Sábado, 23 de Janeiro de 2016

AVELINO DE SOUSA _ Fadista, Compositor, Poeta e Dramaturgo

Retrato Avelino de Sousa P&B.jpg

Nasceu em Lisboa em 1880 e residia no Bairro de Campolide. Faleceu em Lisboa em 1946.

Começou a trabalhar numa livraria, foi posteriormente tipógrafo e bi­bliotecário da Torre do Tombo.

Aos 15 anos já cantava as suas obras. Era pre­sença obrigatória em qualquer festa de trabalha­dores.

cantando apenas obras de sua autoria,  nor­malmente acompanhado pelo guitarrista Domin­gos Pavão, seu amigo de infância, o mote das suas letras, versava o amor, saudade e também usava o Fado, para através dele veicular as suas ideias politicas e sociais.

Cantou em tabernas, retiros, colectividades de recreio, em salas de gente elegante.

Travou grandes “despiques” com João Patusquinho, Manuel Serrano, João Black, Júlio Janota, Carlos Harrington e o Calci­nhas Narigudo.

Estreou-se em 1911, como autor teatral com a revista “Perdeu a Fala”, vindo a conquistar assinalá­vel êxito com a opereta “Bairro Alto”, com música de Venceslau Pinto, Alves Coelho e Raul Portela, apresentada em 1927 no Teatro São Luiz, em que a cantadeira Aldina de Sousa, desempenha o papel de Adelaide Pinóia cantando o Fado do Bairro Alto, “Cacho Doirado” (de colaboração com Venceslau de Olivei­ra), a fantasia “País do Sol” (de colaboração com Carlos Leal), o drama “A Guerra” (de colaboração com Luís Galhardo), e o «vaudeville» “Guerra do Fa­do”.

Publicou ainda, entre outros, os livros Canções do Fado, O Fado das Mulheres, A Canção Nacional (com prefácio de Angelina Vidal), Cinquenta So­netos e Cantem Todos...

Há uma quadra que compôs,  que ainda hoje, quase toda a gente, principalmente do Fado conhece, pela sua originalidade, sendo muito cantada em desgarradas:

Ao Fado tudo se canta,

Ao Fado tudo se diz:

— No cristal de uma garganta

Vive a alma de um país.

 Colaborador regular da imprensa operária e da imprensa do Fado, coligiu em 1912 os artigos escritos em A Voz do Operário sob o título O Fado e os Seus Censores, com prefácio de Júlio Dantas, obra de referência na bibliografia fadista.

Meu avô era amigo de Avelino de Sousa, (ainda não era conhecido como “Alfredo Marceneiro”), e foi por sua influência que entrou para sócio de “A Voz do Operário” em 1914, o que decerto muito contribuiu para o seu futuro como fadista, mais tarde e já conhecido como Alfredo Marceneiro, veio a integrar o elenco da opereta de Avelino de Sousa “História do Fado”, no Coliseu dos Recreios, como interprete de Fado.

Parte do espólio de Avelino de Sousa, foi entregue ao autor deste bloco, na sua qualidade de Director Executivo da Associação Cultural de Fado “ O Patriarca do Fado”- Alfredo Marceneiro, através da Poetisa Aline Mamede e a pedido da Srª. Dª Noémia Marques Gouveia Alexandre, filha adoptiva de Avelino de Sousa e de sua mulher Lucinda Ferreira de Sousa, para que o entregasse a quem considerasse que melhor o divulgaria e conservava, pelo que,  a A.C.F.P.F, foi quem lhe mereceu melhor consenso, aliás este blogue já tinha relembrado este grande autor  numa publicação desde 2007.

Este espólio, é composto por:

  • O manuscrito da peça de Avelino de Sousa “Bairro Alto” estreada em 1927.  E ainda,  um livro da mesma peça, com encadernação da época.
  • Um álbum de recortes de jornais e cartazes encadernado feito por Avelino de Sousa e que contem poemas seus inéditos.
  • Um livro encadernado com poemas dedicados por Avelino de Sousa á sua esposa amada , Lucinda, todo escrito á mão.
  • 25 Fotografias da Opereta História do Fado e outras de artistas da época, e uma foto do poeta em tamanho A3.

Foi uma grande honra recebermos este espólio, sabemos que não fomos a primeira opção, mas as outras,  que pensavam ter mais lógica recebê-las, foram ao que me constou, uma desilusão.

Aqui vos deixo algumas fotos deste extraordinário espólio.

Vítor Duarte Marceneiro

 

Fotos do manuscrito e do livro encardenado da  Opereta Bairro Alto

Manuscrito Opereta Bairro Alto.jpg

            Livro da Opereta Bairro Alto.jpgInterior do Livro Operata Bairro Alto.jpg

Fernanda de Sousa H do Fado 2.jpg                     Opereta História do Fado3.jpgFernanda de Sousa H do Fado.jpg

 

 

 Fotos da Opereta "Bairro Alto" com a artista que fazia de camareira Aldina de Sousa e outros figurantes.

Opereta História do Fado.jpg

Livro de Poemas manuscrito  dedicado á mulher                                                    Album de Recordações 

Livro Poemas á Mulher.jpg

 

Album de Recortes.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FADO DO BAIRRO ALTO

 

Letra de: Avelino de Sousa

Música de: Alves Coelho

Cantado por: Aldina de Sousa n´Opereta Bairro Alto

 

Coro

É o fado nacional

A canção mais portuguesa,

Que nos fala ao coração

E que tem em Portugal

A graça, o encanto, a beleza,

Da mais sagrada oração!

 

Do Alto Longo ao Camões,

Atravessa-se num salto!

Mas tão curtas dimensões

Guardam sempre as tradições

Do meu velho Bairro Alto!

 

refrão

Quando chega a procissão

Dos Passos, no seu andor,

Todo o bairro vai então

Confirmar a devoção,

Beijar o pé ao Senhor!

O Bairro Alto

Vale mais que a Mouraria,

Onde a Severa vivia

E só por isso tem fama!...

O Bairro Alto,

Mais fidalgo e mais artista,

É mil vezes mais fadista

Até do que a própria Alfama.

 

 Da madrugada ao alvor

Passa a rascoa e o faia...

E entre a navalha e o amor

Chora o fado a sua dor

Pela Rua da Atalaia!

 

Toda a gente dos jornais,

Poetas e actor's lá vão

Ouvir os sons divinais

Dos fadinhos nacionais

À taberna do Tacão!

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2016

Três Gerações de Fado no «Solar da Hermínia», os "Marceneiros"

3 Gerações de fado.jpg

 Que saudades daquela noite no «Solar da Hermínia», em que cantei pela primeira vez, na presença do meu pai e do meu avô

O «Solar da HERMÍNIA» e a própria Hermínia Silva fazem parte de um dos episódios mais marcantes da minha vida, na relação pai/avô/fado

Corria o ano de 1966, tinha cerca de 21 anos, fiz uma pausa nos bailaricos e outros «poisos» e comecei a frequen­tar o fado amador, que praticamente desconhecia, pois, até essa altura, costumava acompanhar o meu avô e o meu pai às casas tradicionais.

Certo dia, uns amigos convidaram-me para uma noite de fados no Galito, que ficava no Estoril. Lá fui e, como é lógico entre os frequentadores habituais, ao saberem de quem eu era filho e neto, logo pensaram que havia mais um para cantar. Gostei imenso do ambiente e passei a ser frequentador assí­duo. Ali conheci o Pracana, o malogrado Carlos Zel, o Frazão, pai deste, e do saudoso Alcino, que era então um miúdo mas já demonstrava o gosto que tinha pela música e pela guitarra portuguesa (estava sem­pre a dedilhar a guitarra do Inácio, mal este parava de to­car e a poisava), o Valdemar Silva, o saudoso Carlos Barra, a Maria do Carmo «Micá», e tantos outros amadores do Fado, na época.

Ora eu não cantava. Para ser sincero, com muita pena minha, achava que não conseguia e, para «meter água», era melhor estar calado. Isto porque tinha a noção da responsabi­lidade de ser filho e neto de quem era.

Mas a rapaziada estava sempre a apertar comigo (este gajo é filho de fadistas e não canta?), alguns até aventavam a hipótese de que eu não cantava porque tinha a mania de que era bom de mais para cantar ali! Mal sabiam eles a pena que eu tinha de sentir que não era capaz.

Certa noite, por insistência do Zé Inácio, grande executante de viola, mas que, na altura, fazia o acompanhamento à gui­tarra, acompanhado à viola pelo «Pirolito da Ericeira», começa­ram a dedilhar a Marcha do Marceneiro, o Zé Inácio começou a desafiar-me, era no princípio da noite, não havia ainda muitos clientes, timidamente comecei a entoar o poema Amor é Água Que Corre (eu nem calculava que, afinal, sabia o poema todo). Parece que não saiu muito mal, recordo que o tom em que cantei foi (hoje canto em So/); no final, o Zé Inácio disse-me:

- Como vês, é preciso não ter medo, perder a vergonha e, a partir de agora, ir praticando. Tomei-lhe o gosto e, durante algum tempo, só cantava este fado. Foi ainda com a ajuda do Zé Inácio que comecei a ensaiar e a cantar outros poemas, mas cantava sempre letras e músicas do repertório do meu avô.

Uma noite, no fim da fadistice do costume no Galito, o Valdemar Silva, que era conhecido pelo «Chico Fadista» e passou a ser o meu companheiro destas andanças, aceitou o meu convite para irmos até ao Bairro Alto, ter com o meu pai, Alfredo Duarte Júnior, que estava a cantar contratado no «Solar da Hermínia».

Chegámos, as luzes estavam reduzidas, como é costume quando se canta o fado, era o meu pai que estava a cantar, pelo que ficámos logo ali na entrada, sentámo-nos na mesa da Dona Hermínia que, prontamente, com o ar carinhoso e sorri­dente com que sempre me recebia, segredou-me ao ouvido que o meu avô, Alfredo Marceneiro, se encontrava na sala.

            O meu pai termina o fado que estava a cantar e informa os presentes:

            — Senhoras e Senhores, o meu pai, Alfredo Marceneiro, a pedido da Dona Hermínia, vai cantar.

Esta informação foi, de imediato, estrondosa e efusivamente recebida pela assistência, pois era do conhecimento geral, o quanto era difícil convencer Alfredo Marceneiro a cantar.

            O meu avô cantou, julgo que uns três fados, sempre escu­tados num rigoroso silêncio e, no final, vigorosamente aplaudidos.

Ainda com as luzes reduzidas e após uma das entusiás­ticas ovações que o meu avô teve, sublinhada por ditos do tipo «- Ah! Grande Ti' Alfredo», houve um curto espaço de tempo de relativo silêncio e eis que o Valdemar, o «Chico Fadista», se levanta de repente e, com uma voz possante, diz sensivelmente isto:

            - O que vocês não sabem é que aqui o Vitó, neto do Ti Alfredo também canta, e não deixa a família ficar mal!

            Fez-se um silêncio total na sala, eu fiquei sem pinga de sangue! (- Ó Chico, tu és maluco?)

A assistência começou a bater palmas, insistindo para que cantasse, eu nem conseguia levantar-me, olhei de relance para o meu pai e para o meu avô, estavam ambos na expectativa, eu só queria que aparecesse ali um buraco onde pudesse desaparecer. A Dona Hermínia, então, com o seu habitual bom humor, disse-me: «- Vai, filho, não tenhas medo. Quando a música começa, a gente esquece tudo.»

Levantei-me, hesitante, e dirigi-me para junto dos guitarris­tas, pedi que tocassem a «Marcha do meu Avô». Aos acordes iniciais da música, todo eu tremia, mas foi um momento ines­quecível, eu ia cantar à frente do meu pai e do meu avô. E, logo a seguir ao meu avô, era uma grande responsabilidade.

Comecei a cantar e nunca tirei os olhos do meu avô. Este, com o cotovelo sobre a mesa e a cabeça apoiada no braço, de olhos fechados, ouvia-me atentamente. Reparei que trauteava bai­xinho os versos que eu ia cantando e ia acenando com a cabeça.

Quando terminei, o público foi generoso e aplaudiu-me. Dona Hermínia comentou: «- Temos fadista.»

            O comentário do meu avô foi: «- Não está mal, mas tem é que aprender outros versos, para não andar a cantar a mes­ma coisa que eu ando a cantar há mais de trinta anos.» !.

O meu pai avisou-me logo: «- Deixa lá as fadistices, que isto não dá nada, tira mas é o teu curso, e fado, só por desporto.»

Não segui estes conselhos e, sempre que me dão a oportunidade continuo a cantar, nas suas músicas, os versos do seu repertório não enjeitando o “apelido”  MARCENEIRO.

            Com este episódio ultrapassei algumas barreiras que até então julgava intransponíveis, e assim acabava de entrar no Fado, bem ou mal, mais um elemento da família, dando a origem ás “ 3 GERAÇÕES DE FADO de MARCENEIRO”

Gravei em disco e em Televisão com meu avô e meu pai

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:52
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2016

SINTRA - PATRIMÓNIO MUNDIAL

2016-01-14VideoClip com imagens das pinturas de Mestre Real Bordalo

Música "Strrets of Sintra" do Maestro Rui Serodio

 

 

 

 

Sintra é uma vila portuguesa no Distrito de Lisboa, na região de Lisboa, sub-região da Grande Lisboa e na Área Metropolitana de Lisboa.

É sede um município com 317 km² de área e 445 872 habitantes (2008), subdividido em 20 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Mafra, a leste por Loures e Odivelas, a sueste pela Amadora, a sul por Oeiras e Cascais e a oeste pelo oceano Atlântico.

Podemos encontrar em Sintra testemunhos de praticamente todas as épocas da história portuguesa e, não raro, com uma dimensão que chegou a ultrapassar, pela sua importância, os limites deste território. Na candidatura de Sintra a Património Mundial/Paisagem Cultural junto da UNESCO, tratou-se de classificar toda uma área que se assumiu como um contexto cultural e ambiental de características específicas, uma unidade cultural que tem permanecido intacta numa plêiade de palácios e parques, de casas senhoriais e respectivos hortos e bosques; de palacetes e chalés inseridos no meio de uma exuberante vegetação, de extensos troços amuralhados que coroam os mais altos cumes da Serra. Também de uma plêiade de conventos de meditação entre penhascos, bosques e fontes, de igrejas, capelas e ermidas, pólos seculares de fé e de arte, enfim, uma unidade cultural intacta numa plêiade de vestígios arqueológicos que apontam para ocupações várias vezes milenárias.

In: Wikipédia

 

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2016

Manuel Fernandes

Manuel FernandesCR.jpg

 Nasceu em Lisboa no Bairro de Capo d´Ourique a 9 de Dezembro de 1921.

Começa a cantar como amador nas Sociedades de Recreio aos 15 anos.
Estreia-se em 1938 na verbena de Santa Catarina, passando mais tarde para o Solar da Alegria, Mondego e Luso.
Cantou em Angola , Estados Unidos e Brasil onde grava o seu primeiro disco.
Em 1957 é o representante da música portuguesa no Festival de Música Latina em Génova.
Fez parte do elenco da peça teatral “A Rosinha dos Limões” no Coliseu
Foi atracção na peça “Muitas e Boas” no Teatro ABC .
A 4 de Maio de 1962 comemora as suas Bodas de Prata artísticas no Pavilhão dos Desportos, sendo a comissão organizadora composta por Filipe Pinto e Alfredo Marceneiro.
Esteve muito anos contratado no Restaurante Típico A Severa no Bairro Alto, onde se manteve até á sua retirada.
Na sua longa carreira gravou creca de 70 discos entre Singles, EP e LP.
Das muitos poemas  que cantou, houve um que  cantava com muito sentimento, era o fado “ A Vassourinha”, poema criado por Silva Tavares e que mais tarde Domingos Gonçalves Costa aproveitando  o mote, e faz um novo poemas para Manuel Fernandes. (ver vídeo):
 
A minha linda Filhinha
Com sua saia de roda
Parce uma vassourinha
A varrer-me a casa toda
 
Manuel Fernandes faleceu em Lisboa a 20 de Maio de 1994.
 
 
Poema de Carlos Conde a homenagear Manuel Fernandes
 
Na canção como no Fado
Manuel Fernandes tem,
O desejo inconformado
De ser mais, de ir mais além!
 
Na sua linha traçada
Nada o prende nem assusta,
Porque já conhece a estrada
De quem sobe à sua custa!
 
E assim, Manuel Fernandes
Um homem que anda na berra,
Pertence à marca dos grandes
Artistas da nossa terra!
 
 
 

Do repertório de Manuel Fernandes um lindo Fado a Lisboa

 

Fui à noite á Mouraria
                 Letra de: Artur Ribeiro                
Música de: Nobrega e Sousa
 
                                           Quis ver Lisboa bairrista
                                           E andei
                                           A correr de lés a lés a cidade
                                           Fui ver Alfama fadista
                                           Onde nasceu a saudade
                                           Fui depois à Madragoa
                                           E passei
                                           Ao Bairro Alto velhinho
                                           E em todos os bairros de Lisboa
                                           Encontrei
                                           O Fado até nas pedras do caminho,
 
                                           Refrão
 
                                          Fui à Mouraria
                                          E vi
                                          Tudo o que  há muito não via
                                          Ali .
                                          Vi o fado a bailar nas vielas
                                          E os cravos a rir nas janelas
                                          Uma guitarra a trinar
                                          Ouvi
                                          E um velho a chorar o passado
                                          Vi passar a procissão
                                          E a Rosa Maria rezar a meu lado
                                          E ao passar junto ao Capelão
                                          Ouvi a Severa cantando o seu fado
 
                                          À noite o fado é mais fado
                                          E eu
                                          Quis cantar nas ruas da Mouraria
                                          Cantei em tom magoado
                                          Versos que ela nem sabia
                                          Do alto duma trapeira
                                          Desceu
                                          O som duma guitarrada
                                          E foi assim que esta Lisboa.
                                          Inteira aprendeu
                                          Um fado que nasceu na madrugada
 

 Nota: Esta página foi editada pela primeira vez em 2007

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 9 de Janeiro de 2016

VASCO SANTANA

Vasco António Rodrigues Santana (1898-1958)

O público elege os seus artistas, e, se de uns se cansa ao fim de alguns anos, a outros nunca mais os larga, estabelecendo com eles uma mágica cumplicidade. E por isso que há cómicos que basta aparecerem em cena para, mesmo sem abrirem a boca, o público desatar logo a rir. Mas com Vasco Santana o caso ia mais longe. Era só ou­vi-lo falar nos bastidores e a sala vinha abaixo à gargalhada.

Essencialmente um actor de comédia, Vasco Santana chegou ao teatro através da revista, e, à primeira vista, por acidente. Nascido numa família ligada ao teatro, sobrinho do empresário e autor Luís Galhardo, filho do conhecido encenador Henri­que Santana (1876-1935), cursava as Belas-Artes, aos 19 anos, e era frequentador assíduo das caixas dos teatros. Sabia de cor o papel do ' 'compère" que Artur Rodri­gues fazia na revista O beijo (1917). E, por isso, quando aquele actor adoeceu e Vas­co passou pelo Avenida, numa tarde de domingo, de tipóia, pronto a bater para os toiros, a ver o Belmonte, pegaram nele, pintaram-no, vestiram-lhe a farpela do ' 'compère", meteram-no numa mala, fizeram-no subir num alçapão, e eis no palco, fazendo a sua improvisada estreia, um dos cómicos que o público mais iria amar.

Como o "compère" não melhorou, Vasco Santana ficou até ao fim da revista, a que logo outra se seguiu. Passou pela companhia Satanela-Amarante, onde criou o Nem de Míss Diabo (1918), e manteve-se muitos anos na companhia de operetas de Armando de Vasconcelos, destacando-se no repertório vienense, com breves escapadelas à revista.

A comédia O meu menino (1930) traz-lhe um daqueles sucessos que consa­gram definitivamente um artista. É durante as representações desta peça que morre uma das intérpretes, a actriz-cantora Aldina de Sousa, a quem Vasco Santana estava há anos ligado, o que provoca grande mágoa entre artistas e público.

Tirando partido da sua figura avantajada, inexcedível no improviso, no aparte, Vasco encabeça companhias de comédia, somando êxitos populares, como Descul­pa, ó Caetano (1932), conquistando um público que acorre apenas o seu nome é anunciado e, até ao fim, se lhe mantém fiel. Quando aparece na revista, especialmen­te ao lado de Beatriz Costa (Santo António, 1934; Arre, burro, 1936), as suas rá­bulas são de efeito seguro.

Enquanto dura o seu casamento com Mirita Casimiro (1940-1946), representa quase sempre ao seu lado, em operetas (Ribatejo, 1939; Coíete encarnado, 1940; A invasão, 1945) e revistas (A grande paródia, 1941; Aleluia, 1942; Cantiga da rua, 1943; Baile de máscaras, 1944), formando com ela um par contrastante estilo Bucha e Estica, cheio de comicidade, que o público acarinha sem reservas. Vas­co é autor de quase todos esses êxitos, assim como do argumento de filmes muito

po­pulares.

É deste período Alto lá com o charuto (1945) — a revista que mais tempo es­teve no cartaz, na década de 40 — onde Vasco teve excelentes rábulas de recorte po­lítico {o Fogueteiro e o Nero, deitando fogo a Lisboa, como já se fizera, em 1907, no O da guarda) e um travesti de sensação, em duo com Mirita: Manas Remendonças, paródia às cantoras da rádio — tipo irmãs Meireles — que então abundavam. Outro seu travesti famoso foi a cozinheira, ao lado de António Silva, o cómico que com ele melhor contracenou, fazendo então a criada de fora, nesse dueto da revista Se aquilo que a gente sente... (1947).

Além do cinema e do teatro, também a rádio foi um óptimo veículo para Vasco Santana. Os diálogos Zequinha e Lelé, cenas da vida de um casal lisboeta, que a Emissora Nacional transmitiu aos domingos durante muitos meses (1947-1948), fo­ram imensamente populares e neles Vasco lançava ditos que toda a gente repetia, desde o bem disposto "tá bem ou não tá?", com que interrogava a Lelé (Irene Velez), ao enfadado "aquela santa", com que se referia à sogra (Maria Matos).

Nas pausas da comédia, onde agrada sempre ao público, mesmo que se repita em espectáculos de pouco nível, Vasco Santana consegue boas actuações na revista, contracenando com as estrelas do momento: Hermínia Silva (Ora agora viras tu, 1949, com rábulas de grande oportunidade política), Irene Isídro, sua companheira de muitas comédias (E de gritos, 1950), Laura Alves, (Mulheres há muitas, 1954) e a talentosa brasileira Bibi Ferreira, na sua última revista Há horas felizes (1957, com o notável Pintor do Torel  uma boa imitação de Churchill).

Actor que o público ainda recorda de forma muito viva, Vasco Santana ficou no teatro português como um caso raro de popularidade e comunicação imediata.

  

In: Revista à Portuguesa de Vítor Pavão dos Santos

 

 






 

"Ó EVARISTO, TENS CÁ DISTO?..."

 

Este trocadilho dizia-o ele no filme "O Pátio das Cantigas", e ficou célebre!

Tudo o que dizia tinha graça. Bastava-lhe entrar em cena para o público começar a rir; abria a boca, as graças saíam em catadupa e as gargalhadas na sala soavam contínuas e estridentes. Era assim o Vasco Santana! a graça personificada.

A arte de transmitir a boa disposição e a alegria de viver!..

Seu pai queria que ele cursasse Belas-Artes, mas, para ele, a arte mais bela era o Teatro...

Seu tio, Luís Galhardo, era na juventude do Vasco empresario do teatro Avenida, e Vasco Santana, fugindo às aulas de Belas-Artes, passava a maior parte do seu tempo nos bastidores do teatro. Sabia de cor todos os papéis da revista que nessa altura lá estava em cena com grande êxito: "O Beijo"...

Era assim Vasco Santana.

Foi num domingo de Outubro de 1917, a matinée estava esgotada, mas o Vasco não apareceu no teatro, preparava-se para ir ver uma corrida ao Campo Pequeno, já com um bilhete de barreira na algibeira...

Porém, o destino marca a hora e, na hora em que o Vasquinho (como o tratava a família),embarcava num trem que o conduziria à praça de touros, aparece-lhe o seu tio Luís Galhardo , muito aflito a dizer-lhe que o compère da revista tinha adoecido e era preciso que o Vasco o substituísse...

"Não posso tio; vou ver o Belmonte tourear...", mas teimar com o seu tio era escusado e, contrariado lá foi para o teatro. Lá dentro meteram-no numa mala que,na devida altura, era empurrada para cena. E foi assim que o nosso Vasco Santana entrou no palco....fez o papel que (claro) sabia de cor, fez o melhor que pôde e o publico riu que se fartou. Tinha nascido o actor que durante quarenta anos fez rir o País.

Tornou-se o menino querido do Teatro, e em todos os géneros brilhou; Na Revista à Portuguesa, na Comédia, na Opereta e claro , no Cinema!!! Foi grande em tudo!

A propósito da sua estreia, costumava dizer: "Ia ver o Belmonte tourear e fui eu que, sem querer,fui colhido..." Era assim o Vasco Santana...

Uma vez , quando saía do teatro após a sessão, um homem de aspecto provinciano dirigiu-se-lhe e disse: " Fui ver a revista e o senhor fez-me rir como ainda ninguém tinha feito; tome lá cinco mil reis de gorjeta porque bem merece.....", Vasco Santana aceitou, comovido com a simplicidade e a boa intenção do homem, e arrecadou a moeda.... costumava dizer que essa moeda simbolizava a sua consagração, e guardou-a durante toda a sua vida.

Para a Revista à Portuguesa que progressivamente tem vindo a perder valores, a perda do Vasco Santana na altura, foi irreparável, ele era único e insubstituível.

 

Manuel Gírio

Carlos Escobar

  


CANTIGA PARA O VASCO SANTANA

 

Poema de Carlos Escobar

 

Ele foi Vasco Vasquinho

Ele foi o que quis ser

Foi policia, foi ladrão

Foi doutor, foi aldrabão

Vejam lá que foi mulher !!!

 

                                  Ria tudo à gargalhada

                                  Quando chegava o Santana

                                  Ele era cada piela

                                  Aos tombos pela viela

                                  Que às vezes ia de cana

 

Foi talvez o mais Vascão

Foi desde a rádio à revista

Era gordo, nós sabemos

E que saudades nós temos

Desse gordo, desse artista

 

                                 Fico triste quando penso

                                 Porque não temos já disto

                                Tanta arte, na verdade

                                 De perguntar dá vontade

                                 "tens cá disto, ó Evaristo ???"

 

Inda agora, quem diria

Quando dá filme do vasco             

Na família há alegria

Há gargalhada no tasco

 

 


  

 

Vasco Santana e Mirita Casimiro, a dupla mais cómica e que mais agradou ao povo do seu tempo (Foto  1936)
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Janeiro de 2016

VÍTOR DUARTE MARCENEIRO - Fado do Cravo

Foto da capa do disco Vítor Duarte (Marceneiro) 1972 

Gravei este Fado, no meu segundo EP em 1972, para a etiqueta Estúdio. Os versos tiveram que ser reduzidos por imposição das rádios e das editoras. 

Foi  gravado nos anos 30 por Alfredo Marceneiro, nos antigos discos de massa, infelizmente,  nunca mais,  foi com  este poema  que teve a inspiração para  fazer a música a que deu o nome da própria  letra,  como era costume na época.

O Fado do Cravo, é um dos mais importantes,  do role dos "Fados Clássicos", pois é das músicas que mais tem inspirado poetas a fazer versos especificamente na sua melodia.

O Fado Cravo também é conhecido por Fado da Viela, em consequência do poema que o Dr. Guilherme Pereira da Rosa fez para o repertório de Alfredo Marceneiro, e que ele interpretou como ninguém.

   

 " FADO  DO CRAVO"

 

Foi em noite de luar

Na noite de São João

Que eu te vi, óh! minha amada

No baile foste meu par

E dei-te o meu coração

Foste minha namorada

 

Andámos na roda os dois

E saltamos á fogueira

Meu peito era uma brasa

Findou o baile e depois

Foste minha companheira

Levei-te p´ra minha casa

 

Nessa madrugada santa

Por meu mal me deste um cravo              

 No lado esquerdo o guardei

Minha paixão era tanta

Fui do teu capricho escravo

Eterno amor te jurei

 

Foram dias decorrendo

Semanas, um ano feito

De amor eu tinha a fragrância

Mas o cravo murchecendo

Revelava que o teu peito

Não tinha a mesma constância

 

Numa noite, ao conhecer

Mentira no teu amor

De raiva desfiz o cravo

Não mais quis por ti sofrer

Deitei fora a murcha flor

Deixei de ser teu escravo

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: FADISTA
música: Fado do Cravo
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags