Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007

FRANCISCO JOSÉ

FRANCISCO JOSÉ

Acompanhei grande parte do «percurso artístico» do Chico Zé que, um dia, teve a coragem de trocar as «engenharias» pelas cantigas que eram, afinal, a sua grande paixão. Testemunhei, inclusivamente, os seus primeiros passos com o Prof. Mota Pereira, no Centro de Preparação de Artistas da Rádio, onde des­pontaram algumas das grandes «estrelas» do microfone que principiaram a bri­lhar por volta dos anos 50.

O Chico Zé impôs-se, rapidamente, como uma das vozes mais bonitas e mais românticas da Rádio que, na época, era o meio de comunicação por excelência, em Portugal. As jovens sonhadoras e apaixonadas desse tempo suspiravam exta­siadas ao ouvirem aquela voz bem timbrada (a que não faltava sequer um ligeiro «toque» alentejano) e acorriam, frenéticas, às salas de espectáculo onde o seu ídolo se apresentava.

O saudoso poeta e homem da Rádio, José Castelo, um dos responsáveis do popular «Comboio das seis e meia» que animava os fins de tarde no Politeama e no Capitólio, começou um dia a chamar-lhe «o coração que canta» e o «slo­gan» ficou. Com a chegada da Televisão a Portugal, o sucesso do Chico Zé ganhou uma nova dimensão e um dia surgiu a hipótese de viajar até ao Brasil. Atraído pelo sabor da aventura, o Chico Zé lá foi e o sucesso foi estrondoso, não sem que, antes, tivesse de travar uma sucessão de duras «batalhas» que sempre conseguiu superar. Creio que para lá do seu estilo romântico, servido por uma voz invulgarmente agradável e bem timbrada, o seu triunfo no Brasil ficou a dever-se a uma perfeita dicção que permitia entender tudo aquilo que ele cantava. Um amigo meu, jornalista do grande país irmão, disse-me uma vez a propósito do sucesso do nosso artista em terras brasileiras: «Você sabe que nós nem sempre entendemos, com facilidade, tudo o que um português está falando mas com o Francisco José a coisa é diferente – não perdemos uma só palavra do que ele canta e isso é muito importante, em especial se os versos são gostosos de se ouvirem...»

Artur Agostinho

 

 

 

Nota: A coragem e oportunidade de Francisco José,  ao actuar em directo num programa,  na RTP antes do 25 de Abril, denunciou a falta de apoio  dado aos artistas portugueses quer na Rádio, quer na Televisão. As suas palavras caíram que nem uma "bomba" nos poderes de então, de tal  forma, que a partir daquele incidente, os programas em directo na RTP,  foram proibidos, e Francisco José  foi considerado "persona non grata" quer na RTP quer na Emissora Nacional.

Qaunto a mim o panorama hoje está na mesma, ou ainda pior, excepção feita a dois ou três eleitos (do lobbie).

 

 

Francisco José canta:

 

 

RECADO A LISBOA

 

Letra de:João Villaret

Música de Armando da Câmara Rodrigues

 

Lisboa querida mãezinha

Com o teu xaile traçado

Recebe esta carta minha

Que te leva o meu recado

 

Que Deus te ajude, Lisboa

A cumprir esta mensagem

Dum português que está longe

E que anda sempre em viagem

 

Estribilho

 

Vai dizer adeus à Graça

Que é tão bela, que é tão boa

Vai por mim beijar a Estrela

E abraçar a Madragoa

E mesmo que esteja frio

Que os barcos fiquem no rio

Parados sem navegar

Passa por mim no Rossio

E leva-lhe o meu olhar

 

Se for noite de S. João

Lá pelas ruas de Alfama

Acende o meu coração

No fogo da tua chama

 

Depois leva-o p´la cidade

Num vaso de manjerico

Para matar a saudade

Desta saudade em que fico

 

Estribilho

 

Monte e Igreja da Graça

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Recado a Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 22:52
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De domingos.mesias@gmail.com a 21 de Setembro de 2007 às 09:49
É de louvar a produtividade do autor deste Blogue, parabéns ilustre senhor. É também de notar o sincero e experiênciado testemunho que empresta aos escritos que emite.
É de notar também a extraordinária representatividade da letra agora aqui publicada no que se refere ao eterno sentimento de saudosismo português e à toponímia e celebração da cidade capital deste país.
Que viva, mesmo saudosista,
o FADO.
De Vítor Marceneiro a 21 de Setembro de 2007 às 11:33
Caro Amigo Mesias .
Muito obrigado pelo seu comentário, que é para mim um incentivo para continuar.
Desculpe só um pequeno comentário, ao qual me permito no âmbito do primeiro dia da nossa amizade.
Nem todo o fado é saudosista e retrógrado , é uma das minhas metas com este trabalho demonstrá-lo, mas o certo é que no que concerne aos poemas de Lisboa, há na realidade um "saudosismo latente" mas que penso que tem o fito de lembrar o passado para progredir no futuro, e em Lisboa como no Porto, têm-lhes feito tanto mal, que o saudosismo aflora aos nossos pensamentos, pela pena do poeta como é óbvio, eu tento ser só o meio transmissor
Um abraço Fadista
Vítor Marceneiro
De Mariazinha da Silveira a 19 de Maio de 2009 às 23:04
Francisco José foi o meu cantor favorito e ainda o é.
Era muito novinha quando assisti aquele célebre programa musical televisivo em que denuncia não só a falta de apoio que a RTP prestava aos artistas portugueses, enaltecendo os estrangeiros mas também da grande diferença de "cachets" pagos aos mesmos.
Considero-o sim e considera-lo-ei um dos nossos melhores cantores interpretes muito corajoso porque desafiou e assumiu com o discurso feito perante as câmaras o regime de direita de então.
Mariazinha da Silveira
De Anónimo a 5 de Janeiro de 2013 às 10:34
Além de toda a história, Ele participou de um filme colorido de longa-metragem chamado "Teus Olhos Castanhos" aqui no Brasil na década de 1960.Atualmente foi achada uma cópia e está na lista de restauração. Como eu sei disso? Minha mãe era amiga dele, e ajudou no filme.Ouvi muito Francisco José ao vivo lá em casa em Copacabana e comi muito bolinho de bacalhau na ADEGA DE ÉVORA ehehehe!

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags