Quarta-feira, 19 de Junho de 2013

JOÃO VILLARET - Actor , declamador e poeta

Nasceu em Lisboa em 1913.
Villaret dedicou-se ao teatro depois de terminar o liceu e durante os anos trinta e quarenta do século vinte, teve uma ascensão vertiginosa que o levou a triunfar nos palcos do teatro declamado e ligeiro e no cinema - onde assinou interpretações memoráveis em Três Espelhos, de 1947, e Frei Luís de Sousa, de 1950.
O seu amor pela poesia fez com que se viesse a tornar num dos recitadores mais extraordinários que Portugal conheceu.
O registo do seu recital no São Luiz, lançado em álbum, ainda hoje se mantém disponível.
Mas Villaret tinha também um especial apreço pela revista, onde se estreou em 1941 para escândalo daqueles que não gostavam de ver misturas. Em 1947, Aníbal Nazaré, António Porto e Nelson de Barros escrevem-lhe o Fado Falado, que criou na revista 'Tá Bem ou Não 'Tá?, verdadeira peça de antologia da história da música e do teatro popular portugueses. Um recitativo sobre uma melodia de Fado onde a letra, que jogava habilmente com a mitologia do género, era não cantada mas verdadeiramente "representada" por Villaret, que assim juntou ao cânone da música portuguesa mais um clássico. Outros êxitos, como A Vida é um Corridinho de 1952, ou a célebre Procissão de 1955, se lhe juntariam, mas o Fado Falado ficou marcante.
Nos anos 50, com o aparecimento da televisão, transpõe para este meio de comunicação a experiência que adquirira no palco, e também no cinema e programas radiofónicos. Aos domingos declamava na RTP com graça e paixão, poemas dos maiores autores nacionais
Ficaram célebres, entre outras, a sua interpretação como declamador dos poemas:
Procissão, de António Lopes Ribeiro (1955);
Cântico negro, de José Régio
O menino de sua mãe, de Fernando Pessoa
 
No cinema, Villaret surge em:
O Pai Tirano, de António Lopes Ribeiro (1941), numa breve aparição, como pedinte mudo;
Inês de Castro, de Leitão de Barros (1945), onde representa Martin, o bobo;
Camões, de Leitão de Barros (1946);
Três Espelhos, de Ladislao Vadja (1947), onde representa o inspector;
Frei Luís de Sousa, de António Lopes Ribeiro (1950), no papel de criado;
O Primo Basílio, de António Lopes Ribeiro (1959).
Teve um irmão de seu nome Carlos Vilarett, que era pianista, e que o acompanhou muitas vezes em recitais. Carlos Vilarett, que eu cheguei a conhecer e ouvir tocar,era músico no “Dancing” Lua Nova, no Bairro Alto, mesmo ao lado do Luso, na Travessa da Queimada. Meu avô ia lá muitas vezes só para o ouvir, pois considerava-o um grande músico, e foi nessas idas que eu o conheci.
João Villaret morreu em Fevereiro de 1961, vítima de doença prolongada
Consultas: Wikipédia, Vitor Pavão dos Santos, Biblioteca Nacional.
Apoio de Fernando Batista do Porto
  
 
 
João Villaret declama
Fado Falado
De: Aníbal Nazaré e Nelson de Barros
Video Clipe de " guilhas122"
 
 
 

 

 

Fado triste

Fado negro das vielas,

Onde a noite quando passa

Leva mais tempo a passar.

Ouve-se a voz,

Voz inspirada de uma raça

Que Mundo em fora

Nos levou pelo azul do mar.

Se o fado se canta e chora

Também se pode falar.

 

Mãos doloridas

Na guitarra

Que desgarra

Dor bizarra.

Mãos insofridas,

Mãos plangentes,

Mãos frementes,

Impacientes.

 

Mãos carinhosas,

De desejo,

Sequiosas como um beijo.

Mãos de pecado,

Mãos de fado

A guitarra a afagar

Como a um corpo de mulher

Pró despir e pró beijar.

 

Mas um dia, Santo Deus, ele não veio;

Ela espera olhando a Lua.

Meu Deus, que sofrer aquele!

O luar bate nas casas,

O luar bate na rua,

Mas não marca,

Mas não marca a sombra dele.

 

Procura-o como doida...

E, ao voltar de uma esquina,

Viu ele acompanhado,

Com outra ao lado,

De braço dado,

Gingão, feliz, rufião,

Um ar fadista e bizarro,

Um cravo atrás da orelha

E preso à boca vermelha

O que resta dum cigarro.

 

Lume e cinza na viela

Ela vê; que homem aquele!

O lume no peito dela,

A cinza no olhar dele.

 

E então...

O ciúme chegou,

Como lume queimou

O seu peito a sangrar. Foi

Como vento que veio

Labareda a atear,

O amor a aumentar.

 

 

Foi

A visão infernal,

A imagem do mal

Que no bairro surgiu.

Foi

Um amor que jurou,

Que jurou e mentiu.

 

Corre em vertigem, num grito,

Direita ao maldito

Que a há-de perder;

Puxa a navalha:

"Canalha,

Não há quem te valha,

Tu tens de morrer!"

 

Há alarido na viela!

Que mulher aquela,

Que paixão a sua!

E cai um corpo, sangrando,

Nas pedras da rua.

 

Mãos carinhosas,

Generosas,

Que não conhecem rancor;

Mãos que o fado

Compreendem,

E entendem

Sua dor.

 

Mãos que não mentem

Quando sentem

Outras mãos

Prà acarinhar;

Mãos que brigam,

Que castigam...

Mas que sabem perdoar!

 

E pouco a pouco

O amor regressou

Como lume queimou

Essa vida infeliz.

Foi um amor que voltou

E a desgraça tocou

Para ser mais feliz.

 

Foi uma luz renascida,

Um sonho, uma vida

De novo a surgir.

Foi um amor que voltou,

Que voltou a sorrir!

 

Há gargalhadas no ar

E o Sol a vibrar

Tem gritos de cor.

Há alegria na viela

E em cada janela

Renasce uma flor!

Veio o perdão, e depois,

Felizes os dois

Lá vão lado a lado...

 

E digam lá

Se pode ou não

Falar-se o Fado!

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Saudades
música: Fados Falado
publicado por Vítor Marceneiro às 22:42
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags