Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007

ANTÓNIO ROCHA

António Rocha canta: 

Boneca de Porcelana

 

Conheço o António Rocha, desde que me conheço no Fado, nutro por ele uma admiração quer artística, quer pessoal, pois é uma pessoa que tem uma postura e uma maneira de estar a todos os níveis irrepreensível , o que hoje se vai tornando raro quer na nossa sociedade quer no meio artístico .

Pedi ao meu amigo Nuno Lopes que me escrevesse  algo sobre o António Rocha, que logo acedeu.

 

 

 

ANTÓNIO ROCHA é não só um reconhecido talentoso fadista, estilista notável, como um poeta de mérito. Começou a cantar aos 8 anos, e aos 13 conquistou o 1º lugar do concurso do jornal Ecos de Portugal (1951). Canta no restaurante Ribamar, na Cova da Piedade e no Pancão em Almada, mas só em 1956 obtém a carteira profissional, estreando-se no Retiro Andaluz. Rocha inicia então uma fulgurante carreira actuando nas mais diversas casas típicas e palcos nacionais. Em 1959 no Café Luso é eleito “Rei do Fado Menor”, voltará a ser “coroado”oito anos mais tarde como “Rei do Fado”, resultante de um concurso da revista Plateia, paralelo ao dos Reis da Rádio.

No final da década de 1960 na companhia de Ema Pedrosa e Armando Marques Ferreira, assina uma rubrica semanal no Clube Radiofónico de Portugal intitulada “Pergunte o que quiser sobre fado. António Rocha responde”. Esta terá sido a primeira experiência de divulgação do modus faciente do fado junto do grande público. Aliás este mesmo entusiasmo levá-lo-á a integrar, em 1994, o núcleo fundador da Associação Portuguesa dos Amigos do Fado, de que é sócio honorário.

Entretanto continua a editar discos, onde inclui letras suas, de António José, Artur Ribeiro, Domingos Gonçalves Costa, Hermano de Sobral e de vários outros poetas. Foi o primeiro fadista a gravar “Vou dar de beber à dor” (Alberto Janes ), depois da sua criadora, Amália Rodrigues.

Actualmente integra o Gabinete de Ensaios do Museu do Fado e além das várias actuações no estrangeiro, canta nas Arcadas do Faia, ao Bairro Alto.

Além fronteiras, refira-se a sua participação no Festival de Música de Nantes, no de Música da Flandres em Gent ou no de Músicas do Mundo em Barcelona, nos Encontros da Música em Tenerife e no XXIII Festival Sabandeño , em 2001, também em Tenerife.

Entre a sua vasta discografia, saliente-se o álbum Tears of Lisbon ” gravado com Beatriz da Conceição, sob a direcção do maestro Paul van Nevel , ou “Silêncio, ternura e Fado” (Ovação) onde canta poemas de sua autoria, entre eles, “Um hino à vida”, “Procura vã” ou “Olhos esquivos”.

Em 2006 é-lhe atribuído o “PRÉMIO AMÁLIA RODRIGUES CARREIRA MASCULINA”

Nuno Lopes

 

  


 

 

O fadista António Rocha. Trata-se de uma grande figura do Fado dos nossos dias, que preserva uma tradição de bem estilar hoje cada vez mais rara, mostrando bem de que maneira mesmo no repertório fadista mais clássico é possível a um grande artista deixar uma marca individual inconfundível . Ouvi-lo é sempre uma lição de inteligência musical e de uma força expressiva que nos afecta profundamente. É por coisas como estas, é por fadistas desta fibra que o Fado é tão importante para todos nós e que o queremos defender na sua essência, sem negarmos a sua capacidade evidente de evoluir mas salvaguardando sempre a sua ligação às raízes em que nos reconhecemos.

Rui Vieira Nery

 


Ao fadista ANTÓNIO ROCHA

Poema de: Euclides Cavac

 

Para ti

Fadista e sonhador,

Eu canto neste poema

Os teus dotes sublimes

Por teres dado a cada tema

Da forma como te exprimes

Ao fado maior valor !...

 

Para ti

Nobre talento de alma inteira

Para quem a música e as palavras

São brinquedos

Fizeste da guitarra companheira

Em eternas noites de folguedos...

 

Para ti

Ilustre fadista...

Parabéns aqui te dou

Por deleitares tanta gente

Com teu carisma de artista

E tua voz sapiente

Que o nosso fado honrou...

 

Para ti

Nesta leve cortesia

De sabor a nostalgia

Que te presto hoje aqui

Recordo os fados solenes

Como pétalas perenes

Que são pedaços de ti !...

 

Para ti

fiz este poema

Inspirado e confiante

Que sempre irás  dizer sim...

À carreira triunfante

Que fez do fado um jardim!...

 

Para ti

Egrégio amigo

Nesta modesta mensagem

A mais merecida homenagem

Deixo hoje aqui contigo !...

 

 


VELHOS PREGÕES

 Letra de António Rocha

 

Já se não ouvem agora

Pregões como antigamente

Vozes que ao romper da aurora

Vinham acordar a gente

A vozearia aumentava

Tal com a manhã crescia

E a cidade se inundava

De luz cor e alegria

 

                                                     Refrão

 

                                                     Vozes que pareciam trovas

                                                     Fava rica, quem não gosta

                                                     Quem quer azeitonas novas

                                                     Olha a vivinha da costa

                                                     Era o ferro velho à porta

                                                     Que tudo vinha comprar

                                                     Rica amora que é da horta

                                                     Figos quem quer merendar

 

Rica amora que é da horta

Figos quem quer merendar

Erre e erre mexilhão

Olha os marmelos assados

Petrolino e o carvão

E tantos mais já passados

Onde estão os pregoeiros

Que hoje recordo com mágoa

Acabaram os aguadeiros

E anda tudo a meter água

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: AH! Fadista
música: Boneca de Porcelana
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Maria Luísa Castanheira a 25 de Agosto de 2007 às 21:51
Parabéns pois o António Rocha é absolutamente brilhante, pena só o vermos no Faia e nunca na televisão nem passar na rádio.
O texto do jornalista está brilhante, os meus parabéns, há tão poucos que gostem de fado.
De Alexandre Almeida a 29 de Agosto de 2007 às 13:03
Ter nomes como Nuno Lopes e Rui Vieira Nery a colaborar no blog é outra coisa! Nota-se a diferença de texto e estilo, se me permite para melhor! Bem haja pela iniciativa!
De Vítor Marceneiro a 29 de Agosto de 2007 às 22:08
Caro Alexandre Almeida
Desde sempre, e principalmente no Fado, quero é dar-me com pessoas cultas e bem formadas. Foi uma honra Nunes Lopes ter acedido ao meu pedido e fornecer-me os referidos textos.
Pena tenho eu, de não ter a colaboração de mais figuras deste gabarito, como Nuno Lopes e Rui Vieira Nery . Quem ficaria a ganhar era o Fado e os seus admiradores, nos quais eu me incluo.
Tenho pedido muitas ajudas, mas as pessoas não têm tempo, incluindo mesmo familiares que nem sempre proporcionam a colaboração desejada sobre a figura que se pretendia lembrar.
Sabe, um trabalho destes não é só a escrita, são horas e horas de busca, são a composição, as fotos, os filmes etc.
Olhe, por exemplo, um dos nossos maiores pintores/aguarelista da actualidade, o Mestre Real Bordalo, autorizou-me a usar aqui a sua obra, o que eu tenho feito, e que é sem sombra de dúvida uma mais valia para este trabalho e para o Fado... mas pasme-se nunca recebeu um elogio!
Ainda sobre António Rocha, o meu texto é na realidade pobre em termos literários, mas afirmo-lhe que foi escrito com o coração, com a alma, e com muito carinho, como aliás, é meu hábito.
Espero continuar a merecer a sua atenção.
Um abraço Fadista
Vítor Duarte Marceneiro
De mlcastanheira@hotmail.com a 31 de Agosto de 2007 às 12:48
É minha opiniao que a participaçao de outras personalidades só enriquece este magnífico blog. Investigadores de quilate como Vítor Duarte Marceneiro naturalmente "puxam" à participacao de outros nomes de importância, refiro-me concretamente a Vieira Nery que é absoluto. Quanto ao jornalista conheço mal mas tenho boa impressao.
De apaf@netcabo.pt a 10 de Setembro de 2007 às 12:19
O texto de Rui Vieira Nery e o poema de Euclides Cavaco foram enviados expressamente pelos seus autores para uma homenagem ao fadista e poeta realizada em Lisboa a 27 de Outubro de 2003 pela APAF . Por lamentarem não estarem presentes, por compromissos anteriores de agenda, mas reconhecendo a justiça da homenagem e o mérito de António Rocha enviaram estes os respectivos textos que foram lidos na citada homenagem em que participaram, entre outros, Anita Guerreiro, Fernanda Baptista e actriz Alina Vaz que leu vários poemas de autoria de António Rocha.
De Rui Neves a 31 de Agosto de 2007 às 12:49
Este texto exprime uma coisa: A APAF em peso! De qualquer forma até gosto de ouvir o Rocha e é um fadista que merecia muito mais!
De Ai Flores de Verde Pino a 15 de Setembro de 2007 às 18:00
Não pertencemos à APAF, temos as nossas ideias sobre a Associação, nomeadamente os seus fundadores, mas aqui a APAF com qualidade, desde o Marceneiro que se lembrou do Rocha e tem-se lembrado de tantos e do FADO na internet, ao excelente texto de Nuno Lopes, ao comentário de Rui Nery e à magnífica e extraordinária voz, e fadistice castiça que tem e é me pleno ANTÓNIO ROCHA! Para além de poesta e empenhado na causa fadista!
De Ricardo Manuel a 2 de Setembro de 2007 às 15:02
Colocar o Rocha é de inestimável justiça. Apesar de um percurso bem mais vasto do que eu pensava e conhecia, hoje é um fadista praticamente desconhecido, por que será? É lamentável, quem perde é quem o nao conhece mas quem será o artista que nao gosta de ver o seu talento reconhecido?
De Vítor Marceneiro a 2 de Setembro de 2007 às 16:29
Meu amigo
Não basta ser grande, como o nosso amigo António Rocha, infelizmente é precios fazer parte do "Lobbie", e ele como muitos de nós não fazemos parte.
Um abraço
Vítor Marceneiro
De Hilário Bocchi Junior a 22 de Fevereiro de 2010 às 23:42
Conheço António Rocha e acompanho seu trabalho desde 11/01/1996 quando tive o prazer de vê-lo cantar no NONO FADOS (The portuguese Song) no bairro velho de Lisboa.
Parabéns por sua obra.
Foi uma noite inesquecível.
Abraços.
Hilário

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags