Domingo, 20 de Setembro de 2015

IRENE ISIDRO - Relembrar

IRENE FERNANDA AGUIAR ISIDRO, Nasceu a 4 de Setembro de 1907 e faleceu a 7 de Abril de 1993.
Diplomada pelo Conservatório Nacional, dedicou-se inicialmente ao teatro dramático. Veio, porém, a ganhar popularidade no teatro de revista, em que actuou desde 1926 até 1958:

1926-Papo Seco e Pomada Amor, 1934-Santo António, 1935 – Loja do Povo, 1938- Praça da Alegria,1941 – Marcha de Lisboa, 1943- Toma Lá Dá Cá, 1944-Baile de Máscaras e Há Festa no Coliseu,1946- Tiro-Liro,1947 – Se Aquilo que a Gente Sente, 1949- Feira da Avenida, 1950- Enquanto Houver Santo António e è de Gritos, 1951-Agora é que Ela vai Boa, 1953 – Viv o Luxo, 1955- Ó Zé Aperta o Laço e Cidade Maravilhosa, 1956 – Fonte Luminosa, 1958 – Abaixo as Saias.

 Reapareceu esporadicamente em 1972 – P´rá Frente Lisboa,

Loura, elegante, com voz forte, Irene Isidro, uma actriz cujas criações ficaram na memória de quem a viu actuar.

Cantou  um fado na revista "Feira da Avenida" (1949) -  Tudo Isto é Fado  - que mais tarde na voz de Amália, havia de ser um dos maiores sucessos desta .

Termina a sua carreira definitivamente em 1992, no espectáculo "Passa por Mim no Rossio".

Foram-lhe feitas várias homenagens quer em vida quer postumamente, destacando o seu nome em ruas de Lisboa, Amadora e Oeiras.

 

Irene Isidro

No Teatro D. Maria II em 1992

No musical Passa Por Mim no Rossio

Canta: Raparigas do meu tempo

2015-09-20Para relembrar este lindo poema, que não consegui arrajar cantado pela própria Irene Isidro

 

TUDO ISTO É FADO

Letra de Aníbal Nazaré

Música de F. Carvalho

                             Perguntaste-me outro dia

                             Se eu sabia o que era o fado,

                             Disse-te que não sabia

                             Tu ficaste admirado.

 

Sem saber o que dizia

Eu menti naquela hora,

Disse-te que não sabia

Mas vou-te dizer agora:

 

Almas vencidas

Noites perdidas

Sombras bizarras.

Na Mouraria

Canta um rufia

Choram guitarras.

 

Amor, ciúme,

Cinzas e lume,

Dor e pecado,

Tudo isto existe,

Tudo isto é triste,

Tudo isto é fado.

 

                                

                                 Se queres ser o meu senhor

                                 E teres-me sempre a teu lado,

                                 Não me fales só de amor;

                                 Fala-me também do fado.

 

E o fado que é meu castigo

Só nasceu p'ra me perder;

O fado é tudo o que eu digo

Mais o que eu não sei dizer.

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Figuras do passado
música: Raparigas do meu tempo
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Azoriana a 24 de Setembro de 2013 às 14:02
O FADO É

O fado é alma alada
De sofrimento e paixão
Tem a letra ancorada
Nas paredes do coração.

O fado é uma escada
Nos degraus da emoção
É tudo e quase nada
Que se prende à solidão.

É meigo quando há tristeza
É fé quando há mistério
Um trinado à portuguesa...

Quem o fez foi Marceneiro
E fez dele um caso sério
Deu-o ao mundo por inteiro.

Rosa Silva ("Azoriana")
De Vítor Marceneiro a 24 de Setembro de 2013 às 14:05
Cara Rosa Silva.
Lindo, muito obrigado pelo poema, vou guardar nos arquivos sobre meu avô. beijos Vítor Marceneiro
De Azoriana a 24 de Setembro de 2013 às 14:15
Foi instantâneo e em direto. Fico contente por guardar. Imagino as preciosidades que guarda no arquivo de tão excelso Patriarca do Fado. Bem-haja ao neto que zela por tudo o que o avô lhe legou e ao mundo.
Abraço
De Vítor Marceneiro a 24 de Setembro de 2013 às 14:37
Cara Rosa Silva Azoriana )

Muito e muito obrigado pelas suas palavras.
Se precisar de algo disponha: marceneiro@sapo.pt ou 965240817. Beijos
Vítor

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags