rosa Arredonda a Saia”.Maria Helena Tavares de Oliveira Rodrigues Coelho,  nasceu na freguesia dos Olivais em  Lisboa, no dia 20 de Setembro de 1932, e faleceu em Março de  1980, tinha 47 anos.

Em 1959 grava os seus primeiros discos de Fado.

Mas é na revista que conhecerá os seus maiores êxitos, como A Rua dos Meus Ciúmes, na revista “A Vida é Bela” estreada em 1960.

Teve ainda êxitos como, Eu Cheguei muito depois, Dizer Adeus, etc.

Foi casada com o actor e empresário Carlos Coelho de quem teve dois filhos, há um acontecimento que ficou lendário na história do Teatro de Revista, Helena Tavares, está grávida e em cena no palco do Teatro Variedades na revista “Elas São o Espectáculo”, quando subitamente lhe rebentam as águas, para nascer a sua terceira filha, a actriz Helena Coelho.

Foi  madrinha da marcha de Marvila, e em  1966 ganham o primeiro prémio.

Mas não é só no teatro de revista que se exprimiu a vocação de Helena Tavares, também nas “boites”e casas de fado teve uma notável popularidade, actuou no Luso, Faia, Adega Machado, etc.

Na  televisão, actuou em programas como,  Melodias de Sempre e Quando Portugal Canta. Participou, igualmente, em diversas tournées pelo estrangeiro.

O filho João Coelho, foi actor de revista e actualmente é “Ponto” no Teatro Nacional

Carolina Tavares2.jpg

 

Filha Carolina Tavares (https://www.facebook.com/carolina.tavares.7549?fref=ts ) segue as pisadas da mãe, cantando Fado, mas só aos 27 anos se decide por uma carreira artística, baseada essencialmente no reportório da mãe, em especial em deslocações ao estrangeiro, em Portugal foi atracção em todos os casinos nacionais e diversos eventos.

 

Datas relevantes da sua vida:

1932   Nasce a 20 de Setembro, na freguesia dos Olivais, em Lisboa.

1952  Estreia-se no Clube Oriental de Lisboa, numa revista  "Regar e Pôr ao Luar".

            Vasco Morgado contrata-a para o Teatro Avenida, na revista "Ó Rosa Arredonda a Saia".

1955   Começa o seu relacionamento com o actor e empresário Carlos Coelho.

1959   Grava, para a Alvorada, o seu primeiro disco, Fados.

1960   Canta pela primeira vez, no Teatro Capitólio, o seu maior êxito, A Rua dos Meus Ciúmes.

1970   É pela primeira vez madrinha da Marcha de Marvila.

1975   Formaliza no registo civil a sua união de vinte anos com Carlos Coelho.

             Passa a actuar apenas em hotéis e casas de fado.

1980   Morre, vítima de doença prolongada.

1992   Programa de homenagem na RDP.

 

Video-clip Helena Tavares

Canta: Na Rua dos Meus Ciúmes

 

A RUA DOS MEUS CIÚMES

Letra de Eduardo Damas

Música de Manuel Paião

  I

Na rua dos meus ciúmes

Onde eu morei e tu moras

Vi-te passar fora de horas

Com a tua nova paixão

De mim não esperes queixumes 

Quer seja desta ou daquela 

Pois sinto só pena dela 

E até lhe dou meu perdão 

Na rua dos meus ciúmes

Deixei o meu coração.

 

                                                        II

 

                                                        Inda que me custe a vida

                                                        Pensarei co

                                                        Que esse teu ombro moreno 

                                                        Beijos de amor vão queimar

                                                        Saudades são fé perdida

                                                        São folhas mortas ao vento 

                                                        Que eu piso sem um lamento

                                                        Na tua rua ao passa 

                                                        Inda que me custe a vida

                                                        Não hás-de ver-me chorar.

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Mulher
música: Na Rua dos Meus Ciúmes
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Agosto de 2015

Francisco José - Cantor Português

Francisco José Galopim de Carvalho, nasceu em Évora a 16 de Agosto de 1924, mais conhecido como Francisco José, foi um afamado cantor português, com muitos êxito quer em Portugal quer no Brasil, onde viveu alguns anos.

Desde muito jovem que gostava e tinha muito jeito para cantar,  pois tinha uma bonita voz.

Iniciou sua carreira ainda andava a estudar ao apresentar-se, no Teatro Garcia de Resende em Évora, teve tal aceitação que nunca mais parou e acabou por profissionalizar-se aos 24 anos de idade, o que o levou a interromper o curso de engenharia quando já frequentava o terceiro ano.
Em Lisboa fez a sua estreia na rádio pelas mãos de Igrejas Caeiro.
Em 1951 teve seus maiores na canção romântica "Olhos Castanhos", e mais tarde em 1973 com "Guitarra Toca Baixinho".

A coragem e oportunidade de Francisco José, que ao actuar em directo num programa,  na RTP antes do 25 de Abril, denunciou a falta de apoio  dado aos artistas portugueses quer na Rádio, quer na Televisão. As suas palavras caíram que nem uma "bomba" nos poderes de então, de tal  forma, que a partir da aquele incidente, os programas em directo na RTP,  foram proibidos, e Francisco José  foi considerado "persona non grata" quer na RTP quer na Emissora Nacional, O panorama hoje está na mesma, ou ainda pior, excepção feita a dois ou três eleitos (do lobbie). Há alguns que sofreram censuras e hoje são censores!!

Francisco José, aleceu em Lisboa a 31 de Julho de 1988.

Aqui fica uma cronica sobre Francisco José,  pela pena do saudoso Artur Agostinho.

....Acompanhei grande parte do «percurso artístico» do Chico Zé que, um dia, teve a coragem de trocar as «engenharias» pelas cantigas que eram, afinal, a sua grande paixão. Testemunhei, inclusivamente, os seus primeiros passos com o Prof. Mota Pereira, no Centro de Preparação de Artistas da Rádio, onde des­pontaram algumas das grandes «estrelas» do microfone que principiaram a bri­lhar por volta dos anos 50.
O Chico Zé impôs-se, rapidamente, como uma das vozes mais bonitas e mais românticas da Rádio que, na época, era o meio de comunicação por excelência, em Portugal. As jovens sonhadoras e apaixonadas desse tempo suspiravam exta­siadas ao ouvirem aquela voz bem timbrada (a que não faltava sequer um ligeiro «toque» alentejano) e acorriam, frenéticas, às salas de espectáculo onde o seu ídolo se apresentava.
O saudoso poeta e homem da Rádio, José Castelo, um dos responsáveis do popular «Comboio das seis e meia» que animava os fins de tarde no Politeama e no Capitólio, começou um dia a chamar-lhe «o coração que canta» e o «slo­gan» ficou. Com a chegada da Televisão a Portugal, o sucesso do Chico Zé ganhou uma nova dimensão e um dia surgiu a hipótese de viajar até ao Brasil. Atraído pelo sabor da aventura, o Chico Zé lá foi e o sucesso foi estrondoso, não sem que, antes, tivesse de travar uma sucessão de duras «batalhas» que sempre conseguiu superar. Creio que para lá do seu estilo romântico, servido por uma voz invulgarmente agradável e bem timbrada, o seu triunfo no Brasil ficou a dever-se a uma perfeita dicção que permitia entender tudo aquilo que ele cantava. Um amigo meu, jornalista do grande país irmão, disse-me uma vez a propósito do sucesso do nosso artista em terras brasileiras: «Você sabe que nós nem sempre entendemos, com facilidade, tudo o que um português está falando mas com o Francisco José a coisa é diferente – não perdemos uma só palavra do que ele canta e isso é muito importante, em especial se os versos são gostosos de se ouvirem...»
Artur Agostinho
 
 
Francisco José
canta: Recado a Lisboa
De: João Villaret e A. Rodrigues
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 9 de Agosto de 2015

MAX - Maximiano de Sousa

Maximiano de Sousa ficou conhecido do grande público, pelo diminutivo “Max”, nasceu no Funchal a 20 de Janeiro e 1918, mas só foi registado a 2 de Feveriro do mesmo ano.
Aprende o ofício de alfaiate, e mesmo depois de ser artista ainda durante muito tempo manteve essa profissão.
Em 1936 começou a actuar à noite num bar de um hotel do Funchal, em 1942 foi um dos fundadores do conjunto Toni Amaral, onde actuava como cantor e baterista.
Em 1946 integrando esse mesmo conjunto rumam a Lisboa e são contratados para actuar no famoso cabaré “Nina”.
Começou a cantar fado em 1948, e o primeiro sucesso chamou-se “ Não digas mal dela” com música de Armandinho e letra de Linhares Barbosa, o êxito deste fado foi tão grande que iniciou a carreira a solo, que rapidamente se transformou num sucesso.
Em 1949 gravou o seu primeiro disco para a “Valentim de Carvalho”, com duas canções que se tornaram no seu definitivo trampolim para o estrelato “Noites da Madeira” e “Bailinho da Madeira”. Foi o primeiro de muitos êxitos como :“ A mula da cooperativa” “Porto Santo” “ 31” “ Sinal da Cruz” e muitos mais. Em 1952 iniciou uma brilhante carreira de actor, a convite de Eugénio Salvador participa na revista “Saias Curtas” , o desempenho agradou e entrou numa longa série de revistas. Em 1957 partiu para os E.U.A onde se manteve dois anos, inicia outra digressão por Angola, Moçambique, África do Sul, Brasil e Argentina. Depois do enorme êxito desta digressão e regressado a Portugal, lançou um novo fado que igual sucesso “Pomba Branca”.
Além de cantor Max destacou-se como compositor, muitos dos êxitos que interpretou foram composições suas, mas é de salientar a sua parceria com Artur Ribeiro, “Vielas de Alfama”, “Noite” , “Rosinha dos Limões” etc..
Este grande cantor, compositor, autor e músico deixou-nos no ano de 1980.
Embora nascido na Madeira, foi em Lisboa que Max se formou como artista, e foi nesta também sua cidade que alcançou os grandes sucessos da sua carreira, Max foi um fadista de alma e coração, para além da sua querida Ilha da Madeira, amava profundamente Lisboa.
 
Video Clipe com  Max  a cantar "Sinal da Cruz"
Os figurantes, são os meu filhos Alfredo e Beatriz
Realização Vítor Duarte Marceneiro
 
 
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande MAX
música: Sinal da Crz
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2015

Pedro Homem de Melo - Poeta

pedro-homem-de-mello.jpg

 Filho de António Homem de Melo de Macedo, irmão do 1.º Conde de Águeda, e de sua mulher Maria do Pilar da Cunha Pimentel Homem de Vasconcelos, tendo, desde cedo, sido imbuído de ideais monárquicos, católicos e conservadores. Foi sempre um sincero amigo do povo e a sua poesia é disso reflexo. O seu pai, pertenceu ao círculo íntimo do poeta António Nobre.

Estudou Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, acabando por se licenciar na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1926. Exerceu a advocacia, foi subdelegado do Procurador-Geral da República e, posteriormente, professor de português em escolas técnicas do Porto (Mouzinho da Silveira e Infante D. Henrique), tendo sido director da Mouzinho da Silveira. Membro dos Júris dos prémios do secretariado da propaganda nacional. Foi um entusiástico estudioso e divulgador do folclore português, criador e patrocinador de diversos ranchos folclóricos minhotos, tendo sido, durante os anos 60 e 70, autor e apresentador de um popular programa na RTP sobre essa temática.
Foi um dos colaboradores do movimento da revista Presença. Apesar de gabada por numerosos críticos, a sua vastíssima obra poética, eivada de um lirismo puro e pagão (claramente influenciada por António Botto e Federico García Lorca), está injustamente votada ao esquecimento. Entre os seus poemas mais famosos destacam-se Povo que Lavas no Rio e Havemos de Ir a Viana, imortalizados por Amália Rodrigues, e O Rapaz da Camisola Verde.
Afife (Viana do Castelo) foi a terra da sua adopção. Ali viveu durante anos num local paradisíaco, no Convento de Cabanas, junto ao rio com o mesmo nome, onde escreveu parte da sua obra, "cantando" os costumes e as tradições de Afife e da Serra de Arga.
Pedro Homem de Melo casou com Maria Helena de Sá Passos Rangel Pamplona, filha de José César de Araújo Rangel (24 de Janeiro de 1871 - 1 de Junho de 1942) e de sua mulher Alda Luísa de Sá Passos (Lisboa, 6 de Novembro de 1887 - 25 de Junho de 1935), e teve dois filhos: Maria Benedita Pamplona Homem de Melo (3 de Fevereiro de 1934), que faleceu ainda criança, e Salvador José Pamplona Homem de Melo (Porto, Cedofeita, 30 de Julho de 1936), já falecido, que foi casado a 6 de Setembro de 1969 com Maria Helena Moreira Teles da Silva (10 de Janeiro de 1944), neta paterna da 12.ª Condessa de Tarouca, de quem teve uma filha, Mariana Teles da Silva Homem de Melo (Porto, 3 de Novembro de 1974), e depois com Maria José de Barros Teixeira Coelho (Braga, São José de São Lázaro, 9 de Janeiro de 1943), de quem teve uma filha, Rita Teixeira Coelho Homem de Melo (Porto, Santo Ildefonso, 10 de Julho de 1983). Foi tio-avô de Cristina Homem de Melo.

Bibliografia

       Danças De Portugal

       Jardins Suspensos (1937)

       Segredo (1939)

       A Poesia Na Dança E Nos Cantares Do Povo Português (1941)

       Pecado (1943)

       Príncipe Perfeito (1944)

       Bodas Vermelhas (1947)

       Miserere (1948)

       Os Amigos Infelizes (1952)

       Grande. Grande Era A Cidade (1955)

       Poemas Escolhidos (1957)

       Ecce Homo (1974)

       Poesias Escolhidas (1987)

       E ninguém me conhecia, Lisboa, Campo da Comunicação, 2004 (Selec. de Poemas por Manuel Alegre e Paulo Sucena)

       Poesias Escolhidas, Lisboa, Asa, 2004 (selec. e pref. de Vasco da Graça Moura)

       Eu, Poeta e tu, cidade, Quasi Edições, 2007

 in: Wikipédia

É um dos poetas que contribuiu para o reper­tório de Amália Rodrigues ligado à poesia erudita, nomeadamente com duas criações famosas, Povo que Lavas no Rio (com música do Fado Vitória de Joaquim Campos) e o Rapaz da Camisola Verde (com música de D. Hermano da Câmara)

 

Poema: Pedro Homem de Mello

Música: Joaquim Campos 

 

Povo que lavas no rio,
Que talhas com teu machado
As tábuas do meu caixão,
Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado,
Mas a tua vida não.

 

Fui ter à mesa redonda,
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão;
Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste,
Mas a tua vida não.

 

Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama,
Tive a mesma condição;
Povo, povo, eu te pertenço,
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não.

 

 

(*) Caricatura de Rui Pimentel

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 6 de Agosto de 2015

Canção de Lisboa de Artur Ribeiro Cantado por Beatriz da Conceição

 

 

  LISBOA

 

Letra de: Artur Ribeiro

Música de Ferrer Trindade

 

Vejo do cais

Mil janelas

Da minha velha Lisboa

Vejo Alfama das vielas

O Castelo, a Madragoa

E os meus olhos rasos de água

Deixam por toda a cidade

A minha prece de mágoa

Nesta canção de saudade

 

                                             Estribilho

 

                                         Quando eu partir

                                         Reza por mim Lisboa

                                         Que eu vou sentir Lisboa

                                         Penas sem fim Lisboa

                                         Saudade atroz

                                         Que o coração magoa

                                         E a minha voz entoa

                                         Feita canção Lisboa

 

E se ao voltar

Me vires chorar, perdoa

Que eu abra a porta à tristeza

Para depois rir à toa

Tenho a certeza

Que ao ver as ruas

Tal qual hoje as vejo

Nesse teu ar de rainha do Tejo

Hei-de beijar-te Lisboa

 

                                     Hei-de beijar com ternura

                                     As tuas sete colinas

                                     E vou andar à procura

                                     De mim p’las esquinas

                                     E tu Lisboa

                                     Hás-de vir aqui ao cais

                                     Como agora

                                     P’ra eu te dizer a rir

                                     O que hoje minha alma chora

 

Beatriz da Conceição  canta:

Canção de Lisboa 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 5 de Agosto de 2015

Cheira a Lisboa cantado por Amália Rodrigues

1798693_211195852421185_1472682894_n.jpg

 

Cheira a Lisboa
Letra de César de Oliveira e música de Carlos Dias

 

Lisboa já tem Sol mas cheira a Lua
Quando nasce a madrugada sorrateira
E o primeiro eléctrico da rua
Faz coro com as chinelas da Ribeira

Se chove cheira a terra prometida
Procissões têm o cheiro a rosmaninho
Nas tascas da viela mais escondida
Cheira a iscas com elas e a vinho

 

(Refrão)
Um craveiro numa água furtada
Cheira bem, cheira a Lisboa
Uma rosa a florir na tapada
Cheira bem, cheira a Lisboa
A fragata que se ergue na proa
A varina que teima em passar
Cheiram bem porque são de Lisboa
Lisboa tem cheiro de flores e de mar

 

A fragata que se ergue na proa
A varina que teima em passar
Cheiram bem porque são de Lisboa
Lisboa tem cheiro de flores e de mar

 

Lisboa cheira aos cafés do Rossio
E o fado cheira sempre a solidão
Cheira a castanha assada se está frio
Cheira a fruta madura quando é Verão

 

Teus lábios têm o cheiro de um sorriso
Manjerico tem o cheiro de cantigas
E os rapazes perdem o juízo
Quando lhes dá o cheiro a raparigas

 

(Refrão)

 

Amália canta: CHEIRA A LISBOA

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Agosto de 2015

Vítor Duarte Marceneiro - Cantar Lisboa

Vitor Timpanas.jpg

CANTIGAS DE LISBOA

As cantigas que se fazem a Lisboa são declarações apaixonadas de amor. O poeta personifica na Capital a sua Dama e rasga-lhe um sem número de galanteios e piropos.

O poeta o cantor  vê sempre na sua cidade amada,   a mais colorida do Mundo,  e é nesta cor local que joga as suas rimas e estribilhos ...Lisboa Princesa, Lisboa coroada Rainha,  Lisboa menina, Lisboa mãe, avó Lisboa, madrinha Lisboa. Lisboa amada, Lisboa dos meus amores, Lisboa do meu coração, etc...

As cantigas de Lisboa têm todo o encanto nas declarações de amor que recebe dos poetas seus enamorados, Lisboa fica vaidosa porque sabe que é bela, não pela opulência mas sim pela sua alegria e graça natural.

È bem Lisboa a mais cantada e a mais amada Cidade do Mundo.

Bairros de Lisboa

Letra de Carlos Conde

Música do Fado Pajem de Alfredo Marceneiro

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags