Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

MARIA CLARA

Meus caros leitores, foram muitos os pedidos para saber do paradeiro da saudosa  Maria CLara, posso afirmar de fonte fidedigna, que felizmente ainda  está entre nós, com a bonita idade de 84 Anos


 

MARIA CLARA

A FELICIDADE DE SER ARTISTA

Voz límpida e clara na dicção Maria Clara, senhora de uma agilidade vocal surpreendente, sabia dar a tudo o que cantava a medida certa, "o tom" ideal. Seriam esses os ingredientes do grande sucesso que teve, aliados a um conjunto de melodias, numa altura de poucas congeminações extra-musicais.

O seu nome de baptismo é Maria da Conceição, mas pelas suas qualidades vocais impôs o nome artístico de Maria Clara.

A Maria Clara ficará para sempre ligada a “Canção da Figueira” de António de Sousa Freitas e Carlos Correia, mas a cançonetista foi um das rainhas das marchas de Lisboa sendo sua a criação da “Marcha do Centenário” (1940) de Raul Ferrão e Norberto de Araújo para além de variadas outras marchas que fizeram Lisboa cantar nas décadas de 1940, 1950 e 1960.

Maria Clara começou como amadora numa colectividade do bairro lisboeta das Necessidades, Grupo Dramático e Escolar Os Combatentes, de onde viriam aliás outros grandes nomes do panorama artístico português, designadamente Tony de Matos e Aida Baptista.

Numa entrevista à revista Super Música a intérprete recordou: “naquela altura era muito natural. Nós fazíamos as nossas peças, as nossas revistas e depois iam lá empresários sempre à caça de novos talentos e um dia calhou-me a mim”.

Estreou-se no teatro com um elenco de luxo, ao seu lado outro estreante, o agora realizador António Vilar.

“Estreei-me na Costureirinha da Sé, com o António Silva, a esposa, Josefina Silva, a Luísa Durão, o Costinha, eu é que não era ninguém. Mas era uma grande camaradagem, todos muito meus amigos. Só não andavam comigo ao colo, eu era a mais nova”.

Depois seguiram-se várias operetas, nomeadamente “A Invasão” e “Fado” e logo o convite da editora Valentim de Carvalho para gravar, o que fará num ritmo alucinante para a época, dado o êxito que fazia.

“Depois da ‘Costureirinha’ gravei vários números da opereta ‘Fado’ e por aí adiante. Se gravava é porque vendia, e iam muito ao teatro buscar números que tinham êxito”, recordou nessa mesma entrevista.

O percurso de Maria Clara é um pouco o inverso da época, começa no teatro e só depois a rádio, pois nas primeiras provas que fez para a Emissora Nacional “não agradaram lá muito” mas acabará por entrar para os quadros da Emissora e participou, entre outros programas, nos famosos "Serões de Trabalhadores".

Referindo-se a estes programas afirmou “aquilo era indescritível, havia gente em todo o lado, só faltava pendurarem-se. Mas eram espectáculos muito bons e completos. Havia um momento de ópera ou apenas a orquestra sinfónica da Emissora e depois a parte mais ligeira onde eu entrava e outros, lembro-me por exemplo do Zé António, das Irmãs Meireles, a Maria de Lurdes Resende e muitos outros. Éramos muitos. Havia naquela época uma grande riqueza quer de intérpretes quer de quem escrevesse e compusesse”.

Além das muitas marchas de Lisboa que interpretou e gravou, Maria Clara recuperou temas do cancioneiro popular português para além do repertório romântico com canções como “De cá para lá”, “Alfazema do monte” ou “Hás-de voltar”, “As pedras que tu pisas” ou “Na mesa do canto” e as muitas sobre terras portuguesas, refira-se “Santa Luzia” (Fernando Carvalhos/Campos Monteiro), relativa a Viana do Castelo e “Canção de Faro” (Tavares Belo/Hernâni Cidade).

De Lisboa a sua cidade natal além da “Marcha do Centenário” destaca-se “A casa de Santo António” (João Nobre/José Galhardo), “Menina Lisboa” (João Nobre) ou o grande sucesso que foi “Lisboa velha amiga” (Manuel Paião/Eduardo Damas).

Numa outra entrevista, ao mensário Ecos de Belém referindo-se à catalogação que se faz de nacional-cançonetismo a um período correspondente ao Estado Novo (1933-1974) afirmou: “Eu não gosto dessa coisa de ‘nacional-cançonetismo’ porque foi dado com sentido pejorativo e, isso eu não aceito! Nem percebo, nem sei o que querem dizer com semelhante coisa; ou no fundo eu percebo, mas faço de conta... Não aceito que as pessoas ponham rótulos nos que cantavam nessa época no nosso país esquecendo ou procurando ignorar que todas as pessoas tiveram de andar com muito cuidado porque tinham medo. E o medo não envergonha ninguém! Cada um procurava fazer a sua vida sem causar problemas nem tê-los. Eu trabalhava na Emissora Nacional, a emissora era do Estado e eu trabalhando ali com a maior seriedade sem fazer diferença entre as pessoas, fossem da Extrema-Esquerda, fossem da Extrema-Direita, eu não admito que comigo tivessem ideias a esse respeito ou pusessem rótulos. Isso magoa e eu não aceito isso de ninguém. Cantava porque gostava e até tive problemas na família”.

Nessa mesma entrevista revelava o seu gosto pelo “fado musicado”: ”Eu gosto muito do fado-canção, tenho muito apreço, e gosto de gravar com a guitarra portuguesa que tem um som extraordinário. Tem uma doçura inigualável”.

Referindo-se à sua profissão declarou: “Só me deu satisfação e momentos de felicidade. A minha vida profissional foi a mais feliz possível, não só graças ao público, como aos colegas que tive, havia um grande companheirismo”. Guardado lá no fundo está o orgulho de um dia ter ouvido um elogio de Alfredo Marceneiro. “Ele quase nunca falava. Mas nós sabíamos que o que ele dissesse era sagrado. E certa noite, no Teatro Avenida, creio eu, ele virou-se para mim e disse-me: 'A menina canta muito bem, canta mesmo muito bem, nessa noite fiquei nas nuvens, eu nem me queria deitar”. (*)

Nuno de Almeida Coelho

 

(*) O destaque é meu - Vítor Duarte Marceneiro - as minhas desculpas ao autor

 

 Maria Clara canta:

 

Marcha do Centenário 1947

 

Letra: Norberto Araújo

Música: Raul Ferrão

 

I

Toda a cidade flutua

No mar da minha canção.

Passeiam na rua

Retalhos de lua

Que caem do meu balão.

 

Deixem Lisboa folgar,

Não há mal que me arrefeça,

A rir, a cantar,

Cabeça no ar,

Eu hoje perco a cabeça

.

 Estribilho

 

Lisboa nasceu

Pertinho do Céu

Toda embalada na fé.

Lavou-se no rio,

Ai, ai, ai, menina,

foi baptizada na Sé.

Já se fez mulher,

E hoje o que ela quer

É trovar e dar ao pé.

Anda em desvario,

Ai, ai, ai, menina,

Mas que linda que ela é!

 

II

Dizem que eu velhinha sou

Há oito séculos nascida

Nessa é que eu não vou

Por mim não passou

nem a morte , nem a vida

 

Um pajem me fez um fado,

um vali me leu a sina:

não ter namorado,

nem dor, nem cuidado,

e ficar sempre menina

 

III

Como as cidades famosas,

também tive horas de glória.

De tranças mimosas,

toquei-me de rosas,

enchi de rosas a história,

 

A grinalda inda me resta,

que em Lisboa há sempre flores.

E agora na festa,

minha sina é esta

encher Lisboa de amores.

 

IV

 

Trago um balão enfeitado,

e enfeitado o coração,

vou de braço dado,

não me dá cuidado

que gostem de mim ou não.

 

Ai que bom andar ao léu,

mais linda do que é preciso!

Todo o mundo é meu,

p'ra ganhar o céu,

basta atirar-lhe um sorriso,

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Marcha do Centenário
publicado por Vítor Marceneiro às 20:14
link do post | comentar | favorito
9 comentários:
De aisdeuseue@yahoo.com a 29 de Setembro de 2007 às 01:54
Parabéns e muitos parabéns mais uma vez! Maria Clara foi uma grande voz e de facto como muito bem aponta este investigador, promissor, clara pela voz, juntava a bela interpretação e grande sentido de estar em cima de um palco! Magnifício texto e parabéns Marceneiro !
De Vítor Marceneiro a 29 de Setembro de 2007 às 07:03
Agradeço a sua atenção, mas os créditod do texto são do Nuno de Almeida Coelho.
Um abraço
Vítor
De Mariana Bastos a 10 de Outubro de 2007 às 10:49
Bela voz! Bela interpretação! Bonita e merecida homenagem a uma das primeiras estrelas da nossa música.
Sabe se Maria Clara ainda é viva?
Parabéns ao autor do texto que correspondeu à clareza da voz da artista com uma clareza de texto dando realce de facto ás qualidades da artista. Também ele se destaca pela clareza e qualidade.
De Fernando Campos de Castro a 23 de Setembro de 2008 às 18:26
A Maria Clara esta viva mas é como se não estivesse. Está há muitos anos no Lar do Comercio em coma absoluto. Não reage a nada que a rodeia, nem sequer ao filho que a vai visitar. Um dia foi lá vê-la e regressei com a alma destroçada. Como é que uma voz e uma pessoa tão linda, acaba assim os seus dias? É a a lei da vida.
Um abraço
De Vítor Marceneiro a 24 de Setembro de 2008 às 03:55
Meu caro amigo
Obrigado pela sua informação.82ura4
Esperemos que Maria Clara não esteja a sofrer.
Resta-nos lembrarmo-nos dela como a bonita senhora que foi, e da sua linda voz.
Cumprimentos
Vítor Marceneiro
De Pedro Tavares a 11 de Outubro de 2007 às 13:55
Estranhamente não conhecia esta cantora com voz tão límpida, e foi uma garnde estrela, ainda é viva?
De Rui Verrín a 12 de Outubro de 2007 às 13:19
Maria Clara dizia o meu avô foi uma grande vedeta e teve Lisboa aos pés. Tão garnde foi que depois de se caasr deixou de cantar mas o público acabou por a obrigar a regressar.
De Alves de Sousa a 18 de Agosto de 2008 às 19:19
Brilhante esat recordação de uma das nossas vozes mais memoráveis! Parabéns ao Sr. marceneiro e ao autor do texto! Muito tinham as de hoje a aprender com esta Senhora!
De A. guedes a 20 de Setembro de 2010 às 11:54
A D. Maria Clara morreu em Setembro de 2009, depois de padecer muitos anos da doença de Alzheimer. Era mãe do conhecido sexólogo e psiquiatra Prof. Dr. Júlio Machado Vaz.

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags