Quarta-feira, 24 de Julho de 2013

Fado.... a alma do Povo Português

                                             

 

 


 O Fado nasceu no mar
                                              Ao balanço de ondas mil
                                              Por berço teve um navio
                                              Por cobertura um céu de anil
                                              Numa barquinha vogando
                                              Batida pelo luar
                                              Ouvi um nauta cantando
                                             “O FADO NASCEU NO MAR”
                                              E mal a gente põe os pés
                                              Nos sobrados do convés,
                                              Levamos da terra a imagem
                                              e a cantar, toda a viagem
                                              O Fado, de lés-a-lés!
 
In Ao sabor das ondas – Linhares Barbosa
 

 Fado.... a alma de um povo.

 
As viagens encetados pelos portugueses no século XVI, é um paradigma do destino de um povo que partiu durante séculos à procura do desconhecido, que nos criou um modo colectivo de ser e estar no mundo. É um gene da identidade portuguesa.
Naquelas horas da partida para a imensidão gigantesca dos mares, fizeram brotar lágrimas de todas as mães, de todos os pais, de todos os filhos, de todas as esposas, as noivas, os parentes e amigos, que ao dizerem adeus com soluços nos corações, na praia de Belém, que foi apelidada por isso mesmo de “Praia das Lágrimas” confrontavam-se com a descoberta da amargura da ausência.
Foi uma vivência que moldou as almas, era um povo aflito que via partir as naus com as suas gentes, sabe-se lá para onde iam, para o outro mundo ?
  
                         Ó Mar salgado, quanto do teu sal
                         são lágrimas de Portugal !

 

                         Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
                         Quantos filhos, em vão, choraram!
                         Quantas noivas ficaram por casar,
                         Para que fosses nosso, ó Mar!
 
                         Valeu a pena? Tudo vale a pena
                         Se a alma não é pequena.
                         Quem quer passar além do Bojador
                         Tem de passar além da dor.
                          Deu ao Mar o perigo e o abismo deu,
                          Mas nele é que espelhou o Céu
 

Poema de: Fernando Pessoa

 
É vida , é destino, é Fado, é a alma do nosso povo.
 
                             Em tão longo caminho e duvidoso,
                             Por perdidos as gentes nos julgavam,
                             As mulheres com choro piadoso ,
                             Os homens com suspiros que arrancavam;
                             Mães, esposas, irmãs, que o temerosos
                             Amor mais desconfia, acrescentavam.
                             A desesperação e frio medo
                             De já não nos tornar a ver tão cedo
 
Camões, Os Lusíadas, canto IV, 89)
 
Esta mentalidade, criada de uma vivência bivalente, amargurada por um lado, alegre por outro, isto porque o ritual da partida o medo a tristeza, o espectro da morte, se misturaram com a esperança, o sonho e quanto era maravilhoso estar vivo no regresso,  tais sentimentos moldaram a consciência que se cristalizou na música e no canto, com uma tonalidade própria, inconfundível e original como é a sua matriz..
O Fado é português, é toda uma mentalidade, é toda uma História, se o povo português é o único que canta o Fado, é porque também foi protagonista de uma vivência que mais nenhum povo teve.
 
Notas: In Fado, A alma de um povo M.L.Guerra
           In Fado, Mascarenhas Barreto
 

 

                                         O FADO É PORTUGUÊS

  

                       O Fado é tão português, que, de arnês,

                                     bateu-se em Fez;

                                     esteve em Alcácer-Quibir;

                                     arrostou o mar profundo

                                     e ao Mundo

                                     deu novo Mundo,

                                     na senda de Descobrir!

                                     Esteve em Malaca e Ormuz

                                     e, à luz do signo da Cruz,

                                     construiu impérios novos;

                                     da Guiné até Timor,

                                     com ardor,

                                     foi defensor

                                     do Destino doutros povos!

                                     Fê-lo Deus aventureiro:

                                     foi guerreiro

                                     e marinheiro;

                                     missionário, ou de má-rês

                                     e — vá ele p' ra' onde for —

                                     ­cante a dor,

                                    ou cante o amor,

                                     o que canta é Português!

Poema de: Mascarenhas Barreto  

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Viva o Fado
música: Fado.... a alma de um povo.
publicado por Vítor Marceneiro às 16:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags