Domingo, 27 de Março de 2016

DIA MUNDIAL DO TEATRO - 27 de Março de 2016 - LEMBRAR....O Maria Vitória, o que se passa

Isto publiquei em Julho de 2011... houve algum seguimento? Amigo Helder Freire, algo vai mal também do vosso lado? Tudo me leva a crer que é mais importante o protagonismos de algumas pessoas (sempre os mesmos) do que avançar com a recuperação..!!??
 
Fórum Cidadania defende Maria Vitória como "templo da revista"
Lisboa, 25 Jan (Lusa) - O Fórum Cidadania Lisboa apresentou ao concurso de ideias para o Parque Mayer um projecto que prevê a manutenção do Maria Vitória como teatro para revista e a transformação do Palacete Ribeiro da Cunha num hotel de charme.
    O prazo para entrega de candidaturas para o concurso de ideias do Parque Mayer e zona envolvente promovido pela Câmara de Lisboa termina hoje, e a partir dos melhores projectos será elaborado o plano de pormenor para a zona.
    A proposta da associação de cidadãos Fórum Cidadania Lisboa prevê a demolição do teatro ABC , a totalidade dos restaurantes, os acrescentos ao teatro Capitólio, o anexo que tapa a fachada sul do Teatro Maria Vitória e o antigo guarda-roupa Paiva.
   
O Fórum Cidadania Lisboa defende a reabilitação do Capitólio, segundo o projecto original do arquitecto Cristino da Silva, preparado para projecção de Cinema, avançando com a possibilidade de instalação de um núcleo do Museu de Cinema (Cinemateca).
    O Teatro Variedades é visto como uma boa “sala polivalente, preparada para teatro, concertos de jazz, ensaios da Companhia de Bailado de Lisboa, locais de ensaios de coros”.
    O Teatro Maria Vitória deve, segundo o Fórum Cidadania Lisboa, manter-se como “templo da revista”, “100 por cento afecto ao teatro de revista”. 
 
   A associação propõe que seja instalada no Parque Mayer uma “loja âncora multimédia/livraria” para o local do teatro ABC .
    Na zona ocupada pelo guarda-roupa Paiva, é proposta a instalação de galerias de arte.
    Para o Palacete Ribeiro da Cunha, na zona envolvente ao Parque Mayer, a associação defende a “abertura de um hotel verdadeiramente de ‘charme’, sem esventramento dos jardins”.
    Este palacete está em processo de classificação no IGESPAR (Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico), e já está abrangido pela Zona Especial de Protecção da Mãe de Água e do Jardim Botânico.
    O Fórum Cidadania defende a “construção de um parque de estacionamento subterrâneo no actual parque à superfície da Rua do Salitre, com capacidade para 300 viaturas, e estacionamento à superfície, com plantação de árvores em caldeira”.
    A associação é contra a construção de um parque de estacionamento da Avenida da Liberdade, à entrada do Parque Mayer, como é defendido no PUALZE ( Plano de Urbanização da Avenida da Liberdade e Zona Envolvente), nem no próprio recinto.
    Segundo o Fórum Cidadania há “três perigos potenciais” de fazer um estacionamento subterrâneo no Parque Mayer: “o cruzamento do túnel ferroviário do Rossio, a existência de lençóis freáticos e impacto nas espécies do Jardim Botânico”
Lusa - ACL .
 
Provavelmente, alguém falou também em criar um espaço para dar "Fado", mas como o espaço que restava era minúsculo , ficava junto aos urinóis , acharam por bem nem  sequer o referir. Outros terão levado em consideração que, o Fado poderia trazer ao novo espaço mais sofisticado, "a ralé" que "bate o Fado", isto em relação ao Fado na sua vertente original, ou ainda àqueles que com eu,  se lembram das farturas, das barracas dos tirinhos e dos carrosséis , etc. 
Em relação ao Fado dos "concertos" encaixa-se perfeitamente ao lado do Jazz, nos Bailados, no Flamenco e nos Fados do "investigador!!!" de Fado,  Carlos Saura, e do cantor Carlos do Carmo (veja-se a sua obra prima no filme Fados)

Nota: Este texto é pura ficção , qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência e, é da minha inteira responsabilidade — Vítor Duarte Marceneiro — obviamente que estou solidário com a recuperação do Parque Mayer, mas não haver uma referência ao Fado, na utilização dos espaços, dá-me vontade de.... não digo mais nada

 

           

           

 

 

Recordamos mais uma vez quem foi Maria Vitória

 

MARIA VITÓRIA, foi outra artista do teatro idolatrada pelo público e que tam ­bém se acompanhava à guitarra. Nasceu em Málaga em 3-3-1888, mas veio em criança com a mãe para Lisboa, cidade onde foi educada num convento de freiras.

Com uma bonita figura, morena, olhos e cabelos negros, estava, porém, talhada para uma vida turbulenta e efémera, tal como Júlia Mendes, devido ao seu temperamento em que sentimentalismo e sensualidade se misturavam, prevalecendo sobre os princípios em que se iniciara. Optando pelo caminho da boémia, do desregramento, vivendo dema­siadamente depressa, sacrificou a sua juventude generosa imolando-se aos 27 anos quando se encontrava no apogeu de uma prometedora carreira de actriz e de fadista.

Andou pelas feiras em pândegas e noitadas até que surgiu a cantar o fado na taber­na Flor da Boémia, da Travessa da Espera, n.o 11, de que era proprietário um tal Joaquim Rato, que foi um dos seus vários amantes. E logo aí deu origem a um drama, porquanto um filho do Rato, apaixonando-se por ela e não sendo correspondido, viria a morrer tuberculoso.

Criando à sua volta uma roda de admiradores, Maria Vitória estrear-se-ia como actriz em 1908 no Casino de Santos, donde transitou para o Salão Fantástico e daí para o Teatro da Rua dos Condes, à porta do qual foi protagonista de uma célebre cena de ciúmes em que a rival, outra actriz então em voga, lhe sofreu os desabrimentos de mu­lher temperamental e impulsiva.

Contratada pelo empresário Luís Galhardo, actuou, em 1913, na revista "O 31", levada à cena no Teatro Avenida, onde desempenhou os papéis de Estúrdia, de Alzira Fadista (3) e de Guines do dueto Arco de Santo André. O seu grande sucesso foi, então, o Fado do 31, cuja popularidade transpôs as fronteiras e se estendeu até à Espanha.

Minada pela tuberculose, depois de uma breve passagem pelo Caramulo donde fugiu para voltar para o teatro, Maria Vitória, cuja carreira teatral não foi além de sete anos, viria a falecer na sua residência da Rua de Nova da Piedade, n.o 1-r/c, em 30-4-1915, sendo inumada no cemitério de Benfica.

Desaparecida do palco da vida, com o decorrer do tempo ela havia de se transfor­mar numa figura lendária, celebrada como actriz (que deu o nome a um teatro do Parque Mayer, inaugurado em 1922) e como fadista afamada (a quem o cantador Francisco Viana dera em 1908 lições de canto), intérprete de fados que tiveram enorme audiência.

Entronizada como cantadeira que deu brado teve, naturalmente, o seu Fado Maria Vitória, com letra de Pereira Coelho e música de Alves Coelho, os mesmos autores do Fado do 31.

Na reabertura em Fevereiro de 1990 , o teatro foi acossado por um violento incêndio, que o  destruiu. Na inauguração a figura de Maria Vitória foi recriada por Marina Mota.

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 15:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags