Terça-feira, 15 de Outubro de 2013

Eugénio de Sá - Poeta

Manuel Eugénio Angeja de Sá, nasceu a 29 de Março de 1945, no típico bairro da Ajuda, em Lisboa.

 

Notas biográficas pelo próprio: 

Lisboa está-me nas veias, tal como a literatura e a poesia, que sempre me cativaram o espírito.

Por circunstâncias da vida familiar, cedo conheci Sintra, onde vivi e estudei durante toda a fase do ensino secundário. Uma vila encantada, que ainda hoje visito regularmente.

A frequência do Instituto Comercial levou-me ao quotidiano da capital, até que chegou o tempo de cumprir o serviço militar na Força Aérea Portuguesa, corria então o ano de 1962.

Hábitos de leitura, a que uma avó querida não é alheia, dotaram-me de vontade e gosto pelo conhecimento.

Trabalhei 37 anos em diferentes Órgãos de Comunicação e em duas Agências de Publicidade multinacionais. Toda uma vida profissional rica em experiências e relacionamento humano.

O deslumbramento pela poesia chegou em 1968, trazida num livrinho que recebi das mãos de José Saramago, então colaborador do Jornal A Capital, onde iniciei a minha actividade de comunicador, a que me dediquei largos anos. Todavia, só em 1999 comecei a escrever poesia.

Dos últimos cinco anos, quatro foram passados na América do Sul (Brasil e Colômbia), onde reuni material e experiência para escrever um livro. Provavelmente será um livro de crónicas, género literário onde estou mais à vontade, e que me permita reunir num único volume um conjunto de textos escolhidos que abordam o comportamento humano face às várias culturas  que conheci na Europa, em África e na América do Sul.

Em Abril de 2011 regressei definitivamente a Portugal.

 É Membro Efectivo da APP – Associação Portuguesa de Poetas  e da AVBL - Academia Virtual Brasileira de Letras.

 

Para contactar Eugénio de Sá:                                                                                                                                                             

e-mail: eugesa@zonmail.pt

https://www.facebook.com/eugenio.sa.9

A NOITE DE LISBOA

Prosa de Eugénio de Sá

Voz: Luís Gaspar (Estúdios Raposa)

Video Clip VDM



 

 

A noite de Lisboa
Por: Eugénio de Sá

 


Fosforejam, na noite, os olhos de Lisboa.
Do seu ventre fadista
nascem os primeiros acordes das guitarras.
Nas suas artérias nobres,
que outrora conheceram o passeio alegre
de tantos poetas e escritores,
hoje manda o silêncio.
Não se ouvem já os ecos da tertúlia da Brasileira,
da sonora gargalhada de mestre Almada Negreiros,
dos passos tímidos do grande Fernando Pessoa,
da algazarra de Cardoso Pires
e dos seus amigos marialvas, a saltitar de bar em bar.
Alcântara, Cais do Sodré... ali ainda cheira a Tejo,
a cacilheiros, a maresia, a saudade.
Ali, as memórias vogam sobre as águas
daquele Tejo que conheceu tempos melhores,
de varinas, de peixe, da Ribeira...
de gente mais feliz,
que gostava de acabar a noite a saborear-lhe o cacau!
Ah; Lisboa alvissareira, bem disposta,
cruzada pelos pregões
das sardinhas, das favas, das castanhas, dos jornais....
que foi que te fizeram?
- Quem te silenciou o encanto da vida?
- Quem te baixou à condição única de comerciante,
que até o fado vendes a quem o quer comprar?
- Quem te mandou cumprir o único papel que decoraste;
o turístico, atenta e veneradora,
a cobrar uns quantos euros pela visita ao castelo?
Não que de condenável nada tenha essa atitude...
Mas só essa?
Bem, verdade se diga, tens muito mais para oferecer;
a tua belissima e ancestral monumentalidade,
os teus museus…
e os tipicos elevadores que levam aos deslumbrantes miradouros
que pasmam e enchem cada alma que lhes aflora os varandins…
E com os rubros alvores da madrugada vão-se calando, aos poucos,
as guitarras e as vozes dos fadistas,
e o teu fado, agora qualificado de Património Imaterial da Humanidade,
deita-se no respeitável aconchego das vielas,
até que a noite volte de novo a despertá-lo.


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Viva Lisboa
música: A Noite de Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 10:51
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags