Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

JULIETA FERREIRA, Romancista e Poetisa

Julieta Ferreira nasceu em Lisboa em 1952.

Desde criança sentiu uma grande paixão pela leitura e pela escrita.

Licenciou-se em Filologia Românica na Universidade de Lisboa.

Em 1983, emigrou para a Austrália, onde começou por trabalhar como tradutora e intérprete.

Em 1987 foi convidada para leccionar Língua e Cultura Portuguesa na Universidade de Queensland, Brisbane, onde se manteve até 1999.

Compilou e publicou um Curso de Língua Portuguesa para principiantes e organizou várias conferências para divulgação da História e Cultura de Portugal.

Organizou programas de treino para educadoras de infância e professores e apresentou  workshops e seminários, versando temas como a diversidade,  o racismo, a discriminação e o multiculturalismo.

Nos vários projectos, tem defendido, com muita paixão, os direitos dos imigrantes e refugiados e tem lutado pela inclusão e aceitação de todas as raças, na sociedade australiana. (*)

Ao longo dos anos tem escrito poemas e contos e em 1999 publicou uma pequena novela em inglês, Nothing stays the same.

É muito entusiasta por tudo o que é português e, desde que tem estado ausente do seu país, tem apreciado ainda mais as suas origens, na sua visita a Portugal, em 2005, surgiu a inspiração para a escrita de “Regresso a Lisboa” concretizando assim um sonho antigo. Este seu primeiro romance, de carácter autobiográfico, é a expressão de um amor muito intenso pela pátria e, em particular, por Lisboa.

Em 2007, publicou o seu primeiro romance de ficção, “Sem ponto final”, assim como um livro de poesia, “Pedaços de mim”. Alguns dos seus poemas foram incluídos numa Antologia de Autores Portugueses Contemporâneos, Poiesis – Vol. XV, editada pela Editorial Minerva.

Biografia fornecida pela própria

(*) Curiosamente foi votada nas Nações Unidas no dia 13 de Setembro de 2007, Resolução, a que se obrigam no respeito pela minorias. Embora aprovado pela maioria da Assembleia das N.U., teve os votos contra da Austrália e do Estados Unidos !!!

 


 

Poema sobre Lisboa, retirado do seu livro de poesia

 

"Pedaços de Mim" 

RECORDO-TE  CIDADE!

 

O sol banha-a rendido aos seus encantos

Fadistas choram seus prantos em canto magoado

Cauteleiros de pé firme nas esquinas

Na Brasileira um passado de rimas

Mendigos ostentam lamúrias e chagas

O Tejo une-se a ela num abraço enamorado

Poetas que a versejaram foram tantos.

 

Gatos espreguiçam-se nas varandas floridas

Roupa branca esvoaça nos estendais das ruelas

Crianças buliçosas rodopiam nos quintais

Quiosques vendem os matutinos jornais

Flausinas passeiam-se de mãos dadas

Amantes perdem-se pelas antigas vielas

Passos ressoam nas calçadas carcomidas.

 

Os ventos sopram doçuras nas colinas

Vendedores deambulam pelas avenidas

A luz reflecte-se no vermelho dos telhados

Escritores em esculturas imortalizados

Crentes rezam suas preces caladas

O prazer ofertado das mulheres perdidas

Bandeiras desbotadas mostram suas quinas.

 

Odores de rio e café na baixa do Marquês

Floristas dispõem ramalhetes coloridos

Engraxadores aguardam clientes pressurosos

Turistas contemplam monumentos famosos

A brisa fustiga as tristezas soluçadas

O adeus penoso que entorpece os sentidos

A dor amarga dos que já não vês.

 

No metro atulhado acotovelam-se os alfacinhas

O som plangente e vivo da guitarra sem idade

Mulher velha pedinte resguarda-se do frio

Som alegre do acórdão nos passeios do Rossio

Estátuas erguidos tributos de eras passadas

O Parque Mayer despovoado invoca a saudade

Nas igrejas do Chiado murmúrio de ladainhas.

 

O castelo fala-nos de História

Gaivotas conversam com o rio amigo

Dançam sensuais em volta de veleiros

Miradouros sobranceiam casarias caiados

Pombas esvoaçam alegres pelas praças

Reis atestam a nossa glória

Velozes fendem as águas os cacilheiros

E eu na solidão dos meus cuidados

Tento soltar-me das mordaças

Anseio voltar para o teu abrigo.

 

Recordo-te saudosa

Nesta terra que me tolhe a liberdade

Quero ficar

Essa é a minha verdade!

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:54
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags