Sábado, 28 de Agosto de 2010

ARMANDO BOAVENTURA - BIOGRAFIA por Fernando Boaventura (Filho)


(1890 -1959)

ARMANDO FERRAZ DE BOAVENTURA

Armando Boaventura (como era conhecido) nasceu em 29 de Agosto de 1890, em Casal de Nil, São Pedro de Vila Frescainha – Barcelos. Filho primogénito de Manuel Inácio de Boaventura, um ilustre matemático, e de Elvira Júlia Beleza da Costa Campelo Ferraz.
Desde muito novo mostrou a sua vocação para os “desenhos” e ”escritos” Depois de completar em Leiria e Coimbra os cursos do Liceu e Magistério Normal e das Escolas Industriais, exerceu o professorado em vários colégios particulares.
Por motivos políticos, exilou-se em Espanha de onde regressou em Novembro de 1921 a Portugal, entrando para o jornalismo.
Depressa o brilho dos seus trabalhos de reportagem e a vivacidade dos seus artigos de comentário aos aspectos da vida nacional que mais solicitavam a atenção da sua mentalidade formada no culto de ideais a que sempre ficou fiel, lhe deram, com o justo renome, posição de relevo na Imprensa Diária do País.
O seu primeiro jornal foi “A ÉPOCA” que o sr. Conselheiro Fernando de Sousa dirigia e em cujas páginas ficou abundantemente documentado o ímpeto inicial do seu talento de jornalista e desenhador de grandes recursos.
Pertenceu, seguidamente, ao corpo redactorial de “O SÉCULO” e esteve, pela primeira vez, durante algum tempo no “DIÁRIO DE NOTICIAS”.
Voltou ao “DIÁRIO DE NOTICIAS” depois de fundar, com outros, o “DIÁRIO DA MANHÔ. Aqui desempenhou funções de chefe da redacção.
Foi, depois, chefe da redacção de “A VIDA RURAL”, publicação da Empresa Nacional de Publicidade, e redactor regionalista do “DIÁRIO DE NOTÍCIAS”.
 Deixou vastas crónicas sobre as regiões do nosso País, crónicas essas quase sempre ilustradas com o seu traço inconfundível de desenhador e caricaturista
 Foi também Adido de Imprensa ás embaixadas de Portugal em Madrid e no Rio de Janeiro.
 Colaborou em numerosos jornais nacionais, espanhóis, brasileiros e franceses.
 Para além de jornalista também foi escritor, desenhador e por vezes também pintor.
 Como escritor, foi autor de alguns livros, dos quais se podem destacar:
 Madrid Moscovo – Da Ditadura á Queda da Monarquia e á Guerra Civil de Espanha (publicada em 1937) e ainda hoje procurado por estudiosos da Guerra Civil de Espanha.
 Sem Rei Nem Roque – Publicado em 1926 sendo uma sátira ao livro Saúde e Fraternidade do Dr. Campos Monteiro.
 Os Crimes de Lagarinhos – Publicado em 1929
Para além destes, ainda publicou outros livros e escritos, tais como:
 Entre Espanha e Portugal
 A Maçonaria Internacional
 Reportagens Políticas
 Como desenhador deixou vastos desenhos, normalmente realizados para documentar as suas crónicas e reportagens. (Existe uma boa colecção de originais no DIÁRIO DE NOTICIAS)
 Como pintor deixou algumas “aguarelas e pinturas”, “algumas perdidas no tempo”, tais como um “D. Quixote” (em casa de familiares) e um “Chaby Pinheiro” (coleccionador particular). Outras foram-se “esfumando” com o tempo
 Em missões de reportagem, realizou várias viagens a países da Europa e América.
 Realizou também grandes permanências em África, como redactor do DIÁRIO DE NOTICÍAS, tendo realizado algumas entrevistas “históricas” como a feita ao Príncipe do Egipto “Joussouf Kamal” em 1926.
 Realizou também outras grandes entrevistas, como à Rainha D. Amélia em Paris no ano de 1939 e a Mussolini em 1925, assim como a entrevista a Hitler.
 Entre outras condecorações, foi galardoado pela sua actividade jornalística com o Oficialato da Ordem de Santiago da Espada e, de Cavaleiro do Mérito Civil de Espanha (pelas suas reportagens sobre Espanha).
 Armando Boaventura, depois de casar em segundas núpcias, viveu um pequeno período da sua vida em Almada, onde fez reportagens, documentários e desenhos alusivos à época (1952-53).
 Armando Boaventura viveu intensamente a sua vida, dedicada à família, aos seus ideais, ao jornalismo, ao desenho, à pintura, ao fado (era um acérrimo frequentador) e... À VIDA.
 Armando Boaventura faleceu aos 68 anos, em 3 de Fevereiro de 1959 na cidade de Lisboa.
 

 

UM HOMEM RECONHECIDO COMO UM DOS GRANDES JORNALISTAS DO SÉCULO PASSADO
“ Deixa-nos com a saudade imensa dum convívio inesquecível o exemplo admirável duma actividade apaixonadamente vivida ao serviço do jornalismo.
Dedicou-lhe, através de uma carreira notabilíssima que o impôs como um dos mais altos valores da nossa profissão, as qualidades excepcionais duma inteligência viva e atenta, a força da cultura que se exercitava primeiro em tarefas de ensino e nos trabalhos da Imprensa encontrou a mais perfeita expressão de ampla comunicabilidade, os dotes muito invulgares dum temperamento em que as solicitações de acção se ligavam à afirmação plena de um espírito enriquecido pelo gosto literário e pelo sentimento da arte.
Tudo isso deu à sua obra uma acentuação pessoal inconfundível e à sua personalidade o relevo e o prestígio de um dos maiores e mais ilustres vultos da Imprensa Portuguesa do nosso tempo” – DN 04-02-1959

 

Fernando Boaventura

 

 

O actor Chaby Pinheiro caricaturado por Armando Boaventura

 

 

Chaby Pinheiro (1873-1933).
   Actor de um teatro que alguns críticos classificam como ligeiro, Chaby Pinheiro foi também intérprete de peças que os teatrólogos ortodoxos classificam como mais respeitáveis, da autoria de Henrik Ibsen (1828-1906) e Émile Zola (1840-1902). Tendo estado ligado ao Teatro Nacional D. Maria II, teve imenso sucesso  em Portugal e no Brasil, aposentando-se em 1931. Em 1926 tinha assistido à inauguração de um teatro com o seu nome, projectado por Ernesto Korrodi (1870-1944) muitos anos antes, no Sítio da Nazaré.
   Da sua influente imagem no teatro português do início do século XX ficaram registos que se podem consultar na imprensa da época, bem como na obra póstuma Memórias de Chaby, publicada por Tomaz Ribeiro Colaço e Raúl dos Santos Braga em 1938.

In: http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/9722.html

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 14:47
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Francisco a 12 de Outubro de 2010 às 15:22
Adoro este Site e já o visualiso à alguns dias a seguir todos os artigos. Não percebo muito de Weblogs, será que há forma de receber os novos posts e os novos comentários no meu mail?
De Vítor Marceneiro a 12 de Outubro de 2010 às 15:34
Meu caro FranciscNa realidade aqui não há esss hipotese, terá que por o Lisboa no Guiness nos favoritos ne vir cá sempre que puder.
Se tiver dúvidas pode sempre contactar-me pelo meu mail fado.em.movimento@sapo.pt.
Um abraço
Vítor Marceneiro
De Eduardo Nunes a 5 de Dezembro de 2011 às 23:47
Encontrei este interessante post sobre o Armando Boaventura por acaso. Tentei entrar em contacto com o filho Fernando, para lhe dizer que os nossos pais teriam sido amigos e que tenho uma caricatura que julgo ser feita pelo pai dele. Infelizmente o mail enviado para fmboaventur@clix.pt foi-me devolvido.
Agradeço pois se ele me quiser contactar.
De Elisabete Boaventura a 18 de Julho de 2012 às 23:08
Boa noite, Sr Eduardo Nunes, gostaria de saber se já O meu tio Fernando Boaventura já entrou em contacto consigo. Senão, tenho todo o gosto em saber mais sobre a amizade do seu pai com o meu avô e talvez se puder ser, ver a caricatura.
Atenciosamente
Elisabete Boaventura
De Eduardo Nunes a 20 de Julho de 2012 às 21:40
Olá Elisabete.

Tive o gosto de contactar o seu tio, por telefone, em meados de Dezembro do ano passado, e assim de ficar a saber algo mais sobre o seu avô.
Se me quiser enviar o seu email para: enunes@mycable.ch , terei muito prazer emalhe enviar os dois engraçados bonecos feitos pelo seu avô.

Com amizade,
Eduardo Nunes

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags