Sábado, 22 de Outubro de 2011

Fados em Santarém - Helena Sarmento convidou-me...

Hoje dia 22 de Outubro de 2011, estarei em Santarém, no Cine-Teatro Sá da Bandeira, num espectáculo de «Fados de HELENA SARMENTO», que teve a amabilidade de me convidar para cantar alguns Fados.  

 

Recordações e factos históricos:

 

Os factos históricos, referem-se ao Cine-Teatro Sá da Bandeira, local onde em 1946 se estreou o filme português "Um Homem do Ribatejo"   do  realizador Henrique de Campos, com Hermínia Silva, que  contracena com Barreto Poeira e Eunice Munhoz, é neste filme que Hermínia canta um dos seus grandes êxitos, o  Fado da Sina.

A estreia deste filme,  efectuou-se em Santarém, por ser  a  terra natal do realizador Henrique Campos, e ele fez questão que assim fosse.

Sou o biógrafo oficial de Hermínia Silva, (Recordar Hermínia Silva), e nas minhas investigações para a execução do livro, entre várias ocorrências fantásticas da vida desta grande artista deparou-se esta:

No dia da estreia do filme, com a sala "à cunha", no decorrer da projecção,  aconteceu um caso inédito, hilariante e fantástico.  Quando Hermínia surge no ecrã a cantar o Fado da Sina, a assistência, logo  desata a aplaudir estrondosamente,  e de pé, obviamente, perdeu-se a visualização das cenas seguintes, por esse facto,   tiveram que parar a projecção do filme, e foi preciso rebobinar as bobinas para voltar a projectar o filme a partir da mesma cena, mas pasme-se,  isto repetiu-se três vezes... Grande Hermínia.

O que eu me deliciei a escrever isto... e hoje 65 anos depois vou estar a cantar neste palco... é mais um Fado, dos Fados da minha vida.

 

As Recordações:

 

Já passaram  44 anos e uns meses, que entrei no serviço militar obrigatório, na Escola Prática de Cavalaria em Santarém, foi no dia 10 de Abril de 1967.

Quando cheguei com os outros mancebos, foi-nos apresentado o nosso comandante de pelotão, o aspirante-miliciano João Coutinho.

Após os preâmbulos sobre o que seria o serviço militar, o então aspirante Coutinho, pergunta:

Disseram-me que temos entre nós um fadista, quem é?

Eu não respondi, já calculava que fosse comigo, pois entre os que assentaram praça, havia mais rapazes de Alcântara, que me conheciam, e deduzi que lhe tivessem dito algo sobre o meu avô.

Ele insiste.

Então,ninguém se acusa? Não há um fulano que é fadista, ou familiar de fadistas.

Ao que eu respondo, familiar sou, mas fadista não, para se ser fadista tem que se ter uma série de predicados, que eu não tenho, sou sim,filho e neto de fadistas, meu pai é o Alfredo Duarte Júnior, e meu avô Alfredo Marceneiro, tudo isto dito, com aquela impulsividade que me é característica.

Retorquiu o aspirante Coutinho.

É pá não te exaltes, só queria saber quem era, o familiar, porque Alfredo Marceneiro é uma lenda.

Logo no dia seguinte já fardados e após uma noite de grande forrobodó, é formado o pelotão e começa a chamada,e eis que o Aspirante Coutinho, chama pelo Duarte, e após o meu – presente – ele diz:— a partir de hoje passas a ser tratado por,  Alfredinho.

Iniciou-se uma amizade, que levou a que tivéssemos passado aquela recruta, sem grandes sacrifícios.

Conheci também e passou a ser meu amigo e do Aspirante Coutinho, o Rui, que por ser de Alfama, era apelidado de Rui-Alfama.

E assim durante cerca de 40 meses de serviço militar, passei a ser tratado por “Alfredinho”.

Perguntarão os meus amigos, o que tem tudo isto a ver com o Fado?Tem e muito, aliás “tudo isto é Fado”, senão vejamos:

É graças ao Fado, que escrevo este blog, que contribuiu para que passados estes 44 anos o meu amigo João Coutinho, de quem eu nunca mais tinha tido notícias, após o final da recruta, pois ele foi logo mobilizado,entre em contacto comigo através do blogue. Fiquei deveras radiante e logo lhe enviei uma foto que guardava exposta na parede, de nós os dois em Santarém.

Falámos e recordámos velhos tempos, pusemos como se costuma dizer a escrita em dia.

Passados dias envia-me um livro que tinha escrito sobre Angola, e a guerra, que mais abaixo irei apresentar.

Pouco tempo logo após este contacto, estávamos perto do Natal de 2007, recebo um telefonema, mais ou menos nestes termos:

— É o Sr. Vítor Marceneiro, peço desculpa de estar a maçá-lo, mas consegui o seu contacto telefónico, e estou a ligar-lhe, para lhe dizer, eu sou o Rui-Alfama, que estive consigo na tropa em Santarém, lembra-se? Peço desculpa se o estou a maçar...

As lágrimas embargaram-me a voz e logo respondi, é pá vai chamar Senhor.....!!  a maçar-me?..... ( enfim,  uma linguagem da nossa juventude), que saudades, então não me havia de me lembrar!.

Combinámos que eu iria a Lisboa logo no dia seguinte, para nos reencontrar-mos e nos abraçar-mos.

Assim aconteceu, e lá estivemos a lembrar em amena cavaqueira,o nosso passado comum, e como era obvio, logo lhe conteir que tinha sido contactado pelo nosso  Aspirante Coutinho.

Contou-me que porque tinha feito todos os esforços para me contactar , é que viu na montra de uma livraria o meu livro sobre o meu avô, logo o adquiriu, e queria como prenda de Natal, que o mesmo fosse assinado por mim, e foi assim que logo encetou todos os esforços para me encontrar, trouxe-me  duas fotos nossas e do Coutinho, tiradas quando da nossa recruta, que ele guarda no seu álbum de recordações.

Quando estávamos na recruta,  íamos nas saídas diárias, assistir  assistir aos filmes que eram exibidos no Cine Teatro Sá da Bandeira.

Como é bom recordar. ISTO É FADO, são Fados da minha vida!

 

 Nunca cantei em Santarém... hoje através da Helena Sarmento, vou fazê-lo... e digam lá que isto não é Fado...

 

Hermínia Silva Canta o Fado da Sina

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Fado da Sina
publicado por Vítor Marceneiro às 02:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags