Sábado, 25 de Junho de 2011

Alfredo Marceneiro - Faleceu há 29 anos e foi registado há 120 anos

Alfredo MarceneiroFaleceu há 29 anos,
a 26 de Junho de 1982.
Foi registado há 120 anos a 25 de Fevereiro de 1891
Nasceu a 29 de Fevereiro de 1888
 

 

 

UM FADO "A MARCENEIRO"

 

 

À solta e desvairada a morte certo dia

Entrou no velho pátio e ali quase em segredo,

Num golpe traiçoeiro de raiva e cobardia,

Maldosa nos levou p'ra sempre o Ti Alfredo

 

Ao chorar das guitarras como se fosse um hino

Juntou-se a voz do povo de Portugal inteiro

Tinha morrido o rei fadista genuíno

O mais de todos nós o grande Marceneiro

 

Sua garganta rouca tinha o condão cubano

De nos dar fado a sério sem ais, sem fantasias

Se o fado para ser fado algum segredo tem

Então esse segredo só ele o conhecia

 

Sempre que a noite chega eu julgo ainda vê-lo

Fazendo a sua ronda p'los retiros de fado

De boné ou mostrando o seu farto cabelo

E o seu lenço varino ao pescoço ajustado

 

Recordo as suas birras e em grande cavaqueira

Seus ditos graciosos se bem disposto estava

E oiço até o seu riso no Cacau da Ribeira

Onde já madrugada sua ronda findava

 

De Alfredo Marceneiro eu guardo um disco antigo

E um retrato dos dois sobre um fundo bairrista

Um fado ao desafio que ele cantou comigo

E uma eterna saudade desse enorme Fadista

 

 Poema de: Fernando Farinha


Nota: Para além desta, não mereceu mais nenhuma notícia a efeméride, nem uma palavra daqueles que passam a vida a contar histórias e que dizem terem tantas lembranças dele, e osinspirados e seguidores?, mas uma coisa é certa "MARCENEIRO É PARTE INTEGRANTE DA GRANDE HISTÓRIA DO FADO, È TAL O SEU LEGADO QUE A SUA LEMBRANÇA NÃO SERÁ TEMPORAL, MAS PARA TODO O SEMPRE, ENQUANTO HOUVER FADO EM PORTUGAL".

Enquanto este neto tiver um sopro de vida não deixará de relembrá-lo para que as gerações actuais saibam quem ele foi, para as gerações futuras também já dei o meu testemunho escrevendo dois livros biográficos.

Dirão alguns, como já aconteceu quando escrevi o 1º Livro da sua biografia, "Recordar Alfredo Marceneiro", que não faço nada de mais, é neto, tem a papinha feita, pois para espanto desses e de outros mais, é que felizmente não sou analfabeto, e tenho muito orgulho nas minhas origens

Obrigado Avô, Pai e Avó Maria por tudo o que me deram, para bem ou mal puder escrever sobre vós e sobre o Fado.

 


 

" — Alfredo Duarte — Este sentimental fadista é um dos mais completos da actualidade. Desde o fado em que os poetas compõem o verso francês — Alexandrino — até ao correntio, mas saudoso, fado corrido, a sua voz é sempre cariciosa e de uma ternura inigualável; tem-nos sensibilizado até ás lágrimas; é o cantador chocante das plateias.
Os versos de Henrique Rêgo, que actualmente canta, têm a expressão que o autor lhes imprime. Feliz do poeta que tem tal executor dos seus trabalhos.
Para traçar o perfil fadista do Alfredo Marceneiro, a pena não excita; corre ligeira e firme, como se estivéssemos fazendo o elogio dum grande artista.
Os fados e os versos cantados pela garganta deste sentimental trovador, tornam-se conhecidos do povo.
É que ele, com a sua plangência, deixa nas bocas dos que o escutam, o sabor doce da Canção Lusitana.
É um verdadeiro fadista!..."
João Linhares Barbosa

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 12:00
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Malagatanga a 25 de Junho de 2011 às 18:14
Aos meus amigos

A vida é feita de muitas coisas subjectivas e paradoxais vulgo absurdos. Participar na vida já é sem dúvida um acto demasiado heróico para a maioria do ser humano pelos inúmeros obstáculos que vão surgindo. Paradoxalmente todos nascemos ricos com uma riqueza que não sabemos a quantidade, e que temos que gastar todos os dias. É o tempo que vamos ter de vida e que usaremos inexoravelmente. O retorno e o balanço do tempo de vida são, por observação simples do micro e macrocosmos que nos rodeia, criação e evolução, semente e fruto do conhecimento humano.
Subjectiva é sem dúvida a competitividade que a humanidade introduz no rodar da vida, que desgasta as expectativas como se aptidão para sobreviver assentasse no princípio que só os mais aptos têm direito á sobrevivência. Neste absurdo, ponho sempre o problema se numa corrida entre um ser normal e um paraplégico numa cadeira de rodas quem ganha? Respondem-me sempre com um sorriso de ironia é o normal. E eu respondo é o deficiente pois está mais bem preparado para a corrida em igualdade de circunstâncias. O normal não treinou o suficiente numa cadeira de rodas para ganhar a competição. Participar na vida já é um acto louvável a qualquer ser que habita neste calhau do sistema solar, da Via Láctea de um Universo incomensurável, sem tempo e sem espaço visíveis a esta minúscula partícula que somos nós.
Calculou-se que um segundo no Universo equivalia a 900 anos de tempo num calendário normal. Vejam quanto fugaz é a vida de um ser humano comparada com o tempo da eternidade. Uma mosca sobrevive só 24 horas mas apesar disso participa na criação e evolução da espécie, sem se preocupar com competições e aptidões. O que significa que em competição, para haver os vencedores é mais importante a participação dos vencidos, que irão dar destaque á vitória efémera de quem com muito sacrifício lutou por esse evento, que vai ser facilmente esquecido. Portanto mais importante do que vencer é muito mais digno participar, mesmo sem obter a melhor classificação.

Dir-me-ão que o ser humano não foi feito para andar numa cadeira de rodas, e eu contraponho que os animais também não nasceram para competir entre eles, mas simplesmente para puderem sobreviver. Competir é um supérfluo inventado pela humanidade para destacar a venalidade da existência, tornando gratuito e alienante o esforço desnecessário a qualquer jogo competitivo proposto. Mais importante do que ser espectador e fanático, é participar neste desporto que é viver, de qualquer maneira.

A auto estima é o fôlego essencial á valorização de quem participa neste tempo frugal da nossa existência, e o sopro criativo para vivermos um novo dia como Fénix renascidos permanentemente. Vamos deixando as nossas marcas de participação, algumas vezes com mais destaques do que outras. Nunca se esqueçam que mereceu sempre a pena e o Universo agradece, e eu também.
Bem hajas e muito obrigado amigo Vítor Duarte. Um abraço.
Malangatanga.

De Anónimo a 26 de Junho de 2011 às 09:27
Nunca é demais recordar e falar dos nossos entes queridos.
Um abraço amigo,
Fernando Boaventura
De Vítor Marceneiro a 26 de Junho de 2011 às 13:46
Caro amigo Fernando Boaventura
Obrigado pela sua amizade.
Um abraço
Vítor

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags