Sábado, 28 de Abril de 2007

O Poeta Popular JOSÉ REGO, vulgo "Zé Brasileiro"

              

 

                        

                                 José Rego                                        Livro de poemas "Janela do Mundo

As Poesias de José Rego, conhecido por Zé Brasileiro, é uma compilação de composições escritas ao longo de anos.

Homem bem popular de Lisboa, (de rasto identificado em vários pontos da Cidade), nascido na Freguesia N." Sra. do Socorro (Mouraria), vive no Bairro da Boavista desde os dois anos, poeta há muito para a roda larga de amigos e convivas que o conhecem como veia repentista, ora mordaz, ora lírico de cadên ­cia certa e de palavra ajustada.

A quadra, tão própria dos poetas desta Lisboa popular, que animaram no pas­sado retiros - e muitos e famosos existiram em Benfica - das tascas e tabernas, destas terras de antigo termo, eram horas de convívio à volta duma "rodada" que saía da palmatória de zinco, onde os copos transbordavam do vinho do barril.

       O fado estaria presente como está nas compilações de José Rego: "o fado é

a vida da gente" pois quando "ouço uma guitarra" - "alegra-se o coração".

       Homem do povo, compreende a "alma" deste nas "festas rijas" "com vinho

e sardinha assada", com bailaricos e fado".

Nas suas quadras pressente-se o pulsar de quem viveu na cidade, sobretudo. Muitas das suas composições vão direitas às experiências e contrariedades dessas mesmas vivências. Há, porém, um moralismo vertido nos versos quer de aconselhamento, quer de crítica social ou de pacifismo como era (é) comum nos criadores destes modos literários.

Revela-se contra a guerra, rejubila com a bondade, encontra-se como homem - na nossa língua, na nossa literatura e na liberdade que Abril nos deu: "como o pão da liberdade e belo Abril". Assiste e participa como estivesse numa janela, numa grande e ampla janela rasgada em todas as direcções.

Exorta a natureza, a fiel companheira, defendendo como objectivo de vida a "entrega ao fado" pois "Eu levo a vida a cantar! Dou ao fado a minha voz! Cantar o fado é sondar! A alma dentro de nós".

Como poeta popular o seu "pensamento" revela-se nas experiências e nas opiniões que transmite como generosa dádiva.

É de louvar a Junta de Freguesia de Benfica, que na oportunidade dos 60 anos da Boavista, apoie José Rego, com a publicação deste trabalho, que tam­bém é uma homenagem à população daquele emblemático bairro de Lisboa, hoje renovado, mas de vivência humana, social e de cultura popular dignas de registo.

 

Dr. Carlos Consiglieri

                                           De Cacilhas P'ra Lisboa

 

                                       Letra de: José Rego “Zé Brasileiro”

 

                                               Da janela do meu quarto

                                               Vejo Lisboa mais bela

                                               Tão bela que não me farto

                                               De a ver da minha janela

 

                                               Vejo até o cacilheiro

                                               E a poesia que tem

                                               p' ra lá, p' ra cá, dia inteiro

                                               Num constante vai e vem

 

                                               De Cacilhas p' ra Lisboa

                                               De um para o outro lado

                                               Bate-lhe o vento na proa

                                               Nunca se mostra cansado

 

                                               Só quando chega a noitinha

                                               O cacilheiro descansa

                                               Mas volta de manhãzinha

                                               À faina cheio de esperança

 


 

Quadro de Mestre Real Bordalo "Tejo ao entardecer "

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:17
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Pedro Leal a 3 de Maio de 2007 às 16:15
Se outros méritos não tem este blog, e acreditem que acho que são muitos, tem mais este: divulgar poetas que cantam Lisboa e que a mioria de nós não conhece porque se deixa cair no esquecimento ou os seus nomes nunca são referidos por quem os canta!
De Rui Gomes a 3 de Maio de 2007 às 16:17
Esta tela de Bordalo faz lembrar nas suas cores alguns óleos do Turner!

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags