Sábado, 8 de Maio de 2010

COIMBRA - Dos Estudantes

 

A

Universidade de Coimbra, com 720 anos de história, é a mais antiga universidade portuguesa. A história da Universidade de Coimbra remonta ao século seguinte ao da própria fundação da nação portuguesa, dado que a Universidade foi criada no século XIII, em 1290. Antes, porém, em 1288, foi elaborada uma Súplica ao Papa Nicolau IV (de que só se conhece o traslado) datada de 17 de Novembro de 1288 e assinada pelos abades dos Mosteiros de Alcobaça, Santa Cruz de Coimbra e S. Vicente de Lisboa e pelos superiores de 24 igrejas e conventos do Reino. Este documento solicitava a fundação de um “Estudo Geral” e aquelas instituições religiosas assumiam a garantia do seu financiamento. Não se sabe se a Súplica chegou à Santa Sé.

Desde a sua fundação e até ao final do século XVI, a Universidade de Coimbra consolidou a sua posição enquanto centro de formação de elites de um império onde o Sol nunca se punha.

Em 1290 dá-se a Criação do Estudo Geral Português, com a assinatura do documento “Scientiae thesaurus mirabilis”, por D. Dinis (1 de Março), confirmado pela bula “De statu regni Portugaliae” do papa Nicolau IV (9 de Agosto), com as Faculdades de Artes, Direito Canónico (Cânones), Direito Civil (Leis) e Medicina. A Universidade começa a funcionar em Lisboa.

Em 1308, o Estudo Geral passa para Coimbra; regressa a Lisboa em 1338 e a Coimbra em1354; volta a Lisboa em 1377 e é definitivamente instalado em Coimbra em 1537.

Em 1309, o Estudo Geral recebe os seus primeiros Estatutos, com o nome “Charta magna privilegiorum”.

Como dissemos anteriormente, em 1537, a Universidade é instalada definitivamente em Coimbra. Esta cidade assume-se como a cidade universitária portuguesa e dá-se início à instalação de numerosos colégios na cidade.

Em 1544, todas as Faculdades da Universidade de Coimbra reúnem-se no Páteo das Escolas.

A Universidade de Coimbra foi consolidando a sua posição enquanto instituição fundamental da cultura e da ciência em Portugal.

Em 1772, a Universidade recebe os “Estatutos Pombalinos”, os quais, entre outros aspectos, criam as Faculdades de Matemática e de Filosofia Natural (Ciências) e reformam os estudos da Medicina. Da reforma do ensino preconizada por estes estatutos resulta a necessidade de novos estabelecimentos científicos, originando a construção de novos edifícios destinados ao Laboratório Químico, ao Observatório Astronómico e à Imprensa da Universidade e instalação do núcleo inicial do Jardim Botânico.

Em 1773, dá-se Início à formação do Museu de História Natural, o mais antigo museu português, subdividido em sectores em 1885, de que resultou a constituição de quatro instituições: Zoologia, Botânica, Mineralogia e Geologia, e Antropologia.

Nesse mesmo ano, dá-se início ao funcionamento do Gabinete de Física Experimental.

Em 1836, são fundidas as Faculdades de Leis e Cânones na nova Faculdade de Direito.

No mesmo período em que se assistiu à democratização do ensino na Europa e em Portugal, a Universidade de Coimbra confirmou o seu grande prestígio, fruto não só de um passado único como também de uma tarefa laboriosa de adaptação constante a um mundo em mutação acelerada.

Actualmente, a Universidade constitui um verdadeiro ícone de Portugal, não só na Europa e nos países e territórios onde se fala Português, mas no mundo.

Em 1921, surge a Fundação da Faculdade de Farmácia.

Em 1948, dá-se a Renovação da Alta Universitária de Coimbra e a inauguração do edifício do Arquivo da Universidade, a que se seguem, em 1951 a Faculdade de Letras e o Observatório Astronómico, em 1956, a inauguração do edifício da Biblioteca Geral e Edifício da Faculdade de Medicina e, em 1961, a inauguração do complexo do Estádio Universitário, na margem esquerda do Mondego.

Em 1969 é inaugurado o edifício destinado à Secção de Matemática, ano em que surge a conhecida Crise Académica de 1969.

Em 1972, a Faculdade de Ciências é transformada na Faculdade de Ciências e Tecnologia, sendo, neste mesmo ano, criada a Faculdade de Economia.

Em 1975, um ano após a Revolução de Abril, é inaugurado o edifício dos Departamentos de Física e de Química, e, em 1980, a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação.

Doze anos depois, em 1987, dá-se a transferência dos Hospitais da Universidade para as suas novas instalações, junto ao futuro Pólo das Ciências da Saúde e em 1992, iniciam-se as obras conducentes à instalação do Pólo 2 da Universidade de Coimbra, para, em 1997, ser criada a Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física.

Em 2001, iniciam-se as obras no Pólo das Ciências da Saúde da Universidade de Coimbra, para onde se transferirá a Faculdade de Medicina e a Faculdade de Farmácia, bem como vários centros e unidades de investigação.

Em  Portugal, como um pouco por todo o mundo, a ideia da instituição Universidade de Coimbra encontra-se intimamente ligada à Alta Universitária, um conjunto arquitectónico heterogéneo de que se destacam as construções do chamado Estado Novo e, sobretudo, o Páteo e Paço das Escolas, dominados pela célebre Torre da Universidade.

Foi o Paço das Escolas que aglutinou, em 1544, todas as Faculdades da Universidade de Coimbra, após a instalação definitiva da Universidade nesta cidade, em 1537, e um verdadeiro percurso itinerante de quase três séculos entre Lisboa e a urbe do Mondego.

 

Neste período, em Coimbra, os Estudos Gerais (mais tarde designados Universidade) funcionaram no edifício conhecido como Estudos Velhos, sensivelmente onde se encontra a actual Biblioteca Geral, e distribuíram-se depois por localizações diversas, destacando-se os edifícios próximos do Mosteiro de Santa Cruz e o próprio Paço das Escolas.

No âmbito de uma visita ao Paço das Escolas, são imperdíveis os seguintes monumentos:

A Sala Grande dos Actos, que é a principal sala da Universidade de Coimbra. É também conhecida por Sala dos Capelos uma vez que, ainda hoje, é utilizada nas cerimónias académicas.

Quem visitar a Sala dos Capelos poderá visitar, também, a Sala do Exame Privado e a Sala das Armas.

A Sala do Exame Privado fazia parte integrante da ala real do palácio. Foi câmara real, ou seja, o local onde o monarca pernoitava. Também foi nesta sala que se realizou a primeira “reunião” entre o Reitor D. Garcia de Almeida e os lentes (professores) da Universidade, no dia 13 de Outubro de 1537, data da transferência definitiva desta instituição para Coimbra.

A Sala das Armas fazia parte da ala real do antigo paço. Alberga a panóplia das armas (alabardas) da Guarda Real Académica, que, ainda hoje, são utilizadas pelos Archeiros (guardas) nas cerimónias académicas solenes (Doutoramentos solenes, “honoris causa”, Investidura do Reitor, Abertura Solene das Aulas).

 

Merece, também, destaque a Biblioteca Joanina, conhecida como A Casa da Livraria, e que recebeu os primeiros livros depois de 1750, sendo a construção do edifício datável entre os anos de 1717 e 1728.

O edifício tem três andares e alberga cerca de 200.000 volumes, havendo no piso nobre cerca de 40.000 exemplares.

 

Resultante da condição privilegiada da Universidade, seria instalado, a partir de 1593, em dois antigos aposentos, sob a Sala dos Capelos, a Prisão Académica. Aí se conservaria até 1773, sendo então transferida para as infra-estruturas da Biblioteca Joanina que, por seu turno, incorporara, aquando da sua edificação, os restos arruinados do que fora o antigo cárcere do Paço Real, documentando o único trecho de cadeia medieval subsistente em Portugal.

 

Destinada a solenizar a entrada do recinto universitário, a Porta Férrea constitui a primeira obra de vulto empreendida pela Escola após a aquisição do edifício, por isso idealizada como um arco triunfal, de dupla face (na tradição da porta-forte militar), apologético da instituição, evocada no programa escultórico, alusivo às quatro faculdades (Teologia, Leis, Medicina e Cânones) e aos dois monarcas (D. Dinis, que fundou a Universidade, e D. João III, que a transferiu para Coimbra) fundamentais na sua história.

A Torre da Universidade, edificada entre 1728 e 1733, em substituição de uma outra, célebre, que João de Ruão erigira em 1561, seria riscada pelo arquitecto romano António Canevari, constituindo a matriarca das torres universitárias europeias. Aloja, além dos relógios, os sinos que regulam o funcionamento ritual da Universidade.

A Torre da Universidade apenas pode ser apreciada do seu exterior. Está, no entanto, em processo de reparação para futura visita ao seu interior, o que permitirá aos visitantes subirem ao seu topo e desfrutarem de uma vista ímpar sobre a cidade de Coimbra.

Merece, ainda, visita a Capela de S. Miguel construída no início do século XVI, substituindo uma anterior, provavelmente do século XII. A sua estrutura arquitectónica é manuelina, estilo decorativo visível sobretudo nos janelões da nave central e no arco cruzeiro.

 

Durante os seus mais de sete séculos de existência, a Universidade, hoje uma instituição de referência, foi crescendo, primeiro por toda a Alta de Coimbra e depois um pouco por toda a cidade.

Continuando a manter o renome de outros tempos, é, de um modo geral, indiscutível a qualidade do ensino na Universidade de Coimbra dentro do muito fragmentado panorama nacional de ensino superior.

Ao longo dos tempos, muitos foram os ilustres que aqui cursaram e que se imortalizaram na história da vida portuguesa e mesmo internacional. A título de exemplo, deixamos, aqui, uma lista daqueles que pertencem ao universo das figuras ilustres, independentemente da área em que se notabilizaram, não olhando a confissões religiosas ou ideologias políticas.

Assim, como cientistas merecem referência, Avelar Brotero, Ruy Luís Gomes, Egas Moniz - prémio Nobel da Medicina-, Pedro Nunes;

Como diplomata, Aristides Sousa Mendes;

No domínio da literatura, Eça de Queirós, Antero de Quental, Camilo Pessanha, António Nobre, Almeida Garrett, Miguel Torga, Mário de Sá Carneiro, Vergílio Ferreira, Fernando Namora, José Régio;

Como humanista, Eduardo Lourenço;

Ao nível jurídico, António Ferrer Correia, Carlos Alberto da Mota Pinto, José Joaquim Gomes Canotilho, Vital Martins Moreira;

Ao nível musical, António Menano, Edmundo de Bettencourt, Fernando Machado Soares, Adriano Correia de Oliveira, José (Zeca) Afonso, Luís Goes, António Portugal;

Na política, José Relvas, António de Oliveira Salazar, Barbosa de Melo, Alberto João Jardim, Manuel Alegre;

 Ao nível dos prelados, Manuel Nicolau de Almeida, Manuel Gonçalves Cerejeira;

Como Presidentes da República Portuguesa, Manuel de Arriaga, Teófilo de Braga, Bernardino Machado, Sidónio Pais, António José de Almeida, Manuel Teixeira Gomes

Como Primeiros-ministros, Sebastião José de Carvalho e Mello, Marquês de Pombal, Carlos Mota Pinto, Ernesto Hintze Ribeiro, António de Oliveira Salazar.

 

 Dizem aqueles que passaram a sua vida académica na cidade do Mondego que jamais a podem esquecer. No Penedo da Saudade, do Choupal até à Lapa, nas Margens do Mondego, e em tantos outros lugares da cidade, são muitas as recordações que lá deixaram e de lá trouxeram que os leva, indefinidamente, a dizer “Coimbra tem mais encanto na hora da despedida”.



 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Balada da Despedida
publicado por Vítor Marceneiro às 18:56
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags