Terça-feira, 15 de Junho de 2010

Carlos Zel - Quartas-Feiras de Fado no Casino Estoril

Dia 16 de Junho às 18,30 vai ter lugar no Casino Estoril - Foyer do Salão Preto e Prata,

a apresentação do CD de Carlos Zel, com algumas gravações das "Quartas de Fado"

 

 

 

Há nomes que passam pelo Fado e há outros que nele ficam, que o vivificam e engrandecem, como se a raiz desse cantar de um povo na sua voz se entroncasse, para dela renascer e ganhar novos desígnios.

Carlos Zel foi um desses raros Homens: nasceu a respirar o Fado, viveu para o cantar, partiu como se ele fosse o seu destino. 

Conheci-o através do Júlio César. E a ele devo a iniciativa, que entusiasticamente partilhei, “de fazer o Fado regressar à Linha”, nesse memorável ciclo que, em cúmplice anseio, baptizámos de “Quartas-Feiras do Fado”, no Casino Estoril. Não me surpreendeu o êxito, pois, esse, só dependia do Carlos Zel e dos nomes que, com criterioso afã, ele se encarregava de reunir, qual tertúlia semanal, partilhada entre público e fadistas. E, para quem, como eu, com ele de perto convivia, sempre existia o Fadista, mas acontecia o Amigo. 

Partiu, deixando-nos mais pobres; de fado e, também, de afectos. Mais ricos, porém, de memórias resgatadas nessa homenagem, que em cada ano devotadamente cumprimos, dedicando-lhe a “Grande Gala do Fado – Carlos Zel”, nesta Casa que foi sua. Sei que, nessas Galas, ele sempre nos acompanha: ouço-o na voz de cada fadista, sinto-o presente na saudade da sua ausência. 

Que este CD, gravado nas memoráveis sessões das suas “Quartas-Feiras do Fado”, nos inspire no destino de jamais o poder esquecer. 

 

Porque o Fado não se esquece. 

E Carlos Zel era o Fado.

 

 

Não seria, nunca, fácil proceder a uma escolha de temas gravados pelo meu Pai, no Wonder Bar do Casino Estoril, em primeiro lugar pela grande quantidade, depois porque, sendo eu suspeito, gostaria certamente de incluir nesta edição toda e qualquer gravação existente e, ainda, pelo facto de terem passado nestas Quartas-Feiras, um sem número de prestigiados convidados, todos eles merecedores de destaque. 

Desta forma, foi preciosa a ajuda do José Manuel Osório no afunilar das possibilidades, tendo em conta, sobretudo, a qualidade da gravação e felicidade da interpretação específica.

As razões pelas quais sugiro esta escolha de músicas estão ligadas ao método que utilizei para as escolher, de forma a que se enquadrassem dentro do número de faixas e do tempo apresentado pela editora, o qual passo coincidentemente a expor: 

Comecei por seleccionar aquelas que têm duetos, com o cuidado de escolher uma por convidado, assim ficando: 

- Do Carlos Azevedo, a Igreja de Santo Estevão, por ser única e julgo não haver, até agora, qualquer registo fonográfico do Pai a cantar este fado. 

- Do Filipe Mendes, o Fado Pechincha. Acho que o Pai está extraordinário no Fado Menor, mas aqui também está   muito bem e parece-me mais equilibrada a "cumplicidade" com a guitarra eléctrica.

- Do Filipe de Brito, o Estranha Contradição. Estão ambas muito boas, mas o Saudades Trago Comigo já está com o Pai a solo, por isso escolhi esta.

- Do Bernardo Sassetti, o Fado da Defesa. É a única e está um verdadeiro espectáculo sendo, para mim, a melhor de todas as faixas. 

- Do Fernando Maurício, O Leilão. Primeiro, porque o Maurício, já também perto do fim da sua vida, está ainda  com uma voz extraordinária e em segundo lugar, porque seria um crime, para os amantes de fado, haver um registo de um fado cantado "a meias" com o Pai e o Fernando Maurício e não ser editado. 

- Do João Ferreira-Rosa, os Saltimbancos. É a única que me foi apresentada e está muitíssimo bem cantada por ambos, além de que, não editar um "dueto" com ambos seria também criminoso. 

De todas as gravações, suponho que existam muitas mais "parcerias" de sucesso, contudo, estas são as que me pareceram melhores, dentro da “shortlist” que me mostraram. 

Quanto às do Pai a solo, acho que, todas as que me foram apresentadas estão muito boas, pelo que as sugeri na sua totalidade, juntando a introdução do Júlio César, o grande responsável pelo Fado ter voltado à Linha, neste projecto. 

Não posso deixar de agradecer à Estoril-Sol, nomeadamente ao Casino Estoril, na pessoa do Dr. Mário Assis Ferreira, mas também a todos os convidados das Quartas-Feiras de Fado, ao Júlio César, à minha Mãe, aos "músicos residentes", ao José Manuel Osório, à Filomena Cardinali e à família Serafim, da Movieplay, pois só com a participação de todos eles é possível levar agora a público este fonograma. Obrigado!

 

Nuno Frazão 

 

 

CARLOS ZEL, Carlos Frazão, nasceu na Parede, a 29 de Setembro de 1950. Seu pai António Frazão, marceneiro de profissão era um apaixonado do fado, cantava como amador e editou um livro de poemas "O Poeta e Eu". Teve ainda um irmão ligado ao Fado,  o saudoso Alcino Frazão, que foi um exímio guitarrista, que infelizmente nos deixou ainda muito jovem.

Carlos Zel, começou a cantar no Estoril e Cascais como amador

Iniciou a sua carreira profissional em 1967, cantando na Emissora Nacional, altura que adopta o nome artístico de Carlos Zel.

Fez teatro de revista e musical - "Aldeia da Roupa Suja" (1978), "A Severa" (1990) e "Ai Quem Me Acode" (1994) -,

Na televisão chegou a participar na telenovela "Cinzas", como actor.

Deixou-nos cerca de uma dezena de produções discográficas
Em 1993, recebe o Prémio Prestígio, atribuído pela Casa de Imprensa, em 1997 a mesma entidade concedeu-lhe o Prémio José Neves de Sousa.

Foi ainda condecorado com a Medalha de Mérito da Cruz Vermelha Portuguesa, e ainda a Medalha de Mérito da Câmara Municipal de Cascais.
Em mais de 30 anos de carreira, fez vários espectáculos em Portugal e no Estrangeiro, cantou em casas de fado, e no fim da sua vida foi o impulsionador das “Quartas de Fado no Casino Estoril”

Faleceu repentinamente em Fevereiro de 2002.

Cascais deu o seu nome a uma rua do Concelho.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Nova Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 07:10
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags