Terça-feira, 22 de Abril de 2014

HÁ FESTA NA MOURARIA- Um título.. Dois Autores

 

 

Quadro do Mestre Real Bordalo - Arco do Alegrete e Palácio do Marquês do Alegrete - Portas da Mouraria

 

A quem estiver nteressado, vou tentar resolver a “confusão” que existe à volta do Fado:

«HÁ FESTA NA MOURARIA».

 

Nos meados dos anos 20 do século passado, Gabriel de Oliveira -   O Poeta Marujo – escreve uma letra de fado com o título:  SENHORA DA SAÚDE, que dá em primeira mão a Alfredo Marceneiro, para o seu repertório, que este,  a canta com a música “A Marcha do Marceneiro” , como ele próprio o afirmou.

 

SENHORA DA SAÚDE

 

Poema: Gabriel de Oliveira

Música: Alfredo Marceneiro

 

Há festa na Mouraria,
É dia da procissão
Da Senhora da Saúde.
Até a Rosa Maria,
Da Rua do Capelão,
Parece que tem virtude.

 

                                            Naquele bairro fadista,

                                            Calaram-se as guitarradas.

                                            Não se canta nesse dia;

                                            Velha tradição bairrista:

                                            Vibram no ar badaladas

                                             Há festa na Mouraria

 

Colchas ricas nas janelas,
Pétalas soltas no chão,
Almas crentes, povo rude.
Anda a fé pelas vielas,
É dia da procissão
Da Senhora da Saúde.

 

                                             Após um curto rumor,
                                             Profundo silêncio pesa,
                                             Por sobre o Largo da Guia.
                                             Passa a Virgem no andor,
                                             Tudo se ajoelha e reza,
                                             Até a Rosa Maria.

 

Como que petrificada,
Em fervorosa oração,
É tal a sua atitude,
Que a rosa já desfolhada,
Da Rua do Capelão,
Parece que tem virtude.

 

 

 

Amália canta  e grava a que a versão a que dão o título,  Há Festa na Mouraria, em vez de Senhora da Saúde, que esta sim, são de versos de Gabriel de Oliveira, também  na música da Marcha de Alfredo Marceneiro.

Mais fadistas o começam a cantar, mas como Gabriel de Oliveira, não se faz sócio da Sociedade de Autores, consequentemente não há registo, pelo que o título passa a ser por desconhecimento dos actuantes, alterado, (fenómeno que ainda hoje acontece, quer com  poemas quer com  músicas), e passa a ser conhecido por “Há Festa na Mouraria” Em 1933 Alberto Costa canta este tema todas as noites, no Teatro Maria Victória, onde obtém grande êxito.

No final dos anos vinte do século passado é registado na Sociedade de Autores um poema com o título de Há Festa na Mouraria, um glosamento da primeira sextilha da versão de Gabriel de Oliveira, da autoria de António Correia Pinto de Almeida, que usa o pseudónimo de António Amargo, amigo de Gabriel Araújo, que também ofereceu a Alfredo Marceneiro, para o seu repertório, propondo a música para sextilhas,  da autoria de Jose Marques (Piscalarete) (autor do Fado triplicado), mas que Marceneiro decide gravar na sua marcha.

 

 

HÁ FESTA NA MOURARIA

 

 

Letra de: António Amargo

Música de Alfredo Marceneiro

 

                                         Desde manhã os fadistas

                                         Jaquetão calça esticada

                                         Se aprumam com galhardia

                                         Seguem as praxes bairristas

                                         É data santificada

                                         Há festa na Mouraria

 

Toda aquela que se preza

De fumar falar calão

Pôr em praça a juventude

Nessa manhã chora e reza

É dia da procissão

Da Senhora da Saúde

 

                                         Nas vielas do pecado

                                         Reina a paz tranquila e santa

                                         Vive uma doce alegria

                                         À noite é noite de fado

                                         Tudo toca tudo canta

                                         Até a Rosa Maria

 

A chorar de arrependida

A cantar com devoção

Numa voz fadista e rude

E aquela Rosa perdida

Da Rua do Capelão

Parece que tem virtude

 

Nos anos sessenta a editora “Valentim de Carvalho” produz o LP “Há Festa na Mouraria” em que Alfredo Marceneiro grava o poema, da autoria de António Amargo, porque embora ele fosse o criador  da versão de Gabriel de Oliveira, como já se explicou, esta já tinha sido gravada por Amália Rodrigues e outros, e Marceneiro não quer gravar o que os outros já gravaram.

Em 1995 no meu livro mono-biográfico Recordar Alfredo Marceneiro, o poema que transcrevo é o tema de António Amargo, que ele na realidade gravou.

Acontece que há registos, em que se canta os versos de Gabriel de Oliveira, e que os créditos são dados a António Amargo!, e vice-versa

Posso afirmar com bastante credibilidade, que António Amargo, em nada contribuiu  para esta confusão, a razão principal, tem a ver  com de Gabriel de Oliveira, que  não ter registado a sua versão.

António Amargo, foi poeta e escritor, faleceu em 1933, é de salientar que era muito, quer de Gabriel de Oliveira, não existiu nenhuma quezília entre eles, e foi também amigo de Alfredo Marceneiro.

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fado Tradicional
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De transportadora a 3 de Março de 2009 às 16:58
Interessante!
De Mudanças a 21 de Abril de 2009 às 18:54
rsr mto bom!!!
De transportadora a 8 de Junho de 2009 às 18:26
Very good
De Mudanças a 12 de Junho de 2009 às 20:55
Muito interessante
De António Cruz a 29 de Outubro de 2011 às 14:38
Amigo Vítor:

- Parabéns, por este valioso contributo para o esclarecimento de um facto que há muito me intrigava!

Aproveito para fazer uma pequena correcção:

- O autor do Fado Triplicado, é o saudoso guitarrista José Marques (Piscalarete) (1899-1967).

Mais uma vez, obrigado pelo valioso contributo que vem dando ao nosso Fado!

Saudações fadistas!

António Cruz

Saudações fadistas

De Fernando Silva a 14 de Outubro de 2013 às 00:48
Quero agradecer ao amigo Vítor, a explicação clara aqui no seu blog da "discussão" dos poemas "Senhora da Saúde" e "Há Festa na Mouraria", doravante já saberei anunciar A. Amargo como autor do segundo poema que o avô do meu amigo tão bem interpretava na sua Marcha.
Costumo frequentar o Pátio 24, em Almada, onde tive o grato prazer de conhecer o meu amigo. Boas investigações e muita saúde. Obrigado
De Vítor Marceneiro a 15 de Outubro de 2013 às 09:24
Não tem de agradecer amigo, obrigado pelas suas simpáticas palavras. Um abraço. Vítor Marceneiro

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags