Quinta-feira, 10 de Maio de 2007

CARLOS BALEIA - Actor, Escritor, Dramaturgo e Poeta

Carlos Baleia nasceu em 1938 no concelho de Sintra mas desde 1953 que passou a viver em Lisboa.

É licenciado pela Faculdade de Letras de Lisboa em Estudos Anglo-Americanos e frequentou durante três anos o Curso de Teatro do antigo Conservatório Nacional.

Foi bolseiro da Embaixada Alemã e estagiou durante seis meses em Stuttgart onde preparou como trabalho final de curso um estudo sobre o teatro radiofónico alemão no após guerra incidente sobre o dramaturgo Gunther Eich.

Como registo da sua actividade teatral de vinte anos ficaram saborosas experiências artísticas tidas a um nível semi-profissional com o grupo Proscénium, representando por todo o País centenas de espectáculos de autores reputados, clássicos da dramaturgia, como Moliére, Shakespeare, Gil Vicente, Arthur Miller, Ariano Suassuna, Durrenmatt, Karl Wittlinger, Lope de Vega e bastantes outros, tendo sido dirigido por encenadores prestigiados do panorama teatral português, nomeadamente Pedro Lemos, do Teatro Nacional D. Maria II, Fernando Gusmão, Costa Ferreira, Paulo Renato e pela encenadora australiana Roberta Elliott num espectáculo representado em inglês para a colónia britânica em Portugal.

Fez também dobragens de filmes e apareceu nos pequenos ecrãs nas noites de teatro da RTP.

Na década de setenta, sem abandonar completamente o teatro pois encenou alguns espectáculos de amadores, teve, contudo, que optar pela sua vida profissional de gestor empresarial da qual se reformou em 1999, retomando de imediato o seu contacto com o palco na condição de intérprete de teatro vicentino e estendendo a sua actividade à dramaturgia tendo escrito diversos textos, entre os quais o drama Locomotiva e a comédia O assalto, ambos publicados em 2001.

Adepto de um conceito de teatro global onde texto e música se associam, acabou por se interessar também pelo campo mais vasto das cantigas como elemento teatral e ainda pelo fenómeno do fado como expressão artística umbilicalmente ligada à cidade de Lisboa, tendo escrito as letras do CD editado em 2002, Lisboa em vários tons, no que foi largamente apoiado pelo conhecido estudioso e intérprete do fado, Daniel Gouveia.

Desde então tem parcerias com diversos compositores musicais em dezenas de letras gravadas por conhecidas vozes do fado e da canção e ainda algumas outras em vias de gravação.

Apesar das conhecidas limitações que impendem sobre a edição de música portuguesa, Carlos Baleia está presentemente envolvido através de trinta letras de sua autoria no projecto discográfico Junto ao rio, à beira-mar, relacionado com traços da nossa alma colectiva, com as nossas viagens interiores, terrestres e marítimas, com a imensidade da lusofonia e com o povo que somos, numa pretendida visita musical no tempo e no espaço que abarcará diversos estilos de canções, com o Fado e Lisboa obviamente presentes.

O tema Lisboa tem, aliás, acompanhado sempre os seus escritos e tem neste momento mais de vinte composições musicadas dedicadas à cidade onde cresceu e que aprendeu a chamar de sua. 

 

Quadro do Mestre Real Bordalo

 

Casario de Lisboa

( A partir dum texto em prosa de Fernanda de Castro, com o mesmo título,  escrito em 1933 para o Guia de Portugal Artístico )

        

Letra : Carlos Baleia

Música : Fernanda Lopes

 

                                         Casas da nossa cidade
                                         Brancas, azuis, amarelas
                                         Retocadas pela idade
                                         Com raízes nas vielas.
                                         Casas estreitas, caprichosas,
                                         De telhado à portuguesa
                                         Irregulares e formosas
                                         Na sua estranha beleza.
 
                                         De longe em longe, isolado,
                                         Perdido no casario
                                         Um palacete fechado
                                         Com varandas para o rio.
                                         Portas grandes, brazonadas,
                                         Desenhos de caravelas;
                                         São casas afidalgadas
                                         Que vão de Belém a Chelas.                          
                                                          
                                         Casas floridas, de santos,
                                         A quererem ser capela.
                                         E entre escadas e recantos
                                         Casas de roupa à janela.                     
                                         Casas doidas para poetas
                                         Também as há em Lisboa,
                                         Coloridas ou discretas
                                         Do Castelo à Madragoa
 
                                         Casas-berço de tristeza
                                         E outras casas de sonhar
                                         Onde a nossa natureza
                                         Possa chegar e morar.
                                         Casas feitas para viver
                                         Perto do rio, da canoa,
                                         Nossas casas de morrer
                                         Na cidade de Lisboa

                                        

Quadro do Mestre Real Bordalo

Um bote – navio

 

Letra: Carlos Baleia

Música : M. Moniz Pereira

 
                                                  Nas águas do rio

                                                  Das bandas de Almada

                                                  Um bote-navio,

                                                  dito cacilheiro,

                                                  Traz gente apressada

                                                  Que corre no cais

                                                  Entre um nevoeiro

                                                  Que é mensageiro

                                                  De dias iguais.

 

                                                  E em tal madrugada

                                                  Todo o movimento

                                                  De cara ensonada

                                                  Sem ninfas no rio

                                                  Tem o argumento

                                                  Das coisas banais

                                                  Que num ano inteiro

                                                  Lisboa-Barreiro

                                                  Lhe deixa sinais.

 

                                                  Neste barco me atravesso

                                                  Para invadir a cidade

                                                  Quando no rio amanheço

                                                  Com os raios da claridade.

                                                  E a maré deste começo

                                                  Da viagem fugidia

                                                  Logo terá seu regresso

                                                  Quando se acabar o dia.      

 

                                                 Tejo de poetas

                                                 Canções de sereia

                                                 Agora discretas

                                                 Nesta lufa-lufa

                                                 Da nova epopeia

                                                 Que chega em caudais

                                                 Inunda o Terreiro

                                                 E em passo ligeiro

                                                 Se junta aos demais.

 

                                                 Neste barco me atravesso

                                                 Para invadir a cidade

                                                 Quando no rio amanheço

                                                 Com os raios da claridade.

                                                 E a maré deste começo

                                                 Da viagem fugidia

                                                 Logo terá seu regresso

                                                 Quando se acabar o dia.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 01:40
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags