Terça-feira, 7 de Junho de 2011

Alfredo Marceneiro - Fado à média luz...

Estávamos no tempo do cinema mudo e os primeiros empresários que contrataram Alfredo Marceneiro foram Artur Emauz e Vicente Alcântara, para o Chiado Terrasse, no propósito de este cantar nos intervalos das exibições cinematográficas, pois o público andava arredado dos espectáculos da 7ª. Arte.

Alfredo Marceneiro e Júlio Proença estavam no auge das suas carreiras, razão pela qual o público começou a acorrer em maior número ao cinema.

Assim, além de assistir ao filme, também ouviam cantar o Fado.

Estes contratos no Chiado Terrasse tiveram um duplo benefício: o aumento das receitas do cinema e a possibilidade de um contacto mais próximo do grande público com os fadistas, que tinham fama de indivíduos de mau porte, o que permitiu a desmistificação dessa ideia de raízes tão perdidas no tempo.

Na sequência destas suas actuações no Chiado Terrasse, Alfredo Marceneiro, que já tinha criado o hábito de se cantar o fado à média luz, tem um dos seus repentes de criatividade e levanta-se para cantar o Fado.

Até esta altura todos os fadistas cantavam sentados e os espectadores mais distantes tinham a tendência de se levantarem, a fim de poderem ver quem estava a actuar. Isto provocava um certo burburinho, que prejudicava as actuações e, com esta atitude de Alfredo Marceneiro, o Fado ganhou outro respeito. A partir desse dia os tocadores e os fadistas passaram a ter um lugar de destaque nas salas onde actuavam e o Fado começou a ser cantado com o fadista de pé.

Foto de Alfredo Marceneiro a cantar no CAFÉ LUSO

© Vítor Duarte Marceneiro in “Recordar Alfredo Marceneiro”

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 10:50
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Alfredo Marceneiro - Adolescência

Arranjou o seu primeiro emprego como aprendiz de encadernador numa oficina na Rua da Trindade, com o salário inicial de quatro vinténs. Mas por pouco tempo auferiu este vencimento pois os patrões, por indicação do Mestre Paulino, gostando da sua dedicação logo o aumentaram para um tostão, o que na época, e para um rapaz da sua idade, era um bom salário.

No entanto, Alfredo não permaneceu muito tempo como aprendiz de encadernador, porque aquele ofício tinha para ele um grande inconveniente: a saída ás 9 horas da noite (naquela época os operários trabalhavam 12 horas diárias), não lhe permitia dedicar-se ao seu grande sonho de ser actor e poder entrar numa das muitas cegadas carnavalescas. Cultivando o gosto de representar, continua a seguir atentamente as actuações dos actores de rua e é assim que, simultaneamente, Alfredo toma mais contacto com o Fado, pois nas cegadas os actores interpretam o seu papel cantando o tema da peça ao som da guitarra. Alfredo haveria de tomar parte numa, custasse o que custasse.

Júlio Janota, um fadista improvisador com quem tomou conhecimento e que era mestre na profissão de marceneiro, aconselhou-o a seguir o mesmo ofício, o que lhe permitiria auferir melhor salário e sair antes do pôr do sol, arranjando-lhe colocação como seu aprendiz numa oficina em Campo de Ourique. Foi assim que Alfredo Duarte trocou a sua profissão de encadernador pela de marceneiro, ofício que ficou ligado para sempre á sua pessoa e ao seu nome.

Nesse tempo, para as camadas menos privilegiadas, os bailes populares eram decerto a grande diversão, organizados ao ar livres em jardins e verbenas. É nesses bailes, dos quais é assíduo frequentador, que se inicia a cantar fados, começando desde logo a criar nome entre a rapaziada da sua época. Graças a essa sua genial capacidade passa a ser solicitado para cantar em festas de caridade, também muito usuais na época, como forma de solidariedade para com os mais desafortunados.

© Vítor Duarte Marceneiro in “Recordar Alfredo Marceneiro”

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 14:24
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Maio de 2011

Alfredo Marceneiro - Origens

Seus pais, Gertrudes da Conceição e Rodrigo Duarte, eram ambos naturais do Cadaval, descendentes de duas conhecidas famílias da região, os Coelho e os Duarte, mas gente humilde.

Amigos e companheiros de brincadeiras desde crianças atingiram a idade adolescente com a amizade transformada em amor. As perspectivas de futuro também nessa altura eram difíceis na aldeia, pelo que decidiram partir para Lisboa à procura de melhores condições de vida. Corria o ano de 1890. Gertrudes já trazia no seu ventre a semente do seu amor e mal chegam à capital casa com Rodrigo na Igreja de Santa Isabel, recebendo dos lábios do padre Santos Farinha a bênção matrimonial.

Rodrigo Duarte era mestre de corte de calçado, tendo arranjado colocação numa sapataria da Rua da Madalena e graças a esse salário consegue alugar uma pequena casa na freguesia de Santa Isabel, num prédio da Travessa de Santa Quitéria. Hoje já não existe: foi demolido para abertura da Avenida Álvares Cabral.

E foi nessa casa que nasceu para o mundo o primeiro filho do casal Duarte, no dia 29 de Fevereiro de 1888,, mas só foi possível registá-lo, por falta de posse, e foi asiim que lhe foi dado, na pia baptismal, o nome de ALFREDO RODRIGO DUARTE, pelo mesmo pároco que havia unido em casamento seus pais, mas três anos depois em 1891, como não era ano bissexto tiveram que adoptar a data de 25, e foi assim que nos registos oficiais consta que nasceu a 25 de Fevereiro de 1891.

Com o acréscimo de responsabilidades e um novo incentivo na sua vida, Rodrigo Duarte pensou em melhorar a sua situação económica e resolveu assim jogar a sua sorte estabelecendo-se por conta própria, com uma oficina de calçado na Rua de São Bento.

A vida decorreu normalmente para a família Duarte, que viu aumentar o seu lar com o nascimento de mais três filhos: o Júlio — que foi também fadista de nomeada —, o Álvaro e a Júlia, todos igualmente baptizados pelo bondoso padre Santos Farinha, na Igreja de Santa Isabel.

O pequeno Alfredo frequenta a escola primária, tendo desde cedo demonstrado uma especial aptidão para a leitura e gramática, repartindo a sua infância pelas brincadeiras no Jardim da Praça das Flores e ajudando seu pai na oficina, durante as férias escolares.

No carnaval quando as cegadas (representações teatrais populares) saíam para a rua, deliciava-se a ouvir os descantes e seguia alegremente as exibições dos actores de rua nas suas digressões pelo bairro, decorando os versos que ouvia. Chegado a casa, logo seus pais se transformavam em plateia, ouvindo com profundo deleite o génio do pequeno Alfredo.

O seu gosto pelo canto é influenciado por sua mãe que, nas descamisadas, nas romarias e nos bailaricos lá da terra, cantava que era uma delícia. No entanto, quer seu pai — que tinha pertencido à banda musical do Cadaval —, quer seu avô materno, José Coelho, transmitiram-lhe fortes influências, especialmente o segundo, que tocava guitarra e cantava fados de improviso.

Já homem feito, sempre que falava de sua mãe, recordava o seu cantar enquanto fazia a lide caseira. De entre os muitos versos populares que a ouvia entoar, um dos mais preferidos, rezava assim:

 

Nasci nas praias do Mar

Ás fúrias do vento irado

Tinha por berço, uma lancha

Por lençol, o Céu estrelado

 

Rodrigo Duarte apercebeu-se de que o seu pequeno Alfredo tinha intuição para a música e queria que o filho aprendesse os rudimentos musicais.

Infelizmente, não viveu o suficiente para ver satisfeitos os seus desejos, porquanto aos 38 anos de idade a morte o ceifou, arrancando-o brutalmente do convívio dos seus entes queridos.

Foi o padre Santos Farinha quem, apesar da avançada idade, integrou o cortejo, a pé (como era hábito na época), que acompanhou o corpo do desditoso Rodrigo Duarte à sua última morada, o cemitério dos Prazeres, revelando a grande amizade que nutria pela família Duarte.

Aquele sarcedote, que seguia de perto o desabrochar do pequeno Alfredo, chegou a sugerir a seus pais, o envio deste para o seminário, pois via no jovem grandes capacidades.

Decorria o ano de 1905 e o pequeno Alfredo, então com 13 anos, profundamente abalado pela perda do pai, viu-se forçado a abandonar os estudos para começar a ganhar a vida, ajudando assim sua mãe a criar os seus irmãos mais jovens. A ida para o seminário ficava também fora de hipótese.

Infelizmente não chegou a haver condições de ter ficado com uma foto do pai.

 

© Vítor Duarte Marceneiro in “Recordar Alfredo Marceneiro”

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Orgulho-me das minhas origens
publicado por Vítor Marceneiro às 00:01
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009

DIA INTERNACINAL DA MÚSICA - 1 - 10 - 2009

Saúdo os músicos de todo o sempre...Como seria o Mundo   se não houvesse música...

Para homenagear este dia, tenho o prazer de apresentar novamente um vídeo clipe do meu querido amigo Maestro Rui Serôdio, interpretando o Fado Cravo (ou Viela) ao piano, como sabem do meu saudoso avô ALFREDO MARCENEIRO

 

 

 

No dia 20 de Setembro fiz uma página sobre a história deste Fado, e lamentei não ter o original cantado pelo meu avô, mas o meu amigo Fernando Pedroso tinha esta preciosidade nos seu arquivos, que tinha captado num programa de RDP.

É retirado de um disco de massa dos anos 40, pelo que a qualidade sonora não é a mais perfeita, é interessante verificar ainda, que os versos também foram encurtados, já tinha começado a exigência das editoras, que não queriam que os Fados tivessem mais de 3 minutos.

Alfredo Marceneiro

canta Fado Cravo

 

 

 

Aproveito também este dia para esclarecer umas dúvidas que sei têm alguns investigadores (embora nunca o discutissem comigo), sobre a origem/história de duas músicas da autoria de meu avô:

 

O FADO CUF

O FADO MARIA MARQUES

 

 

O Fado CUF, foi criado para um poema de Armando Neves, "O Marceneiro" , que ele considerava o seu cartão de visita cantado.

Foi feito em 1937 ou 1938, e Alfredo Marceneiro ainda era funcionário dos estaleiro navais, administrados por Alfredo da Silva (CUF).

Foi Casimiro Ramos o guitarrista que com ele ensaiou o tema e o ajudou simultaneamente no registo.

Praticamente na mesma altura Henrique Rego escreve-lhe o poema "A Minha Freguesia", em que Casimiro Ramos não tem dificuldades em lhe fazer uma música bem ao seu estilo o "Fado Margaridas", que algumas pessoas por vezes pensam que é de Marceneiro.

 NOTA: Quer o Fado CUF quer o Margaridas foram feitos nos anos 30, no entanto nos anos sessenta meu avô grava para a Casa Valentim de Cravalho ambos os Fados, só que pela razão que só ele saberia explicar, gravou o CUF no poema A Minha Freguesia, e o Margaridas no poema O Marceneiro.

Quanto ao Fado Maria Marques, o que passo a  expor, é a versão real.

Meu avô era um homem discreto, nunca lhe conheci uma namorada (ou amante como se dizia na época), e nem o meu pai ou meu tio alguam vez se referiram a este assunto.

Ora sabemos que Alfredo, era um homem que teve as suas aventuras, em jovem, teve filhos de três mulheres incluindo a minha avó.

Já quarentão decerto que teve as suas paixões, mas nunca se exibiu nem as exibiu. Já eu homem feito, contou-me que teve uma paixão por uma senhora, que  morava ali para o Chile. Foi por esta altura que me contou que tinha pedido ao seu compadre Henrique Rego, que lhe fizesse uns versos para dedicar a uma amiga (era um segredo deles), "O TEU VESTIDO AZUL" cantou os versos no seu estilo e nasceu mais um Fado em Versículo,  a que deu o nome de Maria Marques ( era o nome da tal senhora, que ninguém conhecia). Como havia uma fadista que se chamava Maria Marques, alguém associou o título a essa pessoa, mas   não foi assim, meu avô não tinha nenhuma ligação de amizade, ou outra, com essa fadista, para lhe dedicar um Fado.

 

Meu avô,  deixou de cantar este Fado, mas o meu tio Carlos cantava-o na Cesária e gravou para o Valentim de Carvalho, assim como eu também.

 Carlos Duarte

canta O teu Vestido Azul

 Vítor Duarte

canta O teu Vestido Azul

 

 

Meu pai sabedor da intencionalidade do poema ,  gostou do mote, mas achou que não o devia cantar, e pede ao Henrique Rego que lhe escreva um poema diferente, visando o mesmo tema  vestido/cor, e assim canta e grava  "Vestido Azul"  versos em quadras de Henrique Rego, mas na musica do Fado Pajem.

 Alfredo Duarte Júnior

canta Vestido Azul

 

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Fado Cravo
publicado por Vítor Marceneiro às 12:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 20 de Setembro de 2009

FADO CRAVO de Alfredo Marceneiro

O Fado Cravo, cuja música foi composta por Alfredo Marceneiro para um poema de Fernando Teles com o mesmo título, que infelizmente não possuo gravação pelo próprio, embora o cantasse bastante nos retiros e espectáculos, mas com maior assiduidade nas festas dos Santos Populares.

Trata-se de um Fado para versos em sextilhas. Mais tarde o Dr. Guilherme Pereira da Rosa escreve o poema "A Viela", para o repertório de Marceneiro, e este em boa hora decide  cantá-lo e gravá-lo nesta música, e assim a mesma passa também a ser conhecida também pelo Fado da Viela.

Esta música é considerada por muitos musicólogos a maior obra musical de Alfredo Marceneiro.

 

Há pouco tempo recuperei com a ajuda do meu amigo Fernando Batista do Porto, um EP que eu gravei em 1973. para os Discos Estúdio este e outos temas, mas neste caso decedi gravar com a música da Marcha de Alfredo de Marceneiro, neste disco sou acompanhado na guitarra portuguesa por António Chaínho e na Viola José Maria Nóbrega

 

Vítor Duarte Marceneiro

Canta: Fado Cravo

Letra de Fernando Teles

Música de Alfredo Marceneiro

  

 

" FADO CRAVO"

 

Foi em noite de luar

Na noite de São João

Que eu te vi, óh! minha amada

No baile foste meu par

E dei-te o meu coração

Foste minha namorada

 

                  Andámos na roda os dois

                  E saltamos á fogueira

                  Meu peito era uma brasa

                  Findou o baile e depois

                  Foste minha companheira

                  Levei-te p´ra minha casa

 

Nessa madrugada santa

Por meu mal me deste um cravo

No lado esquerdo o guardei

Minha paixão era tanta

Fui do teu capricho escravo

Eterno amor te jurei

 

                  Foram dias decorrendo

                  Semanas, um ano feito

                  De amor eu tinha a fragrância

                  Mas o cravo murchecendo

                  Revelava que o teu peito

                  Não tinha a mesma constância

 

Numa noite, ao conhecer

Mentira no teu amor

De raiva desfiz o cravo

Não mais quis por ti sofrer

Deitei fora a murcha flor

Deixei de ser teu escravo

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Fado Cravo de Fernando teles e Alfredo Marceneiro
publicado por Vítor Marceneiro às 23:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 6 de Abril de 2009

A CASA DA MARIQUINHAS- ALFREDO MARCENEIRO e VÌTOR MARCENEIRO

A CASA DA MARIQUINHAS

Foram muitos os temas que Alfredo Marceneiro cantou, mas, de entre todos eles, houve um que teve  grande êxito com versos  da autoria do grande jornalista e poeta Silva Tavares e que foi, aliás, considerado o "ex-libris" das suas criações, " A Casa da Mariquinhas".
 Todos os que o escutavam, eram unânimes em afirmar que os versos que Silva Tavares escreveu, quando cantados pelo Alfredo, "viam imagens reais". Marceneiro, numa ideia genial, decide  demonstrar a todos que, também no seu ofício, é um mestre e na escala de 1/10 constroi em madeira a Casa da Mariquinhas, recriando todos os pormenores que são descritos nos versos do fado.


 "CASA DA MARIQUINHAS"

 

                                         É numa rua bizarra 
                                         A casa da Mariquinhas
                                         Tem na sala uma guitarra
                                         Janelas com tabuínhas.

 

Vive com muitas amigas
Aquela de quem vos falo
E não há maior regalo
De vida de raparigas
É doida pelas cantigas
Como no campo a cigarra
Se canta o fado á guitarra
De comovida até chora
A casa alegre onde mora
É numa rua bizarra

 

                                                 Para se tornar notada
                                                 Usa coisas esquisitas
                                                 Muitas rendas, muitas fitas
                                                 Lenços de cor variada
                                                 Pretendida e desejada
                                                 Altiva como as rainhas
                                                 Ri das muitas, coitadinhas
                                                 Que a censuram rudemente
                                                 Por verem cheia de gente
                                                 A casa da Mariquinhas

 

É de aparência singela
Mas muito mal mobilada
No fundo não vale nada
O tudo da casa dela
No vão de cada janela
Sobre coluna, uma jarra
Colchas de chita com barra
Quadros de gosto magano
Em vez de ter um piano
Tem na sala uma guitarra

 

                                                  Para guardar o parco espólio
                                                  Um cofre forte comprou
                                                  E como o gás acabou
                                                  Ilumina-se a petróleo
                                                  Limpa as mobílias com óleo
                                                  De amêndoa doce e mesquinhas
                                                  Passam defronte as vizinhas
                                                  Para ver oque lá se passa
                                                  Mas ela tem por pirraça
                                                 Janelas com Tabuinhas

 

O tema  " A Casa da Mariquinhas ", teve tal êxito, que levou  outros poetas a se basearem nele, Linhares Barbosa, Carlos Conde e Dr. Lopes Victor,  compondo outras versões igualmente cantadas por Marceneiro:

O poeta João Linhares Barbosa, escreveu:


O LEILÃO DA MARIQUINHAS

 

                                        Ninguém sabe dizer nada
                                        Da famosa Mariquinhas
                                        A casa foi leiloada
                                        Venderam-lhe as tabuinhas

 

Ainda fresca e com gagé
Encontrei na Mouraria
A antiga Rosa Maria
E o Chico do Cachené
Fui-lhes falar, já se vê
E perguntei-lhes, de entrada
P´la Mariquinhas coitada?
Respondeu-me o Chico: e vê-la
Tenho querido saber dela
Ninguém sabe dizer nada.

 

                                                  E as outras suas amigas?
                                                  A Clotilde, a Júlia, a Alda
                                                  A Inês, a Berta e a Mafalda?
                                                  E as outras mais raparigas?
                                                  Aprendiam-lhe as cantigas
                                                  As mais ternas, coitadinhas
                                                  Formosas como andorinhas
                                                  Olhos e peitos em brasa
                                                  Que pena tenho da casa
                                                  Da formosa Mariquinhas.


Então o Chico apertado
Com perguntas, explicou-se
A vizinhança zangou-se
Fez um abaixo assinado,
Diziam que havia fado
Ali até de Madrugada
E a pobre foi intimada,
A sair, foi posta fora
E por more de uma penhora
A casa foi leiloada.

 

                                                 O Chico foi ao leilão
                                                 E arrematou a guitarra
                                                 O espelho a colcha com barra
                                                 O cofre forte e o fogão,
                                                 Como não houve gambão
                                                 Porque eram coisas mesquinhas
                                                 Trouxe um par de chinelinhas
                                                 O alvará e as bambinelas
                                                 E até das próprias janelas
                                                 Venderam-lhe as tabuinhas
.

 

 

Nota:ver o restante batando clicar na foto de Marceneiro no lado direito desta página ou em:

 
http://alfredomarceneiro.blogs.sapo.pt
Contacto com o autor: clicando aqui
música: A Casa da Mariquinhas e o Leilão da Mariquinhas
publicado por Vítor Marceneiro às 10:31
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

Alfredo Marceneiro.. A essência do Fado

QUE O FADO PERTENCE Á HISTÓRIA,

JÀ NÃO PODE SER NEGADO

O MARCENEIRO É A GlÓRIA

MAIS DIGNIFICANTE DO FADO

 

 

 

Foi no  dia 25 de Fevereiro de 1891,  há 118 anos que Alfredo Rodrigo Duarte foi registado na Conservatória do Registo Civil.

Nasceu em Lisboa na freguesia de Campo d'Ourique, faleceu em Lisboa a 26 de Junho 1982.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Que saudades avô
publicado por Vítor Marceneiro às 23:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

ALFREDO MARCENEIRO 1891 - 1982

 

 

"Universo musical, onde cabem, a dor, a saudade, a revolta e a esperança, o Fado tem a sua corte própria.

Foi neste mundo, à parte dentro do nosso mundo, que Alfredo Marceneiro cantou durante mais de meio século.

É neste mundo que ainda hoje, apesar de  já não estar entre nós, que ele ainda  ocupa, por direito próprio, o trono que é, como quem diz, a posição cimeira na memória dos fadistas e na história do Fado.

Como artista privilegiado que foi, Alfredo Marceneiro não se aprecia, venera-se. Velha relíquia do Fado, a sua memória  identifica-se com o próprio Fado que, na sua voz velada, ungida de sortilégio, soava como se fosse um gemido dolente, pleno de dor e de ternura. Alfredo Marceneiro foi um ídolo do seu tempo, mas hoje goza da mesma fama, da mesma extraordinária popularidade.

Alfredo Marceneiro foi o «Patriarca do Fado», como alguém o apelidou certo dia.

O rememorar episódios do seu tempo, como venho fazendo, é um serviço à actual geração, dando-lhe a conhecer aquele que é, por direito próprio, o primeiro entre os primeiros.

 

 

HOMENAGEM A ALFREDO MARCENEIRIO

 

Versos de Abílio Duarte (1960)

 


BATEM-ME Á PORTA QUEM É
NINGUÉM RESPONDE QUE MEDO
QUE EU TENHO DE ABRIR A PORTA
DEU MEIA-NOITE NA SÉ
QUEM VIRÁ TANTO EM SEGREDO
ACORDAR-ME A HORA MORTA

ESTA SEXTILHA FAMOSA
CANTADA POR UM FADISTA
QUE DOS MELHORES FOI O PRIMEIRO
TEVE UMA CARREIRA HONROSA
POIS FOI NO FADO UM ARTISTA
ESSE ALFREDO MARCENEIRO

CANTAR COMO ELE CANTOU
JAMAIS ALGUÉM CANTARÁ
DESSO TENHO EU A CERTEZA
É SAUDADE QUE FICOU
DECERTO PERDURARÁ
NA GERAÇÂO PORTUGUESA

SOU NOVO ISSO QUE IMPORTA
P'RA LEMBRAR O PIONEIRO
QUE FELIZMENTE OUVI
BATEM-ME Á PORTA QUEM É ?
DEU MEIA-NOITE NA SÈ
VERSOS QUE EU NUNCA ESQUECI

ESTES VERSOS BEM MODESTOS
PODEM CRER QUE SÂO HONESTOS
REPRESENTAM FADISTAGEM
SEM TER MOTIVO INTERESSEIRO
DEDICO-OS AO MARCENEIRO
PRETAM-LHE A MINHA HOMENAGEM

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:12
link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Fevereiro de 2009

INSIGNE MARCENEIRO

 

Homenagem de Euclides Cavaco a Alfredo Marceneiro (http://euclidescavaco.com/)

 

INSIGNE MARCENEIRO

 

 

O Alfredo Marceneiro

Ocupa lugar cimeiro

Na história do nosso fado

Seu notável contributo

Honra e dá estatuto

Ao património legado !...

 

                       Nobre fadista e autor

                       Compôs com todo o rigor

                       Fado... Que lhe ia na alma

                       De Lisboa insigne filho

                       Deu à noite vida e brilho

                       Com sua voz rouca e calma.

 

Despertava as madrugadas

Dessas noites bem passadas

Num estilo por si criado

Qual  peculiar   boné

Um cigarro e  cachené

Davam carisma ao seu fado.

 

                       Jamais será cotejado

                       Este gigante do fado

                       Que dele fez culto ledo

                       P’la sua garbosidade

                       Lembraremos com saudade

                       Para sempre o “Ti Alfredo”!...

 

Euclides Cavaco

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: ´Fado Pagem de Alfredo Marceneiro
publicado por Vítor Marceneiro às 19:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2009

ADÉLIA PEDROSA -

 

Adélia Pedrosa com Alfredo Marceneiro na Viela

Adélia Pedrosa canta

A ROSA E O CHICO

de Joaquim Pimentel

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: A Rosa e o Chico
publicado por Vítor Marceneiro às 13:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 13 de Dezembro de 2008

ALFREDO MARCENEIRO E O FADO VERSÍCULO

Esta foto é deveras histórica, pois foi tirada no Faia em 1953,  altura em que Linhares Barbosa escreve para o repertório de Berta Cardoso o "Fado Fracasso," uma letra em versículo. Berta que parcece estar a ouvir atentamente Linhares Barbosa assim como Marceneiro, lendo o poema,  que Berta vai óbviamente cantar na música do Fado Menor, com complemento de Versículo de Alfredo Marceneiro.

BERTA CARDOSO

canta FRACASSO

Letra de Linhares Barbosa

Música de Alfredo Marceneiro

 

 

 

Aliás esta parceria de poeta e compositor, já vinha dos anos 30 com o grande êxito que foi o Fado Pierrot (Letra) que levou Marceneiro a fazer a música a que deu o título de Fado Versículo, desde então para cá muitos poemas tem sido cantado com esta música, por muitos e conceituados interpretes.

Mais um exemplo também com poema de Linhares Barbosa, para o saudoso Manuel de Almeida (que também foi autor e compositor).

MANUEL DE ALMEIDA

canta SE O MUNDO DÁ TANTA VOLTA

Letra de Linhares Barbosa

Música de Alfredo Marceneiro

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Fado Fracasso e Fado SE o Mundo dá Tantas Voltas
publicado por Vítor Marceneiro às 21:43
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Setembro de 2008

Alfredo Marceneiro é só Fado....

QUE O FADO PERTENCE Á HISTÓRIA,

JÀ NÃO PODE SER NEGADO

O MARCENEIRO É A GlÓRIA

MAIS DIGNIFICANTE DO FADO

 

 

  

HOJE FORAM ACTUALIZADAS VÁRIAS PÁGINAS  DO BLOG

 

 

"ALFREDO MARCENEIRO é só fado..."

um Blog sobre a vida e obra de meu avô, Alfredo Marceneiro, tal como já o fiz em livros e video.

Espero a vossa vista e  que seja do vosso agrado, todos os comentários e sugestões são sempre bem recebidos.

 

http://alfredomarceneiro.no.sapo.pt/

 

http://alfredomarceneiro.blogs.sapo.pt/

 

Sobre este tema,  tenho montado um espectáculo/conferência, em que com a colaboração de outros fadistas, e com a ajuda de um diaporama projectado em video, se oferece um espectáculo com dignidade, e em que o Fado acontece, em moldes inéditos, espectáculo este, que tem merecido o agrado das entidades e organizações que nos têm contratado.

Para mais informações: fado.em.movimento@sapo.pt

Telefone 965240817

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Orgulhoso nas minhas Origens
publicado por Vítor Marceneiro às 00:57
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Terça-feira, 5 de Agosto de 2008

BLOG ALFREDO MARCENEIRO É SÓ FADO...

Acabei de começar a publicar um Blog exclusivo sobre a vida e obra de meu avô, Alfredo Marceneiro, tal como já o fiz em livros e video.Espero a vossa vista e  que seja do vosso agrado.

Todos os comentários e sugestões são sempre bem recebidos.

 

http://alfredomarceneiro.no.sapo.pt/

 

http://alfredomarceneiro.blogs.sapo.pt/

 

Sobre este tema,  tenho montado um espectáculo/conferência, em que com a colaboração de outros fadistas, e com a ajuda de um diaporama projectado em video, se oferece um espectáculo com dignidade, e em que o Fado acontece, em moldes inéditos, espectáculo este, que tem merecido o agrado das entidades e organizações que nos têm contratado.

PORTO, BRAGA, ALMEIRIM, ALGARVE, CADAVAL e ainda várias colectividades na área de Lisboa

Actuam comigo mais um fadista e uma fadista, assim como  guitarristas, sendo o som e animação do palco da nossa competência

Para mais informações: fado.em.movimento@sapo.pt

Telefone 965240817

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

Alfredo Marceneiro canta A Freguesia

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: QUE SAUDADES AVÔ
música: A Freguesia de Armando Neves e Casimiro Ramos
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Junho de 2008

ALFREDO MARCENEIRO - Comunicação da APAF, aos seus associados

Grande Noite do Fado próximo sábado dia 14

Cadaval homenageia

Alfredo Marceneiro

 

Participação dos nossos associados (APAF) 

FRANCISCO PINTÉUS (apresentação) e

VÍTOR DUARTE MARCENEIRO

que apresentará o seu diaporama sobre o avô e interpretará castiços fados.

 

 

O Clube Atlético do Cadaval irá acolher, no próximo dia 14 de Junho, pelas 22h00, com o apoio da Câmara Municipal do Cadaval, uma Grande Noite de Fado, numa iniciativa que pretende constituir uma homenagem a Alfredo Marceneiro, incontornável figura do fado, de origens cadavalenses.

A apresentação deste espectáculo, consagrado a uma das mais ilustres figuras do fado, Alfredo Duarte Marceneiro, filho de pais cadavalenses, ficará a cargo de Vítor Duarte Marceneiro, neto do homenageado, e de Francisco Pintéus, da comissão para a criação da “Associação Alfredo Marceneiro”, por sua vez projectada para a vila do Cadaval.

Este tributo ao ícone do fado que celebrizou “A Casa da Mariquinhas” contará com a participação especial de Rodrigo e de outros fadistas convidados, cujo acompanhamento ficará a cargo de Luís Ribeiro, à guitarra portuguesa, e de Jaime Martins, à viola.      

A iniciativa contará, também, com a especial participação de Ruy de Matos, encenador reformado do teatro nacional, que, para além de assegurar a cenografia do espectáculo, proporcionará declamação de poesia alusiva ao Fado.                      

O espectáculo, que sucede 26 anos após o desaparecimento de Alfredo Marceneiro,  decorrerá na vila do Cadaval, mais propriamente no Pavilhão Augusto Simões, junto ao Campo de Jogos Municipal.

 

NOTÍCIA DA LUSA  

 

Lisboa, 10 Jun (Lusa) - O fadista e compositor de fado Alfredo Marceneiro é tema de uma noite de fados, no próximo sábado, no Cadaval, terra dos seus pais, numa iniciativa da associação em formação que ostentará o seu nome. "Filho de cadavalenses, é intenção de um grupo de apreciadores de fado desta região constituir uma associação que valorize activamente a obra do grande criador que foi Alfredo Marceneiro", disse à Lusa Francisco Pintéus, da comissão instaladora da Associação Alfredo Marceneiro (AAM). "Outro objectivo da associação é distinguir anual ou bi-anualmente um disco de fado ou uma criação fadista com o Prémio Alfredo Marceneiro, a exemplo do que acontece com os prémios José Afonso e Carlos Paredes, respectivamente na Amadora e Vila Franca de Xira", acrescentou. Para Pintéus, “figura maior do fado, Alfredo Marceneiro nem sempre tem tido o destaque que merece”. A AAM "tem ainda como objectivo constituir um acervo documental sobre o fadista, bem como um núcleo musológico, estando activamente a trabalhar com familiares seus", acrescentou. A noite de fados de sábado decorrerá no Pavilhão Augusto Simões, sendo a primeira parte preenchida pela exibição de um diaporama sobre a vida e obra do criador de "A casa da Mariquinhas", de autoria do seu neto Vítor Duarte Marceneiro, distinguido este ano com o Prémio Amália Rodrigues de Ensaio e Divulgação.

Autor de dois livros sobre Alfredo Marceneiro, uma biografia de Hermínia Silva e do blog - http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt -, Vítor Duarte Marceneiro interpretará, no espectáculo do Cadaval, fados celebrizados pelo seu avô. Participam ainda na noite de fados João Paulo, Miraldina, Luísa Soares e Manuel Domingos (Prémio Amália Fado Amador 2006), entre outros, sendo acompanhados por Luís Ribeiro, à guitarra portuguesa, e Jaime Martins, à viola. Alfredo Marceneiro faleceu há 26 anos, em Lisboa, cidade onde nasceu, mas segundo o seu neto e biógrafo "foi gerado no Cadaval". Alfredo Marceneiro é autor de dezenas de composições de fados, entre elas, "fado cravo" e "fado versículo". As suas músicas continuam hoje a ser cantadas com novos poemas, como sucedeu no novo álbum de Camané, intitulado “Sempre de mim”. Entre os seus êxitos cite-se, "A Lucinda camareira" (Henrique Rêgo/A. Marceneiro), "A casa da Mariquinhas" (Silva Tavares/A. Marceneiro), "Conceito" (Carlos Conde/A. Marceneiro), "Ser fadista" (Armando Neves/A: Marceneiro), ou "Cabelo branco" (H. Rego/A. Marceneiro). Alfredo Marceneiro teve uma longa carreira, que abrangeu praticamente todo o século XX, tendo-se distinguido como estilista [forma de variar dentro da mesma linha melódica] e compositor. Cantou dos bailes de bairro, nos cafés de camareiras e retiros até às casas de fado. Deixou numerosos discos, de que se destaca "The fabulous Marceneiro", mas escassos registos televisivos.

NL. Lusa

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 09:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008

FADO VERSÍCULO - SIC 1º JORNAL DE HOJE - depoimentos

 

 

Como é possivel que o Maestro Pedro Osório, Presidente da Sociedade Portuguesa de Autores, tome esta posição, quando a própria SPA, me informa que está a ser elaborado o processo, e que irá para os serviços jurídicos!

 

Transcrevo os "mails" enviados

 


 

-----Mensagem original-----
De: Vitor Duarte Marceneiro [mailto:marceneiro@sapo.pt]
Enviada: quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2008 10:26
Para: grandes.direitos@spautores.pt
Assunto: att: Ana Brasinha
Cara Amiga
Mando-lhe o texto que coloquei no meu blog e mais um que foi publicado no portal do fado.
Mando ainda as comparações musicais, que explicam a má fé e desonestidade do Sr. Carlos do Carmo neste assunto.

-----Mensagem original-----

De: Vitor Duarte Marceneiro [mailto:marceneiro@sapo.pt]

Enviada: quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008 22:34

Para: grandes.direitos@spautores.pt

Assunto: Fado Versículo de Alfredo Marceneieo

  

Caros amigos

Após a minha exposição pelo telefone e envio de "mails", sobre a usurpação dos direitos de uma música de meu avô.Fui informado via telefone que o processo estava em formação, para seguir para os serviços os juridicos. Tive hoje a supresa de ver numa peça de reportagem do 1º Jornal na Sic, em que sou entrevistado, que foi também entrevistado o Exmº Senhor Presidente da SPA, Maestro Pedro Osório, em que dà já uma opinião/decisão nessa qualidade! (ver video no meu blog).

Nenhum dos herdeiros teve qualquer resposta á nossa justa reenvidicação.

Agradeço esclarecimento sobre este assunto, com a maior brevidade possivel.

Atentamente

Vítor Manuel de Azevedo Duarte

Herdeiro de Alfredo Marceneiro

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 23:27
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags