Sexta-feira, 1 de Maio de 2015

MÁRCIA CONDESSA

Nasceu em Monção, no Minho, a 28 de Setembro de 1915.

Filha de gente humilde teve que partir ainda nova, para a capital a ganhar a vida.

Trabalha  a servir às mesas, e foi no  Restaurante da Bica onde Márcia Condessa, na altura trabalhava, que por vezes, davam sessões de Fado, e Márcia que tinha uma voz muito bonita, era desafiada para cantar Fados,  cantava também canções galegas, que tinha aprendido quando ainda miúda lá em Monção.

O jornal "Canção do Sul",  em 1938, organiza um  concurso de Fados,   o “Concurso da Primavera”, embora ela não fosse da Bica, mas como era lá que trabalhava, os habitantes  do bairro convenceram-na  a participar em representação do Bairro da Bica.  Márcia Condessa aceita o desafio, conseguiu passar  nas eliminatórias e  chega às finais.

Cada concorrente tinha  que  interpretar dois temas, um era obrigatório ser Fado clássico , mas o outro podia ser fado canção.

No espectáculo  para  encontrar o vencedor, Márcia Condessa  ganha o 1º prémio, por unanimidade. O prémio passava por atribuir o título de «Rainha do Fado - 1938». Foi muito elogiada pelos seus dotes, quer de  dicção, quer pela  expressão “sentimento” que deu na sua actuação.

Com este estrondoso êxito, passa a cantar profissionalmente quer em casas de fado, quer em espectáculos. Teve várias deslocações ao estrangeiro,  no Brasil, esteve cerca de oito meses,  integrada numa companhia de teatro, conjuntamente com Irene Isidro, António Silva e Ribeirinho.

Em 1950, abre o seu próprio restaurante típico, ficava no Nº 38 da Praça da Alegria, a que dá o nome “A Casa da Márcia Condessa”.

Márcia Condessa consegue uma licença especial para estar aberta até às 5 da madrugada, o que lhe proporciona ter um local para onde aflui grande parte quer de clientes, quer de fadistas, após o fecho das  outras casas de fado, que  encerravam cerca das 3 horas da madrugada.

 

    

Copo de Recordação do Restaurante Típico

A Casa da Márcia Condessa,  torna-se um ponto de referência nos circuitos dos mais variados fadistas e seguidores do Fado.

Para além das actuações de Márcia, passaram por aquele espaço a grande maioria dos fadistas da época, Celeste Rodrigues, Alcindo Carvalho, Teresa Nunes, Fernando Farinha, Beatriz da Conceição, Toni de Matos,  o meu pai Alfredo Duarte Júnior, etc.

Meu avô, Alfredo Marceneiro, foi decerto o que mais se destacou,  nutria por ela grande amizade, que era recíproca, já ninguém desconhecia que era por lá que ele acabava a sua noite fadista.

A  grande maioria dos admiradores de Fado e de Marceneiro, sabiam que era quase certo ali o iriam encontrar e  terem o prazer de  ouvir cantar.

Acompanhei-o muitas vezes e assisti  a grandes noites de Fado naquele simpático retiro.  Guardo da Márcia Condessa recordações da sua simpatia e boa disposição,  e em especial,  o carinho que sempre me dedicou.

Nos últimos anos antes de fechar a casa o que aconteceu em 1970, já era muito raro ouvi-la cantar.

Em 1980 esteve presente no S. Luís, quando da entrega da medalha de ouro da cidade de Lisboa,  a meu avô, para homenageá-lo.

Não fez muitas gravações, mas  embora poucas,  para o êxito que teve, algo de bom ficou para a recordar-mos.

Entrou de sua livre vontade para a “Casa do Artista”, para não se sentir só.

Márcia Condessa faleceu a 1 de Julho de 2006. A seu pedido o seu funeral realizou-se na sua terra natal, em Monção.

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Fado do Embuçado
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De remover tatuagem a 21 de Janeiro de 2011 às 09:14
Antigamente haviam algumas mulheres que, mesmo sendo jobvens tinham uma carinha de senhoras... essa é um grande exemplo, e a voz também! Mas não deixa de ser bela.
De Maria Costa a 27 de Fevereiro de 2016 às 16:25

Tenho 58 anos, quase 59 e há 32 anos, no dia do meu aniversário, os meus pais oferecram-me uma festa na vossa casa, onde reuni vários amigos. Venho só, agora, agradecer-vos a forma simpática como me receberam,Pois sendo portadora de deficiência física e de me deslocar em cadeira de rodas, isso não constituiiu entrave à minha entrada. Um grande obrigada com 32 anos de atraso
Leiria 27.2. 2016 Maria Costa

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags