Sábado, 25 de Agosto de 2007

FRUTUOSO FRANÇA

Frutuoso França canta: 

Amizades
 

FRUTUOSO FRANÇA

Nasceu em Lisboa no bairro de Alcântara) em 1912, tendo começado a cantar o fado muito jovem, nas sociedades de recreio, onde também fez teatro dra­mático. Participou em cegadas, estreando-se numa da autoria de Carlos Conde intitulada «Carnaval da Vida». Cantou nos antigos retiros Perna de Pau e Ferro de Engomar, na Adega Vitória, no Café dos Anjos, no Retiro da Severa, no Solar da Alegria, no Café Mondego, no Café Ginásio e no Café Luso (da Avenida).

Em 1936 iniciou a sua carreira de cantador profissional, no Café Luso (da Avenida) e também quando este foi transferido para a Travessa da Queimada, onde ainda hoje existe.

Participou nas revistas "Iscas Com Elas" e "Dança da Luta" (1938) levadas à cena no Teatro Apolo, conquis­tando o público com o seu estilo castiço e com as letras dos seus fados.

Em 1950 parte para Angola, onde permaneceu durante dez anos a trabalhar na sua profissão de cortador de carnes, mais tarde na Rodésia, África do Sul e Holanda.

Regressa a Portugal em 1976, e reinicia a sua actividade de cantador, actuando em festas, em casas típicas,  na televisão e na rádio.

È dos fadistas que tem todo o seu repertório gravado em discos,  nos quais inclui fados com músicas da sua autoria como Anabela, Amigos São Inimigos, O Mineiro, Doutora Inocente, Diálogo em Sentido Figurado, Coisas da Vida, Salve!, Vê-te ao Espelho e Eterno Amor de Mãe, O Sábio e o Barqueiro, Fado Cadillac, Maria da Paixão, Contraste, Não Com­preendo, etc., para além de outros autores.

Dos cerca de 30 fados cantados por Frutuoso França, um dos que tiveram maior audiência foi “O Médico e a Duquesa”, com música sua e letra de Joaquim M. S. Teixeira.

 

Nos anos 80, em que eu trabalhava como produtor cinematográfico, com os realizadores de filmes de animação, Mário Neves Sénior e Mário Neves Júnior, decidimos fazer um pequeno filme documentário numa sátira ao poema do “Médico e a Duquesa”, que  para não ser muito dispendioso nós próprios éramos os actores e técnicos.

O pequeno filme (tem o mesmo tempo do disco, pois a música de fundo e o cantar é a própria narração),  estreou no Condes antes do filme principal em cartaz.

Foram vários dias de filmagens, só os três no estúdio, em que era mais o tempo que riamos às gargalhadas, do que filmávamos, com as fotos que vos mostro a seguir podem deduzir  “o gozo” que nos deu fazer este filme.

Eu fui o mais sacrificado, tive que cortar o bigode, fiz o “travesti” da Duquesa  e andei vários dias enjoado com as pinturas.

Infelizmente não consegui arranjar o tema cantado pelo Frutuoso França, pois julgo que só existe em disco de massa para grafonola, mas transcrevo a letra, que conjuntamente com as fotos vos dará uma ideia do trabalho final.

Entretanto estou a tentar arranjar uma cópia do filme na Cinemateca Nacional, pois perdi o contacto do pai e filho Mário Neves.

Vítor Duarte Marceneiro

 

O MÉDICO E A DUQUESA

 

Autor: Frutuoso França                                                        Foto 1

 

Era um médico ilustre e inteligente

Que o povo humilde amava com prazer

E ele a todos queria meigamente

Salvando muita gente de morrer.

 

Mas num dia fatal se apaixonou

p'la mais linda cliente, uma duquesa,

Que dele escarneceu e assim falou:

"Não lhe dou minha mão, sou da Nobreza!"

                                                                                                

                                                                                               Foto 2

Mais tarde a duquesa adoecia

E os grandes da Ciência são chamados,

Mas pertinaz doença a envolvia

Deixando os cirurgiões desanimados.

 

                                                                                                          

                                                                                   Foto 3

Ela ao ver-se pior, desfalecida,

Do seu médico antigo se lembrou.

E esse jovem doutor salvou-lhe a vida

O que a muitos colegas espantou.

                                                                                                        

         

Ela então ofereceu-lhe a sua mão

Para lhe pagar, altiva e sedutora                                                Foto 4

Mas teve uma tremenda decepção

Ouvindo esta resposta esmagadora.

 

"Se vós sois da Nobreza, é por dever

Qu'assim me quereis pagar, mas (se me entende)

Eu sou muito mais nobre, pode crer,                                   

Pois o amor duquesa não se vende   

                                              

      

                Foto 5                                                 Foto 6

Curta Metragem cores 35mm (1980)

Realizador:           Mario Neves

Efeitos especiais: Mário Jorge

Produção:             Vítor Duarte

Foto 1 - Duquesa (Vítor Duarte) com Médico (Mário Jorge)

Foto 2 - Duquesa (Vítor Duarte)

Foto 3 - Duquesa (Vítor Duarte) com Mordomo (Mário Neves)

Foto 4 - Duquesa (Vítor Duarte) com Médico (Mário Jorge)

Foto 5 - Duquesa (Vítor Duarte) com Mordomo (Mário Neves)

Foto 6 - Mário Jorge,  Mário Neves e Vítor Duarte

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Amizades
publicado por Vítor Marceneiro às 08:18
link do post | comentar | favorito
16 comentários:
De Maria Luísa Castanheira a 25 de Agosto de 2007 às 22:04
Parabéns lembrar este velho senhor e grande nome do fado. Creio que ele e uns outros eram chamados os da Velha Guarda lembro o nome de Júlio Peres, Gabino Ferreira e José Coelho, também os vais colocar?
De Vítor Marceneiro a 25 de Agosto de 2007 às 23:48
Muito obrigado pelos seus comentários.
Gabino Ferreira foi publicado em 24 de Junho e Júlio Peres no dia 1 de Agosto.
Cumprimentos
Vítor Marceneiro
De Maria Luisa Castanheira a 29 de Agosto de 2007 às 13:00
Peço desculpa pelo lapso, todavia à Velha Guarda falta o Julio Vietas e o José Coelho!
De Vítor Marceneiro a 29 de Agosto de 2007 às 17:44
Na realidade está nos meus projectos falar de Júlio Vieitas, isto porque tenho fontes para consultar e é um nome que desde sempre ouvi falar no Fado, foi aliás companheiro de meu avô.
Quanto a José Coelho, lamento informá-la que não conheço, se tiver dados sobre a personagem e uma foto e quizer fornecer-me, teria imenso gosto em publicar, porque vai contribuir para a melhoria dos meus conhecimentos e dos amantes do Fado, e seria mais uma pessoa a colaborar, pois este blog não é "fechado" qualquer colaboração que venha por bem, é bem recebida. Óbviamente que o artigo será assinado por quem o fizer.
Fico a aguardar.
Cumprimentos
Vítor Marceneiro
De Maria Luísa Castanheira a 31 de Agosto de 2007 às 12:30
lamento nao o poder ajudar mas sei que esse fadista constava do disco da Movieplay "Velha guarda" e gotei de o ouvir o fado "Pacados quem os nao tem". Talvez atarvés da Movieplay, do Museu do Fado ou da própria APAF. Todavia, parabéns pelo excelente trabalho
De Rui Rocha a 10 de Setembro de 2007 às 13:58
Caro Vítor se me permite, José Coelho foi um dos mais populares fadistas da década de 1930 e seguinte quando interrompeu a sua carreira. Fez parte dos elencos do Café Latino, Mondego, Retiro dos Marialvas e da Severa, entre outros. Surgiu num dos concursos Primavera do Fado na déada de 1930. Foi figura assídua das noites de fado na Rádio Graça.As suas coroas de glória como dizíamos na época foi "Eu gosto daquela feia", "Sexta-feira da Paixão" e "Alerta", mas teve outros fados conhecidos como "Passei ontem em Alcobaça" ou, de facto "Pecados quem os não tem". Em 1961 regressou a Lisboa, tendo sido homenageado no Solar da Madragoa que viria dirigir nos anos de 1975 e 1976. Na década de 1980 gravou esse disco citado pela senhora. Foi um fadista expressivo de voz clara e bem colocada, e de grande clareza na dicção.
De Vítor Marceneiro a 10 de Setembro de 2007 às 21:15
Meu Caro Amigo
Só tenho a agradecer a sua disponibilidade, pois eu como disse infelizmente não conheci José Coelho, e não encontrei nada escrito sobre ele, é certo que não vou conseguir lembrar toda a gente com destaque, mas colaboração e passagem de conhecimentos, como o meu amigo está a dar, é que eu gostava que houvesse mais, pois quem fica a ganhar omos todos nós os amantes do Fado.
Muito obrigado, e este espaço está sempre à sua disposição.
Um Abraço Fadista
Vítor Marceneiro
De Carlos Costa a 11 de Setembro de 2007 às 16:42
Conheci o José Coelho foi um dos grandes do seu tempo. Partiu para África por razões políticas, aliás esse fado o "Alerta" cantado na música do Ala Arriba" ele cantava apenas entre amigos pois estava proibido pela censura, antes do 26 de Abril. O seu regresso em 1961 foi muito festejado pois tinha deixado na metrópole muitos admiradores. A Guitarra de Portugal, caro Vítor dedicou-lhe algumas páginas inteiras. Uma das fadistas que o recordará por certo é a Maria Amélia Proença ou a Julieta Reis, ainda vivas e a cantar muito bem! José Coelho morreu, em Lisboa, nos começos de 1990, na década de 1980 ainda animou muitas noites e tardes de fados.
De Vítor Marceneiro a 12 de Setembro de 2007 às 11:34
Meu caro amigo.
Obrigado pela ajuda, pois como já disse na parte de Fado não estava a ver a personagem, que infelizmente não conheci, mas o meu amigo , relembra outras actividades do José Coelho, que avivaram na minha memória quem ele era, afinal até conheço as filhas e um neto, que vou contactar para que eles melhor que ninguém, e se assim o quiserem, escrevam uma crónica sobre José Coelho, que será publicado aqui com muito gosto.
Aguardemos.
Um abraço fadista
Vítor Duarte
De Carlos Manuel Duarte a 12 de Setembro de 2007 às 19:51
Eu cheguei a ouvir este senhor cantar, já na década de 1970, aí para 1979 numa festa em Mafra, foi do elenco dessa noite um dos que mais me impressionou pela voz clara, a sua extensão e como sabia bem interpretar. Tenho actualmente 48 anos mas recordo-me do nome pois impressionou como ele cantava, e voltei a ouvi-lo uma outra vez na Caparica, diziam aí, nessa festa, que ele e outros que com ele iam, tinham sido grandes no seu tempo! Um deles era Frutuoso França e outro o Julio Peres.
De Carlos Manuel Santos a 12 de Setembro de 2007 às 20:03
A minha mãe chegou a cantar com esse senhor na associação Vai Tu.
De Vítor Marceneiro a 13 de Setembro de 2007 às 00:31
Meu caro amigo
Com uma mãe fadista e não nos deu o prazer de dizer como ela chama.
Fico aguardando que nos fale de sua mãe.
Um abraço Fadista
Vitor Marceneiro
De Ai Flores de Verde Pino a 15 de Setembro de 2007 às 17:56
Extensa lista de comentários, mas acerca deste fadista, que podia ter tido uma execlente carreira não tivesse partido para África, há uma referência biográfica com algumn peso na Biografia de Amália Rodrigues de Nuno Almeida Coelho - quiçá seu neto - editada há dois anos pela Planeta di Agostini.
Tem de facto uma voz clara, com extensão e boa dicção. Também merecia um lugar neste blog!
De helder pereira a 11 de Dezembro de 2007 às 10:59
Bom dia, gostaria muito de saber se a musica anabela de frutuoso frança é considerado um Fado. Obrigado e continuaçao do excelente trabalho.
De Vítor Marceneiro a 11 de Dezembro de 2007 às 13:08
Caro Amigo
As informações que tenho, é que se trata de um fado, tentei arranjar a letra mas não consegui.
Cumprimentos
Vitor Marceneiro
De Manuel Sousa a 27 de Maio de 2011 às 14:22
Muito obrigado por me terem permitido recordar com muita saudade a minha infancia com meus queridos pais, Em nossa casa muitas vezes se ouviu este popular e inocente fado.

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags