Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

ÁLVARO DA SILVEIRA - Construtor de Guitarras

Álvaro Marciano da Silveira (Álvaro Ilhéu), nasceu no Funchal em 1883.

Aprendeu no Funchal a arte de construtor de violinos com Augusto M. da Costa.

Vem para Lisboa e continua a construir violinos bem como alaúdes especialmente para Inglaterra, mas foi como guitarreiro que adquiriu fama de nomeada, guitarristas de mérito foram seus clientes, Armandinho, Salgado do Carmo, Júlio Silva, Jaime Santos e outros.

Jaime Santos afirmou: — Álvaro da Silveira é o construtor de guitarras que mais conhece da sua arte em Portugal, trata-se quanto a mim, do único que resta da «velha guarda», considero ainda que quase a fazer os noventa anos é o “Stradivarius” português

ENTREVISTA

Álvaro da Silveira: duas mãos que falam mais do que a boca, duas mãos expressivas que acariciam mansamente as cordas da guitarra. É de tarde e, lá fora, pelos, vidros da janela fechada, vejo que cai uma chuva miudinha, triste. Neste segundo andar de um beco desco­nhecido, porém, a tristeza não se estampou ainda nem nas coisas nem nas pessoas. Os olhos de Álvaro da Silveira, com oitenta e cinco anos a pesar-lhes em cima, são vivos como os de um jovem:

 

— Sinto-me completamente bem e é muito raro pôr os óculos. O mé­dico dá,..me, ainda, quinze a vinte anos de vida.

É bom ouvir falar assim uma pessoa, naquela idade em que o comum dos mortais já perdeu a es­perança. Mas Álvaro da Silveira trá-la consigo, aquece-se à sua chama, vive dela:

De Verão, levanto-me às cinco, seis horas da madrugada e pego imediatamente no trabalho, que dura todo o dia, porque nunca me falta. Agora, com o frio, só saio da cama lá para as oito.

Mas quem é Álvaro da Silveira? Nascido no Funchal há 85 anos, de­dica-se à actividade de construtor de guitarras e violas desde os onze anos. Foi ainda na sua terra natal que se iniciou na profissão, às ordens do mestre Augusto da Costa (que se especializara em Itália). Mas aos vinte e poucos já se

en­contrava em Lisboa: era encarre­gado de uma oficina na Rua da Boavista (a Casa Artur de Albu­querque, hoje designada Santos & Silva Vieira, Lda., onde, na altura, apenas se construíam instrumentos musicais).

É, hoje, um simpático ancião de cabelos brancos e convívio agradá­vel.

OFICINA PRÓPRIA E LOJA DE VENDAS

— Saí de lá por minha livre von­tade. Eu queria trabalhar, por mi­nha conta e consegui-o. Tive, de­pois, uma oficina e uma loja de ven­das no Bairro Alto, na Travessa dos Inglesinhos. Mas há quase treze

 

anos que estou nesta casa, onde, praticamente, nem tenho espaço para me virar. Vocé sabe: as ren­das caras, a vida difícil, a mulher doente.

Perguntamos-lhe se lembra de alguns nomes famosos para quem tenha trabalhado. Seus olhos adquirem um brilho invulgar, não isento de serenidade, e parecem perscru­tar o passado:

— Todos os grandes mestres es­panhóis de viola me deram a honra de ser meus clientes: Cano, que morreu há já cinquenta e oito anos e chegou a tocar para os reis D. Luís e D. Carlos; Rabel, que era um exce­lente professor; Sainz, etc. Dos guitarristas portugueses, recordo um em especial: Júlio Silva, que foi o maior de todos. Mas lembro também Carmo Dias, Salgado do Carmo, eu sei lá…

— As guitarras que constrói são de modelo vulgar ou têm alguma ca­racterística própria?

— O meu modelo é exclusivo, por­que ninguém ainda o conseguiu imi­tar. Tenho o meu segredo. Uma guitarra custa, hoje em dia, à volta de três contos. (A esposa, que assis­te à conversa, interrompe: «Eles bem desmancham os instrumentos que ele faz para descobrirem o se­gredo. Mas é impossível: foi ele próprio que fabricou as ferramen­tas com que os constrói»).

Álvaro da Silveira olha a rua lá fora, onde passam os eléctricos e onde um sol, hesitante ainda, põe um brilho estranho nas coisas. Olha a rua como quem olha a vida, como quem surpreende (ou procura des­cobrir) o futuro. O futuro? Sim, o futuro, apesar das suas palavras re­passadas de uma serena angústia:

— Um dia destes, talvez, vou à procura do Asilo e dizem-me que não há vaga. E levei uma vida in­teira a trabalhar...

— E nas horas vagas o que faz?

— Nas horas vagas? Olhe, eu não tenho horas vagas. Só aos domin­gos, no Verão, é que dou uns passeios: Vou nas excursões por esse País fora, mas só um dia de cada vez. Os clientes não me deixam mais. Gosto do ar dos campos, de respirar de pulmões abertos. Só não conheço o Algarve e uma parte do Minho. Mas hei-de lá ir qualquer dia...

RECORDAÇÕES E OPINIÕES

— Em tempos dei lições de gui­tarra. Afino toda a espécie de ins­trumentos de corda, mas construi-los é a minha paixão. A indústria perdeu importância, nos últimos tempos. Não há quem trabalhe nisto, só curiosos. As canções tam­bém não ajudam — são muito más, em geral. Há ainda as guitarras eléctricas, que não produzem mú­sica, produzem ruído. Aqui há cin­quenta anos, as oficinas não, que­riam receber aprendizes; hoje é o que se vê: não há oficiais. Mas fa­zer um instrumento é fácil: qual­quer caixote, com um buraco e cor­das, pode tocar. O difícil é fazer bons instrumentos.

— Trabalha sozinho?

— Podia ter dois ou três homens por minha conta, porque o trabalho que há dava para lhes pagar. Mas não tenho espaço nem existe quem saiba trabalhar (e sobretudo quem queira aprender). Dos construtores do meu tempo apenas eu ainda vivo.

Vem a propósito falar do Fado. Saber de um homem com quase um século o que pensa do fado dos nos­sos dias:

— Não me servem os fados mo­dernos, que soo meias-canções. O fado castiço, o velho Fado, são pou­cos os intérpretes que ainda o cul­tivam: a grande Hermínia, Maria Teresa de Noronha...

— E Amália?

— Gosto também, mas Amália, além do Fado, canta outras coisas que nada têm a ver com o Fado!

A chuva recomeçou lá fora. Ál­varo da Silveira está emocionado (os olhos líquidos, pois então...), e o repórter despede-se. Não sem, antes, fazer uma promessa:

— Daqui a quinze anos cá estarei, quando o senhor fizer os cem, para o entrevistar outra vez.

 

In: Revista TV – 1968

Fotos de: Coelho da Silva

Texto de: Torquato da Luz

 

Etiqueta que Álvaro da Silveira colocava

nos instrumentos musicais que constuia

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 19:50
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags