Sexta-feira, 1 de Junho de 2007

JOÃO BRAGA

JOÃO BRAGA

BRAGA, João de Oliveira e Costa, cantor e autor de melodias, nasceu na Rua da Creche, no bairro lisboeta de Alcântara, a 15 de Abril de 1945. Estreou-se em público, aos nove anos, como solista do coro do Colégio S. João de Brito. Em 1957, a sua família mudou-se para Cascais, onde, a partir de 1963, começou a cantar em casas de fado amador daquela região (Galito, 1963; Estribo Clube, 1964) e em Lisboa (Taverna do Embuçado, 1966), altura em que abandonou o curso de Direito. Foi também nesse ano que Alfredo Marceneiro, à mesa da “Tipóia”, de Adelina Ramos, lhe ditou a glosa de Carlos Conde de “É Tão Bom Ser Pequenino”, que ele viria a gravar em Dezembro.

O ano de 1967 marcou o começo da sua carreira musical, com a saída, em Janeiro, do seu 1º disco, "É Tão Bom Cantar o Fado" (título tirado daquela letra de Carlos Conde), editado pela Aquila, que lançou nesse ano mais 3 EP, ("Tive um Barco", "Sete Esperanças, Sete dias", "Jardim Abandonado") e 1 LP , "A Minha Cor", o que lhe valeu actuar, pela primeira vez, num programa da RTP ("Alerta Está!"). Em 1969 ficou definitivamente conhecido do grande público, por via dos serões televisivos do Villaret (Zip-Zip). Um ano antes conhecera Luís Villas-Boas, que viria a tornar-se seu produtor (gravou mais 7 discos com ele, para a Philips) e com quem organizaria o 1º Festival Internacional de Jazz de Cascais (1971). No ano seguinte, participou no Festival da Canção e fundou a revista Musicalíssimo (onde foi editor) e lá permaneceu até 1974, altura em que foi emitido um mandato de captura em seu nome, forçando-o a ir para Madrid até Fevereiro de 1976.

Quando voltou do exílio, abriu a casa de fados O Montinho, em Montechoro, que esteve em actividade apenas durante um Verão. A abertura do Páteo das Cantigas (1978-1982) marcou o seu regresso a Lisboa. Entre 1977 e 1987 gravou mais sete álbuns: 2 para a Orfeu ("Canção Futura", 1977, "Miserere", 1978), um para a Valentim de Carvalho ("Arraial", 1980), 3 para a Sassetti ("Na Paz do Teu Amor", 1982, "Do João Braga Para a Amália", 1984, "Portugal/Mensagem, de Pessoa", 1985) e um para a Silopor ("O Pão e a Alma", 1987). 

Após o encerramento daquela casa de fados, centrou a sua actividade nos concertos e na composição musical, tendo, a partir dos anos 90, dado início à renovação do panorama fadista através de convites a jovens intérpretes para integrarem os seus concertos: Maria Ana Bobone, Rodrigo Costa Félix, Miguel Capucho, Mafalda Arnauth, Ana Sofia Varela, Mariza, Cristina Branco, Katia Guerreiro, Nuno Guerreiro e Filipa Pais, Gonçalo Salgueiro, Joana Amendoeira, Ana Moura, António Zambujo, Diamantina, Lina Rodrigues, Raquel Peters e, mais recentemente, Pedro Silva Miguel e Alexandra Guimarães.

Em 1984 surgiu pela 1ª vez como autor de melodias, "O Menino da Sua Mãe" e "Prece" (Pessoa), "Ai, Amália" (Luísa Salazar de Sousa) e "Ciganos" (Pedro Homem de Mello), num álbum a que chamou "Do João Braga para a Amália" -- em homenagem à grande diva do Fado. Desde então já assinou mais de 50 temas de grandes poetas. Em 1990 gravou o seu 1º CD ("Terra de Fados", Edisom, vendas superiores a 30.ooo cópias), onde incluiu inéditos de Manuel Alegre, que pela primeira vez escreveu expressamente para um cantor. Mais um CD para a Edisom ("Cantigas de Mar e Mágoa", 1991), um para a Strauss ("Em Nome do Fado", 1994), outro para a BMG ("Fado Fado", 1997), um para o BNC ("Dez Anos Depois", 2001), outro para A Capital ("Fados Capitais", 2002) e três para a Farol ("Cem Anos de Fado" vol. 1, 1999, vol. 2, 2001, e "Cantar ao Fado", 2000, — considerado por Braga como o melhor da sua carreira, com poemas de Pessoa, O'Neill, Torga, Mourão-Ferreira e Alegre, entre outros).

Foram assim já editadas para cima de 50 gravações suas (28 originais e mais de 20 compilações), concebeu e/ou protagonizou cerca de 250 programas televisivos e radiofónicos, tendo escrito até à data um número muito próximo de 300 crónicas e um livro, posto no mercado em Novembro de 2006, pela Esfera dos Livros, sob o título, “Ai Este Meu Coração”..

Desde os tempos da Musicalíssimo, desenvolveu actividade na imprensa escrita (como editor, redactor e cronista: Eles & Elas, Sucesso, Independente, DN, Euronotícias, A Capital), na rádio (TSF e Antena 1) e na televisão (RTP, SIC e TVI). Desde 1970 actuou em muitos países da Europa, África, América do Norte e do Sul e foi distinguido, entre outros, com os seguintes prémios: Medalha de Mérito Cultural do Governo Português (1990, o único cantor de fado, até à data, assim galardoado), Prémio Neves de Sousa, atribuído pela Casa da Imprensa (1995), Medalha da Cruz Vermelha de Mérito (1996), Prémio de Carreira, da Casa da Imprensa (1999) e com a Comenda da Ordem do Infante Dom Henrique, entregue pelo então chefe do estado, em Fevereiro de 2006.

Além do fado, interpreta um repertório diversificado, incluindo música francesa, brasileira e anglo-saxónica. O seu emocionado estilo interpretativo é caracterizado por um timbre bem pessoal, pela primazia do texto (que divide com eficácia — teve bons mestres, como Alfredo Marceneiro) e por uma abordagem melódica imaginativa, sempre actualizada e de constante improviso (muito "estilada", em jargão fadista).

(Biografia resumida  pelo próprio)

 

Fado de Lisboa 

Repertório de João Braga

poema: Manuel Alegre

música: João Braga

 

                                             Tem navios nas vogais

                                             Gaivotas nas consoantes.

                                             Em cada sílaba um cais

                                             Para o mar de nunca dantes.

 

                                             Lisboa tem brancas velas

                                             Suas letras são sinais

                                             Caravelas, caravelas;

                                             Que não voltam nunca mais.

 

                                             Cais de partida e chegada

                                             Cheira a sul e oriente.

                                             Esta é Lisboa prezada

                                             De tão desvairada gente.

 

                                             Com Fernão Lopes, foi prosa;

                                             Com Cesário, alexandrino;

                                             Rua a rua, rosa a rosa,

                                             Lisboa é fado e destino.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 17:29
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De olimpio a 3 de Novembro de 2010 às 22:58
onde posso ouvir João Braga ao vivo?
De albertosaraiva a 30 de Março de 2012 às 00:23
O João Braga para mim é o fadista mais completo da sua Geração.Excelente voz , uma boa dicção e canta os melhores poemas dos nossos ilustres poetas.Canta com alma a sua Pátria,e tem trazido para as lides Fadistas muita gente jovem.
OFado acima referido é um bom exemplo de toda a classe deste Fadista. Obrigado João Braga.
De Oly a 24 de Junho de 2012 às 00:13
Ouvi, por acaso, uma informação na antena 1 que o fadista João Braga, vai atuar no auditório da fundação Champalimaud, dia 24 de junho de 2012. Lá estarei para ouvir o último dos castiços, que privou com Marceneiro, Amália, etc.
Olímpio

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags